1.714 pacientes morreram nas unidades municipais de São Luís em 2013; média é de 5 mortos por dia

Número de mortes é elevado em unidades do município

Número de mortes é elevado em unidades do município atesta documento CNES

Itevaldo Júnior – Dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) – base dos Sistemas de Informações em Saúde – revela que 1.714 pacientes foram a óbito em unidades de Saúde da Prefeitura de São Luís, entre janeiro e novembro de 2013.

Pelos números do CNES morreram, em média, cinco pacientes por dia nas unidades municipais de Saúde, entre janeiro e novembro do ano passado. A média mensal ficou em 156 pessoas.

No Hospital Djalma Marques (Socorrão I) e o Clementino Moura (Socorrão II) morreram 922 e 715 pacientes respectivamente. O Socorrão I teve uma média mensal de 84 mortos entre janeiro e novembro de 2013.

Em maio de 2013, a Secretaria Municipal de Saúde diz que realizou melhorias no Hospital da Criança Dr. Odorico Amaral de Matos, mas não foram suficientes para tirar a unidade da terceira colocação em número de óbitos da rede municipal de saúde.

Entre janeiro e dezembro do ano passado, 31 pacientes morreram no Hospital da Criança. Na quarta posição, aparece a Unidade Mista do Bequimão com 23 óbitos e a Unidade Mista do Itaqui Bacanga com 15 mortos.

10 ideias sobre “1.714 pacientes morreram nas unidades municipais de São Luís em 2013; média é de 5 mortos por dia

  1. É preciso antes de divulgar esta informação verificar a causa da morte. Não pode ser leviano em atribuir todas as mortes nas unidades municipais por negligência.

    • Alguém falou em negligência no texto? O texto apenas revela dados do Ministério da Saúde. Não se fez aqui qualquer juízo de valor em relação às circunstâncias em que ocorreram a morte. Não duvido que tenha havido morte por negligência, mas em momento algum isso foi citado no texto…

  2. quais foram as causas das mortes? se um relatório tem um número tao exato deve ter a causa das mortes, né? e pq nao foi divulgado isso? e vc não precisaria divulgar as causas uma por uma, faria apenas o resumo. quer ter credibilidade com o leitor entao faça o trabalho direito, nao faça pela metade.

    • O relatório não apresenta causas de morte, e esse foi um dos motivos de eu não ter feito qualquer juízo de valor. É fato e precisa ser divulgado. Simples assim…

  3. Mais da metade com certeza são oriundos do interior do Estado, onde nosso querido Secretário Britânico deixa o povo vir morrer em São Luis. E outra, o ferido gravemente vai morrer onde? Em um bar? Me poupe!

    • São Luís recebe R$ 70 milhões do SUS para atender pacientes do interior. E não quis abrir de mão de jeito nenhum dos recursos. Poderia ter passado a responsabilidade para o Estado. Essa “desculpinha” não cola mais…

  4. É UMA IRRESPONSABILIDADE TOTAL divulgar esses dados assim. Voce esta imputando à prefeitura ttodas as mortes ocorridas nas unidades municipais de saude sendo que NEM TODAS ELAS estao relacionadas com ausencia de atendimento ou omissao. Voce esta pondo em cheque o trabalho de varios profisisonais da saude que se esforçam dentro daquele hospital para melhor atender apesar das dificuldades!!! Isso não é jornalismo!!!! Tem gente que chega la praticamente morto por bala, por facada, por traumatismo craniano e agora TODAS ESSAS MORTES SAO CULPA DA PREFEITURA??????
    QUE TOSCO!
    QUE BURRICE! OU MELHOR: QUE DISPOSIÇÃO PARA LUDIBRIAR AS PESSOAS! NADA ETICO!

    • Mais uma vez: Giorlan, burro deve ser você,que não sabe ler ou interpretar texto. O texto é informativo, apresenta os dados de um relatório do Ministério da Saúde. E o relatório apenas informa as mortes que ocorreram nas unidades de saúde do Município dentro de um determinado período. Isso é fato. Não há um questionamento sequer no texto sobre quem seriam o culpado. Não há sequer uma linha no texto que fale em omissão, ou questione o atendimento nas referidas unidades. Mais a tua incapacidade de leitura é tão grande, que tu não consegues enxergar isso. Fazer o que? Volte para a escola…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *