Edivaldo Holanda comandará encontro estadual do PTC

O Partido Trabalhista Cristão (PTC) reunirá filiados e interessados em compor a legenda em encontro estadual que ocorrerá nesta sexta-feira, 1º de dezembro, às 2 horas da tarde, no Hotel Abbeville, localizado no bairro São Francisco. Estará em pauta o debate político para a consolidação das escolhas da sigla para as eleições majoritárias de 2018 no Maranhão e serão debatidas as composições para o pleito proporcional.

De acordo com o deputado Edivaldo Holanda, presidente estadual do PTC, para a disputa ao Governo do Estado, o partido já tem rumo definido. Para o Senado, a sigla já fechou aliança com o PDT – partido do prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, em apoio à candidatura do deputado Weverton Rocha.

“O PTC acredita que o Maranhão está no rumo certo, e por isso precisa dar continuidade à política de desenvolvimento implantada pelo Governo Flávio Dino, dando segmento aos avanços que estão sendo conquistados. A continuidade dessa política vem contribuir para a consolidação dos avanços na capital na gestão do prefeito Edivaldo”, afirma o presidente do partido.

Já sobre a outra vaga de senador em disputa, serão avaliados outros nomes postos como pré-candidatos e, assim, posteriormente, ser definida qual candidatura receberá o apoio dos petecistas.

O que também será discutido no encontro é como o PTC virá na disputa para a Assembleia Legislativa e para a Câmara Federal. Com seu quadro partidário, é possível que a legenda saia com chapa pura, ou seja, não coligue com outra sigla aliada, ou faça coligação para garantir a ampliação da bancada de parlamentares da legenda.

Para o encontro estadual estão confirmadas a presença de membros da direção nacional da sigla, como o presidente nacional do PTC, Daniel Tourinho, e o deputado do Piauí, Evaldo Gomes. Tanto o governador Flávio Dino quanto o prefeito Edivaldo Júnior confirmaram a participação, uma demonstração de agradecimento pelo apoio que o PTC tem dado às suas gestões.

Os prefeitos e vereadores da sigla, que também já confirmaram presença, prestarão informações sobre suas atuações no interior. Na ocasião será dado início à campanha de filiação no partido e também serão apresentados por presidentes de diretórios municipais a situação da legenda em cada município.

As lideranças comunitárias e políticas da grande São Luís também se farão presentes fortalecendo as discussões. Foram convidados ainda deputados, vereadores e presidentes de outros partidos. “É um encontro democrático e toda comunidade está convidada para participar conosco”, reiterou o deputado Edivaldo Holanda.

Ascom

Edivaldo Holanda justifica saída da base governista

O deputado estadual Edivaldo Holanda Braga (PTC) explicou hoje o motivo que o levou a deixar o Bloco Parlamentar União Pelo Maranhão, o chamado Blocão, e consequentemente, a base governista na Assembleia Legislativa.

Ao jornalista Gilberto Léda [leia aqui], Edivaldo afirmou que ao deixar o Blocão, passa a ter liberdade dentro do Plenário para votar as matérias que são de interesse da população. Ele também afirmou que, a partir de agora, passa a atuar mais próximo da comunidade que o elegeu em 2014.

“Eu quero liberdade, uma liberdade maior no plenário para analisar determinadas matérias e ter meu posicionamento bem mais próximo da comunidade do estado que me elegeu”, disse.

O parlamentar também rechaçou intenção de sair de seu partido político. “Eu deixei o bloco, não foi com a intenção de deixar o meu partido. Também não deixei meu bloco para votar com determinado partido, a minha votação é pessoal, é minha, é individual, a análise é minha, a liberdade é minha de votar. Eu não vou votar com a orientação de A, B ou C”, completou.

Ao ser perguntado se espera por uma reação do Governo Flávio Dino (PCdoB), ele disse que não.

