Neto Evangelista acusa Fábio Macedo de ter comprado votos na eleição

netoApós passar constrangimento em Lago da Pedra e silenciar diante do ato hostil de Flávio Dino (PCdoB) sobre a prefeita Maura Jorge, sua nora, o secretário de estado de Desenvolvimento Social, Neto Evangelista (PSDB) resolveu atacar o deputado Fábio Macedo (PDT). Macedo havia afirmado que Maura “se acha dona da cidade”.

Mesmo sem fazer uma crítica sequer á postura de Flávio Dino, que chegou a bater boca com a prefeita no palanque e a impediu de usar a palavra, Evangelista se mostrou ofendido com a declaração de Macedo.

“Poderia se preocupar com o próprio município do Lago da Pedra, onde obteve mais de 3 mil votos, mas não. Nem presente no evento estava, aliás não é presente em momento algum no município, algo até já esperado, típico do modus operandi de quem o apoiou lá, apenas venda de voto, com o compromisso somente nos 90 dias de campanha eleitoral”, disse.

Fábio Macedo, acusado por Evangelista de ter comprado votos na eleição de 2014, é também membro da base de Flávio Dino na Assembleia Legislativa.

A PF, A MÉDICA E A COMPRA DE VOTOS

 

Do blog de Itevaldo Junior

A médica Silvana Teixeira detida ontem pela Polícia Federal (PF) por suposta compra de votos numa residência no Recanto dos Vinhais foi liberada ontem à noite. Além da médica, também deixaram a PF, Maria de Jesus Monteiro Macedo (proprietária da casa), a Dona Dijé e Kátia Regina Alves Mota (paciente).

A liberação de Silvana, Maria de Jesus e Kátia foi decidida no plantão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MA) pelo juiz eleitoral José Carlos Sousa e Silva. As três pagaram fiança que somadas chega R$ 3.550,00.

Desde a última quinta-feira (dia 16), Silvana Teixeira consultava as pessoas e distribuía remédios na casa de Maria de Jesus, na rua Tadeu Palácio, no Recanto dos Vinhais.

A PF apreendeu na residência panfletos (santinhos) com propaganda, títulos eleitorais e medicamentos de uso exclusivo hospitalar, cuja venda é proibida no comércio.

Os santinhos eram dos candidatos a deputado federal Luciano Moreira (PMDB), ex-secretário de Administração do governo estadual e o deputado estadual Manoel Ribeiro (PTB), ex-presidente da Assembleia Legislativa.

Maria de Jesus Macedo é liderança local, com forte atuação na igreja Católica. Silvana Teixeira chegou ontem pela manhã à residência de Dona Dijé, em companhia de uma das filhas de Luciano Moreira.

Igreja “oferece” 3 mil votos a políticos que disputam as eleições no Maranhão

Silvia Freire, da Folha de São Paulo

Uma igreja do Maranhão encaminhou ofício a deputados estaduais oferecendo apoio político para as eleições. Na correspondência, a igreja diz que consegue “arrumar mais de 3.000 votos”, entre fiéis e seus familiares.

Pavão Filho recebeu apoio da Casa da Benção em 2006

O documento, assinado pelo missionário Antônio Ferreira Francelino, superintendente estadual da igreja Casa da Bênção, no Maranhão, informa que a igreja dispõe de uma hora na programação de uma rádio local e ministra cultos semanais na casa de fiéis. “Sem mais, espero a sua atenção para um possível apoio nesta eleição”, diz, no ofício.

O próprio missionário disse à Folha que o ofício foi enviado para diversos políticos e que pelo menos um já deu resposta. Outros políticos que não receberam a correspondência também procuraram a igreja em busca de apoio, segundo ele. Francelino disse que os candidatos costumam procurar a igreja em busca de apoio na época das eleições. Neste ano, afirmou ele, decidiu convidar alguns políticos para conversar antes de decidir qual nome os pastores irão recomendar aos fiéis.

A Casa da Bênção tem cerca de mil membros e 18 unidades em todo o Estado. “Temos que apoiar alguém, não é? É claro que nem todo mundo vai votar nesse deputado, porque a igreja não obriga a votar”, disse. “A igreja é livre. Posso apresentar um deputado, mas um irmão dizer que a família já tem outro nome.”

Na eleição passada, segundo o missionário, a Casa da Bênção apoiou o deputado estadual Pavão Filho (PDT). “Ele foi à igreja e o apresentamos dizendo ‘este é o nosso candidato’. Todas as igrejas fazem isso”, disse.

Para Francelino, a igreja não pede nada em troca. Mas espera que o deputado, caso eleito, beneficie projetos e programas criados pela instituição. “Se tivermos algum projeto, vamos chegar e dizer: ‘deputado, o que o senhor pode fazer?’”, disse. Até agora, disse o missionário, a Casa da Bênção não tem nenhum projetos social.

A deputada estadual Helena Heluy (PT) relatou o recebimento do ofício em discurso na Assembleia nesta semana. Heluy, que não é candidata nestas eleições, disse que fez isso para mostrar que, apesar de toda a mobilização para desenvolver uma consciência ética, o voto ainda é tratado como negócio por algumas pessoas.

“Oferecem os votos, tirando toda a consciência e ética. Tratam como um curral eleitoral”, disse a deputada à reportagem. Para o missionário, não se trata de negociação dos votos. “Só falei que a igreja está à disposição para conversar. Não é negociar”, disse.

foto: Paulo Soares/ O Estado