Edivaldo mais uma vez, na base da pressão…

Edivaldo paga contratados da Multicooper depois de 28 dias de pressão

Edivaldo paga contratados da Multicooper depois de 28 dias de pressão

Sem confetes. A Prefeitura de São Luís anunciou que dará início hoje ao pagamento de 771 cooperados e terceirizados da Secretaria Municipal de Educação (Semed). Até aí tudo bem, é até louvável a atitude do prefeito, que honra com o compromisso e põe fim – assim espera-se -, a uma angústia que já durava mais de 3 anos. Os 771 trabalhadores estavam sem receber desde a gestão João Castelo (PSDB), rejeitado pela população na eleição de 2012.

O que chama a atenção é o fato de alguns setores da imprensa agora quererem jogar confetes em Edivaldo Holanda Júnior (PTC), que agiu unicamente por pressão, o que virou rotina em seu governo.

Os trabalhadores que agora devem ser ressarcidos de meses de trabalho não remunerado, foram obrigados a se submeter a humilhação na porta da Prefeitura de São Luís, num protesto que foi iniciado no dia 18 de dezembro de 2013.

“Acampados” na rua e expostos diariamente a sol e chuva, pais e mães de família – desrespeitados por todo esse tempo -, denunciaram inclusive terem sido vítima de ameaça por parte de um delegado de Polícia, que trabalhou no gabinete de Edivaldo Holanda, o pai, na Assembleia Legislativa.

Foram sujeitos aos mais diversos ataques por setores da mídia holandista – que acusaram o grupo de movimento político supostamente liderado pelo vereador Fábio Câmara (PMDB) -, e em diversas oportunidades foram impedidos de terem acesso à administração municipal. Por muito ficaram sem respostas

Leia também: Gestão de Holandinha só pega no “tranco”… blog do Marco D’Eça

A humilhação somente chegou ao fim, por que o prefeito só age quando pressionado. Em outros casos ele foge de São Luís [relembre aqui]. Na base da “pressão” Edivaldo resolveu o problema do Programa do Leite nas Escolas [reveja aqui], após manifestação pública de pais de estudantes da rede municipal; foi assim também em relação à pelo menos duas paralisações de advertência de profissionais da Saúde no Socorrão I no ano passado. Os funcionários pediam melhores condições de trabalho e a saída de Yglesio Moyses. Da mesma forma ocorreu em relação a diversos serviços feitos pela Prefeitura de pavimentação e drenagem em bairros da periferia, que somente ocorreram após protestos da população.

Edivaldo não age antecipadamente ou de forma planejada, jamais apresentou um programa de Governo e apenas fracassou nos primeiros 12 meses de gestão. E o pagamento de profissionais que prestaram serviços para a Prefeitura somente agora, após 28 dias de “acampamento” em frente a Prefeitura, foi só mais uma prova disso. O resto, é confete.

2 ideias sobre “Edivaldo mais uma vez, na base da pressão…

  1. Talvez a imprensa esteja divulgando positivamente o pagamento feito por Edivaldo, pois há vários casos de gestores que não cumprem acordos. Mas quem deve está felizes são os cooperados, pois o débito vem desde a gestão de Caostelo.

  2. O povo parece nunca está satisfeito se não pagasse era pq era um mau gestor. Se paga paga, só o fez pela pressão. Não entendo, o papel da sociedade é cobrar políticas públicas eficientes. Ao menos Holandinha vai cumprir com o acordo que Castelo sequer deu atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *