A mudança de postura de Flávio Dino e a crise que abala as contas do estado

Logo depois de reeleito para um mandato de mais 4 anos a frente do Executivo Estadual, o governador Flávio Dino (PCdoB) mudou o tom daquilo que pregava na campanha – de um estado forte financeiramente e com equilíbrio fiscal -, e passou a sugerir cortes na estrutura do Governo.

Para a oposição, a medida nada mais é do que um ato de desespero para evitar o que já havia anunciado desde 2016: a possibilidade de um colapso nas contas do estado.

O corte de despesas na Saúde e a discussão interna de redução de gastos da ordem de 30% em todas as pastas do Executivo, atestam a preocupação que há em relação à situação financeiro-econômica do Maranhão.

Flávio Dino iniciou o primeiro mandato inchando a máquina pública. Somente nos primeiros meses de gestão, ele aumentou em mais de R$ 470 milhões o gasto com pessoal, se comparado com o último quadrimestre do governo que o antecedeu. O inchaço da máquina, na ocasião, provocou a imediata queda do PIB em 2%. [reveja]

Mas não para por aí.

Relatório da consultoria Tendências divulgado pelo Valor Econômico, apontou o Maranhão como o estado líder no ranking negativo da extrema pobreza no país. O índice registrado pelo estado de 2014 até 2017 atingiu recorde nacional.

O levantamento confirmou o que já havia constatado o relatório do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (Iets), divulgado em dezembro de 2017 pelo mesmo Valor Econômico [reveja aqui].

Além disso, dados do relatório da dívida contratual interna dos estados e municípios junto ao Tesouro Nacional e ao Sistema Financeiro do Banco do Central, mostra que o governo Flávio Dino aumentou em 40% a dívida externa do Maranhão em pouco menos de 4 anos de gestão [reveja aqui, assinante].

E tem mais.

O Ranking de Competitividade, divulgado em setembro deste ano, comprovou a má gestão da Previdência Estadual no atual governo.

Segundo o levantamento, o índice maranhense nesse quesito caiu 17,8 pontos nos quatro anos da gestão comunista.

A informação do ranking de gestão – organizado pelo Centro de Liderança Pública (CLP), em parceria com a Tendências Consultoria e a Economist Intelligence Unit – corrobora denúncias feitas desde junho.

As denúncias tratavam dos saques de mais de R$ 1 bilhão nos últimos anos do Fundo Estadual de Pensão e Aposentadorias (Fepa).

Um cenário que o próprio governador tentou negar no período da campanha, mas que já apresenta os seus efeitos.

E não adianta, a partir de janeiro de 2019, tentar colocar a culpa no presidente eleito, Jair Bolsonaro…

 

Valor Econômico: extrema pobreza cresce no Maranhão e atinge recorde nacional

Relatório da consultoria Tendências divulgado hoje pelo Valor Econômico, aponta o Maranhão como o estado que lidera o ranking negativo da extrema pobreza no país. O índice registrado pelo estado de 2014 até 2017 atingiu recorde nacional.

Os dados da consultoria Tendências confirmam o que já havia constatado o relatório do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (Iets), divulgado em dezembro de 2017 pelo mesmo Valor Econômico, e que apontava aumento da pobreza entre os anos de 2015 e 2016 no Maranhão em decorrência de um baixo desempenho do setor econômico local.

De acordo com o relatório apresentado hoje pela Tendências, 12,2% das famílias maranhenses viviam, até o ano passado, com menos de R$ 85,00 por pessoa. Em 2014 esse índice era de 8,7%.

Em 2015, no primeiro ano do mandato do governador Flávio Dino (PCdoB), a proporção das famílias que passaram a viver abaixo da linha da extrema pobreza no Maranhão subiu de 8,7% para 11,1%.

Em 2016 essa proporção apresentou uma leve queda, para 10,7% e em 2017 bateu recorde nacional: 12,2%.

Passada a eleição e já com o segundo mandato assegurado, o governador Flávio Dino terá, agora, de enfrentar o problema com maior seriedade.

Não há mais “oligarquia” como refúgio em discurso político.

Desempenho de candidatos no debate pode definir a eleição

Em 2016 Eduardo Braide conseguiu se destacar no debate o que se refletiu nas urnas

A exemplo do que ocorreu em 2012, quando deputada Eliziane Gama (PPS) obteve excelente desempenho na disputa pela Prefeitura de São Luís e em 2016, quando o também deputado estadual Eduardo Braide (PTN) conseguiu levar a eleição municipal para o segundo turno, o debate de hoje entre os candidatos ao Governo do Maranhão, realizado pela TV Mirante, poderá definir os rumos do pleito de domingo.

Líder em todas as pesquisas de intenções de votos, o governador Flávio Dino (PCdoB), candidato à reeleição pela coligação  “Todos pelo Maranhão”, pode usar o debate a seu favor para sacramentar uma eventual vitória no primeiro turno, ou sucumbir num também possível baixo desempenho, e perder a chance de decidir o pleito.

Roseana Sarney (MDB), candidata pela coligação “Maranhão quer Mais”, também pode usar o debate a seu favor e crescer na disputa.

Mas, a expectativa nos bastidores está em relação a ex-deputada estadual e ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge (PSL).

Candidata pelo partido do presidenciável Jair Bolsonaro, ela deve tentar vincular-se ainda mais ao líder nas pesquisas nacionais de intenções de votos para alavancar o seu nome na disputa.

Maura vai tentar repetir o que conseguiram Eliziane Gama e Eduardo Braide, em 2012 e 2016, respectivamente, o que poderia resultar numa ascensão ao segundo turno.

Vale aguardar…

Saída de Eduardo Braide pode ter sido um erro fatal para a oposição

Jorge Aragão – É claro que ainda existe muito tempo, faltam 17 dias para as eleições e muita coisa ainda pode acontecer, mas se for confirmada a reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB), no 1º Turno, fatalmente a saída de Eduardo Braide (PMN) da disputa majoritária terá sido essencial para isso.

Política é muito cíclica, mas política também é momento. As eleições do Maranhão precisavam de uma terceira via, mas não qualquer terceira via, mas uma terceira via realmente viável e com chances reais de disputar o Governo do Maranhão.

O momento, indubitavelmente, era de Eduardo Braide. O deputado estadual, que agora busca uma vaga na Câmara Federal, saiu da disputa pela Prefeitura de São Luís, em 2016, infinitamente maior do que entrou e somado a isso a sua postura oposicionista na Assembleia Legislativa, naturalmente o fizeram pré-candidato ao Governo do Maranhão.

Só que faltou união e principalmente diálogo para a Oposição no Maranhão. Roseana Sarney, Roberto Rocha e Maura Jorge, tinham e tem um desejo em comum: tirar do Palácio dos Leões o comunista Flávio Dino.

A maioria dos analistas políticos afirmavam à época que a presença de Eduardo Braide na disputa seria a certeza de um Segundo Turno e todos, sem exceção, só acreditavam na derrota de Dino num eventual Segundo Turno.

Só que apesar de tudo isso, jamais houve qualquer diálogo entre os oposicionistas, apesar de terem basicamente o mesmo objetivo. Diálogo esse defendido aqui no Blog do Jorge Aragão, por diversas vezes, pelo analista político e ex-deputado Joaquim Haickel.

Ora, se todos querem a derrocada de Flávio Dino, se a derrocada do comunista passava por um eventual Segundo Turno e se a candidatura de Eduardo Braide era sinônimo desse Segundo Turno, porque não fomentaram tal candidatura?

Faltando 17 dias para a eleição, esse prognóstico vai se confirmando, pois com a saída de Braide, restou a Oposição uma estratégia extremamente arriscada: torcer para um crescimento das candidaturas de Maura Jorge e Roberto Rocha. Só que os dois, mesmo juntos, não conseguem alcançar dois dígitos e a eleição pode sim ser finalizada no dia 07 de outubro.

É claro que a eleição ainda não está definida e mesmo sem Braide pode chegar ao Segundo Turno, mas que a desarticulação facilitou a caminhada de Flávio Dino em busca da reeleição, isso ninguém tem dúvida, nem antes e muito menos agora.

É aguardar e conferir, afinal faltam somente 17 dias.

Zé Reinaldo e os gestos na política…

Jorge Aragão – “A política é feita de gestos, mas sobretudo de confiança. Não se faz a boa política sem confiança”, declarou o deputado federal e candidato ao Senado pelo PSDB, José Reinaldo Tavares.

A frase é uma referência direta ao vínculo político com o deputado estadual e agora candidato a deputado federal, Eduardo Braide (PMN) pela coligação Coragem e União para Fazer um Maranhão Melhor.

Reinaldo enfrentou uma saraivada de críticas por defender uma terceira via na disputa pelas eleições deste ano no Maranhão, personificada na figura de Braide e despertou até mesmo a insatisfação de alguns tucanos, insuflados por interesses que quase o fizeram perder a disputa pela candidatura ao Senado Federal. No final, conseguiu com muito esforço viabilizar o que seria um caminho natural na trajetória política de ex-governador e ex-ministro, a candidatura ao cargo de senador.

De todos os pré-candidatos ao Senado pelo Maranhão, sem dúvidas nenhum enfrentou os maiores obstáculos para homologar sua candidatura do que o deputado federal Zé Reinaldo.

Continue lendo aqui

Suplência de Eliziane Gama pode sobrar para o PT

É cada desagradável a situação do Partido dos Trabalhadores (PT) no Maranhão, para a disputa das eleições 2018.

A legenda – que não vai ficar com nenhuma vaga da chapa majoritária do governador Flávio Dino (PCdoB) -, terá de correr atrás de uma suplência de senador da pré-candidata Eliziane Gama (PPS).

Isso porque as duas suplências da chapa do outro pré-candidato comunista, Weverton Rocha (PDT), já estão definidas.

Tratam-se de Roberth Bringel e Camila Holanda, como antecipou hoje com exclusividade, o jornalista Jorge Aragão [leia aqui].

Ocupar espaços na suplência de Eliziane Gama, contudo, deve deixar constrangidos os petistas.

Gama votou pela admissibilidade do processo de impeachment da ex-presidente da República, Dilma Rousseff, na ocasião das discussões na Câmara Federal.

Depois disso, foi rotulada de “golpista” pelos militantes de esquerda.

Como esse mundo é pequeno, é justamente Gama quem pode dar abrigo agora ao já pequenino PT.

Eu hein…

De olho na farra

Flávio Dino foi denunciado pelo PRP no caso que ficou conhecido como “farra dos capelães”

A recomendação da Procuradoria Regional Eleitoral do Maranhão a capelães religiosos, diretórios estaduais de partidos políticos e aos principais dirigentes de igrejas e entidades religiosas do estado sobre a não promoção de atividades que possam ser entendidas como propaganda eleitoral ou emprego de recursos dos templos religiosos em prol de determinadas candidaturas, especialmente nos locais de cultos, é um balde de água fria na movimentação do governador Flávio Dino.

Nos meses de abril e maio deste ano, ganhou repercussão nacional o caso que ficou conhecido como a “Farra de Capelães” da gestão Dino. Na ocasião das denúncias, que foram levadas ao Ministério Público, Dino já havia ampliado de 14 para 50 o número de cargos de capelães na estrutura da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e até da Polícia Civil.

Foram nomeados líderes religiosos de algumas das principais denominações religiosas do estado, o que ficou caracterizado pela oposição como um aparelhamento político do comunista junto às igrejas. Atento à movimentação do chefe do Executivo, a PRE alertou para a propaganda eleitoral e para o uso político das entidades religiosas.

