Fábio Gentil afirma que Caxias não recebe ajuda do Governo

O Estado – O prefeito de Caxias, Fábio Gentil (PRB), faz um balanço altamente positivo do seu primeiro ano de gestão e lista uma série de obras impactantes e diversas outras ações realizadas em 2017. Sem ajuda financeira do governo estadual ou de qualquer outro órgão, ele superou as dificuldades financeiras e, com recursos próprios, executou inúmeras benfeitorias, que mudaram a realidade caxiense em apenas 12 meses.

Fábio Gentil toma como referência o último mês do ano passado para demonstrar quão bem-sucedida e responsável tem sido sua gestão. Ele lembra que em dezembro cumpriu o compromisso de pagar o 13º e o salário do mês em um período recorde de 15 dias.

“Isso me deu uma segurança maior na forma de administrar. Nós percebemos que é possível fazer, apesar das dificuldades”, enfatizou, ressaltando que além de manter a folha em dia nos 12 meses de 2017, sempre pagou os vencimentos do funcionalismo antecipadamente, no máximo, até o dia 19.

Reforma e ajuste na folha

Uma das primeiras ações adotadas por Fábio Gentil ao assumir o mandato de prefeito foi reduzir o número de secretarias municipais de 32 para 12. Outra providência foi identificar os servidores que recebiam salários da prefeitura, mas não trabalhavam, conhecidos popularmente como “fantasmas”. “Não eram poucos os funcionários nessas condições, que ganhavam salários entre R$ 2 mil e R$ 11 mil. Após fazermos os ajustes, conseguimos reduzir os gastos com a folha em R$ 1 milhão”, revela.

O prefeito atribui os bons resultados da sua administração à capacidade que sua equipe de governo tem de criar, sobressaindo-se em meio à crise. Para Fábio Gentil, a eficiência e a responsabilidade da gestão possibilitaram à Prefeitura de Caxias investir R$ 25 milhões em obras. A lista inclui a construção de avenidas, de pontes de concreto armado, aplicação de centenas de quilômetros de asfalto e sistemas de abastecimento de água, com perfuração de poços artesianos e interligação dos imóveis à rede. “Somos o único município a investir tamanha soma em obras, com recursos próprios. Desconheço outra cidade em todo o Maranhão que esteja investindo tanto quanto nós com receitas próprias”, assinala o gestor, que projeta para este ano um cenário ainda mais positivo.

Vereador por 20 anos, Fábio Gentil recorda que em seu último mandato legislativo discutiu muito na Câmara Municipal o porquê de Caxias não ter, na gestão passada, uma única placa de inauguração que indicasse que determinada obra fora executada unicamente pela prefeitura. “Em nossa administração investimos logo R$ 25 milhões e todos duvidavam de onde viriam os recursos”, pontua, assegurando que qualquer prefeito pode fazer o mesmo, desde que respeite o pensamento do povo e defina prioridades.

Perdas          

Fábio Gentil relembra que no inicio do seu mandato de prefeito, Caxias amargou perda de recursos que deveriam ter sido destinados pelo Governo do Estado ao município, sobretudo na área de saúde. “Sofremos perdas, mas, não só mantivemos o atendimento, como avançamos, melhorando a assistência médica na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e aumentando o número de profissionais de saúde”. Ele recorda que recebeu o Município com um hospital de urgência e emergência fechado, que além de ter sido reaberto, está sendo ampliado em mais de dois mil metros quadrados.

Sobre as dificuldades com as quais se deparou ao assumir a prefeitura, o gestor reconheceu que tinha plena convicção das condições desfavoráveis que encontraria. “Não adianta só chorar, nós temos que resolver. E nossa equipe é preparada para dar bons resultados”, salienta.

Responsabilidade

A responsabilidade foi outra marca registrada do primeiro ano da atual gestão municipal de Caxias. Atualmente, segundo o prefeito, todas as despesas com fornecedores e prestadores de serviços estão com pagamentos em dias, restando apenas débitos da administração passada. “A nossa gestão está 100% limpa e regular”, garante Gentil. “Estamos pagando, neste mês, um abono aos professores equivalente ao 14º salário. São poucas as cidades que conseguem isso sem prejudicar o andamento legal e o funcionamento da educação”, ressalta o prefeito, que autorizou reajuste de 9% ao piso salarial dos educadores, superior aos 7% concedidos pelo Governo Federal.

Fábio Gentil afirma que está sempre em busca de convênios com órgãos federais e até mesmo com o governo estadual. Segundo ele, a prefeitura tem diversos projetos elaborados, todos com o intuito de favorecer o povo caxiense. Ele menciona o convênio assinado recentemente com a Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf) para a construção de estradas vicinais e para a reforma do Mercado Central.

Em relação à falta de apoio do Estado, ele lembra que os recursos que foram retirados jamais retornaram ao Município, mas frisa que o auxílio que vier será bem vindo e será revertido em prol da população. “Caxias faz parte do Maranhão. O governador tem o compromisso e a obrigação de ajudar não só Caxias, mas todos os 217 municípios maranhenses”, alerta. “Continuamos buscando caminhos para que o Governo do Estado consiga enxergar e respeitar o povo de Caxias e contribuir com convênios e outras ações voltadas à saúde pública do município, como fazia na gestão anterior”.

Município tem investimentos em várias frentes 

O Natal Iluminado de Caxias, com programação alusiva ao período realizada em diferentes pontos do município, foi outro destaque do primeiro ano de gestão, de acordo com Fábio Gentil. O prefeito classificou o evento como um dos maiores e melhores natais do Nordeste, a ponto de Caxias ter sido comparada a Gramado (RS), estimulando, o turismo na cidade. Frisou, ainda, que a mão de obra contratada para as festividades foi predominantemente local, o que fez os recursos circularem dentro do próprio município.

Fábio Gentil listou diversas outras ações realizadas em seu primeiro ano de gestão, a exemplo da inauguração, em 23 de dezembro, da Praça Dom Luís Marelim, um dos maiores logradouros públicos do interior do Maranhão, tanto em termos de área física, quanto em funcionalidade. “Dotamos a praça com tudo o que há de melhor, a exemplo de anfiteatro, fonte interativa, luminosa e musical, academia ao ar livre, pista de cooper, pátio de diversões, dentre outros equipamentos”, enumera.

Livros didáticos

Outra ação inédita da gestão de Fábio Gentil foi a aquisição de livros didáticos para todos os estudantes da educação infantil da rede pública de ensino de Caxias, graças a um investimento de R$ 2 milhões em recursos exclusivos da prefeitura. “Estamos sempre fazendo algo diferente em benefício do nosso povo. No caso dos livros didáticos, nunca, na história do nosso município, os alunos haviam recebido material didático”, exalta.

Outro destaque foi a construção de 100 quilômetros de estradas vicinais, que melhoraram os acessos entre as diversas localidades de Caxias e facilitaram o escoamento da produção agrícola. Sobre essa última atividade, o prefeito informa que a própria prefeitura se encarrega de fomentar o setor, adquirindo os produtos da agricultura familiar para servir na merenda escolar, nos hospitais municipais e em repartições”.

Reportagem de Daniel Matos

Prefeito anuncia fechamento de UPA em Estreito por falta de ajuda do Governo

Documento assinado pelo prefeito anuncia desativação de UPA 24 horas

O prefeito de Estreito, Cícero Neco, Cicinho, encaminhou à Câmara de Vereadores da cidade um documento por meio do qual confirma que fechará a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) construída no município.

Inaugurada em maio deste ano, a unidade custa, segundo apurou O Estado, algo em torno de R$ 400 mil mensais para funcionar adequadamente.

No comunicado, o prefeito diz que nunca conseguiu apoio, nem do governo federal, tampouco do governo Flávio Dino (PCdoB), o que o impossibilitou de manter a UPA em funcionamento.

“Desde a data de sua inauguração, […] o município de Estreito vem arcando com todas as despesas para manter o seu funcionamento, apesar da busca, sem sucesso, de parcerias com o Governo Estadual e/ou Governo Federal”, diz o texto.

Cicinho reclama, ainda, “falta de decisão” para a habilitação da unidade “junto ao Governo Estadual”.

“Todos os procedimentos legais exigidos para habilitar nossa UPA junto ao Governo Estadual foram rigorosamente cumpridos em tempo hábil e, até a data de hoje por falta de decisão do órgão responsável, não obtivemos a devida homologação de funcionamento, fator preponderante ao recebimento de recursos que contribuem, parcialmente, com o total dispendido pelo Município”, destacou.

A SES foi procurada para comentar a alegada “falta de decisão” para a habilitação da UPS de Estreito “junto ao Governo Estadual”, como informado pelo prefeito, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

Informações de O Estado

Leia também: Prefeito de São Pedro dos Crentes diz que SES mentiu para não repassar recursos para a Saúde

“Quem ajuda ele [Flávio Dino] sou eu”, diz Gastão Vieira

Ex-deputado Gastão Vieira

Ex-deputado Gastão Vieira

O ex-ministro do Turismo, Gastão Vieira (PROS), presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) no Governo Federal, criticou as investidas dos senadores Roberto Rocha (PSB), João Alberto (PMDB) e Edison Lobão (PMDB) pelo comando da autarquia.

Em pronunciamento no fim de semana no povoado Belo Monte, em Colinas, ele afirmou que a bancada maranhense no Senado não vai conseguir o derrubar.

Durante o discurso, ele criticou a postura de Roberto Rocha, eleitor na chapa de Flávio Dino (PCdoB) em 2014, e assegurou que é ele, e não o socialista, quem ajuda o governador do Maranhão.

“O que eu lamento é que, depois de uma eleição para o Senado, em que eu não ataquei ninguém, perdi a eleição por menos de 150 mil votos, porque o Flávio [Dino] vendeu a ideia de que ele precisava de um senador de oposição e que ajudasse ele. O senador dele, de oposição, hoje vota com o governo [Michel Temer] e quem ajuda ele [Flávio Dino] sou eu, que trouxe 64 ônibus para o Governo do Estado”, alfinetou.

Segundo ele, os representantes do Maranhão no Senado queriam que se “escondesse os ônibus e não distribuísse, porque o governador era Flávio Dino”.

“E é por isso que, lamentavelmente, os três senadores do Maranhão, seu Roberto Rocha, seu João Alberto e seu Edison Lobão vão para o gabinete do presidente: ‘Olha aqui, presidente, o Gastão com Flávio. O senhor tem que demitir ele daí’”, alegou.

Leia mais sobre o tema aqui