Flávio Dino volta atrás e anuncia Expoema para novembro em São Luís

Depois de por fim à maior feira de exposição agropecuária das regiões Norte e Nordeste em 2016 e de tomar o Parque Independência da Associação dos Criadores do Maranhão (Ascem) – que tinha uso contratual do espaço até 2026, o governador Flávio Dino (PCdoB) voltou atrás e admitiu a realização da Expoema em São Luís neste ano.

O evento, contudo, não será realizado em setembro, como há 60 anos ditava a agenda tradicional do agronegócio, mas sim em novembro, em decorrência do impasse entre o Governo do Estado e a Ascem.

No ano passado o governador Flávio Dino havia retirado a administração do Parque Independência da Ascem para iniciar um projeto de construção de condomínios no local.

Foi realizada uma licitação, mas a Justiça Federal suspendeu o processo.

Dino, até então, já anunicava a realização da Expoema – a maior da história, segundo ele, na cidade de Santa Inês.

Mas, agora, mudou de ideia.

Foi convencido por criadores, empresários e empresas ligadas ao agronegócio, de que o evento realizado em Santa Inês sairia num custo muito mais elevado, do que em São Luís. Somente para instalar a Expoema em Santa Inês, o Governo teria de desembolsar R$ 1,300 milhão num parque privado.

Por isso o comunista recuou da própria arrogância.

Esse ano a Expoema volta para São Luís, no local onde sempre ocorreu. Está marcada para o mês de novembro.

Mas Dino já avisou, em 2018 o evento será levado para a cidade de Imperatriz, onde ele perdeu a eleição municipal do ano passado.

Então tá…

Leia também:__________ Edilázio lamenta o fim da Expoema

______________________Flávio Dino diz que não acabou com a Expoema

Governo recua mas inviabiliza Expoema, diz deputado

Charge de Clovis Cabalau, diretor de redação do jornal O Estado do Maranhão

Charge de Clovis Cabalau, diretor de redação do jornal O Estado do Maranhão

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) afirmou há pouco, na Assembleia Legislativa, que o Governo do Estado recuou em relação à decisão de tomar da Associação dos Criadores do Maranhão (Ascem).

Em reunião com os criadores realizada ontem, representantes do Executivo informaram que poderão ceder o espaço do Parque Independência para os criadores, neste ano, mas retomam novamente o controle do imóvel em 2017.

Ocorre que apesar de a decisão – “que só ocorreu por causa do desgaste provocado a Flávio Dino (PCdoB)”, reforçou Edilázio -, a realização da Expoema já está inviável.

Os criadores afirmam, por exemplo, que já devolveram aos bancos, os recursos referentes a patrocínios para o evento, e que haverá dificuldade em contratar bandas – em decorrência do calendário de shows -, e serviços.

“O Governo recuou, mas inviabilizou, ao mesmo tempo, a realização da Expoema. Os criadores encaminharam ofícios ao Estado pedindo apoio ao evento em setembro do ano passado. Ou seja, Expoema se organiza com um ano de antecedência. O dinheiro aos bancos já foi devolvido e não há como contratar uma grade shows de uma hora para outras. As bandas são contratadas meses antes do evento”, disse Edilázio.

Edilázio lembrou que para tentar amenizar a gravidade da situação, o secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca, Márcio Honaiser, ofereceu patrocínio – no mesmo montante oferecido em 2015 -, para a realização da festa.

Calote – O valor, R$ 95 mil, contudo, que acabou não sendo pago pelo Governo no ano passado, foi rejeitado pela Ascem. “O Governo, caloteiro como a gente sabe que é, ofereceu no ano passado a menor ajuda da história da Expoema, com apenas R$ 95 mil, e mesmo assim não pagou. Deu um calote nos criadores do Maranhão. É o Governo do calote”, acrescentou.

A Assembleia Legislativa discutiria hoje, em audiência pública, uma solução para a realização da Expoema 2016. O evento, contudo, está suspenso, a pedido da Ascem.

 

Edilázio lamenta fim da Expoema

edilazioO deputado estadual Edilázio Júnior (PV) repudiou ontem, na Assembleia Legislativa, a decisão do governador Flávio Dino (PCdoB) de tirar da Associação de Criadores do Estado do Maranhão (Ascem), o controle do Parque Independência, local onde tradicionalmente se realiza a Expoema.

O tema foi explorado na coluna Estado Maior, da edição de ontem, e ganhou forte repercussão no Legislativo e entre os próprios criadores, que já anunciaram a provável não realização da Expoema este ano. O evento, que já faz parte do calendário tradicional do estado, ocorre sempre no mês de setembro.

Para Edilázio Júnior, mais uma decisão intempestiva e incoerente do governador Flávio Dino. O Parque Independência estava cedido à Ascem pelo Executivo até o ano de 2026. A cessão se deu por meio de um contrato de comodato, assinado em 1990 e ratificado em 2009.

“Estive na semana passada com o presidente da Associação dos Criadores do Maranhão, senhor José Assub, e ele me falou muito entristecido do que vinha acontecendo, da forma como nós aqui sabemos, ditatorial que o governador Flávio Dino trata todos. Não existe nenhuma justificativa para findar o contrato que existe até o ano de 2026”, disse.

Edilázio afirmou que além de afetar o turismo, o fim da Expoema resultará num impacto gigantesco na economia local, uma vez que o evento movimentava mais de R$ 20 milhões por ano.

“Nós temos um parque de exposição. Fortaleza tem um parque, Teresina também. Nós já não temos mais o Carnaval, não temos mais o São João e agora vamos perder algo que era já tradicional em nosso calendário. Movimentava-se na Expoema mais de R$ 20 milhões e gerava-se mais de 2 mil empregos diretos e indiretos. Estou falando de restaurantes, comércios, operadores de máquinas agrícolas, enfim, tratadores. Mas agora o governador Flávio Dino sem ter o menor diálogo com a Associação dos Criadores, acabou com tudo isso”, completou.