Genésio recua e fala em “longa jornada” com Flávio Dino

genésioPor meio de nota, Luciano Genésio (PSDB) rechaçou deixar o governo Flávio Dino (PCdoB) em decorrência da demissão da esposa, Thaiza Hortegal, do Hemomar.

Negou também o fato de a esposa ter procurado o secretário de Assuntos Políticos, Marcio Jerry, para denunciar suposto esquema de corrupção na Saúde. Apesar de ter afirmado exatamente isso horas antes, a um blog da capital.

Abaixo, a íntegra da nota.

Venho através desta informar que em nenhum momento eu ou minha esposa (Thaiza) usamos a mídia ou procuramos o secretário de Assuntos Políticos e Federativos, Márcio Jerry, para relatar esquema de corrupção dentro da Hemomar. Este órgão é centralizado na Secretaria de Saúde, com isso, não ordena despesas. No entanto, fomos sim surpreendidos com a exoneração, já que Dra. Thaiza encontrava-se viajando a trabalho. Após reunião com o subsecretario de saúde Dr. Carlos Lula e o Secretário Márcio Jerry, Dra. Thaiza foi informada que sua exoneração aconteceu pois a mesma irá ocupar outra função no Governo. Informo a todos que meu vínculo com o Governo está acima de qualquer vínculo empregatício e que almejo sim por dias melhores, não só para Pinheiro, mas pelo meu Maranhão, pois diferente de muitos, tenho percorrido uma longa jornada com o governador Flavio Dino.

Enquanto isso, o Governo mente…

Por meio de nota, o Governo do Estado mentiu sobre o caso, ao afirmar que “não são verdadeiras as informações sobre o desligamento da Drª Thaiza de Aguiar Hortegal, da Hemomar”.

Repare que a nota acima, de Luciano Genésio, afirma que ele e a esposa foram surpreendidos com a exoneração dela do cargo ocupado, após reunião realizada com Marcio Jerry e Carlos Lula. Thayza foi sim exonerada, mas agora ocupa outra função no Governo, evidentemente, após toda a crise causada.

Que coisa feia Secom…

Financial Times: Flávio Dino mentiu sobre redução de gastos nos Leões

flaviodinoGilberto Léda – O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) mentiu ao Financial Times, ao relatar de onde está conseguindo dinheiro para programas como o “Mais IDH” e o “Mais Asfalto”, e para a contratação de novos policiais militares.

Disse o comunista ao jornalista Joe Leahy, que esteve em São Luís, que parte dos recursos investidos nessas três áreas advém de cortes da ordem de R$ 68 milhões só com regalias no Palácio dos Leões.

Isso mesmo!

Na conta fantástica de Flávio Dino, ele cortou R$ 68 milhões em gastos excessivos ao eliminar do cardápio do Palácio produtos como champanhe, caviar e lagosta. Além disso, a conta é ajudada pelo corte de metade da segurança que era feita na sede do Poder Executivo por PMs, agora nas ruas.

“Sr. Dino alega que ele está pagando por isso [programas do governo], e muito mais, eliminando a corrupção e excesso. Ele diz que economizou R$ 68 milhões em despesas do Palácio apenas cortando champanhe, caviar e lagostas em banquetes do Estado e reduzindo a segurança governamental pela metade”, afirma o texto da reportagem.

Ocorre que a licitação para abastecer as despensas do Palácio dos Leões e da Vice-Governadoria teve como valor máximo apenas R$ R$ 745.159,12 (veja) – aberto em novembro de 2014, o pregão chegou a ser de R$ 1,3 milhão, mas caiu após repercussão nacional.

Agora, como se chegou a essa conta maluca de R$ 68 milhões, só Dino para explicar.