Vereadores adotam postura mais crítica em relação a Edivaldo

O Estado – Três vereadores têm adotado postura mais crítica ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT). Antônio Marcos Silva, o Marquinhos (DEM), Chaguinhas (PP) e Cézar Bombeiro (PSD), apontam para a escassez de ações efetivas do gestor municipal e para a falta de diálogo com a Câmara.

Marquinhos, que na legislatura passada atuava na base de Edivaldo, mudou de postura. O parlamentar, de segundo mandato, apesar de ainda não ter anunciado rompimento, tem criticado a atual gestão do pedetista.

Presidente da Comissão de Educação do Legislativo Municipal, Marquinhos chegou a apresentar requerimento junto à Mesa Diretora da Casa para convocação do secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa, medida que o deixou mais afastado do prefeito.

“A minha mudança de postura foi em função dos inúmeros problemas da educação no nosso município. Desde o início desta legislatura tenho cobrado melhorias no setor, mas temos observado que o prefeito Edivaldo não consegue reagir diante do caos instalado”, disse à Câmara News.

Outro parlamentar que tem dedicado tempo, na tribuna da Câmara, para criticar as ações de Edivaldo, é Chaguinhas.

A exemplo de Marquinhos, o vereador também já questionou a atuação do município no setor de Educação. No fim de abril, ele comentou a possível substituição de Moacir Feitosa na pasta.

“Se o professor Moacir Feitosa tivesse discernimento e lealdade com ele próprio já deveria ter entregado o cargo, uma vez que, para mudar a realidade atual, só milagres de santos fortes e todos juntos ao mesmo tempo. O sucessor de Moacir Feitosa é um dos responsáveis pelo sucateamento do sistema e outros sérios e graves problemas, todos de conhecimento da classe política e do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, que não adotou as devidas e necessárias providências para a apuração dos fatos. A verdade é que a maior parte das unidades de ensino da Prefeitura de São Luís vai funcionar precariamente, e as demais estão entregues à própria sorte”, enfatizou.

Sem diálogo – Já Cézar Bombeiro, criticou Edivaldo por falta de diálogo com os parlamentares, e não atendimento das demandas apresentadas pelo Poder Legislativo.

“Nem sequer a capina de uma escola a gente é atendido”, disse e completou: “Fui eleito, estou nesta Casa há quatro meses, e até agora, ainda não conversei com o prefeito. Estou do lado do questionamento do colega Sá Marques (PHS) feito aqui nesta Casa: o que estamos fazendo aqui então?”.

Cézar Bombeiro afirmou que os requerimentos apresentados pelo Legislativo não são atendidos por Edivaldo e disse que não há respostas da Prefeitura de São Luís aos projetos aprovados na Câmara. Para ele, essa postura denota falta de respeito por parte do pedetista.

Desafio para Jota Pinto…

Quem participou ou assistiu a solenidade de posse dos vereadores e a recondução do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) ao comando do Poder Executivo de São Luís, percebeu que não é das melhores, a relação entre o presidente reeleito Astro de Ogum (PR) e o pedetista.

Com um discurso duro e direto, Astro denunciou abandono da Zona Rural, criticou a falta de investimentos na cadeia produtiva da capital e cobrou por parte da Prefeitura, respeito à independência do Legislativo Municipal.

Ogum afirmou que a Câmara não será subserviente ao prefeito e disse, em entrevista a O Estado, que “muita coisa” precisa mudar na relação entre os poderes.

Já Edivaldo no seu discurso de posse – sem, contudo, se direcionar a Astro de Ogum -, rebateu as críticas e elencou uma série de investimentos na Zona Rural e na produção do município.

O prefeito não conseguiu disfarçar o incômodo com o posicionamento de Astro. O vereador, por sua vez, demonstrou-se seguro no seu discurso e com cara de “poucos amigos”.

Não é necessário que se faça qualquer esforço para compreender que o clima é de “racha” na base do prefeito na Câmara, tanto que ele sequer ousou tentar impedir a reeleição de Astro de Ogum. Astro lidera um grupo, que apesar de governista, exige um tratamento diferenciado por parte do Executivo.

E caberá a Jota Pinto, agora na Articulação Política, tentar amenizar a turbulência.

Haja trabalho…

 

O pai da criança…

edivaldo-caminhadaDesde o fim das eleições de São Luís iniciou-se uma intensa discussão nos bastidores da prefeitura sobre os responsáveis pela reeleição do prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

O PDT, obviamente, atribui a recuperação de Edivaldo – que apresentava rejeição de quase 50% no início da campanha – ao presidente do partido, Weverton Rocha, e à garra da militância. Para os pedetistas, foi a injeção de gás imposta pelo partido que construiu a imagem de coragem e pulso firme que o prefeito não tinha até o início de 2016.

Para o publicitário Evilson Almeida, no entanto, a vitória se deve ao trabalho de marketing de campanha, com programas otimistas e foco nas obras do prefeito, que, juntadas todas nas mesmas esquetes, deram o volume necessário para a imagem de prefeito trabalhador que Almeida buscou construir.

Até o pai do prefeito, deputado estadual Edivaldo Braga (PTC), que andou incógnito na gestão do filho durante os quatro anos, reclama para si a responsabilidade da vitória. Para Edivaldo-pai, foi ele o responsável pela virada na área Itaqui-Bacanga, feito que, diz, já havia conseguido também em 2012.

E é claro que o governador Flávio Dino (PCdoB) também se acha pai da vitória do prefeito, embora só tenha aparecido nos últimos cinco dias do segundo turno, quando gravou vinheta dizendo que iria votar em Edivaldo.

E é claro que cada “pai” quer o seu quinhão no futuro da criança que nasceu em 30 de outubro e vai se desenvolver ao longo dos próximos quatro anos.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

DataM inverte cenário e aponta vantagem de Edivaldo sobre Braide

A pesquisa DataM de intenções de votos inverteu o cenário apontado pelos instituto Escutec e Ibope e colocou o candidato Edivaldo Holanda Júnior (PDT) em vantagem sobre o seu adversário, Eduardo Braide (PMN), em São Luís.

Na pesquisa, registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo MA-02401/2016, Edivaldo aparece com 53,7% da preferência do eleitorado, contra 42,7% de Eduardo Braide. São exatos 11 pontos percentuais de vantagem.

Neste mesmo cenário, apenas 1,6% dos eleitores disseram que votariam em nenhum dos candidatos ou não responderam ao levantamento.

A pesquisa foi contratada pela TV Difusora e pelo Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Estado do Maranhão/Sinduscon e ouviu 800 eleitores entre os dias 10 e 12 deste mês. A margem de erro é de 3,1 pontos percentuais para mais ou para menos.

Expectativa para o debate da TV Mirante

debate-mirante

Militantes do PDT, do candidato Edivaldo Júnior, estão na porta da TV Mirante desde às 18h

A TV Mirante realiza daqui a pouco, às 22 horas, o debate entre os candidatos a prefeito da capital.

Serão cinco os candidatos: Edivaldo Júnior (PDT), Wellington do Curso (PP), Eliziane Gama (PPS), Eduardo Braide (PMN) e Fábio Câmara (PMDB).

O debate será mediado pelo jornalista Tonico Ferreira, da Rede Globo, que está desde ontem na capital.

Militantes do PDT, de Edivaldo Júnior, estão na porta do Grupo Mirante desde às 18 horas. É a tradicional movimentação de militância que ocorre a cada realização de debate, nas ruas.

É provável que daqui a pouco cheguem os militantes dos demais candidatos.

O debate da TV Mirante fecha o período de campanha eleitoral.

É o momento mais aguardado pelo eleitorado ludovicense. A “hora da verdade”…

Edivaldo foi o único candidato de São Luís a aderir a campanha #NãoVaiTerColo

Campanha tem por objetivo fazer com que candidatos se comprometam em atuar na defesa dos direitos da infância durante seus mandatos, caso sejam eleitos

nao-vai-ter-coloO prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), candidato à reeleição pela coligação “Pra Seguir em Frente”, foi o único dentre os candidatos da capital a aderir a campanha #NãoVaiTerColo, do Programa Prefeito Amigo da Criança, criado pela Fundação Abrinq. A campanha tem por objetivo fazer com que os candidatos atuem na defesa dos direitos da infância durante os seus mandatos, caso sejam eleitos.

O programa estabelece metas à cidade e oferece suporte às Prefeituras com o objetivo de traçar um plano de ação para o município conseguir cumprir os compromissos. A Fundação Abrinq orienta a cidade desde a elaboração de diagnóstico até a apuração do orçamento, oferecendo diversas consultorias. Ao final do mandato, os prefeitos que conseguirem atingir suas metas receberão o Prêmio Prefeito Amigo da Criança.

“Os municípios brasileiros têm papel central na execução das políticas sociais, cabendo-lhes garantir uma educação de qualidade, os serviços básicos de saúde e a proteção a que todas as crianças e adolescentes têm direito”, afirma Carlos Tilkian, presidente da Fundação Abrinq.

Campanha #NaoVaiTerColo – Para alertar os eleitores e engajar candidatos a se tornarem Prefeitos Amigos da Criança, a agência J. W. Thompson elaborou uma inteligente e bem humorada campanha de marketing chamada #NãoVaiTerColo. O tema faz referência aos candidatos que pegam crianças no colo durante suas campanhas eleitorais. Muitas vezes, essa é a única coisa que fazem por elas, depois de eleitos. Por isso, enquanto os candidatos não assinarem o compromisso com a saúde, educação e proteção das crianças, não vai ter colo!

Assista o vídeo abaixo

Escutec confirma vantagem de Edivaldo em São Luís

pesquisa-sao-luis-setembroA pesquisa Escutec de intenções de votos divulgada hoje em primeira mão por O Estado, registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo MA-04039/2016, confirma liderança do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) e possível vitória no primeiro turno.

No levantamento, Edivaldo aparece com 45,3% das intenções de votos, contra 24,0% de Wellington do Curso (PP) e 8,8% de Eliziane Gama (PPS).

Quarto colocado na pesquisa, Eduardo Braide (PMN) aparece com 5,5%, contra 3,0% de Fábio Câmara (PMDB); 2,0% de Rose Sales (PMB); 0,5% de Zeluis Lago (PPL); 0,5% de Cláudia Durans (PSTU) e 0,5% de Valdeny Barros (PSOL).

Outros 4,0% apontaram “nenhum deles” e 6,0% não souberam ou não responderam.

A pesquisa Escutec ouviu 800 entrevistas e realizada entre os dias 21 e 23 deste mês.

De olho nos números

candidatosAs pesquisas registradas na Justiça Eleitoral para divulgação esta semana ganharam forte importância por causa do momento vivido por cada candidato.

É a primeira rodada de pesquisas – são quatro já com pedido de registro – desde que as baterias do candidato Edivaldo Júnior (PDT) nas redes sociais e em blogs passaram a mirar o adversário Wellington do Curso (PP), que vem crescendo a toque de caixa e já ameaça, inclusive, a própria liderança do prefeito.

O levantamento interessa não apenas a Edivaldo e Wellington, mas também à candidata Eliziane Gama (PPS), que caiu drasticamente nas últimas semanas, mas ainda aposta em uma recuperação para chegar ao segundo turno.

Edivaldo torce pela queda de Wellington – ou pelo menos uma estagnação em seu crescimento – porque acredita que pode vencer em primeiro turno. Mas isso, só se a perda de votos de Wellington não representar um crescimento de Eliziane.

Ela, por sua vez, quer voltar a crescer sem que Edivaldo também cresça, para voltar a ser opção de enfrentamento do prefeito em uma segunda rodada de votações.

Mas os planos de Edivaldo e de Eliziane podem resultar em frustração se a consistência de Wellington for consolidada – como, aliás, têm demonstrado todas as pesquisas até a semana passada. Por isso é que a rodada de levantamentos desta semana gera expectativas, porque é a primeira após a pancadaria desferida contra o candidato do PP.

E se ele superar este momento sem traumas em sua popularidade, aí, sim, Eliziane – e principalmente Edivaldo – têm, de fato, com o que se preocupar.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

O recado de Roberto Rocha a Flávio Dino

roberto-rocha-campanha

O senador Roberto Rocha (PSB) comemorou o resultado da pesquisa Ibope/TV Mirante divulgada ontem e que mostra empate técnico entre o deputado estadual Wellington do Curso (PP) e o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) e aproveitou, ao mesmo tempo, para provocar o governador Flávio Dino (PCdoB), hoje seu adversário político.

Rocha afirmou que a tendência é Wellington chegar à disputa do primeiro turno na primeira colocação e disse que “quando a população descobrir que o prefeito fez da Prefeitura um puxadinho do Palácio dos Leões”, o progressista vencerá o pleito.

“Mesmo sendo um bom filho, um bom pai, um bom esposo, o prefeito da capital do Maranhão não tem o direito de entregar o cargo de prefeito para um estafeta do governador, transformando-se num sub do sub”, completou.

Com a palavra, o governador Flávio Dino…