Perfil de Marcio Jerry na Secap o coloca como ex-membro do governo Roseana

O perfil técnico do secretário de Estado de Comunicação e Assuntos Políticos, Marcio Jerry (PCdoB), publicado na página oficial do Governo do Estado, na subseção da Secap, o coloca como ex-membro do governo Roseana Sarney (PCdoB).

Na página, como mostra a imagem, Jerry é apresentado como jornalista e ex-professor da Universidade Estadual do Maranhão (UFMA).

Também destaca atuação profissional do comunista como assessor de ONGs e entidades sindicais e ex-membro do primeiro escalão de gestões municipais em Imperatriz e em São Luís.

No último parágrafo, contudo, o equívoco, com a informação de que ele atuou como secretário de Estado em 2014, último ano da gestão Roseana Sarney.

“Sua função pública mais recente foi o comando da Secretaria de Estado de Articulação Política do Governo do Maranhão (2014) […]”, destaca o texto.

Expressão de desejo?

Escândalo da Funac: Bom Dia Brasil mostra uso de imóvel como comitê de campanha

O Bom Dia Brasil, da Rede Globo, mostrou hoje mais um capítulo do fatídico escândalo da Funac, no Maranhão.

Na reportagem, de Alex Barbosa, da TV Mirante, é possível provar que o imóvel alugado pelo Governo no bairro da Aurora para abrigar unidade da Funac – e pelo qual foram pagos mais de R$ 170 mil, desde 2015, apesar de o Executivo ter ocupado o prédio somente há seis dias -, funcionou, de fato, como comitê de campanha do PCdoB.

Lá funciona como ponto de distribuição de material gráfico do partido e era local para reuniões partidária do então candidato Júlio Guterres.

O Estado havia divulgado o caso em primeira mão.

O Bom Dia Brasil apresentou imagens no local do período de campanha, e lembrou que na semana passada, o secretário de Estado de Comunicação e Assuntos Políticos, Marcio Jerry (PCdoB), afirmou que não teria como “adivinhar” a filiação partidária do proprietário do imóvel.

Jean Carlos Oliveira é filiado ao PCdoB e participou da propaganda política do partido em 2014 [saiba mais aqui].

Assista a íntegra a da reportagem.

Flávio Dino vai investir R$ 15 milhões a mais na pasta de Comunicação em 2017

fdsfdsf

Marcio Jerry é quem comanda a pasta

O Estado – A Proposta de Lei Orçamentária Anual (PLOA) do Governo do Maranhão para o exercício financeiro de 2017 – encaminhada há pouco mais de duas semanas à Assembleia Legislativa – prevê aumento de mais de R$ 15 milhões das despesas com Comunicação Social.

Em 2016, a lei aprovada pelo deputados maranhenses apontava para uma estimativa der gasto de 43,8 milhões com essa rubrica.

Já para o ano que vem a expectativa do Executivo é destinar 58,9 milhões à Secretaria de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos (Secap), comandada pelo secretário Márcio Jerry (PCdoB), considerado o braço direito do governador Flávio Dino (PCdoB).

Especificamente para a gestão da pasta está previsto orçamento de R$ 20,4 milhões no ano que vem (são apenas R$ 7,2 milhões neste ano). Para “divulgação de ações governamentais” serão mais de R$ 23,5 milhões.

Mesmo que se considere que a atual Secap surgiu da união entre a antiga Secom e a extinta Secretaria de Assuntos Políticos e Federativos (Seap) – esta com previsão de receita de R$ 6,7 milhões para 2016 -, o orçamento de 2017 ainda é muito maior que o atual, que seria de R$ 50,5 milhões, se somadas as receitas das duas pastas, de acordo com a LOA 2016.

Aditivo – Um dos objetivos do aporte de recursos é a divulgação da gestão comunista na imprensa nacional. Para isso, já existe um contrato em vigor, que foi prorrogado por mais um ano, no final do mês de setembro, pela Secap.

A empresa contratada é a Informe Comunicação Integrada Ltda., responsável por cuidar da imagem do governador Flávio Dino (PCdoB) na mídia nacional.

O valor global do contrato é de R$ 6 milhões, e até a data do aditivo, segundo dados do Portal da Transparência, haviam sido pagos R$ 2,9 milhões.

Já no dia 11 de outubro, após a renovação, a Secap desembolsou outros R$ 192 mil, perfazendo um total de R$ 3,1 nilhões apenas em 2016. A empresa é comandada por Rebeca Scatrut, esposa do jornalista Ricardo Noblat.

MAIS

Na Assembleia Legislativa, a Proposta de Lei Orçamentária Anual de 2017 deve ser relatado pelo deputado Vinícius Louro (PR), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças, Fiscalização e Controle da Casa.

Justiça bloqueia verba da secretaria comandada por Márcio Jerry

marcio pcdobA Justiça Estadual determinou o bloqueio dos recursos da Secretaria de Estado da Comunicação e de Assuntos Políticos (Secap). A pasta é comandada pelo presidente estadual do PCdoB, Márcio Jerry, considerado o “homem forte” do Governo Flávio Dino (PCdoB).

A decisão é do juiz Douglas de Melo Martins, titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos da capital.

O magistrado determinou o bloqueio dos recursos num processo que tratava da reforma de um prédio histórico em São Luís.

O juiz  havia determinado as melhorias no casarão, o que não foi feito pelo Executivo.

Como forma de pressionar o Governo a proceder à reforma – e para não prejudicar áreas mais sensíveis, como Saúde e Educação -, Douglas Martins mandou trancar o dinheiro da Comunicação.

Com informações de Gilberto Léda

Polícia Federal busca pré-candidato do PCdoB em São Bento

São Bento 1O pré-candidato a prefeito do município de São Bento, Luiz Gonzaga Barros (PCdoB), o Luizinho, está sendo procurado pela Polícia Federal.

A PF realiza desde as primeiras horas de hoje uma Força-Tarefa no município que apura fraude no sistema previdenciário. A operação é realizada em parceria com o Ministério do Trabalho e Previdência Social e o Ministério Público Federal (MPF), e recebeu o nome de “Vínculos”.

São Bento 2Luizinho, que na imagem acima aparece ao lado do secretário de Articulação Política e Comunicação do Governo do Estado, Marcio Jerry, presidente estadual do PCdoB, exerce o cargo de Superintendente de Articulação Regional de São Bento, função vinculada à Secretaria de Estado da Comunicação e Assuntos Políticos (Secap). Ele é subordinado de Jerry e aliado do comunista.

Além de Luizinho, contadores, um advogado especializado em causas previdenciárias, um ex-funcionário do Cartório de Palmeirândia, um servidor do INSS e intermediários também foram indiciados.

Golpe

As investigações, iniciadas em 2015, levaram à identificação de um esquema criminoso com atuação desde 2010, responsável pela concessão de benefícios de pensão por morte fraudulentos.

O golpe funcionava assim: os instituidores e, em alguns casos, o próprio titular, eram pessoas fictícias, criadas virtualmente através da falsificação de documentos públicos. Os vínculos empregatícios inexistentes eram implantados no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) na Prefeitura Municipal de São Bento, com salários de contribuição no teto previdenciário, sendo transmitidos através de Guias de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (GFIP) irregulares.

O prejuízo inicialmente identificado aproxima-se de R$ 1,5 milhão. O valor do prejuízo evitado com a conseqüente suspensão desses benefícios, levando-se em consideração a expectativa de sobrevida média da população brasileira, é de R$ 12 milhões.

Nessa etapa da operação a Polícia Federal 9 mandados de prisão temporária, 19 de busca e apreensão e 04 de condução coercitiva.

Desprestígio

Flávio Dino e Marcelo Tavares

Flávio Dino e Marcelo Tavares

De toda a reforma administrativa anunciada ontem pelo governador Flávio Dino (PCdoB), duas coisas ficaram ainda mais evidentes: o desprestígio dos secretários Marcelo Tavares (PSB) na Casa Civil e de Delma Andrade no Turismo.

Seguidamente esvaziado no Governo desde o início da atual gestão, Tavares, que tem optado por fugir dos holofotes, perdeu a prerrogativa e o peso de articulador que cabe especificamente a todo e qualquer secretário-chefe da Casa Civil.

A criação da Secretaria de Governo, pasta que terá como titular Felipe Camarão, só evidencia ainda mais o enfraquecimento de Tavares, que chegou inclusive a ser cogitado para comandar a Emap, como asseguram fontes da coluna.

Felipe Camarão ficará “mais próximo” do gabinete do governador, como adiantou o próprio Flávio Dino na última sexta-feira, e fará a interlocução com os demais secretários, aliados e auxiliares do comunista, prerrogativa que, pelo menos na teoria, caberia a Tavares.

Também desprestigiada no Governo, Delma Andrade “caiu” do comando da Secretaria de Estado do Turismo para a condição de ajunto de Diego Galdino, titular da nova pasta criada com a fusão de Turismo e Cultura.

Em choque com subordinados da pasta, Andrade não conseguiu, durante o período em que esteve no comando da Setur, apresentar resultados expressivos para o Estado, por isso a sua substituição no setor.

Mais mudanças devem estar por vir.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Primeiras fissuras

Desde a virada do primeiro ano de mandato do governador Flávio Dino (PCdoB) começaram a aparecer as primeiras fissuras em suas relações políticas com os aliados que ajudaram na sua eleição. E todas as antipatias caminham para a mesma direção: o secretário de Articulação Política Márcio Jerry.

É Jerry o alvo preferido dos que se mostram incomodados com a falta de diálogo com Dino. E esta antipatia ficou clara na revelação pública do ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), a um jornal da própria base dinista, de que Jerry atrapalha mais do que ajuda o governo.

A voz de José Reinaldo – criador da carreira política e principal tutor de Flávio Dino – representa outros tantos líderes que hoje compõem a base dinista. Nomes como o prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira (PSDB), o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Humberto Coutinho (PDT), do deputado federal Weverton Rocha, presidente do PDT maranhense e do senador Roberto Rocha (PSB).

Todos eles detentores de sufocante antipatia na relação com o governo e unânimes na observação de que há um motivo comum na dificuldade desta relação.

As fissuras que começam a surgir na relação do Palácio dos Leões com seus aliados poderão ter conseqüência nas eleições municipais de outubro – e formar rachaduras ainda maiores no projeto de reeleição do governador em 2018.

Mas, por enquanto, tanto Flávio Dino e, sobretudo, Márcio Jerry, dão de ombros para os queixumes dos aliados. Detentores de poder ainda forte no estado, eles entendem que poderão suportar as pressões e, na hora H, rejuntar todos no mesmo projeto.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Tavares recomenda a deputados que recorram a Marcio Jerry para tratar de emendas

Flávio Dino e Marcelo Tavares

Flávio Dino e Marcelo Tavares

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) revelou ontem, na tribuna da Assembleia Legislativa, a postura do secretário-chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB), no que diz respeito à relação entre os Poderes Executivo e Legislativo. Ao cobrar de Tavares, durante uma audiência pública sobre o Orçamento do Estado para o exercício financeiro 2016, o destino de quase R$ 80 milhões em emendas não pagas pelo governador Flávio Dino (PCdoB), Tavares recomendou aos parlamentares que recorressem ao secretário de Assuntos Políticos do Maranhão, Marcio Jerry.

“Fiz o questionamento ao ex-deputado Marcelo Tavares e ele não soube responder, saiu pela tangente e disse que seria responsabilidade do secretário Marcio Jerry. O questionamento era simples: onde foram parar os quase R$ 80 milhões dos deputados que não foram candidatos ou reeleitos, que foram publicados na LOA [Lei Orçamentária Anual] e aprovados nesta Casa? Onde se encontram as emendas de parlamentares que foram reeleitos?”, questionou.

Desde o início do mandato de Dino, tem se falado do esvaziamento de Tavares no Governo do Estado. O ex-deputado estadual já chegou a contestar a falta de autonomia no Governo, mas sem convencer deputados governistas, oposicionistas e a imprensa.

E deixou claro a subordinação a Jerry ontem. Ou não foi isso?

Mídia e governo

Flávio Dino é governador do Maranhão

Flávio Dino é governador do Maranhão

A recente mudança de postura midiática do governo Flávio Dino (PCdoB) é resultado de uma intensa batalha interna no núcleo mais duro de seu governo; e que acabou vencida pelos chamados liberais, capitaneados pelo deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB), pelo presidente da Assembleia, Humberto Coutinho (PDT) ­ auxiliado pelo vice, Othelino Neto (PCdoB) ­ e pelo chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB).

Este quarteto conseguiu convencer o governador da importância de ampliar a divulgação do seu governo para além da chamada mídia alinhada. Eles venceram a batalha contra ninguém menos que o todo-­poderoso chefe da Articulação Política, Márcio Jerry, que lidera o grupo mais sectário dos dinistas­ que tem ainda o secretário de Transparência, Rodrigo Lago, e o chefe da Comunicação, Robson Paz.

Desde o início do governo, o trio mais radical ­ os dois primeiros por questões pessoais, e Paz por estar absolutamente submetido às decisões do próprio Jerry ­ entendia que Flávio Dino conseguiria criar uma imagem positiva do seu governo apenas com a divulgação em
blogs, emissoras de TV, rádios e jornais vinculados ao próprio governo. E Jerry garantia ao governador que a mídia nacional faria o trabalho de ampliar a “mudança” no Maranhão.

Passaram-­se 10 meses e o governo só perdeu espaço na opinião pública; muito pela própria inoperância do governo ­ mas também pela falta de mídia capaz de tornar visíveis as ações.

Só então Dino convenceu­-se da necessidade de anunciar em outros espaços que não apenas os seus de sempre. O próximo passo é a veiculação dos chamados banners em blogs e portais, no que já se pode considerar a primeira grande derrota de Jerry no governo.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Que coisa feia…

marcio 1

Imagem cortada de forma grosseira por Jerry e publicada nas redes sociais

marcio 2

Imagem original que inclui a figura do deputado Wellington do Curso

O secretário de Assuntos Políticos do Governo do Estado, Marcio Jerry (PCdoB), editou uma foto de forma grosseira, para retirar do enquadramento o deputado estadual Wellington do Curso (PPS), que apesar de ser aliado do governador Flávio Dino (PCdoB), não tem se furtado em criticar os desmandos da gestão comunista.

Na foto, publicada em seu perfil, no twitter, está ele, a irmã, vereadora de Colinas, Leny Régia, pré-candidata a prefeita do município, e o senador Roberto Rocha (PSB).

Na imagem original, contudo, além dos três, há também o deputado Wellington, que pelo visto, não é bem-vindo por Jerry.

Wellington tem sido retaliado pelo Governo do Estado desde o início de seu mandato, quando começou a criticar setores da administração estadual. Ele também tem incomodado Flávio Dino, pelo fato de ter se colocado como oposicionista ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT).

São inúmeras as denúncias contra Edivaldo, e algumas delas que acabam atingindo diretamente o Governo, a exemplo do pedido de investigação ao Ministério Público, Delegacia do Meio Ambiente e ao Ibama, a respeito de suposto crime ambiental nas obras da Ponte Pai Inácio.

A ponte é construída pela Prefeitura em parceria com o Governo.

Daí a revolta de Jerry…