Lobão Filho repudia ataques à sua família

Lobão Filho com esposa e filha: Paulinha e Tatiana

Lobão Filho com esposa e filha: Paulinha Lobão e Tatiana Lobão

O candidato da coligação “Pra Frente, Maranhão”, senador Lobão Filho (PMDB), repudiou os ataques do grupo adversário, na internet, à sua família. Ele rejeitou e classificou de falsa uma nota divulgada no fim de semana pela coligação “Todos pelo Maranhão” que sustenta a candidatura do comunista Flávio Dino (PCdoB), que rechaçava os ataques pessoais ao peemedebista. Para Lobão, as injúrias e difamação partiram exatamente de pessoas ligadas à esta coligação, motivo pelo qual ele recusou a nota.

“Fraudaram as imagens da minha filha quando ela tinha 13 anos e da minha esposa. Na hora em que entraram com ataques à minha família, passaram de todos os limites, por isso quero dizer que aí fica a revolta. Divulgaram uma nota, mas ela é tão falsa quanto uma nota de R$ 3 reais. Eu rejeito essa nota. Não aceito esse tipo de coisa”, disse.

Lobão lembrou que desde o momento que foi lançada a sua candidatura tem sido alvo de ataques da oposição. Afirmou que primeiro inventaram e espalharam nas redes sociais a sua morte num suposto acidente aéreo. Em seguida, de acordo com o peemedebista, afirmaram que ele seria substituído pelo deputado Arnaldo Melo (PMDB), pelo senador João Alberto (PMDB) e até pelo ex-prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando Silva (PMDB) – que já havia desistido de disputar a eleição. Ele também afirmou ter sido vítima de seus adversários, da mesma tática utilizada contra o ex-governador Jackson Lago, na eleição de 2010. A tática foi tentar desqualificar a sua candidatura e espalhar nas redes sociais que ele estaria inelegível.

“Fico muito triste com tudo o que está ocorrendo na internet. Repudio esses ataques”, completou.

Fatores decisivos

Roseana Sarney abre mão do Senado

Roseana Sarney abre mão do Senado

Acabou o mistério. A governadora Roseana Sarney (PMDB) não renunciará para se candidatar ao Senado. Ela anunciou ontem que vai cumprir o seu mandato até o último dia, para honrar o compromisso assumido com o eleitorado na eleição de 2010, que venceu no 1º turno, de deixar o Palácio dos Leões no dia 31 de dezembro deste ano, tendo realizado o melhor governo da sua vida.

Protagonizando um ato de grande coragem política, Roseana fez o anúncio de maneira objetiva, evitando se manifestar sobre assuntos que agora serão tratados na esfera partidária, como a disputa para o Senado, por exemplo. A decisão de permanecer no cargo está lastreada por vários fatores. Dois deles se sobrepõem: o pessoal e o administrativo.

No campo pessoal, a governadora alega cansaço da vida pública e necessidade de se dedicar mais a si e à família. Roseana está na ciranda política desde 1985, quando se tornou uma das principais assessoras do então presidente Jose Sarney. Em 1990, se elegeu deputada federal e em 1994 governadora, se reelegendo em 1998 em um só turno. Em 2002, se elegeu senadora; em 2006 disputou o governo, mas irregularidades lhe tiraram a eleição; mas assumiu em 2009 por decisão judicial e se reelegeu em 2010 no 1º turno. Nenhum período de descanso em quase 30 anos.

No campo administrativo, o programa de obras é denso e sem paralelo na história recente do estado. O Saúde é Vida, com a construção, reforma e reabertura de hospitais, e o Viva Maranhão, que tem por base o programa rodoviário. Na educação, será inaugurado no mês que vem, no antigo Colégio Maristas, o primeiro ginásio de tempo integral do estado. Em São Luís estão em fase final a Via Expressa, a Avenida Quarto Centenário, o Espigão Marítimo e a primeira etapa do Anel Metropolitano, entre várias outras obras. Não seria justo abrir mão de nove meses de governo. A governadora deu o passo que julgou mais certo. Tem autoridade pessoal e política para isso.

 Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão