Flávio Dino contrariado com candidatura de Manuela D’ávila

O governador Flavio Dino assim como toda a cúpula do PCdoB no Maranhão, ficou contrariado com o lançamento da pré-candidatura da deputada estadual do Rio Grande do Sul, Manuela D’ávila, à Presidência da República.

A candidatura de D’ávila acaba enfraquecendo o projeto de manutenção do PT no palanque de Dino em 2018. Isso porque o PT terá candidato próprio [Lula é o principal nome], e o PCdoB, a quem Dino deve fidelidade partidária, também.

O tema foi abordado hoje pela Coluna Painel, da Folha de S. Paulo, abordou o tema.

“E eu? A decisão do PCdoB de lançar Manuela D’ávila (RS) candidata ao Planalto contrariou ala da sigla que contava com o ex-presidente Lula para fortalecer palanques no Nordeste. É o caso do governador Flávio Dino (MA)”, destacou a coluna.

A cúpula estadual do PCdoB já se mobiliza para uma reunião com a direção nacional do partido.

A tendência, contudo, é de que a candidatura de D’ávila seja mantida…

PT mais distante

Dilma Rousseff ao lado de Flávio Dino em São Luís / imagem Gilberto Léda

Pode parecer contraditório à primeira vista, mas o é fato que não foi bom para o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), o lançamento de Manuela D’Avila como pré-candidata à Presidência da República pelo PCdoB.

A oficialização do nome da comunista como nome do partido para a disputa majoritária nacional ocorreu ontem, por meio de nota oficial. Se em situação normal essa seria uma notícia alvissareira, para o comunista maranhense ela significa mais perdas que ganhos.

E a principal baixa, no caso do Maranhão, diz respeito ao afastamento praticamente que imediato do PT da base de apoio a Dino.

Explica-se: até agora, o governador tem sustentado o apoio do PT mais por conta dos gestos que ele próprio fez aos ex-presidentes petistas Lula e Dilma Rousseff do que pelos espaços dados ao partido no governo.

Ocorre que, agora, com uma candidatura a presidente do PCdoB, é óbvio que Flávio Dino deve fidelidade a sua sigla.

Assim, não terá como repetir em 2018 o comportamento de 2014, quando – sem ter qualquer atrelamento ao cenário nacional -, fingiu apoiar três candidatos a presidente, para escancarar sua verdadeira opção apenas no segundo turno.

No ano que vem, Dino será Manuela D’Avila desde criancinha.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão