São Luís sofre com falta de infraestrutura e precariedade em serviços básicos

Imagem meramente ilustrativa / trecho sempre fica alagado co chuvas, no Renascença

Ruas e avenidas esburacadas, crianças fora da sala de aula por falta de oferta de vagas na rede pública municipal, precariedade em serviços de saúde – com superlotação dos Socorrões [Hospital Municipal Clementino Moura e Hospital Municipal Djalma Marques] -, falta de medicamentos nas Unidades Mistas, aumento da passagem de ônibus e ausência do Poder Público em diversos outros seguimentos.

É esse o retrato da administração Edivaldo Holanda Júnior (PDT), que exerce o seu segundo mandato à frente do Executivo Municipal.

O prefeito, que sustenta uma ficção de “boa gestão” criada por satélites da imprensa em torno da tal “Feirinha”, sequer aparace é visto pela população.

Aliás, a tal da “Feirinha” parece ser a única marca da gestão pedetista.

Cria-se um ambiente de festa e pronto, está tudo resolvido.

Não há qualquer programa social, empreendimento ou ação de governo que mude a realidade da população.

Não há consistência em nenhuma das decisões já tomadas pelo prefeito, que segue a risca o que dita o governador Flávio Dino e que construiu todo um mandato sem uma identidade própria.

Edivaldo fracassou…

Carnaval, aumento de imposto e queda de estrutura do Castelinho

Foram muitos os assuntos que ganharam forte repercussão nos últimos dias em  São Luís.

Alinhada ao governador Flávio Dino (PCdoB) ou ao secretário de Estado da Cultura, Diego Galdino, parte da imprensa se lançou a fazer elogios, tanto à programação, quanto à realização do Carnaval na capital.

Alguns da blogosfera independente também elogiaram a estrutura das festividades, sobretudo no que diz respeito ao circuito da Avenida Beira-Mar.

Flávio Dino, é óbvio, passou os três dias de festas com auto-elogios.

Nas ruas ele pulou, gritou, batucou e de forma desengonçada tentou dançar.

Enquanto isso, na terça-feira de Carnaval, o ICMS aumentava em produtos e serviços em todo o estado.

Em alguns postos de combustíveis, por exemplo, a gasolina saltou de R$ 3,99 para R$ 4,19.

Indiferente ao cidadão, consumidor e contribuinte, que segundo estudo do IBGE é formado por uma metade da população que vive em extrema pobreza, Dino sequer tocou no assunto.

Se tem festa, tá tudo bem, não é?

Ontem o telhado do Ginásio Castelinho, onde tradicionalmente são realizados os jogos da Liga de Basquete Feminino (LBF), desabou.

O local havia recebido atletas do Sampaio Basquete no dia anterior para a realização de treino. Ou seja, por pouco não ocorreu uma tragédia.

E não dá para separar a responsabilidade da atual gestão ao fatídico caso. Para receber atividades esportivas, o ginásio passa por fiscalizações do próprio Estado.

Nenhuma delas, pelo visto, apontou o risco de desabamento. É possível também afirmar que não houve qualquer manutenção na estrutura do prédio durante todo o período da gestão comunista.

E Flávio Dino, que finge não existir o aumento de imposto, também ignora as circunstâncias em que ocorreram o desabamento do Castelinho.

Mas, afinal, o Carnaval é o que importa.

Aumento de imposto ocorrerá durante o período de Carnaval no Maranhão

A população de todo o estado do Maranhão sentirá o efeito do aumento do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) durante o período do Carnaval, na próxima terça-feira.

É que entrará em vigor o aumento proposto pelo governador Flávio Dino (PCdoB), por meio do Projeto de Lei 239/2018 e aprovado em menos de 5 dias na Assembleia Legislativa, pela base governista, no mês de dezembro do ano passado.

Na prática, haverá aumento significativo no valor da gasolina, diesel, biodiesel e em vários outros produtos [refrigerantes, cervejas, energéticos e isotônicos] e serviços no Maranhão. A cadeia produtiva também sofrerá impacto.

No ano passado, durante as discussões no Legislativo Estadual, o então líder do Governo na Assembleia, ex-deputado Rogério Cafeteira (DEM), chegou a afirmar que o aumento do imposto era necessário para o enfrentamento da crise fiscal e financeira no estado.

É esse, aliás, o modelo de gestão de Flávio Dino desde o primeiro ano de mandato: arrocho fiscal e penalidade ao bolso do cidadão e contribuinte maranhense.

Esse é o terceiro aumento de imposto de Dino em pouco mais de 4 anos de mandato.

E nada melhorou para o povo do Maranhão.

 

Greve dos rodoviários: a incompetência de Edivaldo após aumento de tarifa

Motoristas, cobradores e fiscais de ônibus que atuam no sistema de transporte público da capital anunciaram para o período de Carnaval, uma greve de ônibus em São Luís.

A medida deve ser adotada em decorrência do não cumprimento da Convenção Coletiva de Trabalho e acordo judicial firmado no início do ano, por parte das empresas que exploram o serviço na capital.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Maranhão, os rodoviários esperavam até ontem um posicionamento do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros (SET).

O SET, aliás, já foi notificado pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) por descumprimento de acordo.

Mas, onde entra o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) em tudo isso?

Pressionado no início do ano pelas empresas que atuam no sistema de transporte público, após paralisações de advertências de motoristas, cobradores e fiscais de ônibus, o prefeito determinou reajuste da tarifa de ônibus em São Luís [reveja aqui].

Com o aumento, oficializado no dia 24 de janeiro, o usuário acabou penalizado e hoje paga uma passagem cara, de R$ 3,40.

E agora, diante de novo impasse e do descumprimento de acordo por parte dos próprios empresários – que há um mês pressionavam o prefeito pelo aumento -, o pedetista não consegue reagir e exigir a normalidade no serviço da capital.

Ao que tudo indica, Edivaldo parece refém de uma situação que ele próprio criou, com a falta de coragem, de pulso, de firmeza na administração pública.

Afinal, o que ele está esperando para agir?

Adeus, Robert

Um homem seguro em seus posicionamentos, ponderado nas discussões e reflexivo quanto à vida.

Que defendia os seus ideais, fazia do jornalismo – apesar de ser administrador por formação -, uma ferramenta para a expressão de pensamentos e que analisava a política como poucos no estado.

Saiu de uma militância no PT para um trabalho profissional como assessor de um senador do PSDB.

Era um cara do bem, mas que incomodava.

Tinha excelentes textos e forma inteligente de criticar.

Não éramos amigos, é verdade. Mas bons colegas.

Que Deus conforte a família e guarde os seus filhos.

Vergonha: Avenida do Alto Turu tem trechos intrafegáveis

 

A Avenida Principal do Alto Turu, que tem o seu principal acesso pela Avenida Nossa Senhora da Vitória, no Parque Vitória, apresenta trechos intrafegáveis, falta de infraestrutura, muita lama e falta de acessibilidade para pedestres e cadeirantes.

O problema é antigo e vergonhoso. Com o início o período chuvoso deste ano, a situação se agravou e transformou o trajeto de milhares de pessoas – que precisam se deslocar diariamente para o trabalho, escola e faculdade, por exemplo, num caos .

São inúmeros os buracos na avenida e trechos que já não permitem mais o tráfego de veículos. O problema é tão grave, que os ônibus que atuam no sistema de transporte público da Região Metropolitana de São Luís e do município de São José de Ribamar – a quem o bairro pertence -, já não completam mais a rota e deixam passageiros na metade do caminho, até um certo trecho da avenida.

Idosos, mulheres gestantes e deficientes, dentre os usuários do transporte público, são os que mais sofrem com a interrupção do serviço. Para chegar ao destino final, eles precisam completar o trajeto a pé.

O prefeito, Luis Fernando Silva, que pouco tem feito por São José de Ribamar na atual gestão, não dá uma resposta efetiva à população do Alto do Turu.

Ele já chegou a ir ao bairro, mas não garantiu a recuperação da via. Disse, numa reunião, que faltavam recursos.

E a parceria institucional com o Governo do Estado?

Já passou da hora de o prefeito assumir a responsabilidade e providenciar a recuperação da via. Isso é dar o mínimo de dignidade àquela população.

Cria vergonha, Luis Fernando.

Sem consistência

O governador Flávio Dino e seu partido, o PCdoB, estão fechados no objetivo de tornar o comunista do Maranhão a nova liderança nacional da esquerda. Do lado de cá, o governador vem fazendo sua parte com postagens em redes sociais que vão desde opiniões aleatórias sobre conflitos ou crises nacionais até as ácidas (mas não correspondidas) críticas ao presidente da República Jair Bolsonaro (PSL).

O problema é que o leque de apoio de Flávio Dino no Maranhão é tão amplo que o discurso dele de esquerdista não aguenta cinco minutos. Explica-se: apesar de criticar o governo de Bolsonaro, Dino mantém como aliados deputados como André Fufuca (PP), Pedro Lucas Fernandes (PTB) e Juscelino Filho (DEM), que estão alinhados com Bolsonaro, em Brasília.

Caso se limite ao Maranhão, o blocão governista de Dino, na Assembleia Legislativa, tem o deputado do PSL, Pará Figueiredo, lhe dando apoio.

Saindo das questões ideológica-partidárias, Flávio Dino terá de enfrentar os números do Maranhão que foram criados pela sua gestão.

Para querer ser um líder de envergadura nacional, Dino terá de mostrar ao país que foi um gestor estadual que transformou o estado por ele governado. Mas os números oficiais dizem exatamente o contrário.

No social, Dino vai mal. Na economia, o governador não conseguiu destaques. Saúde é um caos. Em suma, do ponto de vista político e também administrativo, o governador tem um enorme “rabo de palha”, que, se passar próximo das fogueiras postas, até uma candidatura de presidente da República, com certeza, vai acabar pegando fogo.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Depredação do Complexo da Deodoro não exclui responsabilidade de gestão pública

 A depredação do recém inaugurado Complexo da Praça Deodoro, que chamou a atenção da mídia após imagens lamentáveis circularem nas redes sociais tem dois aspectos  que precisam ser levados em consideração.

O primeiro diz respeito a falta de educação do cidadão que se propõe a depredar, depreciar e destruir o bem público.

O segundo, e não menos importante, trata-se do desleixo da própria Prefeitura de São Luís para com a preservação de uma obra tão importante e onerosa aos cofres públicos.

Afinal, porque não destacar a Guarda Municipal para fazer vigilância no local, como fazem os grandes centros do país em monumentos importantes?

É assim no Rio de Janeiro, por exemplo, em todo o entorno do Cristo Redentor e do Corcovado.

É assim também em São Paulo, em toda a região dos Arcos do Jânio. A Guarda Municipal atua e evita a depredação.

O Monumento às Bandeiras, ao lado do Parque Ibirapuera também conta com a vigilância e a segurança imposta pela Guarda Municipal.

São experiências muito bem empregadas país a fora, e que podem ser aplicadas em São Luís.

É necessário também agir em outra frente: na educação e na conscientização do cidadão ludovicense.

Não adianta o prefeito Edivaldo Holanda Júnior ir para rede social apenas lamentar o episódio.

É preciso agir, e há exemplos nacionais a se seguir. 

Duarte Júnior e a primeira lambança na Assembleia Legislativa

Previsível.

Foi assim a primeira manifestação do deputado estadual Duarte Júnior (PCdoB) na Assembleia Legislativa.

Na ocasião da primeira sessão ordinária da Casa, o ex-palhaço de TV conseguiu de uma só vez desrespeitar um dos parlamentares mais qualificados do Maranhão – o deputado César Pires (PV) -, quebrar o clima de cordialidade que pairava no Plenário durante o início das atividades do Legislativo e reforçar a antipatia até com aliados da base governista.

Midiático, mas sem conteúdo, Duarte provocou uma discussão sem pé nem cabeça com Pires, que fazia um discurso de boas vindas aos colegas.

Depois tentou se vangloriar, com vídeo recortado e mensagem em WhatsApp, com o tema: “Cheguei”.

Um selo que já demarca a irrelevância sob a qual deve ser construído o mandato do agora deputado pelos próximos 4 anos.

Derreteu…

Ordem de serviço assinada pelo governador Flávio Dino prevê investimentos de R$ 3,2 mi em um dos bairros de maior população de São José de Ribamar.Foto: Karlos Geromy/Secap

Sete de junho de 2016, 10h30, solenidade oficial do Governo cheia de pompa. Secretários de Estado, deputados, aliados políticos, vereadores e lideranças assistem ao governador Flávio assinar a ordem de serviço para a recuperação asfáltica da avenida Nossa Senhora da Vitória, principal via do bairro Parque Vitória.

A obra, entregue pouco mais de um ano depois, no dia 9 de junho de 2017, carregava um investimento inicial de R$ 3,21 milhões e previa asfaltamento, drenagem profunda, recapeamento, abertura de vias e melhoramento e urbanização de 10 quilômetros no trecho que liga a Estrada da Vitória às principais vias do bairro, com a inclusão das ruas A, H, 07, Maria de Fátima Figueiredo e a Avenida 2.

Na ocasião da assinatura da ordem de serviço, o governador afirmou que a população jamais enfrentaria novamente problema com alagamentos, lama e buracos na via. Tudo isso fruto da complexidade dos serviços propostos, tanto na drenagem, quanto no recapeamento das pistas.

Ocorre que bastou chover nos meses seguintes, para os problemas voltarem à superfície, dificultando a trafegabilidade da via, e o acesso a pedestres e cadeirantes.

No trecho que dá acesso à UPA do Parque Vitória, por onde circulam ambulâncias diariamente, desde o fim de 2018 veículos passaram a trafegar por apenas uma faixa da via, em decorrência de um enorme buraco que se formou no local.

Para corrigir o problema, agora, novo gasto de dinheiro público e serviços paliativos, com o tapa-buracos. Não adiantou. O trecho voltou a apresentar problemas estruturais e com acúmulo de lama.

Nas proximidades da entrada do Jardim Turu, outro caos. Buracos, lama, confusão no trânsito e falta de infraestrutura. Problema que se arrasta há meses.

E foram mais de R$ 3 milhões “investidos” há pouco mais de 2 anos.

Quanto desperdício…

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão