Luis Fernando é candidato único em São José de Ribamar

Luis FernandoA corte do Tribunal Regional Eleitoral do (TRE) do Maranhão confirmou na tarde de hoje a cassação da candidatura do médico Julinho Filho (PMDB) à Prefeitura de São José de Ribamar.

A decisão foi unanime – placar de 4 a 0 -, o mantendo entendimento da juíza da primeira instância do município, Tereza Mendes, que indeferiu o registro da candidatura do peemedebista.

Com a decisão, apenas o candidato da coligação “Aliança Democrática Ribamarense”, Luis Fernando Silva (PSDB), está apto a concorrer ao pleito no próximo dia 2 de outubro.

Julinho teve sua candidatura indeferida pela Justiça, em decorrência de suas duas contas desaprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-MA), durante sua passagem pela diretoria da Maternidade Benedito Leite.

Além das contas reprovadas, Julinho não se desincompatibilizou no dia 2 de julho, como manda a lei eleitoral, do cargo de médico que exerce no Estado, fato este que também impediu sua candidatura, segundo o procurador da República junto ao TRE, Thiago Ferreira de Oliveira.

Luis Fernando, portanto, segue para uma nova administração Ribamar.

Gastão Vieira formaliza convite a Luis Fernando para filliar-se ao PROS

Ex-deputado Gastão Vieira

Ex-deputado Gastão Vieira

O ex-ministro do Turismo e ex-deputado federal Gastão Vieira (PROS), formalizou ontem pedido ao ex-prefeito de São José de Ribamar e ex-secretário de Estado da Infraestrutura (Sinfra), Luis Fernando Silva (sem partido) para filiar-se ao seu partido político.

Gastão e Luis Fernando almoçaram juntos ontem em São Luís e conversaram sobre a atual conjuntura política para as eleições de 2016. Ambos optaram por deixar o PMDB, do senador Lobão Filho (PMDB), no início do ano. Luis Fernando está sem partido político.

A O Estado, Gastão Vieira afirmou que optou por procurar Luis Fernando, por considerá-lo um dos melhores quadros técnico e político no Maranhão. Ele disse que o saldo da conversa foi bastante positivo, ressaltou que mantém um bom relacionamento com o ex-prefeito e explicou que continuará em contato com o ex-correligionário.

“Eu e o Luis Fernando somos amigos de longas datas. Ele me recebeu muito bem e tivemos uma conversa bastante produtiva sobre política. Analisamos o atual cenário político, discutimos 2016 e lógico falamos de alguns projetos que temos em mente. Eu não deixaria, é lógico, de convidá-lo para o partido, para esse novo momento”, disse.

Gastão ressaltou, no entanto, que Luis Fernando deve definir o seu futuro político somente nos próximos meses. “Ele tem até setembro para tomar uma decisão a respeito, e pelo o que conversamos, deve esperar mesmo esse tempo. Não há nenhum tipo de constrangimento ou empecilho nisso. Luis Fernando terá muito tempo ainda para tomar a sua decisão”, completou.

Reorganização – O ex-ministro do Turismo assumiu a presidência do PROS na semana passada. Ele agora inicia um processo de reorganização do partido no Maranhão, para a disputa das eleições 2016.  O objetivo é fazer com que a legenda atue de forma decisiva no processo eleitoral.

“O que eu quero é um partido que funcione na sua essência, que discuta o país e o estado do Maranhão, que tenha uma militância forte, ativa, com propostas e ideias. Idealizo um partido com voz ativa, que transforme a nossa realidade. Para mim, esse deve ser o nosso foco”, finalizou.

Luis Fernando e o grupo Sarney

Luis Fernando tinha apoio de apenas parte do grupo

Luis Fernando tinha apoio de apenas parte do grupo

Marco D’Eça – Uma coisa ficou clara nas últimas 72 horas de movimentação no grupo da governadora Roseana Sarney (PMDB): a resistência da classe política foi ficando cada vez mais evidente ao nome do ex-secretário Luis Fernando Silva (PMDB).

E essa mesma classe política mostrou forte entusiasmo quando abriu-se a possibilidade de mudança de candidato, mesmo nesta altura do campeonato.

Desde que foi anunciado como o representante do grupo de Roseana na disputa de 2014, Luis Fernando sempre foi visto , inclusive pela oposição,“como o melhor candidato que o grupo Sarney já teve”.

E cumpriu todas as etapas para se viabilizar candidato: atraiu lideranças da oposição, fez-se conhecido no interior e alcançou percentual de quase 1/4 do eleitorado nas intenções de voto.

Mas mesmo com este perfil – ou até por causa deles – faltava-lhe o entusiasmo das lideranças do grupo.

Entusiasmo que, de uma forma ou de outra, parece brotar agora com a simples decisão da troca de candidato.

A candidatura de Luis Fernando sempre foi um projeto da governadora Roseana,  que o grupo Sarney, de uma forma ou de outra, sempre demonstrou resistência.

Com a retirada de Luis Fernando – honrosa, diga-se de passagem – a governadora passa a responsabilidade pela disputa ao próprio grupo Sarney.

E agora, cabe às lideranças deste grupo fazer a eleição de outubro.

É simples assim…

 

Sai o trio forte

Murad retorna à Assembleia

Murad retorna à Assembleia

Os três secretários em tese mais próximos da governadora Roseana Sarney (PMDB) deixarão seus cargos nas próximas horas para entrar na corrida em direção às urnas: Luis Fernando Silva deixará a pasta de Infraestrutura para ser candidato a governador, Ricardo Murad sairá do comando da Secretaria de Saúde para retornar à Assembleia Legislativa e dali seguir na corrida pela reeleição e – surpresa das surpresas – João Abreu se desincompatibilizará da chefia da Casa Civil para ser candidato a suplente de senador.

A saída de Luis Fernando Silva estava programada desde o momento em que ele foi

Luis Fernando é candidato ao Governo

Luis Fernando é candidato ao Governo

escolhido pelo PMDB para ser o candidato do partido à sucessão da governadora Roseana Sarney. O peemedebista cumpriu nos últimos seis meses uma maratona de viagens ao interior, percorrendo milhares de quilômetros em todas as regiões do Maranhão. Deixa o cargo confirmando a competência como gestor público, incluindo no currículo o projeto de asfaltar o acesso a todas as sedes municipais do estado.

Apontado por muitos como o “trator” do atual governo, Ricardo Murad retorna à Assembleia Legislativa para ser candidato à reeleição. Leva no currículo a viabilização do programa Saúde é Vida, um gigantesco conjunto de ações entre as quais a construção de 72 hospitais microrregionais de 20 e 50 leitos, além quatro hospitais macrorregionais de 150 leitos, 10 UPAs, a restauração completa do Hospital Carlo Macieira, do Hospital Geral e do Pam Diamante, entre outras ações de grande envergadura – a outra metade dos hospitais microrregionais está de pé e deve ser entregue até o final do ano.

João Abreu será suplente de senador

João Abreu será suplente de senador

A ser confirmada sua saída da chefia da Casa Civil, João Abreu vai dar um passo radical na sua carreira de empresário e homem público ao entrar na política no sentido pleno. Mostrou competência administrativa quando foi secretário de Saúde. O articulador político apareceu quando ele assumiu pela primeira vez a Casa Civil, cuja função básica fazer a ponte entre o governador e a sociedade. É provável que ele seja candidato a suplente de senador ou, numa possibilidade bem mais remota, a deputado federal. Vale aguardar.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Semana decisiva na Assembleia

Arnaldo Melo assumirá o Executivo Estadual

Arnaldo Melo assumirá o Executivo Estadual

A semana parlamentar que começa hoje pode ser decisiva para a definição das regras de uma eventual eleição indireta na Assembleia Legislativa. A expectativa é que a governadora Roseana Sarney (PMDB) – se decidir mesmo concorrer ao senado – renuncie ao mandato antes do Carnaval, que começa no próximo fim de semana. E só a partir da sua renúncia é que a Mesa Diretora da Casa irá elaborar as regras do pleito-tampão.

O que é certo até agora é apenas o fato de que o presidente da Assembleia, deputado Arnaldo Melo (PMDB), assumirá o governo por um período de 30 dias, enquanto a Casa define data e forma da eleição.

Mas este prazo não pode ultrapassar a data-limite de 6 de abril, a partir da qual qualquer um que assumir o governo fica automaticamente inelegível para qualquer outro cargo nas eleições de outubro.

E é com base nesta premissa que se faz a discussão sobre a eleição indireta. Arnaldo Melo ficará no cargo apenas interinamente ou pretende disputar a eleição indireta para assumir definitivamente o mandato? O secretário Luis Fernando Silva (PMDB) será candidato na indireta para concorrer à reeleição no cargo?

Estas perguntas serão respondidas ao longo da semana, em conversas das lideranças políticas do PMDB, principal partido interessado na questão. Até por que, caberá à legenda indicar o candidato dentro das regras estabelecidas na Assembleia.

E à medida que o prazo da saída de Roseana se aproximar, as discussões e as conversas começarão a ficar mais intensas.

E mais públicas também…

 Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Para Monteiro, eleição indireta não interessa ao PT

Monteiro diz não pensar na indireta

Monteiro diz não pensar na indireta

O presidente do Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) no Maranhão, Raimundo Monteiro, declarou ontem que o comando da legenda “não tem muito interesse” no debate sobre uma possível eleição indireta para o Governo do Estado.

Os petistas mantêm no estado aliança com o PMDB e, caso a governadora Roseana Sarney (PMDB) renuncie ao mandato para concorrer a uma vaga no Senado, especula-se que a legenda indique o candidato a vice em composição com um peemedebista – os mais cotados são o secretário de Infraestrutura, Luis Fernando Silva, e o presidente da Assembleia, deputado Arnaldo Melo.

Segundo apurou O Estado, o desejo das lideranças do PMDB é repetir em outubro a chapa majoritária que for montada para a disputa indireta. Mas o PT, ainda de acordo com Monteiro, não parece tentado a vincular as duas eleições. “Eu, pessoalmente, não tenho muito interesse nesse debate. E muita gente no partido também não tem interesse”, disse.

Segundo ele, o comando partidário tem trabalhado nas articulações sobre a tática eleitoral para a eleição de outubro. No PT, a tendência é que a aliança com o PMDB seja repetida, mas a decisão passará por avaliação nacional.

Candidatos – Prováveis candidatos a vice-governador numa composição com o PMDB, o secretário de Trabalho e Economia Solidária, José Antônio Heluy, e o presidente do Incra, José Inácio, confirmam que a prioridade do partido é a eleição de outubro, mas discordam de Monteiro quanto ao interesse na indireta.

“Eu acho que o PT não pode se excluir desse debate, tem que entrar na discussão, embora eu perceba que a tendência é que não haja essa participação agora, para que um composição seja trabalhada apenas para a eleição direta, em outubro”, relatou Ignácio.

Segundo Heluy, o momento no partido é de discutir a escolha dos delegados que terão direito a voto no encontro que definirá o rumo eleitoral da legenda. O auxiliar da governadora Roseana Sarney (PMDB), no entanto, admite que há, sim, conversas sobre uma composição com o PMDB para a possibilidade de uma eleição pela Assembleia Legislativa.

“No momento, a prioridade é a posse dos dirigentes e dos delegados do partido. Mas já se iniciou, sim, esse debate sobre a indicação de vice. Nada oficial, as conversas têm sido travadas mais entre os próprios atores envolvidos”, completou, citando a si próprio como pré-candidato a vice, além do deputado estadual Zé Carlos, do secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, do presidente do Incra, José Inácio, e do ex-vereador Kléber Gomes.

E dá para acreditar?

Flávio Dino pesquisaOntem comunistas e babões do chefão Flávio Dino (PCdoB), passaram o dia “anunciando” uma reviravolta nos resultados de pesquisa que estaria por ser divulgada (reveja aqui). A pesquisa, feita apenas 13 dias depois de uma primeira, mostraria Edivaldo Holanda Júnior (PTC) com pelo menos 10 pontos acima do levantamento anterior em relação ao índice de popularidade e aprovação de seu governo, e Flávio Dino com uma “liderança” disparada nas intenções de votos. Na pesquisa anterior, ele estava embolado com Eliziane Gama (PPS) e Luis Fernando Silva (PMDB) – que foi prefeito de um dos municípios da Grande Ilha, São José de Ribamar.

Agora, vejam só, Dino comemora a suposta liderança em São Luís e ainda ainda tenta diminuir Luis Fernando, nesta pesquisa, abaixo dos 10% de intenções de votos. Dá para acreditar nisso tudo?

Bom, para Flávio Dino e companhia acredito que sim. O difícil será fazer o povo crer que o levantamento diz respeito a verdade dos fatos. Essa é apenas mais uma demonstração de que o comunista parece cada vez mais inseguro com as eleições. E tenta de todas as formas minar a pré-candidatura de Luis Fernando. Se não for desespero…

 

Arnaldo Melo e dois caminhos a seguir

Arnaldo Melo pode ajudar ou confrontar Luis Fernando

Arnaldo Melo pode ajudar ou confrontar Luis Fernando

Na edição de ontem O Estado trouxe ampla reportagem sobre a forte possibilidade de o Maranhão passar por duas eleições para o Governo do Estado em apenas seis meses. E um dos tópicos da reportagem foi a entrevista com o deputado estadual Rubens Júnior (PCdoB), líder do bloco de oposição na Assembleia Legislativa, que trata sobre a eleição indireta na Casa.

Rubens assegurou ao titular do blog e repórter daquele veículo, que a oposição apoiará uma possível eleição do presidente da Assembleia, deputado Arnaldo Melo (PMDB), ao comando do Executivo.

O que Rubens fez foi apenas confirmar os ruídos que já circulavam nos bastidores de Poder. Todos sabem que é possível o lançamento de uma candidatura própria de Luis Fernando Silva (PMDB) na eleição indireta da Assembleia, caso Roseana Sarney (PMDB) deixe o governo para a disputa do Senado. E todos sabem que a oposição vai tentar jogar dentro da própria base governista para impedir que o projeto se consolide.

O que não havia, até o momento, era uma afirmação vinda de um membros do bloco oposicionista sobre essa intenção.

A oposição sabe que, com uma possível eleição de Luis Fernando em abril, ele sai bastante fortalecido para a disputa da eleição de outubro – coordenada pela Justiça Eleitoral. E sabe que Flávio Dino (PCdoB) perderá parte da vantagem que ele acumula junto ao eleitorado, sobretudo pelo fato do peemedebista ser reconhecidamente um gestor competente.

Então qual seria a saída? Arnaldo Melo, apontam os oposicionistas. Eles apostam num rompimento político de Melo com o grupo da governadora Roseana Sarney, com a promessa de que, num eventual mandato de Dino, ele será recompensado. E jogam pesado para isso.

Melo está com o jogo da eleição indireta nas mãos, todos sabemos. Ele pode cumprir o que foi acordado com Roseana Sarney, ou ceder às propostas da oposição. Não há o que esconder e nem a quem enganar. Uma posição precisará ser tomada por ele em breve. Vamos aguardar o desenrolar disso tudo…

Projeto de eleição indireta deve ser aprovado hoje na Assembleia Legislativa

Deputados vão aprovar projeto na sessão de hoje

Deputados vão aprovar projeto na sessão de hoje

Depois de idas e vindas e muita polêmica, deve ser aprovado daqui a pouco na Assembleia Legislativa o projeto de lei 155/2013 de autoria do deputado Edilázio Júnior (PV), que regulamenta a eleição indireta para o cargo de governador e vice-governador do estado em caso de vacância dos cargos nos dois últimos anos de mandato.

A polêmica estava em torno de uma emenda do deputado Marcos Caldas (PRP), que pedia a especificação de que as normas da eleição somente poderiam ser válidas após aprovação da Mesa e posteriormente aprovação do plenário. O texto da lei destacava apenas que a Assembleia era quem deveria aprovar as normas.

Ontem a noite, líderes de blocos e governistas se reuniram com o deputado Marcos Caldas para o convencer da retirada da emenda. A primeira informação é de que ele aceitou e deve mesmo recuar.

Mesmo assim, o texto original da lei deve sofrer alteração no que diz respeito aos prazos estipulados para a realização de uma sessão extraordinária com a eleição indireta. Tema apenas burocrático e que já foi resolvido.

O importante agora é saber como se comportará a base do governo com uma possível saída de Roseana Sarney (PMDB) do mandato de governadora para a disputa do Senado Federal. Haverá racha? Arnaldo articula uma possível avaliação? Ou o grupo se manterá unido e elegerá o candidato imposto pela líder Roseana?

Só o tempo trará as respostas…

Luis Fernando incomoda

Luis Fernando é recebido por multidão em Lago da Pedra

Luis Fernando foi recebido por multidão em Lago da Pedra no fim de janeiro

Deve ganhar o mesmo destino de um pedido de impeachment protocolado mês passado contra a governadora Roseana Sarney (PMDB) uma representação que a oposição anunciou que protocolará contra o pré-candidato do PMDB ao Governo do Estado, Luis Fernando Silva, por suposto abuso de poder político e econômico.

A ação é encabeçada por deputados oposicionistas ligados ao comunista Flávio Dino, e mostra, mais do que alguma suposta irregularidade cometida pelo peemedebista, o incômodo dos adversários com o desempenho político-administrativo dele.

Na condição de secretário de Estado de Infraestrutura, Luis Fernando Silva tem percorrido o estado inteiro com um único objetivo: concluir até o fim do mês de março a missão dada pela governadora de iniciar as obras de pavimentação de estradas que garantirão que todas as 217 sedes municipais maranhenses sejam interligadas por rodovias asfaltadas. (Para quem não sabe, a interligação tornará o Maranhão o primeiro estado nordestino a conseguir a proeza).

Do trabalho, tem surgido o reconhecimento de prefeitos e importantes lideranças regionais, que não se têm furtado a declarar abertamente apoio à pré-candidatura do principal auxiliar da governadora Roseana. Que se mal estivesse – como fazem questão de alardear os comunistas – tanto incômodo não despertaria. A ciranda pré-eleitoral vai mostrar em breve a posição de cada um na corrida para o Governo do Estado.

Da coluna Estado Maior, de O Estado