Discurso de Márcio Jerry comprometeu Flávio Dino

Gilberto Léda – Foi um discurso do seu fiel escudeiro, Márcio Jerry, o que mais comprometeu o governador Flávio Dino (PCdoB), agora declarado inelegível pela juíza Anelise Nogueira Reginato, da 8ª Zona Eleitoral de Coroatá.

Durante um comício promovido pelo então candidato a prefeito Luís Filho (PT), em 2016, Jerry afirmou que falava em nome do governador, que os comunistas empenhavam apoio aos então candidatos a prefeito e vice-prefeito e que, em razão disso, o asfaltamento da cidade chegaria “com as eleições do (…) dia dois de outubro”.

Disse mais o então secretário de Estado: que a aliança do prefeito com o governador do Estado é que faria com que “as ações se intensifiquem, possa invadir mais áreas criando um novo movimento na vida do povo de Coroatá”.

“Logo, depreende-se claramente de toda a manifestação feita pelo representado Marcio Jerry que o asfaltamento do município de Coroatá somente teria continuidade se fosse eleito prefeito do município o representado Luís Mendes ferreira Filho”, destacou a juíza ao decidir sobre o caso.

Ela também pontuou uma fala do próprio governador, condicionando obras e ações do Executivo na cidade à eleição dos aliados Luís Filho e Domingos Alberto.

“Destaco, por ser muito oportuno, que o governador do Estado disse, como se vê na degravação de fls. 67, que ‘Coroatá precisa pra ter as portas do palácio dos Leões abertas é esse que está aqui do meu lado, é esse candidato esse amigo é esse companheiro’ [referindo-se ao representado Luís Mendes ferreira Filho), condicionando o empenho do Governo do Estado ao Município de Coroatá à eleição do representado Luís Mendes Ferreira Filho”, completou.

Anelise Reginato acrescentou que Flávio Dino não contestou a denúncia de que Jerry falava em seu nome.

“Em nenhum momento o representado Flávio Dino disse ou provou que o representado Marcio Jerry não falava em seu nome ou que a voz contida nas mídias degravadas não eram sua do representado Marcio Jerry, não disse que as gravações eram falsas, que eram montagem ou coisa que o valha”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *