Flávio Dino cede à pressão e decide voltar a ajudar a Saúde de Caxias

O Estado – Pouco mais de uma semana após forte pressão do prefeito Fábio Gentil (PRB) – que recorreu a O Estado para denunciar perseguição do Governo do Estado à saúde do seu município -, o governador Flávio Dino (PCdoB) decidiu recuar e determinar que a Secretaria de Estado da Saúde (SES) repasse mais R$ 675 mil por mês para ajudar na gestão de Saúde de Caxias.

O dinheiro deve ser aplicado no custeio da maternidade Carmosina Coutinho – especificamente no pagamento de profissionais médicos. A unidade é administrada pela Prefeitura Municipal.

O anúncio do acerto foi feito ontem pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Humberto Coutinho (PDT), aliado do governador em Caxias e vem depois de o governo não conseguir sustentar o discurso de que não cortou verbas da cidade.

Para encerrar o assunto, Dino recebeu Gentil no Palácio dos Leões e comunicou que havia autorizado o repasse, que deve começar imediatamente.

Crise – A crise envolvendo o Governo do Estado e a Prefeitura de Caxias veio à tona depois de o prefeito Fábio Gentil (PRB) acusar o governador Flávio Dino de haver cortado pelo menos R$ 18 milhões da saúde do município em 2017.

Segundo ele, são quase R$ 3 milhões a menos que o Estado repassa para a saúde local desde janeiro. Os motivos seriam políticos, uma vez que Gentil venceu na eleição de 2016 o candidato apoiado pelo Palácio dos Leões, Léo Coutinho (PSB).

“Os recursos foram suspensos após o candidato apoiado pelo governador Flávio Dino [Léo Coutinho] em Caxias perder as eleições em 2016”, dizia uma nota publicada pela Prefeitura de Caxias no fim do mês de junho. Gentil apresentou documentos comprovando os cortes – sempre negados pela SES.

Dias depois, O Estado revelou que, o Fundo Municipal de Saúde (FMS) de Caxias também poderia ter sido alvo de perseguição política. Dados do Portal da Transparência do Executivo estadual apontam que, em 2017, houve redução de 98% nos repasses, nos seis primeiros meses do ano – e em comparação com o mesmo período de 2016.

Segundo levantamento a partir de informações da plataforma de dados abertos do governo, de janeiro a junho de 2016 a gestão comunista repassou ao Fundo de Saúde de Caxias – cidade então administrada pelo aliado Léo Coutinho – valores que, somados, chegaram a R$ 23.754.369,82.

No mesmo período de 2017 – e já sob a administração do prefeito Fábio Gentil, que é adversário político do Palácio dos Leões – foram repassados apenas R$ 446.067,40. O valor corresponde a 1,87% do que foi enviado ao município há um ano.

SAIBA MAIS

Desde janeiro, a Maternidade Carmosina Coutinho tem enfrentado dificuldades para manter os serviços médicos que atendem a Região dos Cocais. Para amenizar o problema – e após muita reclamação do prefeito – o pagamento dos médicos da unidade ficará a cargo da Secretaria de Estado Saúde (SES) e o custeio de manutenção ficará a cargo da Prefeitura.

Flávio Dino cortou 98% de repasses para a Saúde de Caxias

O Estado – O governo Flávio Dino (PCdoB) reduziu em 98% o total de repasses do Fundo Estadual de Saúde (FES) ao Fundo Municipal de Saúde (FMS) da cidade de Caxias, em 2017.

Os dados constam do Portal da Transparência do Governo do Estado e referem-se aos seis primeiros meses deste ano, em comparação com o mesmo período de 2016.

Segundo levantamento de O Estado na plataforma de dados abertos do Executivo, de janeiro a junho de 2016 a gestão comunista repassou ao Fundo de Saúde de Caxias – cidade então administrada pelo aliado Léo Coutinho (PSB) – valores que, somados, chegaram a R$ 23.754.369,82.

No mesmo período de 2017 – e já sob a administração do prefeito Fábio Gentil (PRB), que é adversário político do Palácio dos Leões – foram repassados apenas R$ 446.067,40. O valor corresponde a 1,87% do que foi enviado ao município há um ano.

Para se ter uma ideia da disparidade, o menor repasse do ano passado foi de R$ 313,4 mil, quase o total registrado agora.

De outro lado, houve repasses milionários registrados em 2016: R$ 8,1 milhões em fevereiro; R$ 11,7 milhões em maio e R$ 2,2 milhões em junho.

Seletividade

Apesar da flagrante diferença de tratamento ao Município de Caxias após a troca de gestão, o governo Flávio Dino garantiu, em nota, que “os critérios utilizados para repasses de recursos estaduais na área da Saúde para municípios são técnicos e atendem a demandas ao nível regional e municipal, para reduzir lacunas assistenciais históricas”.

Segundo os comunistas, não há “seletividade”, nem “conveniência política para atendimento de demandas”.

O governo afirma, ainda, que a diferença nos valores repassados diz respeito ao fato de que, em 2016, ainda estava em vigor um convênio que garantia verbas para a manutenção da Maternidade Carmosina Coutinho.

Com o fim do convênio, o governo diz que propôs assumir a gestão da unidade. “Justamente para elevar os investimentos no município, a Secretaria de Saúde fez por ofício a proposta de gestão e custeio integral da Maternidade Carmosina Coutinho à gestão municipal, que traria ao longo do ano recursos da ordem de R$ 18 milhões para a manutenção da unidade”, ressalta o comunicado.

A proposta, no entanto, não foi aceita pela prefeitura de Caxias. E os recursos, então, deixaram de ser repassados.

Governo cortou R$ 18 milhões da Saúde de Caxias, afirma prefeito

O prefeito da cidade de Caxias, Fábio Gentil (PRB), afirmou que o governador Flávio Dino (PCdoB) cortou pelo menos R$ 18 milhões da saúde do município em 2017.

Segundo ele, são quase R$ 3 milhões a menos que o Estado repassa para a saúde local desde janeiro.

Os motivos seriam políticos, uma vez que Gentil venceu na eleição de 2016 o candidato do Palácio dos Leões, Léo Coutinho (PSB).

“Os recursos foram suspensos após o candidato apoiado pelo governador Flávio Dino [Léo Coutinho] em Caxias, perder as eleições em 2016”, diz uma nota publicada pela Prefeitura de Caxias em sua página oficial na internet.

Ainda de acordo com o relato do prefeito, até o fim de 2016 o governo repassava R$ 3 milhões mensais para a saúde de Caxias sem qualquer convênio. Mas os repasses pararam após sua eleição.

No dia 6 de junho, Fábio Gentil e o vice-prefeito, Paulo Marinho Júnior (PMDB), receberam a visita institucional de uma comitiva de secretários estaduais. Na ocasião, relataram a necessidade do retorno dos recursos da saúde. O prefeito reiterou que o Governo do Maranhão suspendeu repasses de quase R$ 3 milhões mensais.

“Nós mostramos aos secretários estaduais a necessidade dessa parceria. Nós mostramos a eles que o município de Caxias precisa em todos os âmbitos, que nós aqui do poder público municipal temos tentado de todas as formas possíveis, porém, não temos sucesso. Nós vamos onde tivermos que ir, nós iremos compor, nós iremos trabalhar, nós faremos o que tiver que ser feito para que o povo de caxiense possa ser beneficiado com o apoio do Governo do Estado. Nós precisamos do Governo do Estado. Passamos o recado a todos os secretários que estiveram presentes e acreditamos que os secretários vão sensibilizar o governador e com a sensibilidade dele, retribuir a Caxias aquilo que a gente almeja que é o retorno desse apoio”, afirmou Gentil.

Outro lado

Em entrevista a veículos de comunicação de Caxias, no sábado (24), o governador negou que tenha havido qualquer corte. “Não foi cortado recurso nenhum para a cidade de Caxias. Nós sempre ajudamos o município, tanto é que, mantemos lá um Hospital Macroregional. É um hospital que faz a ação exatamente que compete ao Estado, que é uma ação para a região, ação de alta complexidade para a região. É um dos hospitais que melhor funciona em nosso estado. Essa é a nossa contribuição, contribuição que legalmente nós somos obrigados a dar na cidade de Caxias”, disse Flávio Dino.

Com informações de O Estado

Vereadora do PCdoB de Caxias que usou carro do Governo é cassada

O juiz de Direito Paulo Afonso Gomes, da 4ª Zona Eleitoral de Caxias cassou o mandato da vereadora Aureamélia Brito Soares (PCdoB), por abuso de poder político e econômico nas eleições 2016.