Vale ressaltar que no último fim de semana, Dino participou como convidado do 36º Congresso Estadual de Missionárias e Dirigentes de Círculo de Oração, das Igrejas Assembleia de Deus, em Lago da Pedra.

Na ocasião, o comunista foi ao evento em um helicóptero do CTA. Para a oposição, uso da máquina fora da agenda oficial do Executivo.

Exagero?

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

O incoerente Flávio Dino e a “ajuda” ao Aldenora Bello

O governador Flávio Dino afirmou hoje, em seu perfil no twitter, que “diferentemente dos outros governos”, sempre ajudou e ajudará o Hospital do Câncer Aldenora Bello.

Disse isso após a Fundação Antônio Jorge Dino – mantenedora do hospital -, ter anunciado a descontinuidade de atividades e depois de o deputado Eduardo Braide ter cobrado do chefe do Executivo, a liberação de mais de R$ 3 milhões disponíveis no Fundo Estadual de Combate ao Câncer.

E faltou com a verdade.

Em  2017, por exemplo, Dino vetou mais de R$ 12 milhões em emendas da oposição para a Saúde. Desse montante, mais de R$ 1 milhão daria suporte especificamente ao Hospital Aldenora Bello.

Na ocasião, o comunista vetou as emendas de Andrea Murad (R$ 200 mil), Edilázio Júnior (R$ 200 mil) e Eduardo Braide (R$ 700 mil) para a unidade, referência em tratamento de câncer no estado.

E foi duramente criticado pela oposição naquela oportunidade [reveja aqui].

Os deputados já alertavam para um possível colapso no hospital, que agora se confirma.

Não tem como agora, portanto, Dino tentar sustentar o discurso de que sempre ajudou o hospital.

Não mesmo…

Ainda é pouco…

O prefeito Edivaldo Holanda Júnior segue dando prioridade à realização semanal da Feirinha São Luís, uma espécie de marco do segundo mandato do pedetista na capital.

É reconhecidamente uma iniciativa de sucesso, que atrai turistas, artistas locais e a população para momentos de lazer e entretenimento no Centro Histórico da capital.

Pouco, contudo, se comparado às promessas de construção de um hospital de emergência, realização de concurso na saúde, construção de creches e modernização do sistema de transporte.

Leilão partidário

Imagem do blog do Gilberto Léda

Tido como um dos membros mais controversos da Assembleia Legislativa, o deputado Josimar de Maranhãozinho (PR) fez jus à fama e resolveu por o seu partido em uma espécie de leilão eleitoral.

Insatisfeito com o governador Flávio Dino (PCdoB) – por conta da não liberação de recursos de seu interesse – Maranhãozinho saiu a negociar sua legenda com tantos quantos pré-candidatos pode alcançar nos últimos dias.

Mas o jogo do deputado tinha apenas um objetivo: jogar na parede o próprio Flávio Dino.

Com estilo arrojado para os padrões políticos maranhenses, Josimar – que fez carreira nas regiões do Gurupi e do Alto Turi, duas das mais tensas do Maranhão – usa dos meios possíveis que dispõe para alcançar seus objetivos políticos.

E foi para cima de Flávio Dino.

Sua arrojada ação deu resultados: o governador comunista chamou o parlamentar ontem, no Palácio dos Leões, para tratar das articulações para formação da aliança que vai embalar seu projeto de reeleição.

E pelo semblante do deputado ao deixar a casa do comunista, a conversa foi o que se pode chamar de “excelente” para ele.

Os leilões partidários às vésperas de convenções eleitorais são praxe no frágil processo político brasileiro, sobretudo com legendas sem qualquer definição ideológica, conteúdo programático ou doutrina definida, como é o caso do Partido da República.

E obviamente, Flávio Dino deve passar por outras pressões do tipo da de Josimar de Maranhãozinho, tendo que abrir as portas e os cofres do Palácio dos Leões.

E quem vai pagar a conta, claro, é o povo do Maranhão…

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão