Escutec: Sarney Filho e Zé Reinaldo lideram a disputa para o Senado

O ministro do Meio Ambiente Sarney Filho (PV) e o deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB), lideram a pesquisa de intenções de votos do instituto Escutec, divulgada hoje.

Sarney Filho aparece em primeiro lugar com 13% das intenções de votos; José Reinaldo, segundo colocado, tem 10,8%. Na terceira colocação está o ex-deputado Gastão Vieira com 10%.

Logo em seguida está suplente de senador Lobão Filho (PMDB), com 9,2% da preferência do eleitorado; Waldir Maranhão (PP), com 6,3%; Weverton Rocha (PDT), com 6,2% e Clóvis Fecury (sem partido), com 2,1%.

No quesito “nenhum deles”, 28,5% dos eleitores assinalaram e ouros 13,9% não souberam ou não responderam a pesquisa, que foi realizada em 80 municípios e ouviu 2034 eleitores.

Escutec: Roseana aparece com vantagem de 7 pontos sobre Flávio Dino

O instituto Escutc divulgou somente hoje uma pesquisa de intenções de votos contratada pelo PMDB, que aponta vantagem da ex-governadora Roseana Sarney sobre o governador Flávio Dino (PCdoB).

O levantamento coloca Roseana Sarney com 32,9% das intenções de votos, contra 25,9% de Flávio Dino. São exatos sete pontos de vantagem.

Na terceira colocação aparece o deputado estadual Eduardo Braide (PMN), com 11,4% e logo em seguida o senador Roberto Rocha (PSB), com 6,6%. Maura Jorge é a última colocada, com 2,5% da preferência do eleitorado.

Ao todo, 12,6% dos entrevistados afirmaram não votar em nenhum dos candidatos listados e 8,1% não souberam ou não responderam.

A pesquisa Escutec ouviu 2034 eleitores em 80 municípios do Maranhão.

Definição no PSDB: Brandão atento aos cenários

O presidente do PSDB no Maranhão, vice-governador do Estado, Carlos Brandão, participou na noite de ontem da reunião ampliada da Executiva Nacional da sigla, que definiu a permanência do partido na base do Governo Federal.

Lideranças nacionais do partido e representantes de todos os estados, participaram do ato.

Atento aos cenários, Brandão defendeu a tese de preservação à boa política. “Tenho acompanhado atentamente as movimentações do meu partido e respeito a decisão nacional, defendendo sempre a política feita com verdade, transparência, respeito às instituições e compromisso com o cidadão e com o país”, reforçou, ao assegurar que vai seguir as determinações que a coletividade partidária definir nacionalmente.

Também participaram do encontro, representantes de bancada, quatro ministros: Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores), Bruno Araújo (Cidades), Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Luislinda Valois (Direitos Humanos); os governadores de São Paulo, Geraldo Alckmin; de Goiás, Marconi Perillo, e do Pará, Simão Jatene; os prefeitos de São Paulo, João Dóriae e de Manaus, Arthur Virgílio.

 

 

“Eventos que surgem de dentro para fora”, diz Gastão Vieira após atos de Sarney Filho e Weverton Rocha

O ex-ministro do Turismo e ex-deputado federal Gastão Vieira, hoje no comando do Pros no Maranhão, criticou o lançamento de pré-candidaturas ao Senado da República no Maranhão, dois dias depois do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho (PV), ter sido lançado oficialmente à disputa de 2018  e do deputado federal Weverton Rocha (PDT) ter promovido ato em Balsas.

Para Gastão, o coquetel realizado pelos amigos do ministro e o ato do pedetista são tipos de eventos que surgem de “dentro para fora”, organizados pelas próprias assessorias.

“Podemos comparar os resultados dos eventos com PIB brasileiro: ‘os sinais vitais estão presentes, mas nada assegura um crescimento sustentável ‘.”, comentou.

“Por outro lado, olhando as fotos dos eventos encontramos quase sempre as mesmas figuras que fomos encontrando ao longo da nossa vida política….Entusiasmados no lançamento, sumidos na campanha e , ainda, quase sempre, falando mal dos candidatos, de promessas não cumpridas…Outros, de olho no acervo eleitoral a ser deixado pelos que optaram por uma eleição majoritária. Não acredito, neste momento, no sucesso neste tipo de ação política”, completou.

Gastão Vieira depois de já ter admitido abrir mão da candidatura ao Senado em virtude de o comando nacional do Pros ter pedido para que ele busque a Câmara Federal – para que a sigla aumente a sua representação na Casa, a partir de 2018 -, agora se coloca como pré-candidato a uma das duas vagas que serão abertas no Maranhão, com o fim dos mandatos dos senadores João Alberto e Edison Lobão, ambos do PMDB.

Por isso a crítica aos pré-candidatos adversários…

São Luís no foco

A recente informação de que pesquisas de intenção de votos não divulgadas apontavam para uma vantagem dos pré-candidatos Roseana Sarney (PMDB) e Eduardo Braide (PMN) sobre Flávio Dino (PMDB), em São Luís, levantaram, mais uma vez, a importância do principal colégio eleitoral nas eleições maranhenses.

A própria Roseana conviveu com o debate sobre São Luís ao longo dos seus quatro mandatos. A Ilha, sempre vista como rebelde, deu expressivas vitórias à peemedebista.
Vitórias maiúsculas.

Roseana elegeu-se no primeiro turno em 2010, com vitória ainda mais significativa por ter garantido à candidata do PMDB, também, 43% dos votos de São Luís, quase a metade do eleitorado da capital maranhense.

Roseana consolidou-se como liderança também na capital maranhense ao garantir quase a metade dos votos ludovicenses, mesmo tendo como concorrentes um candidato que já havia comandado a cidade por três mandatos – Jackson Lago (PDT) – e outro que havia disputado um segundo turno há apenas dois anos – Flávio Dino (PCdoB).

A presença de Braide nas cabeças do eleitorado ludovicense também não é surpresa, já que o deputado acaba de sair de uma surpreendente disputa pela Prefeitura, na qual saiu de 2% para um segundo turno em que só perdeu porque as máquinas do governo e da prefeitura operaram dia e noite contra sua candidatura.

Flávio Dino, portanto, mesmo no comando dessas máquinas, terá que se virar em 2018 para garantir percentual do eleitorado de São Luís que lhe garanta vitória. Porque os números mostram o contrário.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Recados dados…

A festa de apoio à pré-candidatura do ministro Sarney Filho ao Senado trouxe pelo menos dois recados diretos à classe política, em particular, e ao eleitor, de modo geral. O primeiro deles diz que Sarney Filho é mesmo o principal nome do grupo para as eleições senatoriais; talvez o mais consolidado entre os nomes já lançados.

O outro recado é da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB). Sua presença na festa em homenagem ao irmão mostra que ela não pretende mesmo – como alguns especulam – concorrer a cargos que possam mantê-la em Brasília na maior parte do tempo.

Descartado o Senado, restam as vagas de deputada estadual e a de candidata a governadora. E a recepção dada pelo próprio Sarney Filho e pela classe política presente – centenas de prefeitos, ex-prefeitos, vices-prefeitos, deputados federais e estaduais, vereadores e lideranças partidárias e comunitárias – mostra que, independentemente de sua vontade, o caminho para uma candidatura ao governo está pavimentado em seu grupo.

Roseana e Sarney Filho viveram momentos de entusiasmo na última sexta-feira, mostrando afinação política e, sobretudo, objetivos definidos, ainda que nada oficialmente.

E a presença dos dois nas disputas majoritárias aponta para uma campanha de intensa movimentação até a contagem dos votos. E ainda faltam 14 meses.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Eleições 2018: Rose Sales se filia ao PMN e vai buscar vaga na Assembleia

Sales e Ivaldo Barbosa já estão no PMN; ambos disputarão o Legislativo Estadual

A ex-vereadora Rose Sales se filiou ao Partido da Mobilização Nacional (PMN), que é comandado pelo deputado estadual Eduardo Braide, no Maranhão.

Além de Rose, o coronel da Polícia Militar, Ivaldo Barbosa, também efetuou a sua filiação na sigla. O objetivo, segundo Braide, é fortalecer o partido para a disputa das eleições 2018.

“Estou muito feliz com o número de pessoas que tem nos procurado para fazer parte do PMN. A partir de agora, irei percorrer o Maranhão para que possamos instalar o partido nos 217 municípios, bem como fortalecer o nosso quadro para a disputa de 2018”, assegurou Eduardo Braide.

Rose Sales, que no ano passado disputou a Prefeita de São Luís, assumiu a presidência do PMN Mulher no Maranhão.

“A união estabelecida em 2016 com o deputado Eduardo Braide, está sendo materializada hoje. Sei que tanto ele quanto eu comungamos do mesmo sentimento: o de ter um Maranhão, de fato, melhor para cada maranhense”, afirmou a presidente do PMN Mulher.

Já Ivaldo Barbosa, reafirmou o seu compromisso de defender uma segurança mais eficaz para o Maranhão. Tanto Ivaldo Barbosa quanto Rose Sales são pré-candidatos a deputado estadual.

Carlos Brandão: “vamos aguardar a decisão oficial da executiva nacional”

O presidente estadual do PSDB no Maranhão, vice-governador Carlos Brandão, explicou qual deve ser a postura da sigla em relação às eleições 2018 no estado.

Brandão destacou que o PSDB foi o partido que mais cresceu, de forma proporcional, no país, nas eleições do ano passado e explicou que a legenda aguardará uma decisão da cúpula nacional para movimentar-se em busca de alianças no estado.

“O PSDB maranhense trabalha para cumprir as metas estabelecidas. Assim, fomos o diretório que, proporcionalmente, mais cresceu no país. Entendo que a aliança foi importante para que isso ocorresse. De qualquer forma, vamos aguardar o posicionamento oficial da executiva nacional. Vejo que esse debate sobre alianças, e isso vale para qualquer partido, só deve ocorrer mesmo quando as regras do jogo forem definidas, ou seja, após a discussão sobre a reforma política. O certo é que o PSDB do Maranhão respeitará a decisão da executiva”, disse.

A Reforma Política a que se referiu Brandão, em discussão no Congresso Nacional, pode estabelecer diretrizes que vão atingir o sistema eleitoral do país. Uma das propostas diz respeito ao voto em lista fechada; outra trata do fim das coligações e a última, do fim da figura do vice.

São aspectos decisivos para a definições de alianças…

Sobre pesquisas

Há dois principais grupos cotados para a disputa eleitoral majoritária de 2018: o do atual governador Flávio Dino (PCdoB) e a da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB). E ambos estão, a estas alturas da pré-campanha, em pleno monitoramento dos cenários, com levantamentos e pesquisas qualitativas que medem todos os aspectos da disputa.

E a reação de cada um dos postulantes é sintomática da situação em relação à opinião do eleitor maranhense.

Roseana, por exemplo, retornou entusiasmada de Brasília, há duas semanas; e passou a se reunir com lideranças partidárias da capital e do interior. Nos últimos dias, conversou com deputados, prefeitos e dirigentes partidários.

Em contrapartida, sintomaticamente, Flávio Dino passou a construir uma agenda política de forte apelo eleitoral. Esteve na região do Munim , em conversa com vereadores, fez questão de participar da convenção que reconduziu o vice-governador Carlos Brandão à presidência do PSDB e já tem agenda marcada com vereadores de todos os município, no final de maio.

São movimentos ainda incipientes no jogo eleitoral do ano que vem. Mas são os únicos grupos com estrutura para monitorar os movimentos do eleitor, construindo as agendas de acordo com a revelação que os números trazem.

E cada qual analisa a seu modo o gesto do adversário, a partir do que tem em mãos.

11