Líder do Governo diz não ter sido procurado por Edivaldo Holanda

“Estou afastado das atividades em decorrência de uma cirurgia a que me submeti, por isso não estou podendo ir lá [na Assembleia]. Eu fiquei sabendo no momento em que aconteceu, mas o deputado Edivaldo não me procurou para tratar do assunto, talvez até porque ele também está em recuperação [de saúde] achou por bem não falar. Mas, da minha parte eu não tinha conhecimento”.

Rogério Cafeteira (PSB), líder do Governo na Assembleia Legislativa, sobre a decisão do deputado estadual Edivaldo Holanda Braga (PTC) de deixar a base do Poder Executivo no Legislativo Estadual.

Leia mais sobre o tema: Edivaldo Holanda deixa o Blocão na Assembleia Legislativa

Edivaldo Holanda deixa o Blocão na Assembleia Legislativa

O deputado estadual Edivaldo Holanda Braga (PTC) deixou hoje o Bloco Parlamentar Unidos Pelo Maranhão, o Blocão. Quem fez o anúncio foi o deputado César Pires (PEN), há pouco, durante o pequeno expediente.

“Eu fui instado a subir a esta tribuna pelo nosso querido amigo Edivaldo Holanda, que autorizou-me a vir aqui dizer que, a partir de hoje, eu já não estou só com o Sérgio Vieira, o partido dele também ingressa e nós já somos três. Ele sai do Blocão”, disse.

Como a formação de bloco só ocorre no início de cada ano da legislatura em vigência, Edivaldo, na prática, deixa o Blocão e fica isolado, sem composição formal de colegiado.
Apesar disso, ele firmou acordo e passará a votar as matérias em comum acordo com o PEN, que além de César Pires, possui como membro do deputado Sergio Vieira.

“Vamos continuar firmes nesta nossa luta séria, serena, mas sempre próspera, sem se curvar e sem se vender por migalhas”, completou Pires.

Edivaldo Holanda estava presente no Plenário durante o anúncio feito por César Pires.

Candidatura de Edivaldo já está impugnada?

 Ao ingressar ontem com uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije), o advogado e ex-juiz Márlon Reis (Rede), provocou, na verdade, a impugnação da candidatura de Edivaldo Holanda Júnior (PDT).

Isso porque, na ação, além da inelegibilidade, ele pede que seja cassado o registro de candidatura do pedetista.

Questionado pelo titular do blog a respeito do pedido, uma vez que a Justiça Eleitoral sequer abriu prazo para que os candidatos registrem as suas respectivas candidaturas, Márlon explicou a efetividade e o objetivo da ação.

Para o ex-juiz, é provável que a Justiça Eleitoral somente aprecie a matéria após finalizado o período para registro de candidatura. Neste caso, prevê o advogado, Edivaldo já devidamente habilitado para a disputa do pleito, poderá sofrer a cassação do seu registro. E caso eleito, poderá ter o seu diploma negado.

A defesa de Edivaldo tentará desqualificar a ação, mas a expectativa é de que o embate jurídico seja longo…

Para Edilázio, Governo do Estado boicota gestão de Edivaldo Júnior

edilázio júnior 2O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) questionou hoje, na Assembleia Legislativa, a efetividade da suposta parceria institucional entre o Governo do Estado e a Prefeitura de São Luís. Para ele, o governador Flávio Dino (PCdoB) boicota diariamente o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), o que deve acabar inviabilizando a reeleição do pedetista.

Ele alertou Edivaldo para os movimentos políticos de Dino, desconstruiu o discurso de unidade do grupo do governador e classificou de “fraco” o Governo do Estado.

“Venho fazer um questionamento ao governador do Maranhão: todos falam muito do apoio do governador Flávio Dino ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior. A minha pergunta é: qual é o apoio que o governador dá ao prefeito Edivaldo? Flávio Dino é responsável hoje pela grande rejeição do prefeito de São Luís. Não há dúvida quanto a isso. Falo com convicção”, disse.

Edilázio afirmou que tem ouvido de eleitores, que somente não irão votar pela reeleição de Edivaldo, por causa da proximidade do pedetista com o governador do Estado.

“As pessoas que me cercam, os meus amigos, as pessoas com as quais eu converso são quase unânimes em afirmar que não votam em Edivaldo não por objeção a ele – até porque trata-se de uma boa pessoa, um jovem correto, que não tem mácula, e talvez o político desta nova geração de maior carisma no Maranhão -, mas por essa relação com o governador Flávio Dino. Edivaldo hoje é muito prejudicado pelo governador Flávio Dino, que boicota a sua gestão diariamente”, disse.

O parlamentar afirmou que a falta de ações efetivas do Governo do Estado na capital, inviabiliza o discurso de parceria institucional que eventualmente será utilizado por Edivaldo na campanha eleitoral.

 “Hoje é muito difícil para o prefeito andar nas ruas da capital e afirmar que o governador é parceiro dele, dizer que o governador o ajuda. O prefeito não tem condições de subir num palanque ou de ir para a TV e falar que o Governo do Estado é parceiro da Prefeitura de São Luís. Ele não tem como fazer isso justamente porque o Governo não ajuda”, completou.

Ele afirmou que Dino apoia a eventual candidatura do advogado Mário Macieira pelo Partido dos Trabalhadores (PT) e tem como candidato preferido do Palácio dos Leões, o deputado estadual Bira do Pindaré. Todos pertencentes ao mesmo grupo político de Edivaldo.

“Quando assumiu o Governo, Flávio Dino vetou a secretários a participação nas eleições desse ano. Disse, na ocasião, que o candidato dele era Edivaldo. Já esse ano, o deputado Bira deixou a Secretaria ao qual estava, e pleiteia ser candidato a prefeito. Neto Evangelista até ontem pleiteava a disputa também. Agora o governador coloca Mário Macieira para ir para o PT para ser candidato justamente contra o candidato dele [Edivaldo]. Eliziane é aliada e também candidata. Deputado Wellington eleito ao lado do governador é candidato a prefeito. Quem quer ser candidato pode ser. E aí eu pergunto onde está o apoio do governador? Até porque com todas as dificuldades que tivemos, a ex-governadora Roseana Sarney quando disse que o seu candidato era Washington, conduziu os 14 partidos da base para apoio a ele. Governo forte faz assim. Flávio Dino não faz porque é fraco”, finalizou.

Edivaldo Holanda será substituído por suplente

tocaO suplente de deputado estadual Toca da Serra (PTC) assumirá mandato por um período de 120 dias na Assembleia Legislativa.

Ele substituirá o deputado eleito Edivaldo Holanda (PTC), que entrou com um pedido de licença médica junto a Mesa Diretora da Casa.

Toca Serra é irmão do prefeito da cidade de Pedro do Rosário, Irlan Serra. Ambos são adversários políticos do também suplente, Fernando Furtado (PCdoB), que substitui no parlamento, o deputado Bira do Pindaré (PSB), licenciado por conta do cargo de secretário no primeiro escalão do Governo do Maranhão.

Toca Serra assume a cadeira na próxima terça-feira.

Edivaldo critica a Comunicação da Prefeitura de São Luís: “Nunca prestou”

Edivaldo criticou a Comunicação da Prefeitura

Edivaldo criticou a Comunicação da Prefeitura

O deputado estadual Edivaldo Holanda Braga (PTC), pai do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC), criticou a Comunicação da Prefeitura de São Luís, após a divulgação do resultado da pesquisa Escutec, que mostra o petecista em desvantagem na corrida eleitoral.

As críticas ocorreram na manhã de hoje a jornalistas e blogueiros, no fim da sessão ordinária. Para o deputado, Edivaldo Júnior tem feito um bom trabalho. O que falta, segundo ele, é uma boa comunicação.

“Um ano e meio para a recuperação da imagem. Acho que a comunicação nunca prestou. A comunicação da Prefeitura nunca foi boa, continua sem ser boa. Governo não aparece sem comunicação”, reclamou o deputado.

Edivaldo afirmou que o resultado da pesquisa Escutec, que mostra larga vantagem da deputada federal Eliziane Gama (PPS) numa eventual disputa pela Prefeitura de São Luís e que também atesta Edivaldo Júnior ameaçado por outros possíveis adversários como Luis Fernando Silva (PSDB) e a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) – apesar de ela jamais ter falado em candidatura -, serve de alerta para o prefeito.

“Acredito que a pesquisa serve como um alerta, também, para que o prefeito possa cuidar da comunicação, porque cuidar da cidade ele já está cuidando”, finalizou.

Redenção de nada

A parceria que seria a redenção de São Luís vem sendo propalada desde o ano passado, mesmo antes do resultado da eleição estadual, tanto pelo prefeito Edivaldo Holanda Júnior quanto pelo então candidato a governador Flávio Dino. Ambos garantiam à já descrente população da capital que, juntos, Estado e Prefeitura transformariam a cidade num lugar bem melhor para se viver.

Eleito o governador aliado, Holanda Júnior continua à espera da tão sonhada parceria. Já foi ao Palácio dos Leões, já recebeu o aliado no Palácio La Ravadiere, já posou em várias solenidades com seu padrinho político, mas na prática, até agora, nada mudou para o prefeito de São Luís.

Nos últimos dias, nem com a imagem do governador ao seu lado ele contou quando viu alagado o Hospital da Criança, nem quando os numerosos assaltos aumentaram a insatisfação dos usuários com o sistema de transporte coletivo.

Agora, para piorar a situação, começam as cobranças pelo asfaltamento das ruas, já que há dias foi anunciada, com pompa e circunstância, a liberação de R$ 20 milhões do governo estadual para a Prefeitura de São Luís acabar com o tormento de quem precisa trafegar diariamente por vias esburacadas.

Mas eis que surge o deputado Edivaldo Holanda, pai do prefeito, para dizer a verdade sobre a primeira efetiva parceria: “R$ 20 milhões, em seis parcelas, não dá para asfaltar nem a Vila Embratel, não é redenção de nada”.

Pelo visto, ainda não será dessa vez que o ludovicense sentirá o benefício de ter gestores parceiros no comando da Prefeitura de São Luís e do Governo do Maranhão.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Pelo filho…

Edivaldo tentou defender a gestão do filho

Edivaldo tentou defender a gestão do filho

Quase um mês depois de assumir o mandato na Assembleia, o deputado Edivaldo Holanda (PTC) resolveu estrear ontem na tribuna.

Mas o tema escolhido foi dos piores.

Em causa própria, o parlamentar que se manteve calado por duas semanas, resolveu tentar defender o filho, Edivaldo Júnior, prefeito de São Luís.

Não escolheu o melhor dia.

Sem nenhum argumento sólido que pudesse justificar o mandato do prefeito, Holanda-pai acabou por avivar as lembranças de promessas não cumpridas por Edivaldo, como o bilhete único.

Foi enquadrado pelos deputados Adriano Sarney (PV) e Wellington do Curso (PPS), obrigando-se a sair do plenário antes do fim da sessão.

O papel de Holanda foi o de qualquer pai.

Edivaldo Júnior foi alvo de debate na Assembleia

Edivaldo Júnior foi alvo de debate na Assembleia

Mas, há alguns anos, era o próprio Holanda quem desdenhava de uma situação idêntica, embora invertida.

Derrotado na eleição de 2010, ele assumiu o mandato na Assembleia, como suplente, graças à benevolência do então prefeito João Castelo (PSDB), que chamou a deputada Graça Paz (então no PDT), para uma secretaria.

No plenário, o pai do atual prefeito era o primeiro a atacar a ex-deputada Gardênia Castelo (PSDB) que vivia uma solitária batalha na tentativa de defender o pai das críticas de sarneysistas e dinistas.

Edivaldo Holanda sabe que também vive uma missão inglória.

Sabe que tentar defender a gestão do filho é levantar a bola para que outros parlamentares desmontem os seus próprios argumentos.

Mas não tem muito o que fazer, afinal, pai é pai…

Da coluna Estado Maior