Aureamélia havia sido flagrada durante a campanha eleitoral utilizando um veículo alugado pelo Governo do Estado, o que acabou sendo utilizado como prova para a sua cassação.

Com a saída da comunista quem assume mandato é o suplente Genival Moto Peças (PSB). A informação é do jornalista Gilberto Léda.

O carro utilizado pela vereadora é uma caminhonete Volkswagem Amarok, que está alugada para a Secretaria de Estado da Indústria e Comério (Seinc) desde o dia 20 de julho do ano passado. O contrato, segundo informação prestada à Justiça Eleitoral pelo próprio titular da pasta, Simplício Araújo (SDD), tem vigência de um ano e encerra-se apenas no dia 20 de julho deste ano.

Em sua defesa, a Aureamélia Soares – que é esposa do atual secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares – confirmou que usava o carro na campanha, mas garantiu que à época da eleição ele ainda não estava sendo utilizado pelo Executivo.

O argumento é quase o mesmo da Seinc. Em nota oficial, a secretaria informou que, apesar de o contrato ser do dia 20 de julho de 2016, o uso efetivo do veículo iniciou-se apenas no dia 10 de outubro do mesmo ano, após as eleições.

Para a Justiça, contudo, as justificativas não foram o suficiente…

Uma mancha na administração Fábio Gentil…

Uma grave denúncia contra a administração de Caxias feita na manhã de hoje pelo jornalista Gilberto Léda, mancha todo o discurso de renovação política adotado pelo prefeito eleito Fábio Gentil (PRB).

A administração Gentil demitiu dois servidores WhatsApp, durante o Carnaval, pelo simples motivos de ambos terem se divertido num bloco organizado pela família do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Humberto Coutinho (PDT).

A demissão foi motivada pela chefe de gabinete do prefeito, Lycia Waquim, que num grupo de secretários pressionou a secretária da Mulher, Taniery Cantalice.

“Taniery, teus funcionários da sec da mulher estão c bloco na festa do ferdinando [Coutinho]. Ramses e Rocha. Tome providência. São Coutinho doentes (sic)”, determinou, às 19h18.

Cerca de 30 minutos depois, Taniery acionou o assessor, e o comunicou do desligamento.

“Eh meu amigo a repercução foi grande. Já me mandaram msg dizendo que vc e Rochinha estão fora da folha (sic)”, anunciou.

E assim se fez.

Na gestão de Fábio Gentil, servidor é demitido por WhatsApp.

Que coisa…

Doador de campanha é dono de imóvel alugado pelo Governo em Caxias

O Estado – O governo Flávio Dino (PCdoB) assinou em outubro do ano passado mais um contrato de aluguel de imóvel em que há suspeita de favorecimento de aliado do Palácio dos Leões.

Na cidade de Caxias, foi escolhido para funcionar como sede da 2º Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran), órgão subordinado ao Departamento Estadual de Trânsito do Maranhão (Detran-MA), um prédio localizado no número 3480 da Avenida Senador Alexandre Costa.

Pela locação o governo acertou pagar R$ 7 mil por mês, durante um ano, totalizando R$ 84 mil ao final do contrato.

O imóvel em questão pertence a Ironaldo José Bezerra de Alencar, ex-vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Caxias. Aliado do atual presidente da Assembleia Legislativa, deputado Humberto Coutinho (PDT), ele já era um dos entusiastas de Flávio Dino na cidade anos antes da eleição de 2014.

Torcia tanto para a vitória do comunista naquele ano que chegou a contribuir financeiramente para a campanha.

De acordo com dados do sistema de prestações de contas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ironaldo de Alencar doou, no dia 10 de julho de 2014, recursos estimados em R$ 15,6 mil ao comitê financeiro de Dino. No mesmo dia, o pai dele, Antonio Apolônio de Alencar, contribuiu com o mesmo valor, ao mesmo comitê.

O recurso, nos dois casos, foi repassado dessa conta para a conta específica de campanha do comunista no dia 7 de outubro.

Relações – Há ainda outras duas relações entre a Ironaldo de Alencar e Flávio Dino. Em junho de 2013, o ex-vereador, juntamente com Humberto Coutinho, articulou o apoio de Kedson Lima, liderança de Aldeias Altas, ao então pré-candidato do PCdoB a governador.

