Flávio Dino volta atrás e anuncia Expoema para novembro em São Luís

Depois de por fim à maior feira de exposição agropecuária das regiões Norte e Nordeste em 2016 e de tomar o Parque Independência da Associação dos Criadores do Maranhão (Ascem) – que tinha uso contratual do espaço até 2026, o governador Flávio Dino (PCdoB) voltou atrás e admitiu a realização da Expoema em São Luís neste ano.

O evento, contudo, não será realizado em setembro, como há 60 anos ditava a agenda tradicional do agronegócio, mas sim em novembro, em decorrência do impasse entre o Governo do Estado e a Ascem.

No ano passado o governador Flávio Dino havia retirado a administração do Parque Independência da Ascem para iniciar um projeto de construção de condomínios no local.

Foi realizada uma licitação, mas a Justiça Federal suspendeu o processo.

Dino, até então, já anunicava a realização da Expoema – a maior da história, segundo ele, na cidade de Santa Inês.

Mas, agora, mudou de ideia.

Foi convencido por criadores, empresários e empresas ligadas ao agronegócio, de que o evento realizado em Santa Inês sairia num custo muito mais elevado, do que em São Luís. Somente para instalar a Expoema em Santa Inês, o Governo teria de desembolsar R$ 1,300 milhão num parque privado.

Por isso o comunista recuou da própria arrogância.

Esse ano a Expoema volta para São Luís, no local onde sempre ocorreu. Está marcada para o mês de novembro.

Mas Dino já avisou, em 2018 o evento será levado para a cidade de Imperatriz, onde ele perdeu a eleição municipal do ano passado.

Então tá…

Leia também:__________ Edilázio lamenta o fim da Expoema

______________________Flávio Dino diz que não acabou com a Expoema

Flávio Dino anuncia volta da Expoema após ele próprio acabar com o evento

Assim como vem sendo mostrado, o governador Flávio Dino (PCdoB) é bom em contradições. E lá vai mais uma: o comunista anuncia agora parceria do Governo do Estado com a Associação de Criadores na realização da Expoema. Isso ocorre depois de ele dificultar a realização da feira ano passado ao pedir o Parque Independência (local que ocorria o evento) para uma grande ação na área de habitação, que nunca se concretizou.

“Um dos anúncios feitos na reunião de ontem: em parceria com a Associação dos Criadores, faremos juntos a maior Expoema da nossa história”, disse o governador.

Essa declaração do comunista vai totalmente de encontro ao que ele disse em junho do ano passado também pelas redes sociais. Diante da polêmica da devolução ao Estado do Parque Independência, Dino disse que a Expoema é um evento privado e não do governo.

“A versão de que o ‘governo acabou com a Expoema’ é absurda, inclusive porque se trata de evento privado, não governamental”, escreveu, à época, o governador.

Mas como rei das contradições e como é ano pré-eleitoral – em que tudo é válido – não tem importância para o comunista e seus adoradores mudarem de postura. Agora o governo pode sim fazer a Expoema.

Assim como nomeação de parentes pode em nome do amor e fazer contrato de aluguel de imóveis (aluguel camarada) com membros do partido do governador. Assim como pode usar tráfico de influência para obter informações privilegiadas.

Na nova república do Maranhão, que teve início em janeiro de 2015, se for pelo projeto de poder de Flávio Dino, tudo pode.

Contradições, denúncias não apuradas de irregularidades no governo, perseguições a adversários e prática bem diferente do discurso fazem parte da rotina do governo comunista.

Da Coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Andrea quer investigar qualificação da Amorim Coutinho em licitação do Governo

Andrea Murad 3O Estado – A deputada estadual Andrea Murad (PMDB) anunciou ontem que denunicará ao Ministério Público e pedirá investigação sobre a pré-qualificação da empresa Amorim Coutinho Engenharia e Construções Ltda, que pertence ao empresário Eugênio Coutinho, irmão do presidente da Assembleia Legislativa Humberto Coutinho (PSB) – aliado do governador Flávio Dino (PCdoB) -, para assinar contrato na Caixa Econômica Federal no valor global de R$ 225.792.000,00 milhões, em consórcio com a Canopus Construções Ltda.

O processo administrativo que homologou a habilitação da empresa, publicado na edição do dia 30 de setembro do Diário Oficial do Estado, tem como objeto a construção de 2.048 unidades habitacionais para servidores públicos do Estado distribuídos em oito condomínios de apartamentos no Parque Independência, onde até o ano passado era realizada a Exposição Agropecuária do Maranhão (Expoema).

Por meio de suas redes sociais, a peemedebista disse considerar suspeito que a construtora Amorim Coutinho esteja pré-qualificada para realizar obras no local também pelo fato de a atual secretária de Cidades, Flávia Alexandrina, ter sido funcionária da empresa.

“Hoje, o local da antiga Expoema, o local que promovia a nossa pecuária, de posse do Governo do Estado, vai se transformar em um conjunto habitacional, cujo valor de R$ 225 Milhões 60% serão destinados à empresa Amorim Coutinho, onde trabalhou a atual secretária de Cidades do governo Flávio Dino, que também trabalhou por muito anos na Caixa Econômica Federal”, declarou.

Segundo a parlamentar, a bancada do Maranhão em Brasília também será acionada para que investigue o caso no que se refere à alçada federal.

“No mínimo estranho e suspeito o vínculo da secretária Flávia Alexandrina com uma obra de R$ 225 Milhões em que sua antiga empresa será beneficiada. Vou denunciar ao MP e também acionarei a bancada Federal do Maranhão no Congresso Nacional para investigar mais esta maracutaia promovida pelo governador Flávio Dino”, disse Andrea.

Regressão – No mesmo comentário na rede social, a deputada Andrea Murad saudou os pecuaristas, empresários e trabalhadores do setor no Maranhão pelo Dia Nacional da Pecuária, comemorado ontem. Para ela, a pecuária – “uma das mais importantes atividades econômicas do estado” – não é valorizada.

“Infelizmente, o nosso Estado vem regredindo no setor pela péssima gestão de Flávio Dino, que entre as negligências está o fim do Parque Independência onde se realizava a maior feira agropecuária e que movimentava milhões de reais anualmente, gerando empregos, fomentando a economia e promovendo negócios por anos”, comentou.

Flávio Dino reage e afirma que “não acabou” com a Expoema

Flávio Dino 2O governador Flávio Dino (PCdoB) reagiu à Associação de Criadores do Maranhão (Ascem) e disse que não procede a informação de que o seu governo acabou com a Expoema.

Disse afirmou que essa versão é absurda, “inclusive porque se trata de evento privado, não governamental”.

“O que o governo não concorda é com uma área pública imensa ficar abandonada para ser usada uma vez por ano. Vamos retomar para melhor gerir”, disse

Abaixo, a íntegra do posicionamento do governador.

“Não procede versão de que governo “acabou com Expoema”. Ela pode e deve se realizar, como já foi esclarecido inúmeras vezes.
O que o governo não concorda é com uma área pública imensa ficar abandonada para ser usada uma vez por ano. Vamos retomar para melhor gerir.
Versão de que governo “acabou com a Expoema” é absurda, inclusive porque se trata de evento privado, não governamental.
Áreas públicas devem ser geridas pelo Poder Público, visando ao interesse público. Uso privado deve ser excepcional, temporário e eficiente.
Trata-se, ademais, de área hoje eminentemente urbana, em que outros usos são mais razoáveis e eficientes, por exemplo projetos habitacionais”.

Governo recua mas inviabiliza Expoema, diz deputado

Charge de Clovis Cabalau, diretor de redação do jornal O Estado do Maranhão

Charge de Clovis Cabalau, diretor de redação do jornal O Estado do Maranhão

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) afirmou há pouco, na Assembleia Legislativa, que o Governo do Estado recuou em relação à decisão de tomar da Associação dos Criadores do Maranhão (Ascem).

Em reunião com os criadores realizada ontem, representantes do Executivo informaram que poderão ceder o espaço do Parque Independência para os criadores, neste ano, mas retomam novamente o controle do imóvel em 2017.

Ocorre que apesar de a decisão – “que só ocorreu por causa do desgaste provocado a Flávio Dino (PCdoB)”, reforçou Edilázio -, a realização da Expoema já está inviável.

Os criadores afirmam, por exemplo, que já devolveram aos bancos, os recursos referentes a patrocínios para o evento, e que haverá dificuldade em contratar bandas – em decorrência do calendário de shows -, e serviços.

“O Governo recuou, mas inviabilizou, ao mesmo tempo, a realização da Expoema. Os criadores encaminharam ofícios ao Estado pedindo apoio ao evento em setembro do ano passado. Ou seja, Expoema se organiza com um ano de antecedência. O dinheiro aos bancos já foi devolvido e não há como contratar uma grade shows de uma hora para outras. As bandas são contratadas meses antes do evento”, disse Edilázio.

Edilázio lembrou que para tentar amenizar a gravidade da situação, o secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca, Márcio Honaiser, ofereceu patrocínio – no mesmo montante oferecido em 2015 -, para a realização da festa.

Calote – O valor, R$ 95 mil, contudo, que acabou não sendo pago pelo Governo no ano passado, foi rejeitado pela Ascem. “O Governo, caloteiro como a gente sabe que é, ofereceu no ano passado a menor ajuda da história da Expoema, com apenas R$ 95 mil, e mesmo assim não pagou. Deu um calote nos criadores do Maranhão. É o Governo do calote”, acrescentou.

A Assembleia Legislativa discutiria hoje, em audiência pública, uma solução para a realização da Expoema 2016. O evento, contudo, está suspenso, a pedido da Ascem.

 

Edilázio lamenta fim da Expoema

edilazioO deputado estadual Edilázio Júnior (PV) repudiou ontem, na Assembleia Legislativa, a decisão do governador Flávio Dino (PCdoB) de tirar da Associação de Criadores do Estado do Maranhão (Ascem), o controle do Parque Independência, local onde tradicionalmente se realiza a Expoema.

O tema foi explorado na coluna Estado Maior, da edição de ontem, e ganhou forte repercussão no Legislativo e entre os próprios criadores, que já anunciaram a provável não realização da Expoema este ano. O evento, que já faz parte do calendário tradicional do estado, ocorre sempre no mês de setembro.

Para Edilázio Júnior, mais uma decisão intempestiva e incoerente do governador Flávio Dino. O Parque Independência estava cedido à Ascem pelo Executivo até o ano de 2026. A cessão se deu por meio de um contrato de comodato, assinado em 1990 e ratificado em 2009.

“Estive na semana passada com o presidente da Associação dos Criadores do Maranhão, senhor José Assub, e ele me falou muito entristecido do que vinha acontecendo, da forma como nós aqui sabemos, ditatorial que o governador Flávio Dino trata todos. Não existe nenhuma justificativa para findar o contrato que existe até o ano de 2026”, disse.

Edilázio afirmou que além de afetar o turismo, o fim da Expoema resultará num impacto gigantesco na economia local, uma vez que o evento movimentava mais de R$ 20 milhões por ano.

“Nós temos um parque de exposição. Fortaleza tem um parque, Teresina também. Nós já não temos mais o Carnaval, não temos mais o São João e agora vamos perder algo que era já tradicional em nosso calendário. Movimentava-se na Expoema mais de R$ 20 milhões e gerava-se mais de 2 mil empregos diretos e indiretos. Estou falando de restaurantes, comércios, operadores de máquinas agrícolas, enfim, tratadores. Mas agora o governador Flávio Dino sem ter o menor diálogo com a Associação dos Criadores, acabou com tudo isso”, completou.