Juscelino confirma convite do DEM a Felipe Camarão

O presidente do Democratas no Maranhão, deputado federal Juscelino Filho, confirmou ontem, em entrevista ao jornalista Jorge Aragão, da Rádio Mirante AM, que o partido tem mesmo interesse em contar com o secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão, em seus quadros.

A possível filiação do titular da Seduc começou a ser aventada pela imprensa no fim de semana e, ao mencionar o tema, o presidente da sigla destacou que formalizou um convite ainda no ano passado, mas que ainda não houve oficialização, apenas conversas.

“O Felipe Camarão é um excelente nome no atual quadro da política maranhense e todos esses bons nomes interessam ao DEM. Será uma honra para o partido tê-lo conosco, mas ainda não existe nada de oficial. O convite foi feito desde o ano passado e seguimos conversando”, afirmou.

Para Juscelino Filho, além de um ganho para o partido – que, assim, pode passar a ter o controle de uma das mais importantes pastas do governo –, uma possível filiação de Camarão pode representar maiores chances de parceria com o governo Michel Temer, onde o DEM já tem o controle do Ministério da Educação, como deputado Mendonça Filho.

“Seria bom também pelo fato do ministro da Educação, Mendonça Filho, ser do DEM, isso facilitaria muito o diálogo e novas parcerias para o Maranhão”, lembrou Juscelino.

O próprio Felipe Camarão ainda não se pronunciou sobre o assunto. Procurado por O Estado, o principal articulador político do Palácio, secretário Márcio Jerry (PCdoB) disse desconhecer do tema. “Não sei. Está aí em blogs”, disse.

Senado – Entre aliados do governador Flávio Dino (PCdoB) a possibilidade de filiação de Felipe Camarão ao DEM seria uma forma de confirmar que o comunista não deve mesmo apoiar a pré-candidatura do deputado federal Zé Reinaldo.

O parlamentar tem confirmada para fevereiro sua filiação ao DEM e ainda acredita no cumprimento de um acordo pelo apoio do seu projeto rumo ao Senado.

Se o DEM assumir o controle da Seduc via Felipe Camarão, entendem os mais próximos do Palácio dos Leões, o partido estaria contemplado e Dino, por consequência, desobrigado de hipotecar apoio a Zé Reinaldo que, nesse caso, pode até desistir da filiação.

Saiba Mais

Uma das especulações sobre a possível filiação de Felipe Camarão ao DEM dá conta de que, além de assumir o controle da Seduc, o partido indicaria o próprio secretário como candidato a vice-governador na chapa de Flávio Dino. Nesse caso, o atual vice-governador, Carlos Brandão (PRB), investiria numa candidatura a deputado federal.

Reportagem de O Estado

Edilázio cumpre agenda política no interior do estado

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) cumpriu extensa agenda no interior do estado no último fim de semana, período em que não há atividades regulares no Legislativo Estadual.

Ele visitou os municípios de Vargem Grande, Buriti de Inácia Vaz e Axixá, participou de reuniões com lideranças políticas e de eventos religiosos.

Em Vargem Grande, Edilázio foi recebido pela liderança política Mathias Pancadão. Mathias ofereceu almoço ao parlamentar em sua residência.

Participaram do almoço, o ex-vereador Adailson, Alex Brás, Alcione de São Gonçalo, Valentino e outras lideranças da região.

Já no município de Buriti de Inácia Vaz, o deputado do PV participou da missa da padroeira Nossa Senhora das Graças – em que também estavam presentes o deputado estadual César Pires (PEN) e o ex-prefeito Neném Mourão.

Depois da missa Edilázio participou de um jantar na residência do ex-prefeito e conversou com lideranças políticas.

Em Axixá, o parlamentar prestigiou o encerramento do festejo da Nossa Senhora da Saúde, padroeira do município. Houve procissão pelas principais vias da cidade e participação da comunidade religiosa.

Flávio Dino e Roberto Rocha: um projeto que naufragou

Flávio Dino e Roberto Rocha

Repercutiu forte no fim de semana, uma nova troca de ofensas entre o senador Roberto Rocha (PSB) e alguns dos principais aliados do governador Flávio Dino (PCdoB).

Eleitos pela mesma coligação em 2014 e sob o forte discurso de “mudança” no Maranhão, Rocha e Dino deixaram a aliança de lado no ano passado, às vésperas das eleições municipais, ocasião em que não houve entendimento em torno da candidatura de Roberto Rocha Júnior (PSB) na chapa de Edivaldo Holanda Júnior (PDT).

De lá para cá, já houve inúmeras discussões por meio das redes sociais  – território que eles adoram -, e afastamento político.

Na última sexta-feira em  entrevista à Rádio Nova FM, de Balsas, Rocha disse que o Maranhão não tem um governador. “No máximo um despachante de luxo no Palácio dos Leões”.

O vice-presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), reagiu: disse que o estado possui o senador que “em nada ajudou o Maranhão”.

As trocas de ofensas, a irritação de ambos os lados e a implosão da aliança só evidencia uma coisa: o projeto de Flávio Dino e Roberto Rocha firmado em 2014, não deu certo…

Definição no PSDB: Brandão atento aos cenários

O presidente do PSDB no Maranhão, vice-governador do Estado, Carlos Brandão, participou na noite de ontem da reunião ampliada da Executiva Nacional da sigla, que definiu a permanência do partido na base do Governo Federal.

Lideranças nacionais do partido e representantes de todos os estados, participaram do ato.

Atento aos cenários, Brandão defendeu a tese de preservação à boa política. “Tenho acompanhado atentamente as movimentações do meu partido e respeito a decisão nacional, defendendo sempre a política feita com verdade, transparência, respeito às instituições e compromisso com o cidadão e com o país”, reforçou, ao assegurar que vai seguir as determinações que a coletividade partidária definir nacionalmente.

Também participaram do encontro, representantes de bancada, quatro ministros: Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores), Bruno Araújo (Cidades), Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Luislinda Valois (Direitos Humanos); os governadores de São Paulo, Geraldo Alckmin; de Goiás, Marconi Perillo, e do Pará, Simão Jatene; os prefeitos de São Paulo, João Dóriae e de Manaus, Arthur Virgílio.

 

 

Eleições 2018: Rose Sales se filia ao PMN e vai buscar vaga na Assembleia

Sales e Ivaldo Barbosa já estão no PMN; ambos disputarão o Legislativo Estadual

A ex-vereadora Rose Sales se filiou ao Partido da Mobilização Nacional (PMN), que é comandado pelo deputado estadual Eduardo Braide, no Maranhão.

Além de Rose, o coronel da Polícia Militar, Ivaldo Barbosa, também efetuou a sua filiação na sigla. O objetivo, segundo Braide, é fortalecer o partido para a disputa das eleições 2018.

“Estou muito feliz com o número de pessoas que tem nos procurado para fazer parte do PMN. A partir de agora, irei percorrer o Maranhão para que possamos instalar o partido nos 217 municípios, bem como fortalecer o nosso quadro para a disputa de 2018”, assegurou Eduardo Braide.

Rose Sales, que no ano passado disputou a Prefeita de São Luís, assumiu a presidência do PMN Mulher no Maranhão.

“A união estabelecida em 2016 com o deputado Eduardo Braide, está sendo materializada hoje. Sei que tanto ele quanto eu comungamos do mesmo sentimento: o de ter um Maranhão, de fato, melhor para cada maranhense”, afirmou a presidente do PMN Mulher.

Já Ivaldo Barbosa, reafirmou o seu compromisso de defender uma segurança mais eficaz para o Maranhão. Tanto Ivaldo Barbosa quanto Rose Sales são pré-candidatos a deputado estadual.

Carlos Brandão: “vamos aguardar a decisão oficial da executiva nacional”

O presidente estadual do PSDB no Maranhão, vice-governador Carlos Brandão, explicou qual deve ser a postura da sigla em relação às eleições 2018 no estado.

Brandão destacou que o PSDB foi o partido que mais cresceu, de forma proporcional, no país, nas eleições do ano passado e explicou que a legenda aguardará uma decisão da cúpula nacional para movimentar-se em busca de alianças no estado.

“O PSDB maranhense trabalha para cumprir as metas estabelecidas. Assim, fomos o diretório que, proporcionalmente, mais cresceu no país. Entendo que a aliança foi importante para que isso ocorresse. De qualquer forma, vamos aguardar o posicionamento oficial da executiva nacional. Vejo que esse debate sobre alianças, e isso vale para qualquer partido, só deve ocorrer mesmo quando as regras do jogo forem definidas, ou seja, após a discussão sobre a reforma política. O certo é que o PSDB do Maranhão respeitará a decisão da executiva”, disse.

A Reforma Política a que se referiu Brandão, em discussão no Congresso Nacional, pode estabelecer diretrizes que vão atingir o sistema eleitoral do país. Uma das propostas diz respeito ao voto em lista fechada; outra trata do fim das coligações e a última, do fim da figura do vice.

São aspectos decisivos para a definições de alianças…

Estadão: Waldir Maranhão deve se filiar ao PTB

O polêmico deputado maranhense Waldir Maranhão (PP), que chegou a comandar a Câmara e votou contra o impeachment de Dilma, estará nesta quarta-feira em São Paulo — e não hoje, terça, como anunciado inicialmente — para assinar a ficha de inscrição no PTB. Será recebido pelo presidente paulista da sigla, Campos Machado, e pelo presidente nacional, Roberto Jefferson.

O que corre entre os petebistas é que, por trás dessa filiação, estão dois projetos — um dele e outro do PTB. Primeiro, o novo filiado quer um apoio mais sólido para disputar o Senado em 2018 por seu Estado. Segundo, ele seria um “embaixador”, entre os eleitores maranhenses, da candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência.

Projeto ao qual o PTB está ligado, e que deve ganhar força com a anunciada mudança para São Paulo, em maio, de Roberto Jefferson. Com novo domicílio eleitoral, Jefferson quer disputar ano que vem uma vaga como deputado federal por SP.

Blog Direto da Fonte, de O Estadão

Perfil de Marcio Jerry na Secap o coloca como ex-membro do governo Roseana

O perfil técnico do secretário de Estado de Comunicação e Assuntos Políticos, Marcio Jerry (PCdoB), publicado na página oficial do Governo do Estado, na subseção da Secap, o coloca como ex-membro do governo Roseana Sarney (PCdoB).

Na página, como mostra a imagem, Jerry é apresentado como jornalista e ex-professor da Universidade Estadual do Maranhão (UFMA).

Também destaca atuação profissional do comunista como assessor de ONGs e entidades sindicais e ex-membro do primeiro escalão de gestões municipais em Imperatriz e em São Luís.

No último parágrafo, contudo, o equívoco, com a informação de que ele atuou como secretário de Estado em 2014, último ano da gestão Roseana Sarney.

“Sua função pública mais recente foi o comando da Secretaria de Estado de Articulação Política do Governo do Maranhão (2014) […]”, destaca o texto.

Expressão de desejo?

Senado em disputa

lobaoTodos querem*

À medida que se aproxima o prazo para início do processo eleitoral de 2018, cada vez mais lideranças políticas se manifestam interessadas na disputa pelas duas vagas no Senado a ser aberta pelos atuais ocupantes do mandato, senadores João Alberto de Sousa e Edison Lobão (ambos do PMDB).