O encontro entre os quatro está registrado em blogs da região, ocasião em que se vislumbrava a possibilidade de declaração de apoio de um filiado do PV – e ligado ao então roseanista Magno Bacelar – ao candidato comunista.

A segunda ligação é familiar: a irmã de Ironaldo, Ireneide de Alencar Marques, foi nomeada ainda no início da gestão Flávio Dino como chefe do Instituto de Proteção e Defesa ao Consumidor do Maranhão (Procon-MA) em Caxias.

Mais

Problemas no Portal da Transparência impediram a reportagem de O Estado de checar quanto já foi pago pelo governo Flávio Dino a Ironaldo de Alencar pelo aluguel do imóvel da Avenida Senador Alexandre Costa. Até o fechamento desta edição o Detran-MA ainda não havia se posicionado sobre o tema.

Assembleia respeita um minuto de silêncio por mortes em Caxias

Plenário respeitou 1 minuto de silêncio

Plenário respeitou 1 minuto de silêncio

O deputado estadual Wellington do Curso (PPS) utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa, na tarde de ontem, para homenagear o Dia das Mães e prestar condolências às mães caxienses de quase 200 crianças mortas na Maternidade Carmosina Coutinho, o que segundo ele é um ato de desrespeito com a falta de dignidade humana.

Na oportunidade, o parlamentar relembrou o protesto realizado no último domingo (10) pelas mães, que espalharam cruzes pela Praça da Matriz, no município de Caxias, além de latas de leite vazias em acompanhamento de faixas nas quais estavam escritas que “quase 200 mães não poderão comemorar seu dia”, e pediu, também, que fosse feito 1 minuto de silêncio, dentre os presentes, em respeito às vítimas, além de fazer referência à citação bíblica contida em Mateus 2:18, que retrata “o massacre dos inocentes”.

“Inicialmente, o pedido não foi compreendido pelo presidente em exercício, Othelino Neto, que parece não ter dado atenção ao meu pedido, e mais uma vez solicito a sensibilidade do presidente e dos demais parlamentares desta Casa, em homenagem e solidariedade às quase 200 mães que tiveram seus direitos de comemorarem o Dia das Mães abortados, que façamos 1 minuto de silêncio em respeito às dores destas mães”, lamentou o vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa.

Ascom

Arnaldo Melo inaugura Parque Empresarial de Caxias

Arnaldo CaxiasA região dos Cocais ganha uma das infraestruturas mais modernas e arrojadas para a implantação de empresas. O governador Arnaldo Melo (PMDB) e o secretário de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Mauricio Macedo, inauguraram, na tarde de ontem o Parque Empresarial de Caxias, segundo do estado. A obra, construída pela Secretaria de Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Sedinc), teve investimento de R$ 10,3 milhões, recursos oriundos do BNDES e foi realizada em seis meses.

A inauguração contou com a presença do prefeito de Caxias, Leonardo Coutinho (PDT); do deputado federal César Pires (DEM); do secretário de Articulação Política, Rodrigo Valente, do presidente do Sindicato das Indústrias e Comércio do Leste Maranhense (Sindcocal), Edivan da Silva Amâncio, além de empresários e autoridades da região. Este é o segundo Parque Empresarial entregue aos empresários pelo governo. Em novembro, foi inaugurado o parque empresarial de Timon.

Arnaldo Caxias 2A construção do Parque Empresarial de Caxias faz parte do Programa Viva Maranhão. Está localizado às margens da BR-316, no quilômetro 564, e conta com uma área inicial de 51 hectares divididos em 53 lotes empresariais. O terreno para a implantação, possui no total 100 hectares e foi doado pela prefeitura municipal de Caxias.

O governador Arnaldo Melo disse que o Parque Empresarial de Caxias é uma oportunidade belíssima para os caxienses maranhenses. “A entrega deste parque empresarial abre oportunidades para todos aqueles que acreditam no Maranhão, para os que querem investir e construir sua empresa aqui para gerar renda para o povo maranhense”, disse o governador Arnaldo Melo.

Arnaldo também vistoriou as obras de construção do Hospital Macrorregional de Caxias.

O abuso do CQC

cqc3EDITORIAL* – A tendência nos meios jornalísticos maranhenses – sobretudo os blogs – é comemorar toda ridicularização contra adversários e tentar esconder as vergonhas dos aliados.

Isso aconteceu de novo, no episódio envolvendo o prefeito de Caxias, Leo Coutinho (PSB), e o repórter Ocar Filho, do programa CQC, da Band: aliados de Coutinho tentaram abafar o episódio, sem a visão crítica necessária, enquanto seus adversários espalhavam a cena, internet a fora, rindo do que consideravam desgraça alheia.

Mesmo aqueles que já criticaram o CQC bateram palmas, só por que o alvo era uma adversário. E os que batiam palmas até tempos atrás, tentavam pichar o programa, sem consistência crítica.

Este blog não age assim porque busca sempre manter a coerência em suas posições.

E a posição deste blog sempre foi a de crítica ao formato do programa CQC, da Band, um espaço de achincalhe, covardia e canalhice disfarçados de programa de humor.

E mais uma vez, um repórter deste programa passou dos limites em sua tentativa de fazer rir.

O que o repórter Oscar Filho fez com o prefeito de Caxias foi mais uma destas canalhices típicas daquele programa, infelizmente aplaudido também pela mídia colonizada maranhense a cada gracinha que tenta fazer.

Mas o CQC é apenas um antro de canalhas, com sua raras e honrosas exceções.

Por lá já passaram tipos como Rafinha Bastos e Danilo Gentilli, exemplos de esgoto humorístico brasileiro tão aplaudido em tempos de internet.

O programa, ainda hoje, é assento do mau caráter Marcelo Taz.

O que aconteceu em Caxias foi um exemplo típico do que acontece quando um mau caráter perde as estribeiras.

Leo Coutinho – em que pese todos os problemas de sua gestão e a incapacidade gerencial – agiu como deveriam agir todas as vítimas do pseudo-repórter, que faz humor, não jornalismo. E ao tirar Oscar Filho do sério – quando deveria ser o contrário – o repórter mostrou a face de sua arrogância, agredindo o prefeito municipal.

É assim que age o CQC em todo o país quando se vê desmoralizado com suas próprias armas – a ironia e o deboche.

Infelizmente, este tipo de gente ainda é idolatrada por jovens retardados de redes sociais e bajulada por jornalistas colonizados, que sonham ser William Bonner em “Sum Pallo”.

Mas este blog não entra na onda dos colonizados.

Por que o programa da Band é só mais um lixo editorial transmitido no país…

*Do blog de Marco D’Eça

Lobão Filho desmonta projeto de mudança prometido por Dino em Caxias

Leo Coutinho foi eleito com o apoio de Flávio Dino

Leo Coutinho foi eleito com o apoio de Flávio Dino

O senador Lobão Filho (PMDB), candidato ao Governo do Estado pela coligação “Pra Frente Maranhão”, utilizou ontem o programa eleitoral para dar continuidade à desmistificação do discurso e da promessa de mudança pregada por Flávio Dino (PCdoB) no estado.

Lobão Filho mostrou aspectos da administração pública do município de Caxias, que assim como São Luís elegeu em 2012 um prefeito aliado de Dino, com o discurso de “renovação” e “mudança”. Léo Coutinho (PSB), que pertence à família do ex-prefeito Humberto Coutinho – assim como Edivaldo Júnior, em São Luís – não conseguiu concretizar nenhuma de suas promessas e enfrenta alto índice de rejeição.

O programa do peemedebista apontou uma série de denúncias de corrupção e de descaso com a população de Caxias. Um dos pontos diz respeito à promessa de Léo Coutinho e de Flávio Dino, em 2012, de transformar um município em uma “Cidade Olímpica”.

Lobão Filho mostrou que Caxias recebeu do Ministério dos Esportes o equivalente a R$ 5.600 milhões para a construção de um complexo esportivo, que incluía três piscinas olímpicas, mas depois de quase 2 anos de gestão a administração pública não concluiu as obras.

Outro setor que enfrenta grave crise é a saúde. Ao lado de Flávio Dino, como mostraram as imagens, Léo Coutinho prometeu a conclusão das obras do Hospital do Câncer, para o mês de março, mas o projeto não foi consolidado.

Os serviços prestados pelo Hospital Municipal de Caxias também são precários. A unidade, que serviria para desafogar o atendimento na região, está sucateada, sem equipamentos e materiais.

“A população de Caxias, assim como a de São Luís, sabe que se mudou alguma coisa, foi para pior. Esse projeto de poder mascarado de mudança não nos leva a lugar algum. É uma falsa mudança”, disse Lobão Filho.