No centro do Poder

É evidente o preconceito da mídia do Sul demonstrado com o deputado André Fufuca (PP), que assumiu ontem o exercício da presidência da Câmara Federal. O preconceito se dá, sobretudo, pelo sobrenome político do parlamentar, uma espécie de corruptela do nome Francisco, pai do deputado.

Mas mesmo diante do preconceito sulista, André Fufuca demonstrou altivez, coragem e segurança para conduzir os trabalhos na Câmara Federal neste momento de forte turbulência política. Estão na pauta de discussões assuntos como as reformas política, previdência, tributária, além de outras questões de forte repercussão.

Inteligente – apesar de muito jovem, com apenas 28 anos, completados domingo – Fufuquinha, como é mais conhecido no interior maranhense, cercou-se de líderes de peso na Câmara, como os governistas Beto Mansur (SP), Carlos Marum (RS) e Darcísio Perondi (RS), experientes raposas, que garantiram a ele a base parlamentar para conduzir os trabalhos. O deputado maranhense pode contar ainda com experientes colegas maranhenses, na Câmara e no Senado, capazes de lhe dar o cabedal político necessário.

Demonstrando humildade e capacidade de aprendizagem rápida, combinada à segurança que demonstra nestes momentos, André Fufuca vai deixando sua marca no parlamento brasileiro.

E só está no seu primeiro mandato.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão.

Mídia e governo

Flávio Dino é governador do Maranhão

Flávio Dino é governador do Maranhão

A recente mudança de postura midiática do governo Flávio Dino (PCdoB) é resultado de uma intensa batalha interna no núcleo mais duro de seu governo; e que acabou vencida pelos chamados liberais, capitaneados pelo deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB), pelo presidente da Assembleia, Humberto Coutinho (PDT) ­ auxiliado pelo vice, Othelino Neto (PCdoB) ­ e pelo chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB).

Este quarteto conseguiu convencer o governador da importância de ampliar a divulgação do seu governo para além da chamada mídia alinhada. Eles venceram a batalha contra ninguém menos que o todo-­poderoso chefe da Articulação Política, Márcio Jerry, que lidera o grupo mais sectário dos dinistas­ que tem ainda o secretário de Transparência, Rodrigo Lago, e o chefe da Comunicação, Robson Paz.

Desde o início do governo, o trio mais radical ­ os dois primeiros por questões pessoais, e Paz por estar absolutamente submetido às decisões do próprio Jerry ­ entendia que Flávio Dino conseguiria criar uma imagem positiva do seu governo apenas com a divulgação em
blogs, emissoras de TV, rádios e jornais vinculados ao próprio governo. E Jerry garantia ao governador que a mídia nacional faria o trabalho de ampliar a “mudança” no Maranhão.

Passaram-­se 10 meses e o governo só perdeu espaço na opinião pública; muito pela própria inoperância do governo ­ mas também pela falta de mídia capaz de tornar visíveis as ações.

Só então Dino convenceu­-se da necessidade de anunciar em outros espaços que não apenas os seus de sempre. O próximo passo é a veiculação dos chamados banners em blogs e portais, no que já se pode considerar a primeira grande derrota de Jerry no governo.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão