Vereadores adotam postura mais crítica em relação a Edivaldo

O Estado – Três vereadores têm adotado postura mais crítica ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT). Antônio Marcos Silva, o Marquinhos (DEM), Chaguinhas (PP) e Cézar Bombeiro (PSD), apontam para a escassez de ações efetivas do gestor municipal e para a falta de diálogo com a Câmara.

Marquinhos, que na legislatura passada atuava na base de Edivaldo, mudou de postura. O parlamentar, de segundo mandato, apesar de ainda não ter anunciado rompimento, tem criticado a atual gestão do pedetista.

Presidente da Comissão de Educação do Legislativo Municipal, Marquinhos chegou a apresentar requerimento junto à Mesa Diretora da Casa para convocação do secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa, medida que o deixou mais afastado do prefeito.

“A minha mudança de postura foi em função dos inúmeros problemas da educação no nosso município. Desde o início desta legislatura tenho cobrado melhorias no setor, mas temos observado que o prefeito Edivaldo não consegue reagir diante do caos instalado”, disse à Câmara News.

Outro parlamentar que tem dedicado tempo, na tribuna da Câmara, para criticar as ações de Edivaldo, é Chaguinhas.

A exemplo de Marquinhos, o vereador também já questionou a atuação do município no setor de Educação. No fim de abril, ele comentou a possível substituição de Moacir Feitosa na pasta.

“Se o professor Moacir Feitosa tivesse discernimento e lealdade com ele próprio já deveria ter entregado o cargo, uma vez que, para mudar a realidade atual, só milagres de santos fortes e todos juntos ao mesmo tempo. O sucessor de Moacir Feitosa é um dos responsáveis pelo sucateamento do sistema e outros sérios e graves problemas, todos de conhecimento da classe política e do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, que não adotou as devidas e necessárias providências para a apuração dos fatos. A verdade é que a maior parte das unidades de ensino da Prefeitura de São Luís vai funcionar precariamente, e as demais estão entregues à própria sorte”, enfatizou.

Sem diálogo – Já Cézar Bombeiro, criticou Edivaldo por falta de diálogo com os parlamentares, e não atendimento das demandas apresentadas pelo Poder Legislativo.

“Nem sequer a capina de uma escola a gente é atendido”, disse e completou: “Fui eleito, estou nesta Casa há quatro meses, e até agora, ainda não conversei com o prefeito. Estou do lado do questionamento do colega Sá Marques (PHS) feito aqui nesta Casa: o que estamos fazendo aqui então?”.

Cézar Bombeiro afirmou que os requerimentos apresentados pelo Legislativo não são atendidos por Edivaldo e disse que não há respostas da Prefeitura de São Luís aos projetos aprovados na Câmara. Para ele, essa postura denota falta de respeito por parte do pedetista.

O jogo duplo – triplo e até quádruplo – de Marquinhos da Vila Luizão…

Marquinhos com Edivaldo...

Marquinhos com Edivaldo…

Marco D’Eça – O vereador Marquinhos da Vila Luizão (PRB), é mais um desses oportunistas que tanto fazem para alcançar mandato eletivo,  negociando de um lado e de outro – e, felizmente, por isso, não consegue,m ter vida longa na política.

Já esteve com Max Barros e Julião Amin, deixou os dois por outros caminhos, voltou pra Max, depois pra Julião e, por último, estava com Cléber Verde (PRB).

Assumiu o mandato em janeiro, já como membro da bancada do prefeito Edivaldo Júnior (PTC), depois de fazer campanha para João Castelo (PSDB) no segundo turno.

Fez até campanha para o candidato de Holandinha a presidente da Câmara, para não ficar no mesmo palanque que Ivaldo Rodrigues (PDT).

... e com Luis Fernando

… e com Luis Fernando

Na Câmara, tem pressionado o prefeito como pode – de pedidos de CPI dos Transportes a investigação no programa do Peixe.

Mas sempre que é atendido, muda radicalmente o pensamento – como ocorreu, aliás, na CPI do Bom Peixe, do qual era membro e depois saiu, sem maiores explicações.

Nos últimos meses, fez zoada contra Holandinha na Vila Luizão depois que recebeu do governo Roseana Sarney (PMDB) a instalação de uma USC policial no bairro.

Depois disso, passou a colar no pré-candidato de Roseana ao governo, Luis Fernando Silva (PMDB).

Agora, quando o seu partido declara apoio oficial à candidatura de Luis Fernando, ele resolve dizer que não sentou com Luis Fernando.

O que ele quer desta vez???