Após escândalo TV Guará retira pesquisa fantasma do ar

Após o escândalo revelado pela imprensa de que a pesquisa Econométrica – encomendada pela TV Guará e que deu larga vantagem a Flávio Dino -, ter sido “assinada” por uma pessoa já morta, a emissora comunicou hoje a retirada da pesquisa do ar.

Saiba mais sobre o caso aqui_____________

A técnica de estatística “responsável” pelo levantamento da Econométrica havia falecido 19 dias antes de pesquisa ter sido registrada na Justiça Eleitoral.

Por causa dos indícios de irregularidade e da falta de credibilidade no levantamento, a emissora resolveu retirar todos os dados do ar.

De acordo com a TV Guará, o responsável pela empresa que realizou a pesquisa, Sergio Oscar Zubicueta Goic, afirmou que houve um “equívoco” no levantamento.

Um caso lamentável.

NOTA

Sobre denúncias de irregularidade apontada por jornalistas e blogueiros a respeito da pesquisa divulgada no último dia 1º de setembro, o Sistema Guará esclarece:

A empresa Econométrica, foi contratada pela emissora para realização de pesquisa de intenção de votos para o Governo do Estado e Senado, por atuar no Maranhão há vários anos, tendo já chancelado pesquisas similares em pleitos anteriores para as mais diversas correntes políticas, bem como para os mais distintos veículos da imprensa local, inclusive o Sistema Guará na área de pesquisa de audiência televisiva, sendo reconhecida, indiscutivelmente, como possuidora de aparato técnico para realização de seus trabalhos;

Na certeza do cumprimento das exigências legais pela Econométrica, o Sistema Guará divulgou os resultados da pesquisa, seguindo orientações legais e habituais do TRE;

Logo após a detecção, através dos meios de comunicação, a direção do Sistema Guará entrou em contato com o responsável da Econométrica pedindo esclarecimento da irregularidade suscitada;

O responsável pela empresa que realizou a pesquisa, Sr. Sergio Oscar Zubicueta Goic, informou na ocasião, procurando justificar o fato já do amplo domínio público, que quando do registro oficial da pesquisa no site do TRE, realmente ocorreu um equívoco, informando em seguida que já estava tomando as devidas providências para saná-lo;

Diante do lamentável ocorrido, o Sistema Guará, reafirmando o seu compromisso com a verdade, a imparcialidade e procurando sempre manter, em sua missão, a ética e o dever de bem informar, mandou retirar de todos os meios e canais de comunicação, a divulgação de todos os dados atinentes à referida pesquisa, até que fique tudo devidamente esclarecido e regularizado perante o TRE, como informou a empresa responsável por eles.

Atenciosamente,

SISTEMA GUARÁ DE RADIODIFUSÃO LTDA.

Espionagem: unidades encaminharam dados ao comando da PM

O depoimento do tenente Juarez Coelho Júnior, da Polícia Militar do Maranhão, em sindicância aberta para apurar de onde partiu a ordem para o monitoramento da oposição ao governador Flavio Dino (PCdoB), revelou que a ação de “fichamento” dos adversários do comunista já estava sendo cumprida pelas unidades da PMs.

De acordo com o oficial, uma major identificada como Ana Paula informou que que o coronel Heron Santos – o suposto “Coordenador das Eleições 2018” – cargo citado no memorando 114/2018 como a autoridade a quem deveriam submeter os dados, fazia cobranças era necessário apresentar os resultados ao subcomandante-geral da PM, coronel Pedro Ribeiro, no dia 20 de abril.

No depoimento do tenente, há informação de que o coronel Heron deu orientações para um soldado para que abrisse as tabelas com a informações das unidades do interior. Ele teria comentado que as informações estavam chegando ao Comando Geral da PM, mas de forma incompleta.

O depoimento do tenente e de pelo menos outros dois membros da corporação desmentem o discurso defendido pelo secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, de que o comando da PM não sabia do fichamento da oposição.

Na última quarta-feira (25), durante entrevista coletiva, o secretário chegou a afirmar que mesmo tendo sido anuladas somente 13 dias após sua edição, as ordens de “fichamento” não chegaram a produzir efeitos.

Não é verdade.

Resta saber agora, qual será o posicionamento do Ministério Público Federal, diante de tamanha gravidade e que remete o estado ao período da ditadura…

Dados do futuro

Flávio Dino é governador do Maranhão

Flávio Dino é governador do Maranhão

O novo site da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) movimentou ontem o Twitter, uma das redes sociais mais usadas pelo governador Flávio Dino e seus auxiliares.

No entanto, não foram os membros do governo que decidiram tuitar o dia todo. Erros no novo site da SSP levaram vários usuários a denunciar a existência de números fictícios na área destinada aos dados sobre a violência no Maranhão.

Na repaginação do site, foram colocados números de latrocínios no interior do estado nos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro. Dados futurísticos? Ou só mais números que serão usados futuramente para mostrar a “redução da violência no Maranhão”?

Um dos mais críticos ao novo site foi o professor da Universidade Federal do Maranhão, Wagner Cabral. Ele, que é militante da área de direitos humanos, não somente criticou e satirizou os dados inexistentes como também chamou a atenção para as dificuldades de se conseguir informações nesse novo site da SSP.

“E a SSP ‘mudou a metodologia’ apenas para manter a maquiagem e dificultar o acesso aos dados”, postou na rede social o professor.

Além dele, centenas de usuários criticaram a maquiagem dos dados, prova de que nem tudo no governo da transparência é tão transparente assim.

Detectado o deslize, o governo decidiu corrigir os números de latrocínios dos quatro últimos meses do ano. Na verdade, eles somente retiraram os dados fictícios. Nada de esclarecimentos ou pedido de desculpas pelo equívoco.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Sousa Neto desmonta estatística de violência apresentada por Flávio Dino

Dados foram apresentados por Flávio Dino no twitter

Dados foram apresentados por Flávio Dino no twitter

O deputado Sousa Neto (PTN) desconstruiu ontem mais uma mentira contada pelo governador Flávio Dino (PCdoB) em relação às estatísticas de violência urbana em São Luís.

O parlamentar comparou, na tribuna, os dados apresentados por Dino, em seu perfil no twiter, com os números disponíveis no site da Secretaria de Segurança Pública – ou seja, do próprio governo -, sobre o número de homicídios no mês de julho.

Dino colocou no twitter em relação a 2014, o número de homicídios diminuiu 44%, em 2015. Segundo o comunista, foram 70 mortes no ano passado, contra 44 neste ano. “Expressiva redução no número de mortes na Ilha de São Luís. Continuamos lutando por melhores resultados”, disse Flávio.

Mentira!

Os dados da SSP sobre o mês de julho deste ano – que sequer foram fechados, ou seja, concluídos -, mas disponíveis no site do Governo, desmentem Flávio Dino.

Ao todo, segundo o site, foram 45 vítimas “crimes letais, intencionais”. Mais cinco vítimas de “roubo seguido de morte”, ou seja, latrocínio. Outras cinco por “lesão corporal seguida de morte” e mais duas vítimas de “morte a esclarecer”. No fim das contas, são 57 os homicídios registrados no mês de julho.

Vale ressaltar, como já foi o dito, sem a estatística sequer ter sido fechada. Os dados são parciais.

“Essa é mais uma mentira pública do governador, que tenta maquiar dados, para passar a falsa impressão de segurança em São Luís. Mas qualquer um cidadão consegue enxergar o contrário. A cidade está cada vez mais violenta e o Estado parece ter perdido o controle da situação. Senhor governador, não tente esconder a realidade da população. Isso é mentira”, disse Sousa Neto.