Wellington do Curso surpreende adversários em pesquisa

Wellington do Curso

O deputado estadual Wellington do Curso (PP), a exemplo da vereadora Rose Sales (PMB), foi uma das maiores surpresas na pesquisa de intenções de votos Escutec, registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo MA-01393/2016.

Confirmado como pré-candidato a prefeito, o parlamentar, no exercício do seu primeiro mandato na Assembleia Legislativa, apresenta desempenho que supera a marca dos 8% da preferência do eleitorado em um dos cenários.

Sem amarras a grupos políticos tradicionais no Maranhão, como o que elegeu o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) em 2012, o governador Flávio Dino (PCdoB) em 2014 e a bancada de oposição ao comunista no Legislativo Estadual, o parlamentar – a exemplo da deputada federal Eliziane Gama (PPS) -, aparece como uma espécie de terceira via para o pleito.

Wellington ainda precisará de estrutura partidária e política para disputar a pé de igualdade a eleição municipal no mês de outubro. Dependerá de uma conjuntura que o favoreça, em detrimento de pré-candidatos como Eliziane, Edivaldo e João Castelo (PSDB), todos bem colocados na pesquisa, mas já mostra potencial de crescimento na disputa eleitoral.

Disso, nem seus adversários têm dúvida.

E Neto Evangelista, voltará ao cenário?

Evangelista e Castelo candidatos em 2012

Evangelista e Castelo candidatos em 2012

O deputado estadual licenciado, secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Neto Evangelista (PSDB), parece querer voltar, mesmo que ainda timidamente, ao cenário político da capital.

Ele participará na sexta-feira de um encontro da Juventude do PSDB, núcleo do partido que o deu fôlego nas campanhas eleitorais de 2012 – quando foi candidato a vice-prefeito de João Castelo (PSDB) e de 2014, quando se reelegeu deputado.

Afastado das discussões pela sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), Evangelista, que já teve o nome cogitado para a disputa das eleições, isolou-se das articulações políticas após ter se submetido à imposição de Flávio Dino (PCdoB), de que nenhum dos membros do primeiro escalão poderia disputar as eleições deste ano.

Neto se afundou num ostracismo e foi, naturalmente, deixando de ter seu nome lembrado para a corrida eleitoral. As duas últimas pesquisas de intenções de votos sequer citaram o outrora pré-candidato.

Se vai, a partir de sexta-feira, retornar às discussões políticas em torno das eleições 2016, ainda é uma incógnita.

Mas ele parece já incomodado com a neutralidade imposta por Dino no Governo.

Algo que ele não deveria ter aceitado em janeiro de 2015…