Diferente de tudo

O governo Flávio Dino obviamente vai tentar minimizar os efeitos – e pode até aparecer com pesquisa de aprovação popular surgida de uma hora para outra, mas o fato é que o comunista sofre desgaste atrás de desgaste desde o fim das eleições municipais.

A repercussão do golpe conjunto nos consumidores e nos professores tem transformado Dino e seus aliados em motivo de piada, provocação e até agressões e xingamentos em redes sociais e aplicativos de troca de mensagens.

E o governo comunista sentiu o golpe. Tanto que decidiu chamar toda a bancada para uma reunião de emergência ainda na noite de quarta-feira após a suspensão das conquistas do Estatuto do Magistério, que acabou ocorrendo no mesmo dia do aumento da alíquota do ICMS, que vai punir, sobretudo, as camadas mais pobres da população.

Erro de estratégia? Açodamento, forçação de barra desnecessária? Eram essas as perguntas que Dino e seus aliados tentavam responder, com os deputados, alguns com a mea culpa de ter antecipado a votação da MP do Magistério, que seria apenas ontem, mas foi votada – a toque de caixa – na mesma quarta-feira do golpe do ICMS.

O fato é que, na visão da população comum, e, agora também, na visão de servidores públicos, desde os mais simples aos mais gabaritados, a certeza que se tem é que Flávio Dino e seu governo são diferentes de tudo o que pregaram. E isso vale também para o que Dino escreveu ao longo de sua trajetória.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Um dia inesquecível para o Maranhão…

O maranhense poderá gravar para sempre na memória o dia 15 de março de 2017.

Ele é histórico por todo o potencial político que encerra em suas 24 horas. Dia de lamentações para muitos; e de vergonha para outros tantos.

Foi no dia 15 de março de 2017 que o governador Flávio Dino (PCdoB) – eleito em 2014 como símbolo de uma decantada mudança política no Maranhão – protagonizou um duro golpe na população maranhense, com um aumento de ICMS que atingiu, sobretudo, os mais pobres.

É exatamente essa faixa populacional que vai pagar mais alto pelo imposto a partir de agora, de 12% para 18%.

E o 15 de março se torna mais significativo do ponto de vista histórico porque é a data em que se comemora o Dia Mundial do Consumidor.

Mas como se não bastasse, Dino e seus deputados – os mesmos que aumentaram a alíquota do ICMS – resolveram dar outro duro golpe em outra categoria de cidadãos, os professores, que foram vilipendiados com uma Medida Provisória que simplesmente alterou o Estatuto do Magistério, conquistado no governo passado.

Talvez por isso, líderes do governo como Rogério Cafeteira (PSB), Professor Marco Aurélio (PCdoB) e Bira do Pindaré (PSB) preferiram se esconder dos professores embaixo das marquises que abrigam as galerias da Assembleia Legislativa. (Relembre aqui)

Para estes, fica o contraponto de Adriano Sarney (PV), que rasgou um exemplar de um livro do governador Flávio Dino, no qual o comunista chama as MPs de instrumentos ditatoriais.

E é por meio delas que o próprio Dino administra.

O 15 de março foi, sem dúvida, um dia histórico…

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Dilma afirma que impeachment é o “segundo golpe” sofrido na vida

dilmaA agora ex-presidente da República, Dilma Rousseff (PT), cassada pelo Senado da República, afirmou que o impeachment foi o segundo golpe sofrido por ela ao longo de sua trajetória de vida.

Para a petista, os senadores que decidiram pelo seu afastamento definitivo do Poder Executivo rasgaram a Constituição Federal.

“Hoje, o Senado Federal tomou uma decisão que entra para a história das grandes injustiças. Os senadores que votaram pelo impeachment escolheram rasgar a Constituição Federal, decidiram pela interrupção do mandato de uma presidente que não cometeu crime. Condenaram uma inocente e consumaram um golpe parlamentar”, disse.

Dilma fez o pronunciamento no Palácio da Alvorada, em Brasília, ao lado de um grupo de aliados, entre eles o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Também acompanharam o discurso cerca de 30 manifestantes contrários ao impeachment que protestavam em frente ao Alvorada e foram autorizados a entrar.

“Apropriam-se do poder por um golpe de estado. É o segundo golpe de estado que enfrento na vida. O primeiro, o golpe militar apoiado na truculência das armas da repressão e tortura que me atingiu quando era jovem. O segundo, o golpe parlamentar desfechado hoje por meio de uma farsa jurídica, me derruba do cargo para o qual fui eleita pelo povo”, disse.

Apesar de ter sido cassada, Dilma não teve os seus direitos políticos suspensos por 8 anos. Isso porque a decisão dos senadores foi “fatiada”. Este aspecto da sentença deverá ser questionado no Supremo Tribunal Federal (STF) por senadores que a acusaram de crime de responsabilidade.

Polícia Federal busca pré-candidato do PCdoB em São Bento

São Bento 1O pré-candidato a prefeito do município de São Bento, Luiz Gonzaga Barros (PCdoB), o Luizinho, está sendo procurado pela Polícia Federal.

A PF realiza desde as primeiras horas de hoje uma Força-Tarefa no município que apura fraude no sistema previdenciário. A operação é realizada em parceria com o Ministério do Trabalho e Previdência Social e o Ministério Público Federal (MPF), e recebeu o nome de “Vínculos”.

São Bento 2Luizinho, que na imagem acima aparece ao lado do secretário de Articulação Política e Comunicação do Governo do Estado, Marcio Jerry, presidente estadual do PCdoB, exerce o cargo de Superintendente de Articulação Regional de São Bento, função vinculada à Secretaria de Estado da Comunicação e Assuntos Políticos (Secap). Ele é subordinado de Jerry e aliado do comunista.

Além de Luizinho, contadores, um advogado especializado em causas previdenciárias, um ex-funcionário do Cartório de Palmeirândia, um servidor do INSS e intermediários também foram indiciados.

Golpe

As investigações, iniciadas em 2015, levaram à identificação de um esquema criminoso com atuação desde 2010, responsável pela concessão de benefícios de pensão por morte fraudulentos.

O golpe funcionava assim: os instituidores e, em alguns casos, o próprio titular, eram pessoas fictícias, criadas virtualmente através da falsificação de documentos públicos. Os vínculos empregatícios inexistentes eram implantados no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) na Prefeitura Municipal de São Bento, com salários de contribuição no teto previdenciário, sendo transmitidos através de Guias de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (GFIP) irregulares.

O prejuízo inicialmente identificado aproxima-se de R$ 1,5 milhão. O valor do prejuízo evitado com a conseqüente suspensão desses benefícios, levando-se em consideração a expectativa de sobrevida média da população brasileira, é de R$ 12 milhões.

Nessa etapa da operação a Polícia Federal 9 mandados de prisão temporária, 19 de busca e apreensão e 04 de condução coercitiva.

Quem diz o que quer…

Flávio Dino recebeu a réplica sobre declaração em praça pública

Flávio Dino recebeu a réplica sobre declaração em praça pública

Sobrou para o governador Flávio Dino a manifestação em favor do impeachment e contra a corrupção realizada domingo passado, na Avenida Litorênea.

Depois de chamar de golpistas aqueles que apoiam a queda da presidente Dilma – o discurso foi no Porto do Itaqui, para plateia de militantes do PT e aliados do Governo do Estado -, o governador recebeu o troco.

E a resposta veio em alto e bom som.

Após sofrer uma avalanche de críticas em redes sociais, o arroubo dilmista do comunista recebeu a réplica em “praça pública”. Do alto de um minitrio elétrico, um eleitor do próprio Dino descascou contra a fala do governador e sua postura digna dos tempos de líder estudantil”

– O governador do Estado do Maranhão chamou o povo maranhense de golpista. Ele disse que o que a gente tá fazendo hoje aqui é um golpe […]. A gente tá aqui pelo amor que a gente tem pelo país. A gente não é golpista, governador – declarou o cidadão durante o protesto.

Manifestantes presentes ao ato na Litorânea fizeram coro ao discurso indignado do eleitor dinista, que pediu do governador mais respeito:

– Você respeite o maranhense que votou em você e que hoje você chama de golpista. Não somos golpistas. Nós somos trabalhadores – complementou.

Um vídeo da cena, claro, ganhou a internet e provocou outra chuva de comentários de gente decepcionada.

É como diz a velha máxima: quem diz o que quer, ouve o que não quer.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

‘Vem pra Rua’: o golpe da mudança

Estudantes classificam de golpe a mudança proposta para o Maranhão

Estudantes classificam de golpe a mudança proposta para o Maranhão / foto do jornalista Jock Dean

Revoltados com o aumento da tarifa de ônibus de São Luís, usuários do transporte público, que coordenam o movimento “Vem pra Rua”, realizam neste momento uma passeata, em protesto direcionado ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC), eleito com o discurso da mudança, e também direcionado ao seu padrinho político, o comunista Flávio Dino (PCdoB).

Manifestantes se concentram em frente ao Liceu Maranhense / Jock Dean

Manifestantes se concentram em frente ao Liceu Maranhense / Jock Dean

Concentrados nas proximidades do Liceu Maranhenses, os manifestantes utilizam faixas e cartazes com fortes críticas à administração municipal e ao projeto político de “mudança” defendido por Edivaldo e Dino.

“R$ 2,40 é o golpe de Mudança!”, destaca uma das faixas erguidas no protesto. “Ônibus é transporte público de qualidade, então paga a tua passagem prefeito”, é o que retrata outra faixa.

Um dos principais motivos de revolta da população, diz respeito ao fato de o prefeito ter sido eleito com o discurso de que iria modernizar o sistema de transporte público. Ele prometeu utilizar o VLT – o que não aconteceu -, realizar a licitação das linhas de ônibus e disponibilizar veículos novos para transporte de passageiro. Edivaldo também prometeu instalar aparelhos de GPS nas paradas de ônibus, com número e localização de cada linha, o que revolucionaria o sistema.

Tudo ficou na promessa, e além de ter se deixado levar pela pressão dos empresários do segmento, reajustou a tarifa de ônibus da capital.

Sem pulso e aparentemente perdido em sua própria gestão, Edivaldo conseguiu fazer exatamente o contrário de tudo aquilo que prometeu. O que é lamentável para o desenvolvimento da cidade.

Quanto ao projeto político de Flávio Dino, é bom lembrar o que ele afirmou em 2012: “a mudança do Maranhão começará pela mudança em São Luís”. É isso aí…

Eliziane diz que houve manipulação na decisão do TSE contra o Rede

eliziane redeA deputada estadual Eliziane Gama (PPS) fez forte crítica à decisão dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de rejeitar a criação do partido Rede, idealizado pela ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva.

Para Eliziane, a “velha política está em festa e a democracia de luto”. “Mas não se trata de uma questão aritmética (o número mínimo de assinaturas), jurídica ou burocrática, como tentam fazer parecer. Contra a #Rede sempre houve uma teia de interesses dos mais diversos, envolvendo a perpetuação no poder desse grupo com indisfarçável DNA golpista”, manifesta.

Eliziane Gama aguardava a definição do Rede para migrar para o novo partido e disputar a eleição para o Governo do Estado em 2014 com mais força política e eleitoral, uma vez que Marina também é pré-candidata ao Governo Federal.

Ela já havia manifestado o interesse pela Rede em diversas oportunidades. Gama chegou a ter um encontro com Marina em Brasília. Lá, apresentou o seu projeto de candidatura própria e mostrou o interesse de montar no Maranhão um palanque político para a ex-ministra. Agora, aguarda a definição de Marina Silva em relação ao partido que deve ingressar.