Que coisa feia, Duarte Júnior…

O presidente do Procon-MA, Duarte Júnior e o secretário de Estado da Infraestrutura, Clayton Noleto (PCdoB), protagonizaram episódio vexatório hoje, durante a inauguração de trecho duplicado da BR-135.

Durante o discurso deputado federal Hildo Rocha (MDB), Duarte e Noleto xingaram o parlamentar.

“Pinóquio. Mentiroso”, disse Duarte Júnior, após direcionar-se ao repórter e titular do blog e afirmar: “Pode filmar”.

Logo em seguida, ele completou: “Para que tá feio”.

Clayton Noleto, aparentemente irritado com as críticas de Hildo Rocha às condições das estradas estaduais do Maranhão, também reagiu: “Deixa de ser safado, rapaz”.

Os xingamentos dos auxiliares do governador Flávio Dino eram acompanhados de algumas vaias de militantes políticos, que acompanhavam o ato. Cenas lamentáveis.

Duarte Júnior e Clayton Noleto pretendem representar o povo nas próximas eleições.

Eu hein…

Edwin Jinkings assume a Comunicação da Assembleia

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), promoveu mudança na estrutura da Comunicação da Casa.

Ele efetivou o jornalista Edwin Jinkings no comando da Comunicação, para o lugar de Carlos Alberto Ferreira, e nomeou Valney Pereira para o posto de Diretor-Geral do Legislativo.

Othelino também está montando a sua equipe para a presidência.

Flávio Dino tenta pegar carona em obra do Governo Federal

Hildo Rocha conseguiu articular emenda impositiva da bancada maranhense para a obra de duplicação da BR-135

O governador Flávio Dino (PCdoB) vai tentar amanhã, pegar carona no ato de inauguração da obra de duplicação da BR-135.

A obra é do Governo Federal, e foi concluída na gestão do presidente Michel Temer (MDB), a quem o governador classifica de “golpista”.

Dino convidou aliados para participar do ato e deve levar uma “caravana” de deputados estaduais. O objetivo é manter a sua imagem atrelada ao empreendimento.

A obra, contudo, será entregue pelo ministro Maurício Quintela, do Governo Federal, que desembarcará em São Luís ao lado do deputado federal Hildo Rocha (MDB), que foi quem atuou junto ao Dnit na linha de frente pela finalização da obra.

Flávio Dino, aliás, jamais promoveu qualquer gesto pela conclusão dos serviços.

“Foi iniciativa minha a inclusão de uma emenda impositiva da bancada para a duplicação da BR-135. Mas o governador queria desviar o dinheiro para seu projeto, que nunca saiu do papel. É cínico que ele, agora, venha tentar tirar proveito da conclusão”, criticou Rocha.

Esse Flávio Dino…

A miséria e o PCdoB…

O fato oficial – que nem eles podem questionar – mostrando que o Maranhão teve um aumento de 2% nos índices de pobreza extrema no período de governo do comunista Flávio Dino mexeu fortemente com o Palácio dos Leões.

De férias na Europa, Flávio Dino comentou o assunto por alto, em seus perfis de redes sociais.

A tarefa de agredir, atacar e tentar desqualificar quem publicou o fato coube ao seu lugar-tenente, o bi-secretário- de Comunicação e de Articulação Política -, Márcio Jerry.

Jerry tem atacado O Estado há pelo menos quatro dias. Ataca nas contas pessoais em redes sociais e usa blogs e jornais vinculados ao Palácio dos Leões para atacar o jornal que apenas tem reproduzido o fato oficial revelado pelo IBGE.

Nem Jerry, nem Dino, nem nenhum outro aliado deles consegue contrapor a verdade, qual seja: o Maranhão sob a égide do comunista,gerou uma população de 312 mil miseráveis. Esses cidadãos que passaram a viver abaixo da linha da pobreza não são frutos da história e muito menos resultado da cultura do estado.

São, sim, resultado direto de três anos de mandato de Flávio Dino, como deixou claro o IBGE.

Essa população foi gerada nos anos de 2015, 2016 e 2017, exatamente quando o comunista passou a comandar o Maranhão.

