Destituição de Jereissati não atinge o comando do PSDB no Maranhão, diz Rocha

O presidente da Comissão Interventora do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) no Maranhão, senador Roberto Rocha, rechaçou qualquer impacto na estrutura estadual da sigla, com a decisão do comando nacional do partido de destituição de Tasso Jereissati. O secretário geral da legenda, Sebastião Madeira, também negou qualquer possibilidade de mudança na sigla.

Candidato a presidente nacional do PSDB, Tasso Jereissati foi destituído do posto pelo senador Aécio Neves, que argumentou a necessidade de manutenção da isonomia e equilíbrio entre os candidatos no pleito.

Foi Tasso quem destituiu, no início da semana, o vice-governador do Maranhão Carlos Brandão, do comando estadual do partido e nomeou a Comissão Interventora.

“Essa decisão é para dar maior imparcialidade no processo de eleição interna, daqui a 30 dias, quando será eleito o próximo presidente nacional do PSDB. Não interfere em nada no processo de intervenção feito no Maranhão”, disse Roberto Rocha.

O ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, que foi quem costurou a intervenção nacional feita por Jereissati no diretório estadual do partido, também desqualificou qualquer possibilidade de impacto no estado.

“A saída do Tasso não muda absolutamente nada no Maranhão. A decisão de intervenção nacional já está tomada e o senador Aécio Neves foi favorável. Portanto, nada muda”, assegurou.
Ele lembrou que após a eleição nacional da sigla a Comissão Interventora do Maranhão aguardará a decisão do comando partidário para tomar providências na sigla.

Intervenção – A decisão do senador Aécio Neves de destituição de Tasso Jereissati do comando do PSDB ganhou repercussão da mídia nacional ontem.

Portais que fazem a cobertura política de Brasília apontaram desentendimento entre Tasso e Aécio, a um mês da eleição para o novo comando da legenda.

Neves nomeou o ex-governador de São Paulo, Alberto Goldman para a presidência nacional dos tucanos.

A informação de bastidores é de que Aécio e Tasso tiveram uma conversa ríspida no início da tarde de ontem, após o senador ter pedido para que Tasso entregasse o cargo. O então presidente disse que preferia que a decisão partisse do próprio Aécio.

A instabilidade no PSDB nacional está na disputa entre a ala que defende continuidade da aliança com o presidente Michel Temer (PMDB) [Aécio] e o grupo que quer o afastamento do peemedebista.

Além de Jereissati, que já lançou oficialmente a sua candidatura, o governador de Goiás, Marconi Perillo disputa a presidência do partido.

Com informações de O Estado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *