Taxa de homicídios em São Luís é semelhante a de Jamaica, Venezuela e Honduras, diz Governo

Relatório da Secretaria de Assuntos Estratégicos do Governo Federal apontou a capital do Maranhão com a taxa de homicídios semelhante a da Jamaica, Venezuela e de Honduras.

As principais vítimas, segundo o levantamento, são jovens. São Luís foi considerada uma das capitais mais violentas do país. Os dados foram alvo de reportagem do Bom Dia Brasil, da TV Globo [assista ao vídeo acima].

Vale ressaltar que o levantamento não considerou os dados do estado todo. Além de São Luís, as capitais Fortaleza, Belém e Salvador também estão no mesmo patamar de violência. O entorno do Distrito Federal é outra localidade inserida neste grupo.

De acordo com o relatório, a violência praticada contra pessoas de 13 a 25 anos tem sido elevada. Foi levada em consideração o impacto econômico do Brasil. Para cada jovem que o Brasil perdeu em plena capacidade produtiva, o impacto foi de R$ 550 mil. Em 1996, o custo da violência era de R$ 113 bilhões ao país. Este número saltou para R$ 285 bilhões em 2015, ano referente ao último levantamento divulgado agora pelo Governo Federal.

Vereadores convocam auxiliar de Edivaldo para explicar alagamentos em São Luís

Edivaldo vistoria obra de drenagem ao lado de secretário

O Plenário da Câmara Municipal de São Luís aprovou ontem requerimento de autoria do vereador Cezar Bombeiro (PSD), que determina a convocação do secretário municipal de Obras e Serviços Públicos, Antônio Araújo.

A convocação tem por objetivo extrair do auxiliar do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) explicações sobre os recentes alagamentos em algumas das principais avenidas da capital durante o período chuvoso.

Trata-se de uma ofensiva à gestão de Edivaldo.

A Mesa Diretora da Câmara Municipal terá agora de marcar a data para a sabatina a Antônio Araújo…

Mais de 4 mil crianças fora da sala de aula em São Luís, aponta sindicato

O Sindicato dos Profissionais do Ensino Público de São Luís (Sindeducação) realizou protesto hoje na capital para cobrar reajuste salarial e melhores condições de trabalho.

O protesto contou com professores de todos os polos de Educação de São Luís. Os docentes se concentraram na Praça Maria Aragão. Em seguida, saíram em passeata pela Avenida Beira-Mar.

O objetivo era chamar a atenção da sociedade para a o problema.

Durante o ato, a presidente do Sindeducação, Elisabeth Castelo Branco, revelou que por conta do elevado número de escolas com aulas paralisadas, por causa da precariedade dos prédios, pelo menos 4 mil estudantes do ensino básico estão sendo prejudicados, fora da sala de aula.

Ao todo, 13 escolas públicas estão paralisadas.

“A educação de São Luís pede socorro. Temos que reagir, professores, pais, alunos e sociedade em geral para enfrentarmos essa política de retirada dos direitos das nossas crianças e adolescentes, pois o lugar deles é na escola, em um ambiente digno e de qualidade”, disse Elisabeth, num material institucional publicado no site da entidade.

Saiba quais são as escolas com aulas paralisadas até o momento:

UEB Antônio Vieira
UI Arimatéia Cisne
UEB Professor Nascimento de Moraes
UEB Professor Mata Roma
UEB Alberico Silva – CIEP
Anexo II da UEB Profº Ronald Carvalho: Terceiro Milênio
UEB José Ribamar Bogéa – polo
UEB Thales Ribeiro Gonçalves
UEB Evandro Bessa (estiva)
Anexo da UEB Alberto Pinheiro: Nossa Senhora Aparecida
UEB Monsenhor Frederico Chaves (Infantil)
UEB Newton Neves
UEB Tancredo Neves

OUTRO LADO

Nota da Prefeitura de São Luís

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) informa que mantém o dialogo permanente com os professores da rede. Sobre as reivindicações, a Semed esclarece que as reformas nos prédios escolares estão sendo feitas de forma gradativa até atingir todas as unidades educacionais.

Em relação ao reajuste, a secretaria comunica que os professores municipais tem piso salarial acima do nacional, além de assegurar todos os direitos, tais como progressões, titulação, gratificações e aposentadorias.

A Semed reforça ainda que tem investido de forma constante na melhoria contínua do ensino, como formação dos professores, de modo a garantir o avanço integrado do ensino publico municipal.

Canindé Barros anuncia cancelamento de multas aplicadas em São Luís

O secretário municipal de Trânsito e Transportes, Canindé Barros, anunciou o cancelamento das autuações emitidas em duplicidade e as autuações geradas em um trecho da faixa da Avenida Colares Moreira, nas imediações da saída da Lagoa da Jansen, no Renascença. A Consórcio VL, empresa responsável por prestar o serviço, foi notificada pela secretaria. Em coletiva de imprensa, o titular da SMTT explicou a importância do monitoramento eletrônico.

Canindé Barros explicou que os condutores não precisam se preocupar em relação às multas registradas de forma inadequada. “A infração existiu, mas por conta desse problema técnico com a impressão das multas, determinamos o cancelamento de todas as multas que foram geradas em duplicidade. Até o início da próxima semana, as infrações serão automaticamente retiradas do sistema”, esclareceu o titular da SMTT.

As outras multas canceladas dizem respeito àquelas identificadas por equipamento instalado na saída da Lagoa da Jansen, que foi transferido para as proximidades do Planta Tower. Na saída da Lagoa da Jansen o equipamento, que verificava o uso da faixa de ônibus, estava flagrando, de forma inadequada, condutores no espaço tracejado.

“A própria população cobra o poder público acerca da fiscalização, pois esse é o modo de fazer com que os condutores respeitem as leis do Código de Trânsito Brasileiro. A multa é uma consequência das infrações identificadas no trânsito. O sistema implantado garante um trânsito mais seguro, já que, dessa forma, os condutores observam melhor o cumprimento das regras previstas no CTB”, acrescentou Canindé Barros.

O sistema de fiscalização eletrônica instalado em São Luís é um dos mais modernos do país. Os fotossensores observam o uso incorreto das faixas de ônibus, a ultrapassagem da velocidade permitida e o avanço de sinal vermelho em dezenas de pontos dos principais corredores urbanos da cidade. “O cumprimento dessas leis é uma postura que contribui para a promoção de um trânsito mais seguro para todos”, concluiu o secretário.

O secretário lembrou, ainda, que os condutores que desejarem recorrer de multas autuadas em outras situações pela Prefeitura de São Luís podem apresentar recurso na Secretaria Municipal de trânsito e Transporte, que será julgado pela Junta Administrativa de Recursos de Infrações (JARI) – órgão colegiado responsável pelo julgamento de recursos interpostos contra penalidades impostas pela SMTT.

 

Peça que provocou rompimento de adutora não fazia parte do projeto original

Acompanhei de longe ontem todo o imbróglio em torno do não funcionamento da Adutora Italuís e consequentemente os transtornos provocados à população da capital com a falta de água.

O que chamou a atenção, foi o fato de o governador Flávio ter sugerido a existência de um “rompimento estranho” e determinado a apuração por parte da Polícia Civil.

Haveria então a possibilidade de boicote político na concepção de uma obra desta envergadura?

Óbvio que não.

A culpa pelo rompimento da adutora e pela falta d’água é do Governo Flávio Dino.

A peça que rompeu, uma conexão em ‘Y’, não fazia parte do projeto original da adutora, iniciado na gestão anterior.

Foi uma decisão da atual gestão, mudar o projeto, e aditivar em mais de 25% os serviços. E foi justamente no trecho onde ocorreu a mudança do projeto que houve o rompimento.

Pelo projeto inicial, a nova adutora do Italuís passaria por baixo de uma ponte no Estreito dos Mosquitos. O governo Dino, no entanto, não concordou com essa ideia – uma vez que dificultaria a navegação de embarcações pelo local. Essa foi a tese utilizada.

Foi então que decidiu mandar fabricar a peça “Y”, para instalar em Periz de Baixo.

A conexão em “Y”, contudo, não suportou a pressão da água e rompeu.

Não houve boicote. Ocorreu um erro de ordem técnica, portanto. E tão somente.

Tentar jogar a culpa em terceiros é uma tolice e um oportunismo sem tamanho de Flávio Dino…

Professores de São Luís cobram destino de mais de R$ 12 milhões da Educação

Professores da rede municipal de ensino de São Luís cobram do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), a divulgação detalhada de aplicação de mais R$ 12.606.747.59 milhões enviados pelo Governo Federal para a Educação da capital.

Em greve desde o início do mês de agosto, os professores apresentaram a tabela de valores recebidos pela gestão pedetista, com recursos para a Alimentação Escolar, Implementação de Escolas para a Educação Infantil e cotas de salário-educação.

O jornalista Marco D’Eça divulgou a tabela de valores [veja aqui] no fim de semana.

Além de recomposição salarial, professores mantêm greve por melhores condições de trabalho, segurança nas escolas, infraestrutura e valorização do servidor público.

Sem diálogo com a categoria, Edivaldo conseguiu uma decisão judicial de suspensão do movimento.

Os grevistas, contudo, permanecem fora da sala de aula. A Educação segue em crise, na capital.

Greve: professores realizarão ato público amanhã em São Luís

Professores da rede municipal de ensino, em greve desde o início deste mês, agendaram para amanhã um ato público, que terá concentração na praça da Igreja do São Francisco.

O objetivo é chamar a atenção da sociedade, sobre a grave situação da Educação de São Luís. O ato público está marcado para começar às 7h30.

Na última segunda-feira a categoria se reunião em Assembleia Geral Extraordinária Permanente para avaliar o movimento grevista.

Na ocasião, os professores rechaçaram abrir mão da recomposição salarial e da exigência de melhores condições de trabalho.

Sem diálogo entre a Prefeitura de São Luís e os grevista, a educação segue parada na capital.

Edivaldo e uma Educação que não avança…

Professores da rede municipal de ensino iniciaram hoje a greve da categoria em São Luís. O movimento é liderado pelo Sindicato dos Profissionais do Magistério da Rede Municipal de São Luís (Sindeducação).

Com a greve, fica suspenso o reinício das aulas de segundo semestre, que estava marcado justamente para hoje, em toda a capital.

O protesto ocorre, segundo a categoria, por falta de negociação em relação ao reajuste salarial 2017 da categoria, e a lentidão na reforma das escolas municipais.

No site do sindicato, já está organizada uma agenda para a primeira semana da greve. De hoje até o dia 9, serão realizadas blitz [visitas] nas escolas. Haverá concentração na sede do sindicato sempre das 7h30 às 13h30.

No dia 9, os professores da capital vão realizar manifestação na Praça Deodoro. O ato leva como título: “O Grito pela Educação Pública de São Luís”.

A gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) tem como secretário de Educação, Moacir Feitosa.

O mesmo que atuou como secretário de Jackson Lago, Tadeu Palácio e João Castelo.

Ele assumiu posto deixado por Geraldo Castro (PCdoB), que também não conseguiu efetivar a tão prometida “revolução” na educação de São Luís.

Ao se eleger para o primeiro mandato, em 2012, Edivaldo prometia dar estrutura às escolas e valorizar o professor da rede municipal de ensino.

Cinco anos depois, o cenário mostra exatamente o contrário disso. Escolas em situação precária – algumas com teto caído -, sem segurança e infraestrutura mínima; professor insatisfeito e estudantes sem estrutura digna.

Lamentável…

Coren: cortes na Saúde podem comprometer a Enfermagem em São Luís

No Socorrinho do São Francisco o número de profissionais foi diminuído para plantões noturnos

O Estado – O Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão (Coren) faz um alerta para a possível redução de profissionais de enfermagem e técnicos em determinadas unidades de saúde da rede municipal de São Luís depois do corte de R$ 2 milhões no orçamento da área anunciado pela Secretaria Municipal de Saúde. A entidade vai provocar o Ministério Público Estadual (MP) a se manifestar sobre as possíveis consequências da redução do orçamento, já que relatórios entregues antes do corte ao MP constataram o déficit no número de profissionais.

Jhonny Marlon Campos, presidente do Coren, criticou o fato de a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) não ter convocado a entidade para debater a necessidade de cortes no orçamento, para que juntas pudessem pensar em uma solução que não comprometesse a prestação do serviço. “Nós tememos que a população fique desassistida com esta redução. Por isso, voltaremos a cobrar um posicionamento do Ministério Público”, afirmou.

Em entrevista concedida a O Estado e publicada na edição do dia 7 deste mês, a secretária municipal de Saúde, Helena Duailibe, informou que a redução nas verbas da saúde aconteceu após análise da equipe econômica da Prefeitura de São Luís quanto à receita para manter os serviços. Segundo a gestora da pasta, os serviços não serão afetados, mas foi necessário reduzir o número de médicos plantonistas nas unidades mistas e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) municipais nos plantões noturnos e do fim de semana.

Apesar da redução, o número de profissionais atende ao mínimo exigido pelo Ministério da Saúde, garantiu Helena Duailibe. “As estatísticas da Semus mostram que são feitos um ou dois atendimentos por hora, em média, nesses horários, portanto, essa redução do número de profissionais de dois para um não compromete o atendimento e segue instruções do Ministério da Saúde, que tem portaria segundo a qual essas unidades de saúde precisam ter pelo menos um profissional por plantão”, informou à época Helena Duailibe.

Vistoria
Entretanto, o Coren informou que no ano passado realizou, junto com o MP, uma vistoria em 40 unidades de saúde, entre as quais as unidades mistas e UPAS municipais e que após as fiscalizações foi constatado que elas já atendiam com déficit no número de profissionais. “Em uma das unidades constatamos um déficit de 16 enfermeiros e 58 técnicos, o que compromete a prestação adequada dos serviços e a qualidade do trabalho dos profissionais, que ficam sobrecarregados”, afirmou Marina Apolônio de Barros, coordenadora da Unidade de Fiscalização do Coren. Como órgão fiscalizador do exercício profissional da enfermagem no estado, o Coren inspeciona as unidades de saúde de todo o estado.

Segundo a Unidade de Fiscalização do Coren, das unidades que sofrerão redução no seu quadro de profissionais, cinco já possuem cálculo de dimensionamento abaixo do necessário. O cálculo de dimensionamento é o que fixa e estabelece parâmetros para dimensionar o quantitativo mínimo de profissionais de enfermagem para assegurar uma assistência de qualidade ao paciente. Nessas instituições, foi identificado déficit de pessoal de enfermagem conforme o cálculo do ano de 2016.

Relatório
As inspeções geraram relatórios que foram entregues ao MP. Apenas a UPA da Zona Rural não consta no relatório entregue ao MP pelo Coren porque ela ainda não estava em funcionamento quando foi feita a vistoria nas unidades de saúde.

Agora, o Coren irá cobrar do órgão um posicionamento quanto à redução do orçamento municipal da saúde. “A Promotoria de Saúde já está ciente desde 2014, quando abrimos processo administrativo contra a Prefeitura de São Luís, dos problemas das unidades de saúde. Agora, queremos que ela se manifeste sobre mais estes cortes que tendem a precarizar ainda mais o serviço já prestado que carece, inclusive de materiais. Há unidades com setores desativados, porque não há materiais para atender aos pacientes”, afirmou Marina Apolônio de Barros.

Iniciada campanha de vacinação contra a gripe em São Luís

Cinco dias depois de completar 60 anos, a doméstica Marileide Soares cumpriu um importante compromisso com sua saúde, indo à Unidade Básica do São Francisco para tomar, pela primeira vez, a vacina contra a gripe. A idosa foi uma das pessoas que procuraram nesta segunda-feira (17), uma das 62 unidades de saúde da rede municipal, onde começou a campanha nacional de vacinação contra a gripe. A campanha é realizada pelo Ministério da Saúde e coordenada pela Prefeitura de São Luís, na capital maranhense. A ação de saúde se estende até 26 de maio, com o “dia D” programado para o dia 13.

O primeiro dia da campanha transcorreu normalmente, sem filas nem demora nos postos. “Estou entrando na melhor idade e sei que a gente tem que se cuidar, por isso, a partir de agora vou vacinar todos os anos porque a gripe é uma doença que maltrata muito”, afirmou a doméstica Marileide Soares.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Semus), a meta é vacinar 80% do público alvo, que este ano inclui professores de escolas públicas e privadas que estejam em atividade, além de pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a 4 anos de idade, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), profissionais de saúde, indígenas, portadores de doenças crônicas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

A secretária municipal de Saúde, Helena Duailibe, orienta a população a procurar logo os postos. “A cidade está tendo uma variação climática muito grande que favorece o aparecimento de casos de gripe e essa vacina demora cerca de duas semanas para fazer efeito; por isso, quanto mais cedo o público alvo procurar o posto de vacinação melhor porque fica imunizado com mais antecedência”, explica Helena Duailibe.

A secretária de Saúde lembra que é indispensável levar o cartão de vacinação, mas se não tiver, pode ser feito na unidade. Pessoas com mais de 60 anos devem apresentar o RG e aqueles que têm doença crônica ou autoimune devem levar o relatório médico comprovando a patologia. Para os professores é exigida a comprovação da atividade profissional.