Edivaldo Holanda justifica saída da base governista

O deputado estadual Edivaldo Holanda Braga (PTC) explicou hoje o motivo que o levou a deixar o Bloco Parlamentar União Pelo Maranhão, o chamado Blocão, e consequentemente, a base governista na Assembleia Legislativa.

Ao jornalista Gilberto Léda [leia aqui], Edivaldo afirmou que ao deixar o Blocão, passa a ter liberdade dentro do Plenário para votar as matérias que são de interesse da população. Ele também afirmou que, a partir de agora, passa a atuar mais próximo da comunidade que o elegeu em 2014.

“Eu quero liberdade, uma liberdade maior no plenário para analisar determinadas matérias e ter meu posicionamento bem mais próximo da comunidade do estado que me elegeu”, disse.

O parlamentar também rechaçou intenção de sair de seu partido político. “Eu deixei o bloco, não foi com a intenção de deixar o meu partido. Também não deixei meu bloco para votar com determinado partido, a minha votação é pessoal, é minha, é individual, a análise é minha, a liberdade é minha de votar. Eu não vou votar com a orientação de A, B ou C”, completou.

Ao ser perguntado se espera por uma reação do Governo Flávio Dino (PCdoB), ele disse que não.

Líder do Governo diz não ter sido procurado por Edivaldo Holanda

“Estou afastado das atividades em decorrência de uma cirurgia a que me submeti, por isso não estou podendo ir lá [na Assembleia]. Eu fiquei sabendo no momento em que aconteceu, mas o deputado Edivaldo não me procurou para tratar do assunto, talvez até porque ele também está em recuperação [de saúde] achou por bem não falar. Mas, da minha parte eu não tinha conhecimento”.

Rogério Cafeteira (PSB), líder do Governo na Assembleia Legislativa, sobre a decisão do deputado estadual Edivaldo Holanda Braga (PTC) de deixar a base do Poder Executivo no Legislativo Estadual.

Leia mais sobre o tema: Edivaldo Holanda deixa o Blocão na Assembleia Legislativa

Edivaldo Holanda deixa o Blocão na Assembleia Legislativa

O deputado estadual Edivaldo Holanda Braga (PTC) deixou hoje o Bloco Parlamentar Unidos Pelo Maranhão, o Blocão. Quem fez o anúncio foi o deputado César Pires (PEN), há pouco, durante o pequeno expediente.

“Eu fui instado a subir a esta tribuna pelo nosso querido amigo Edivaldo Holanda, que autorizou-me a vir aqui dizer que, a partir de hoje, eu já não estou só com o Sérgio Vieira, o partido dele também ingressa e nós já somos três. Ele sai do Blocão”, disse.

Como a formação de bloco só ocorre no início de cada ano da legislatura em vigência, Edivaldo, na prática, deixa o Blocão e fica isolado, sem composição formal de colegiado.
Apesar disso, ele firmou acordo e passará a votar as matérias em comum acordo com o PEN, que além de César Pires, possui como membro do deputado Sergio Vieira.

“Vamos continuar firmes nesta nossa luta séria, serena, mas sempre próspera, sem se curvar e sem se vender por migalhas”, completou Pires.

Edivaldo Holanda estava presente no Plenário durante o anúncio feito por César Pires.

Base de Flávio Dino menor na Assembleia…

O Estado – O deputado estadual Rafael Leitoa (PDT), confirmou com exclusividade a O Estado a possibilidade de ser oficializada na sessão solene de hoje, de reabertura dos trabalhos da Assembleia Legislativa, a redução no número de blocos governistas na Casa.

Ele rechaçou divisão do Bloco Parlamentar Unidos Pelo Maranhão, o chamado Blocão, mas admitiu que apenas este colegiado dará sustentação ao Governo Flávio Dino (PCdoB).

Atualmente Dino conta com o apoio do Blocão, do Bloco União Parlamentar, que possui oito membros e das bancadas do PEN e do PRP.

O objetivo é fazer com que o Blocão passe de 24 para 27 membros. Apesar da ampliação do bloco e da consolidação como único de apoio a Dino, a base governista, tecnicamente, diminui. Isso por que até dezembro do ano passado, a base contava com 38 parlamentares, dos 42 que compõem o Plenário. Além dos oito que integram o União Parlamentar, comandado por Josimar de Maranhãozinho, havia também apoio das bancadas do PEN e do PRP e até de membros do PMDB e do PV – partidos de oposição.

“A discussão da divisão do Blocão está superada. O que estamos definindo hoje [ontem] é a questão do número deputados, com a possível adesão do DEM, que nos elevaria a 27 deputados e a questão da liderança. O PDT fez o indicativo, através do deputado Humberto Coutinho, do nosso nome, e estamos agora colhendo as assinaturas para somente em seguida oficializar a liderança”, revelou.

O Estado apurou que apesar de líderes governistas tentarem conduzir o DEM para o Blocão, há resistência de pelo menos dois dos três deputados da sigla.

Independente – Outra mudança no Plenário deve ser a criação de um novo bloco parlamentar, articulado pelo deputado estadual Eduardo Braide (PMN). Já estariam confirmados no colegiado os deputados Wellington do Curso (PP) e Alexandre Almeida (PTN). O bloco também pode atrair o DEM, assediado pela base governista.

O objetivo dos membros deste bloco é manter uma posição de independência na Casa e somar-se à oposição, eventualmente, no embate contra o Governo.

O bloco deve contar com pelo menos cinco membros.

Até o fechamento desta edição, a nova composição de blocos e bancadas da Assembleia Legislativa ainda não estava definida.

Juscelino Filho afirma que César Pires queria compor o Blocão

Juscelino FilhoO deputado federal Juscelino Filho (PMB), que apesar de ainda não ser filiado ao partido, é quem decide os rumos do DEM no Maranhão, se posicionou a respeito do imbróglio que envolve a sigla na Assembleia Legislativa.

Juscelino explicou que Antônio Pereira e César Pires haviam entrado em consenso, num primeiro momento, em relação a entrada do partido no Bloco União Parlamentar. Após a evasão de deputados do Blocão para o bloco liderado por Josimar do Maranhãozinho (PR), Pires teria desistido da composição. Foi aí que começou, segundo o parlamentar, a divergência na sigla.

Deputado estadual César Pires

Deputado estadual César Pires

Tanto Antônio Pereira quanto Pires, recorreram à direção da legenda. Augusto Serra, presidente estadual do DEM, reconduziu Pereira à liderança do partido no Legislativo e após ter consultado Juscelino, concedeu o aval para que a legenda formasse bloco no Parlamento.

“Ele mesmo [César] participou de uma reunião, com Josimar e todos os demais daquele bloco, e Antônio Pereira, fechando a formação. Antônio assinou no mesmo dia, já César, disse que ia aguardar uma conversa com Alexandre Almeida [PSD] para assinar. Mas houve uma dissidência no Blocão, e alguns membros migraram por algumas horas para esse bloco. Quando isso ocorreu César ficou insatisfeito e nesse momento já foi querendo ingressar no Blocão do Governo. Nesse momento ficou a divergência entre os dois”, explicou.

Juscelino rechaçou, contudo, a entrada do partido no Blocão. “Como não houve entendimento entre os dois, o partido precisou se posicionar. Como que o partido iria para o Blocão se nós nunca tivemos sequer diálogo com o Governo? Foi a melhor decisão colocar o partido no Bloco União Parlamentar que é de centro. Essa foi a decisão”, explicou.

Juscelino disse que o partido jamais traiu César Pires, como o parlamentar sugeriu na tribuna da Assembleia Legislativa na manhã de ontem.

Eduardo Braide e mais cinco deixam o Blocão na Assembleia Legislativa

Eduardo BraideO deputado estadual Eduardo Braide (PMN) confirmou na manhã de hoje a sua saída do Bloco Parlamentar Unidos pelo Maranhão, o Blocão da Assembleia Legislativa.

Ele agradeceu os colegas pela oportunidade de ter liderado o colegiado em 2015 e anunciou o seu ingresso no Bloco União Parlamentar.

¨Eu quero aqui agradecer por ter tido a oportunidade de liderar o Bloco Parlamentar Unidos Pelo Maranhão, no ano passado, missão que não é fácil, missão espinhosa, porque realmente um bloco com mais da metade dos deputados desta Casa, mas que confiaram em mim na condução desse bloco no ano passado. Então agradeço de coração a oportunidade que me foi dada para que a gente pudesse ter tido esse convívio e o trabalho que foi levado a cabo no ano passado¨, disse.

¨Quero dizer da minha felicidade também de ter sido recebido de braços abertos no Bloco União Parlamentar, a forma carinhosa como fui recebido, a forma carinhosa como foi expresso o sentimento daqueles que já compunham aquele bloco. Tenha certeza de que estarei lá para fazer o que for melhor para o Maranhão, para fazer o que for melhor e ajudá-los naquilo que for possível nos interesses do bloco¨, finalizou Eduardo Braide.

Rafael Leitoa é quem vai liderar o Blocão da Casa. Além de Braide, deixaram o Blocão os deputados  Ricardo Rios, Fábio Braga, Carlinhos Florêncio, Paulo Neto e Sérgio Frota.

Alexandre Almeida e César Pires também ingressariam no novo bloco de Braide, que é liderado por Josimar do Maranhãozinho, mas recuaram e foram para o blocão.