Sem argumentos, Márcio Jerry só pode atacar, como sempre faz.

Mas nem os seus ataques vão poder esconder o fato oficial: a extrema pobreza no Maranhão aumentou nos anos em que Flávio Dino está no poder.

Fato incontestável…

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Ressentido: Pedro Fernandes deixa o posto de vice-líder do Governo Temer

O deputado federal Pedro Fernandes (PTB) pediu a sua destituição do posto de vice-líder do Governo Michel Temer na Câmara Federal.

O pedido foi formalizado por meio de um ofício encaminhado ao líder do Governo na Casa, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

A decisão de Fernandes ocorreu dias depois de ele ter o nome rejeitado para o Ministério do Trabalho.

No ofício, Fernandes tentou responsabilizar o ex-presidente José Sarney e disse que não tem mais interesse no posto.

“Diante das circunstâncias e para evitar embaraços do sr. presidente Michel Temer com o sr. ex-presidente José Sarney, notifico o meu desinteresse de continuar como vice-líder, por conseguinte, solicito a minha destituição”, escreveu.

Após ter o nome rejeitado no Palácio do Planalto, Pedro Fernandes já havia tentado responsabilizar o ex-presidente da República.

Em resposta, José Sarney rechaçou ter vetado o nome do petebista, e lembrou que na ocasião da nomeação do governador Flávio Dino (PCdoB) para o comando da Embratur, no Governo Dilma Rousseff, deu aval para o comunista.

“Ele [Pedro Fernandes] quer arrumar uma desculpa. Colocar a responsabilidade sobre as minhas costas. Se, no passado, não vetei Flávio Dino para a Embratur, não faria isso para alguém que foi nosso amigo”, finalizou.

Malte Show: novo destino de diversão em São Luís

É em clima de pré-carnaval que a Malte Show faz sua estreia em São Luís. Sob o comando dos empresários Elicio e Norma Vieira, a casa conta com uma super estrutura de som, gastronomia e atendimento para conquistar o público da ilha.

Localizada na Avenida dos Holandeses, bem ao lado do Shopping do Automóvel, a Malte Show abre suas portas neste sábado, a partir das 17h com uma programação para folião nenhum botar defeito.

No cardápio sonoro de inauguração têm muito pandeiro e tamborim com Grupo Argumento, Sindicato do Samba e Madrilenius. Pra completar essa mistura de bom gosto, o dj Erick Ferris faz o esquenta de quem chega para curtir a festa.

Então anota aí! Cerveja gelada, ambiente climatizado e o melhor agito do pré-Carnaval de São Luís, é neste sábado, 13, na Malte Show.

Jhonatan afirma à polícia que assassinou presidiário para não ser morto

O criminoso Jhonathan de Sousa Silva – condenado a 25 anos de prisão pelo assassinato do jornalista Décio Sá, então repórter de Política de O Estado, disse em depoimento à Polícia Civil que matou o detento Alan Kardec Mota porque estava sendo ameaçado de morte. O crime ocorreu no último domingo no Presídio São Luís 4, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

Jhonathan Silva afirmou que as ameaças ocorriam desde 2016. Ele contou “que, depois que foi ameaçado de morte, teve um desentendimento com Alan Kardec em um jogo de futebol. Na ocasião, foi necessária a intervenção de outros internos para separar a briga.  “Alan Kardec gritava para os internos apoiarem ele”, relatou Jhonathan.

O homicida relatou ainda que há duas semanas se desentendeu com Alan Kardec em um jogo de xadrez, tendo ele dito para outro interno que resolveria com o interrogado suas diferenças na quadra, porque, se não fosse do jeito dele, iria esfaqueá-lo.

“Quando se encontrava em sua cela, uma noite antes do crime, ouviu o barulho de amolar de facas, mas não sabia de qual cela vinha. Na manhã, quando foi ao banheiro, encontrou um chuço no chão, próximo ao vaso sanitário. Pegou o chuço, indo em direção a Alan Kardec, e desferiu um golpe na região do peito”, relatou.

O criminoso matou Alan Kardec Dias Mota com golpes de ferro no peito, por volta das 7h30 do domingo, no horário do banho de sol. O detento ainda chegou a ser levado para o Hospital Municipal Dr. Clementino Moura (Socorrão II), mas não resistiu e morreu no fim da tarde.

Com informações de O Estado

Wellington sugere mudanças no concurso para a Segep

O deputado estadual Wellington do Curso (PP) encaminhou ofício ao governador Flávio Dino (PCdoB) com a sugestão de mudanças no edital para o concurso público da Secretaria de Estado da Gestão, Patrimônio e Assistência dos Servidores (Segep) do Maranhão.

A sugestão ocorreu após o parlamentar ter recebido solicitações de contadores do estado.

De acordo com o deputado, o edital prevê vagas para o cargo de analista previdenciário, exigindo a formação em Ciências Atuariais, curso que sequer é oferecido no Maranhão.

“A solicitação dos contadores do Maranhão é justa: Flávio Dino abre vagas para cargo que sequer tem formação no Maranhão. O Edital prevê a exigência de formação em Ciências Atuariais, enquanto que as atribuições também possam ser exercidas pelo formado em Contabilidade, que é um curso que é disponibilizado no Maranhão. A quem isso iria beneficiar? Afinal, maranhense algum possui tal formação. Por isso, solicitamos que o Governador permita que se faça a retificação, prevendo vagas para o contador, que é o profissional que existe no Maranhão”, pontuou o professor e deputado Wellington.

Wellington aguarda por um posicionamento do Palácio dos Leões.

Aumento da pobreza no MA: adversários apontam fracasso de projeto comunista

A revelação do estudo do IBGE, que apontou crescimento de 2% nos índices de pobreza extrema no Maranhão durante o período do mandato do governador Flávio Dino (PCdoB) tem sido vista pelos adversários do comunista como o exemplo mais acabado do fracasso do governo. De acordo com o IBGE, a pobreza extrema cresceu no Maranhão nos anos de 2015, 2016 e 2017.

Para o pré-candidato a governador Ricardo Murad (PRP),o Maranhão precisa “dar um basta na politicagem” para que, de fato, cresça em todos os níveis.

“O Maranhão precisa por um fim na politicagem, que tem mantido o estado atrasado e sem futuro. O governo comunista de Flávio Dino aumentou a pobreza e perseverou nesse modelo, que faz tudo para cooptar políticos”, disse o ex-secretário de Saúde.

Ele cita como exemplo de cooptação o deputado estadual Josimar do Maranhãozinho que, segundo ele, antes era odiado e, hoje, é ídolo do comunismo.

“Vou acabar com isso para fazer gestão no governo e dar resultados. Podem acreditar”, escreveu Ricardo, em suas redes sociais.

O fracasso do combate à pobreza no governo Flávio Dino também já havia sido criticado pelo senador Roberto Rocha (PSDB), pela ex-deputada Maura Jorge (Podemos) e pela ex-governadora Roseana Sarney.

Rocha aponta que o problema de Flávio Dino é a política autoritária e exclusivista implantada no estado. O senador prega que é preciso a classe política se unir para executar obras de impacto no interior maranhense.

De acordo com Rocha, o trabalho que vem sendo desenvolvido pela Codevasf no Maranhão tem mais impacto que qualquer ação do governo comunista. “Não se vê as ações do governo”, disse.

A ex-governadora Roseana Sarney tem aparecido nos programas do PMDB na propagada partidária para afirmar que 2018 será “um ano de esperança por melhores dias”. Ela também lamenta o aumento dos índices de pobreza, destacando que, durante seus mandatos, todos os estudos apontavam para a redução deste problema.

Outro lado

Para tentar contrapor os dados do IBGE, Dino tentou vender nas redes sociais que a pobreza é fruto de atrasos históricos no Maranhão. “Agora cobram que eu resolva as omissões em apenas três anos. Oposição irresponsável”, reagiu, em seu perfil de redes sociais.

Informações de O Estado, com edição do blog