Nem João Alberto nem Lobão pretendem disputar a reeleição; e até agora citavam-se como interessados nas vagas os deputados federais Waldir Maranhão (PP), Weverton Rocha (PDT) e José Reinaldo Tavares (PSB), além do prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira (PSDB), e do presidente da Assembleia Legislativa, Humberto Coutinho (PDT).

 Nas última semanas, começaram a surgir outros interessados. Apontam, por exemplo, que o prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT), pode deixar o cargo em 2018 para concorrer a uma das vagas. Embora ele próprio tenha negado, começou a fazer investidas pelo interior do Maranhão nos últimos dias, como se quisesse tornar-se mais conhecido além do Estreito dos Mosquitos.

Além dele, movimenta-se nos bastidores o deputado estadual Bira do Pindaré, que deve deixar o PSB e figura como opção pessoal do governador Flávio Dino (PCdoB) para o posto. Pindaré tem como trunfo, inclusive, o fato de já ter disputado o Senado.

Já o ex-ministro Gastão Vieira (Pros) declarou-se pessoalmente candidato a uma das vagas no Senado e pretende trabalhar para formação de uma chapa que viabilize seu nome. Por último, a deputada federal Eliziane Gama (PPS) também admitiu a possibilidade de concorrer a uma eleição majoritária em 2018, que pode ser tanto o governo quanto o Senado.

Só aí são nove possibilidades; para duas vagas em jogo…

*Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Obs: Apesar de não ter sido citado na coluna, o suplente de senador Lobão Filho já demonstra interesse em uma das vagas. Ao blog ele afirmou, contudo, que o seu grupo político começará a discutir o tema somente no próximo ano.

Eleições 2018: lideranças políticas já articulam troca de partido no MA

Trocas partidárias

Os pretendentes a deputado estadual e federal já iniciaram movimentos para definir seus rumos partidários. Na Assembleia Legislativa pelo menos três parlamentares já falam em trocar de legenda: Bira do Pindaré, Rogério Cafeteira e o presidente da Casa, Humberto Coutinho.

Os dois primeiros deverão sair do PSB, partido atualmente comandado no estado pelo senador Roberto Rocha. O destino de Rogério Cafeteira, que é líder do governo Flávio Dino na Assembleia, deve ser o PDT. Segundo ele, é o mais provável devido à afinidade que ele tem com a legenda que cresceu durante o segundo turno da eleição para prefeito de São Luís.

Já Bira do Pindaré quer deixar o PSB porque não há mais clima para que ele continue na legenda após as articulações de Roberto Rocha que levaram à tentativa frustrada do deputado, que queria ser candidato a prefeito da capital.

O caminho de Bira deve ser o PCdoB. No entanto, isso não está decidido, já que ele quer se candidatar a deputado federal e quadros da sigla como o deputado Rubens Pereira Júnior seriam um entrave. Esse obstáculo pode ser resolvido pelos comunistas, considerando-se que nomes da cúpula do partido andam pedindo a saída de Rubens Júnior da sigla.

O deputado federal Weverton Rocha, que comanda o PDT, e que deverá ser candidato a senador, já fez o convite com a garantia de dá espaço necessário para Bira do Pindaré buscar uma vaga na Câmara Federal. Então, a saída de Bira do PSB já é dada como certa. Falta definir só o destino.

No caso de Rogério Cafeteira, ele prefere aguardar mais um pouco para saber como caminhará o PSB. O líder de Flávio Dino na Assembleia espera que o partido caminhe em 2018 com Dino assim como ocorreu em 2014. Mas isso somente ocorrerá se Roberto Rocha deixar o partido ou se perder força entre os socialistas.

E o presidente Humberto Coutinho já decidiu que trocará mesmo de partido. Ele deixará o PDT e o seu novo partido deverá ser o PP. Coutinho quer ser candidato a senador e no PDT esse é um sonho distante, pois o partido já tem um candidato a senador que tem total controle da legenda.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão