Heringer Táxi Aéreo fez pousou com Dino em aeroporto interditado

O Estado – O aluguel de um avião a jato de uso privado ao Governo do Estado (reveja) não foi a única irregularidade cometida pela Heringer Táxi Aéreo na execução do contrato de locação de aeronaves que mantém com o Executivo. Em agosto de 2015, um piloto da empresa já realizou um pouso com o governador Flávio Dino (PCdoB) em um aeroporto interditado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Naquela ocasião, a empresa tinha apenas meses de contrato com o governo e levava o comunista para uma agenda oficial em Bacabal. O pouso foi realizado no Aeroporto Regional Presidente Sarney.

Flávio Dino chegou junto com o então secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Bira do Pindaré (PSB), e foi recebido pelo então prefeito José Alberto (PMDB) e pelo deputado estadual Carlinhos Florêncio (PHS).

Durante entrevista ainda na pista interditada, ele destacou os compromissos da agenda oficial. “É uma oportunidade de estar aqui, onde nós vamos inaugurar uma obra que estava em andamento há muitos anos, finalmente foi concluída no nosso governo. Uma obra de grande importância para a cidade, para a juventude e para os profissionais da Universidade Estadual do Maranhão e vamos anunciar a execução de 10 km de asfalto na cidade, no Programa Mais Asfalto e, finalmente, vou vistoriar as obras do Hospital Lauro Vasconcelos”, disse.

O aeroporto de Bacabal foi interditado pela primeira vez em junho de 2008. Depois disso, já chegou a ser liberado, mas, segundo a assessoria de comunicação da Anac, está novamente interditado desde 2013 – curiosamente, o mesmo ano em que se chegou a anunciar investimentos do Governo Federal, com recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil, para recuperar a estrutura desse e de mais 11 aeroportos regionais maranhenses.

Procurado por O Estado, o governo não respondeu se tinha conhecimento de que a pista estava interditada para pousos e decolagens quando o chefe do Executivo esteve lá. Também não houve resposta da Heringer Táxi Aéreo aos questionamentos da reportagem.

João Abreu se entrega à polícia

joaoabreuO ex-secretário-chefe da Casa Civil, João Abreu, se entregou à Polícia Civil do Maranhão no início da tarde de hoje.

Ele desembarcava no Aeroporto Marechal Hugo da Cunha Machado, quando, voluntariamente, se entregou à polícia. Os advogados de Abreu já haviam entrado em contato com a polícia para informar da prisão.

Abreu estava em São Paulo, a negócios, e tinha retorno já definido para hoje.

Ele foi encaminhado para a Seic, onde presta depoimento, e depois será levado para o Corpo de Bombeiros. Os advogados tentam a liberdade de Abreu na Justiça.

“Não adianta aeroporto se não tivermos investimentos no turismo”, diz Edilázio

Deputado Edilázio Júnior

Deputado Edilázio Júnior20

O primeiro secretário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, deputado Edilázio Júnior (PV), cobrou hoje da Comissão de Obras e Serviços Públicos da Casa, uma visita à Secretaria de Estado do Turismo, para que busque explicações a respeito da queda acentuada, nos sete primeiros meses da gestão do governador Flávio Dino (PCdoB), do fluxo de turistas no estado.

O posicionamento do parlamentar ocorreu após a manifestação de membros da comissão sobre uma vistoria realizada ontem pelo colegiado, no Aeroporto Marechal Hugo Machado, em São Luís. O objetivo da visita ao aeroporto foi apurar as causas do atraso na conclusão das obras de ampliação e adequação do espaço.

Apesar de reconhecer a importância da visita ao aeroporto da capital, o parlamentar destacou a necessidade de se verificar o que de fato a gestão estadual está fazendo para atrair turista para o estado.

“Não adianta a gente ter o aeroporto mais bonito do mundo se não há turista. Desde o começo do governo Flávio Dino vem caindo mês a mês o fluxo de passageiros no aeroporto. Para se ter uma ideia, em janeiro de 2014, no auge da crise no Maranhão, com aquelas decapitações em Pedrinhas, nós tivemos 177 mil passageiros no aeroporto. Em janeiro deste ano tivemos apenas 125 mil”, disse.

Edilázio apontou outros dados preocupantes em relação à queda do turismo no Maranhão.

“O nosso Carnaval foi o mais fraco da história com relação ao turismo, o São João a mesma coisa. Os hotéis estão fechando por conta da falta de fluxo, as nossas praias estão poluídas. Anteriormente tínhamos dificuldade para encontrar mesas nos restaurantes, hoje as encontramos com a maior facilidade, justamente por falta de turistas na capital. Falta política pública de turistas. Para se ter uma ideia, nos três primeiros meses do ano caiu em 17,64% o número de passageiros do aeroporto”, disse e completou. “É válido ter um aeroporto bonito. Mas não adianta ter um aeroporto funcionando às moscas. Precisamos sim que a Secretaria de Turismo do nosso estado mostre a que veio e o que está fazendo pelo nosso Maranhão”, finalizou.

Grupo protesta no aeroporto contra Dilma Rousseff

dilma2Um pequeno grupo de militantes do PSDB recebeu com protestos, no Aeroporto Marechal Cunha Machado, a presidente Dilma Rousseff (PT), em seu desembarque em São Luís.

Apesar de pertencerem ao tucanato maranhense, os manifestantes ergueram faixa com a frase: “Não temos partido, nosso partido é o futuro”.

Eles fizeram críticas à crise econômica do país e se deslocaram, em seguida, para a área do Maracaã, na zona rural da cidade, onde Dilma fará a entrega de unidades habitacionais do Minha Casa, Minha Vida.

Prefeitura não cumpre prazos e aeroporto continua sob ameaça de fechamento

Ameaça de acidentes aéreos continua em SL

Ameaça de acidentes aéreos continua em São Luís

A Prefeitura de São Luís não cumpriu o prazo de 10 dias dado pela Justiça para a entrega de documentos administrativos que comprovem o cumprimento de sentença proferida em maio de 2008, que determinou a realização de auditoria ambiental no Aterro Sanitário da Ribeira. Ontem, a Procuradoria Geral do Município (PGM) informou que não foi notificada oficialmente sobre o assunto. Na segunda-feira, dia 25, representantes do MP e da Prefeitura de São Luís se reúnem para discutir o fechamento do aterro.

Por meio de nota, o Município informou que, apesar de a PGM não saber do prazo estipulado pela Justiça, foram tomadas iniciativas para discutir o assunto com os órgãos envolvidos: PGM, secretarias municipais de Meio Ambiente (Semmam) e Obras e Serviços Públicos (Semosp) e Ministério Público Estadual (MP). A discussão acontecerá na segunda-feira, em reunião na sede das Promotorias, na Cohama. Serão debatidos o fechamento do aterro e o novo local onde serão despejados os resíduos sólidos produzidos em São Luís.

A Prefeitura ressaltou também que implantará até junho de 2014 a nova Central de Tratamento de Resíduos (CTR). A obra já está com 90% dos serviços concluídos. No mesmo período, será iniciado o tratamento ambiental do Aterro da Ribeira, que passará a receber apenas os resíduos inertes. A mudança se dá pela Lei n° 12.305, de 2 de agosto de 2010, que determina como prazo para o início das atividades do novo aterro agosto do próximo ano. A Semosp pretende antecipar o início da operação para junho de 2014.

O Aterro da Ribeira é o principal causador da aglomeração de aves [avifauna] na Área de Segurança Aeroportuária (ASA) do Aeroporto Marechal Hugo Cunha Machado, o que provoca o risco de acidentes. Por esse motivo, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ameaçou fechar o aeroporto. Até o momento, no entanto, a Prefeitura não solucionou o problema.

Com informações de O Estado

Edivaldo garante solucionar problema do Aterro da Ribeira

Edivaldo assegura que solucionará problema

Edivaldo assegura que solucionará problema de incidência de urubus

Depois de pressionado pela Assembleia Legislativa e pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) garantiu ao blog que resolverá o problema da incidência de urubus na Área de Segurança Aeroportuária (ASA) do Aeroporto Marechal Hugo Cunha Machado.

Edivaldo afirmou que está dando continuidade a projetos de controle e tratamento de resíduos sólidos no Aterro Sanitário da Ribeira que já vinham sendo implementados pelo ex-prefeito João Castelo (PSDB) e que em breve o problema será sanado, não havendo a necessidade de fechamento do aeroporto.

As declarações de Edivaldo ao blog ocorreram durante o encontro de prefeitos com a ministra-chefe da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, Ideli Salvatti, na manhã de hoje no Espaço Renascença.

“Essa questão já vem sendo tratada desde a gestão passada com responsabilidade e vai ser resolvida dentro do prazo hábil. Já estamos implementando ações, tivemos no último encontro ambiental a assinatura de um TAC [Termo de Ajustamento de Conduta], que resulta na ida [do aterro] para o município vizinho [Rosário], então tudo isso será sanado a tempo de acordo com prevê o Plano Nacional de Resíduos Sólidos”, afirmou.

Edivaldo afirmou estar empenhado na solução do problema e garantiu a sua gestão dará respostas concretas em curto espaço de tempo em relação ao caso.

A Anac ameaçou fechar aeroporto por conta da incidência de urubus na área de operação de decolagens e pousos de aeronaves na capital. O argumento é o risco de colisões entre os aviões e as aves, o que pode provocar acidente de graves proporções. O assunto já vinha sendo tratado com maior preocupação desde as gestões Tadeu Palácio e João Castelo, que não conseguiram resolver o problema.

Chiquinho Escórcio promete levar caso do aeroporto para o Congresso

francisco escórcioO deputado federal Francisco Escórcio (PMDB) assegurou há pouco ao blog, durante o encontro de prefeitos com a ministra-chefe da Secretaria de Relações Institucionais Ideli Salvatti, no Espaço Renascença, que levará a discussão da possibilidade de fechamento do Aeroporto Marechal Hugo Cunha Machado, de São Luís, para o Congresso Nacional.

Ele afirmou que a ameaça da Anac é preocupante e se for concretizada abrirá precedentes para uma crise econômica ao estado, uma vez que o aeroporto é a principal porta de entrada e saída do Maranhão.

“Há estamos acompanhando essa situação, que em algumas oportunidades, inclusive, foi tema de reportagens nacionais. Como já fiz em outras oportunidades vou levar esse tema para o Congresso e exigir do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) uma solução para o Aterro da Ribeira. Esse lixão não pode permanecer da maneira como está”, disse.

Escórcio disse estar atento às movimentações da Anac e da Infraero e garantiu que pedirá empenho de toda a bancada maranhense no Congresso para que se alcance uma solução em relação ao aeroporto. “Não se pode esperar por uma tragédia ou por uma medida drástica como a do fechamento do aeroporto, para se solucionar o problema dos urubus. Já passou da hora de a administração pública apresentar à sociedade algo concreto”, finalizou.

Assembleia cobrará de Edivaldo solução para o lixão e urubus nas proximidades de aeroporto Marechal Hugo Machado

avesA Assembleia Legislativa do Maranhão formará comissão parlamentar para cobrar do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC), solução para o Aterro Sanitário da Ribeira, que provoca a aglomeração de urubus na Área de Segurança Aérea (ASA) do aeroporto Marechal Hugo Cunha Machado.

A Anac deu ultimato à Prefeitura de São Luís, e ameaça fechar o aeroporto caso o Executivo Municipal não resolva o problema. A aglomeração de urubus no entorno do aeroporto coloca em risco a vida de milhares de passageiros, por causa do risco constante de impacto das aves com as aeronaves.

A formação de uma comissão parlamentar será proposta na sessão de amanhã, pelo deputado estadual Roberto Costa (PMDB), que acompanha o caso desde 2011. “Não podemos apenas cruzar os braços e esperar por uma solução da Prefeitura de São Luís, que até hoje não deu resposta alguma ao problema. A comissão, que deverá ser composto por membros de todos os blocos parlamentares, discutirá o assunto com a Infraero, Prefeitura e Ministério Público Federal”, afirmou.

O presidente da Casa, Arnaldo Melo (PMDB), assegurou que a Assembleia irá cobrar uma resposta de Edivaldo Júnior. “Não temos mais como conviver com esse problema. É um assunto muito sério, tem de ser resolvido imediatamente e a Assembleia Legislativa está atenta a isso e cobrará das autoridades a solução”, assegurou.

Anac ameaça fechar aeroporto de SL

Aeroporto pode ser fechado

Aeroporto pode ser fechado em São Luís

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou à bancada maranhense no Congresso Nacional, à Prefeitura de São Luís e à Câmara Municipal de São Luís, que é real a possibilidade de fechamento do Aeroporto Marechal Hugo Machado, principal porta de entrada da capital. O tema foi levado à tribuna da Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Roberto Costa (PMDB).

A possibilidade de se dá por conta da elevada concentração de aves no entorno do aeroporto, provocada por causa da manutenção inadequada do Aterro Sanitário da Ribeira. O Ministério Público Federal (MPF) já foi informado da situação.

De acordo com a Anac, cabe a Prefeitura de São Luís encontrar uma situação para o problema. É o Município quem cuida da coleta e do tratamento de resíduos sólidos e da manutenção do Aterro da Ribeira, que já teve a vida útil ultrapassada.

A Anac pede que o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) solucione o problema, caso contrário, o aeroporto será fechado. “Diante disso, encaminhamos a vossa excelência os anexos que corroboram o exposto para as providências que julgar cabíveis, tendo em vista a possibilidade de restrições à utilização do aeroporto em questão”, destaca o texto.

O blog já tentou entrar em contato com a superintendência da Infraero no Maranhão, mas as ligações não foram atendidas. A Prefeitura também não se manifestou sobre o assunto até o momento.

Aeroporto de São Luís pode ser interditado

Aeroporto Marechal Hugo da Cunha Machado

Relatório da Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero), destinado ao Ministro da Defesa, Nelson Jobim, pede intervenção imediata da Presidência da República junto a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Governo do Maranhão e a Prefeitura de São Luís, para que sejam criados mecanismos formais e eficazes no Aterro da Ribeira para o controle de perigo provocado pela avifauna (incidência de urubus) existente na área do Aeroporto Internacional Marechal Cunha Machado, na capital. O assunto foi levado ao conhecido dos deputados estaduais na Assembléia Legislativa ontem, pelo deputado Roberto Costa (PMDB), que utilizou a tribuna da Casa para discutir o tema. Ele disse que há possibilidade real de interdição do aeroporto.

De acordo com o documento n° 173, protocolado no Ministério da Defesa no dia 2 de fevereiro deste ano, e assinado pelo presidente da Infraero, Murilo Marques Barboza, a preocupação diz respeito aos potenciais acidentes aéreos que venham a ser provocados por agentes da avifauna (urubus). O relatório cita como agravante a questão da carência de infra-estrutura urbana, aliada a ausência de serviços básicos de limpeza em regiões enquadradas pela Área de Segurança Aeroportuária (ASA). Esses serviços são de responsabilidade da Prefeitura de São Luís.

Segundo o relatório, o principal pólo de atração da avifauna no entorno do aeroporto é o lixo que se acumula no Aterro da Ribeira, distante cerca de 7 km do sítio aeroportuário. “Não há serviços operacionais de tratamento (espalhamento, compactação e drenagem) do lixo recebido conforme pode ser comprovado pelas matérias publicadas pela mídia local”, diz o texto.

De acordo com o deputado Roberto Costa, a situação é alarmante e pode culminar em resultados nada agradáveis para o Maranhão. “Uma portaria assinada pelo ministro da defesa diz que alguns aeroportos em condições semelhantes ao de São Luís, podem ser interditados a qualquer momento. A situação é muito grave”, disse.

Segundo o deputado, um relatório final do Ministério da Defesa entregue à Prefeitura de São Luís, Governo do Estado e Aeronáutica, pede soluções imediatas. “O relatório foi encaminhado ao Prefeito (João Castelo), que terá que tomar as providências. E se ele nada fizer, eu acredito que dentro de um mês, ou um mês e meio, a Infraero vai se posicionar em relação a isso”, assegurou.

O superintendente da Infraero no Maranhão, Hidelbrando Coelho Correia, falou a O Estado que desconhece a possibilidade de interdição do Aeroporto Marechal Cunha Machado. “Sei da existência do relatório da Infraero demonstrando a preocupação com o Aterro da Ribeira, e do comunicado do Ministério da Defesa às autoridades locais, mas nada em relação a essa possibilidade de interdição. Desconheço a possibilidade por completo”, afirmou.

Risco – Segundo o relatório da Infraero, que tem como título: “Perigo de Avifauna no Aeroporto Internacional de São Luís do Maranhão”, a presença de urubus no entorno do aeroporto põe em risco as operações aéreas, principalmente aquelas que utilizam a cabeceira de número 6 (95% do total), já que o Aterro da Ribeira está sob a trajetória dos procedimentos de pouso de decolagem.

O texto também fala que a Infraero, por diversas vezes, tentou junto aos órgãos municipais e estaduais a solução do problema, sem que tivesse êxito. Diz também que, por conta própria, conduziu diversas ações no sentido de amenizar os prejuízos, tais como: estabelecer a Comissão de Prevenção do Perigo da Fauna; implantar o Plano de Gerenciamento do Perigo de Fauna; conduzir palestras de educação ambiental para as comunidades envolvidas; providenciar o corte baixo e freqüente da grama e a limpeza de canais de drenagem, além de realizar operações diárias de espanta de aves com o uso de fogos de artifícios.

 O aeroporto de São Luís fechado seria uma vergonha nacional e mundial. Tudo porque a Prefeitura não consegue cuidar de seu aterro e eliminar os urubus”, deputado Roberto Costa.