Governo engaveta projetos de mobilidade para São Luís

O Estado – O governo Flávio Dino (PCdoB) decidiu retirar do programa de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pelo menos seis importantes obras que estavam previstas na área de mobilidade urbana em São Luís.

A informação foi prestada pela secretária de Estado do Planejamento e Orçamento, Cinthya Mota, ao responder requerimento dos deputados Max Barros (PRP) e Eduardo Braide (PMN) solicitando dados sobre o plano de renegociação de dívidas do Estado com o banco de fomento.

Segundo o documento, após assumir o governo, o comunista deixou de executar os projetos de construção de alças nos viadutos da Cohab e da Cohama; de construção de uma ponte ligando a Via Expressa à Avenida Quarto Centenário; de construção de duas pontes anexas à Ponte José Sarney; e de construção da Ponte Quarto Centenário.

Projetos para as áreas de segurança, saúde e de educação também foram engavetados, como a ampliação do sistema de videomonitoramento de São Luís, a construção de sete centro de hemodiálise e a construção do centro de formação de professores.

Todas essas obras deveriam ser financiadas por recursos da linha de crédito Proinveste do BNDES e estavam previstas no programa “Viva Maranhão”, apresentado pela ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) após a confirmação do empréstimo pelo banco – e já aprovados pela instituição financeira.

Críticas – Em discurso na Assembleia Legislativa, o deputado Eduardo Braide – um dos autores do requerimento de informações – criticou a retirada dos projetos estruturantes de mobilidade urbana e segurança pública para a cidade de São Luís.

“Hoje ficamos sabendo que o governador retirou vários projetos estruturantes para a capital, na mobilidade e segurança pública, temas prioritários para a cidade. E em tempos de tanta insegurança, o governador teve a coragem de retirar a ampliação da infraestrutura do sistema de vídeomonitoramento de São Luís”.

Em seu pronunciamento, Braide afirmou que, ao retirar projetos estruturantes, o governo Flávio Dino impediu a implementação de soluções definitivas para vários problemas da cidade.

“O Governo do Estado contribui com isso [com os índices negativos de São Luis], quando retira projetos estruturantes para a cidade. A solução definitiva estava nos projetos estruturantes que o governador retirou do empréstimo do BNDES”, completou.
O deputado ainda agradeceu a resposta ao pedido de informações e voltou a criticar a postura do governador Flávio Dino.

“Quero aqui agradecer à secretária Cynthia Mota Lima por ter respondido ao nosso questionamento. O Governo do Estado não pode ter medo de falar a verdade. Não pode ter medo de responder aos pedidos de informações feitos por esta Casa. É assim que a gente pode realmente ver o que está acontecendo e, neste caso, ficou claro que ao retirar todos os projetos estruturantes para a capital, o governador Flávio Dino não teve consideração com o povo de São Luís”, concluiu.

Edivaldo cumpre promessa de campanha e anuncia o Bilhete Único

Bilhete únicoO prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) lançou ontem o sistema Bilhete Único, programa que foi o carro-chefe da sua campanha eleitoral em 2012. O programa, quando efetivado, beneficiará a população.

Esse blog, por dever de justiça, uma vez que cobrou por inúmeras vezes o cumprimento da promessa eleitoral, reconhece o esforço do prefeito em colocar atuar no sistema de transporte público. O bilhete único, que já funciona em grandes centros do país, como no Rio de Janeiro, representa, sem dúvida, um avanço para o usuário.

O sistema vai atender, de acordo com o Executivo, 760 mil usuários do transporte coletivo da capital e deve entrar em operação no dia 14 deste mês.

“Hoje concretizamos um dos mais importantes compromissos assumidos por nossa gestão com a população de São Luís”, disse ontem, o prefeito Edivaldo Júnior.

Agora é esperar o sistema ser de fato colocado em prática.

IV Centenário vai melhorar o trânsito da capital

Nova via foi inaugurada ontem pela governadora Roseana Sarney  e por Arnaldo Melo

Nova via foi inaugurada ontem pela governadora Roseana Sarney e por Arnaldo Melo

Já está à disposição da população de São Luís a Avenida IV Centenário, que liga o bairro da Alemanha à Beira-Mar. A governadora Roseana Sarney (PMDB) inaugurou a via ontem, ao lado do senador Lobão Filho (pmdb), do presidente da Assembleia Legislativa e futuro governador, deputado Arnaldo Melo (PMDB), do senador João Alberto (PMDB) e de dezenas de aliados, entre deputados estaduais, federais e vereadores.

A nova via provocará impactos imediatos no trânsito da capital, principalmente em horários de pico, e diminuirá os engarrafamentos na Avenida dos Franceses, no Monte Castelo, Liberdade e no Centro.

“Esta é uma importante e esperada obra e melhorará o fluxo de trânsito, contribuindo para reduzir os engarrafamentos. Além disso, integra um projeto ainda maior, que é o PAC Rio Anil, uma iniciativa mais ampla, que beneficia diversas famílias”, disse a governadora.

Executada pela Secretaria de Estados de Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), a IV Centenário interliga o bairro da Camboa à Avenida dos Franceses e preserva o Rio Anil, promovendo a integração física da maior área quilombola urbana da América Latina. Com 3,8 quilômetros de extensão, a avenida possui duas pistas, divididas em duas faixas de rolamento, áreas de passeio para pedestres e ciclovia.

A avenida tem aterro hidráulico, um elevado de 1.090 metros de extensão e cinco encaixes: um na Avenida dos Franceses, outro na Camboa, dois na Liberdade e um na Fé em Deus. O novo corredor urbano contribui para desafogar o trânsito das avenidas Luiz Rocha e Getúlio Vargas, criando uma alternativa de acesso à Beira Mar e também a ponte Bandeira Tribuzzi.

A via começou a ser construída no governo Jackson Lago, mas antes mesmo da cassação do pedetista, teve as obras paralisadas. Roseana assumiu o compromisso e concluiu o empreendimento.

Roseana prepara a inauguração de obras

Trecho novo da Via Expressa que deve ser inaugurada domingo

Trecho novo da Via Expressa que deve ser inaugurado no próximo  domingo

A governadora Roseana Sarney entregará obras importantes para a mobilidade urbana de São Luís, como a Via Expressa, que passará a ser chamada de Avenida Joãosinho Trinta, no domingo (7), e a Avenida IV Centenário, na sexta-feira (5).

Ainda na capital, também serão entregues a Área de Proteção Ambiental (APA) do Itapiracó, o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) no Vinhais e a Adutora do Sistema Italuís. O Centro Tecnológico do Maranhão (Cetecma) em São José de Ribamar e o Viva Raposa também serão entregues.

“As Avenidas Joãosinho Trinta e IV Centenário vão contribuir para desafogar o trânsito em São Luís. Elas fazem parte de uma série de investimentos do Governo do Estado na capital e Grande Ilha, a exemplo de obras nas áreas de saúde, educação, assistência social, segurança, entre outras”, avaliou Roseana Sarney.

Trecho da IV Ceentenário, que será inaugurada na sexta-feira

Trecho da IV Ceentenário, que será inaugurada na sexta-feira

A 2ª etapa da Avenida Joãosinho Trinta, obra executada pela Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra) contempla 6,7 km do total de 9 km da avenida. A avenida vai colaborar para desafogar o trânsito e interligar os bairros do Jaracati, Cohafuma, Vinhais e Maranhão Novo, beneficiando milhares de habitantes de mais de 20 bairros em São Luís. Os investimentos nos 9 km da obra são da ordem de R$ 125 milhões.

 Já a Avenida IV Centenário, executada pela Secretaria de Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), preserva o Rio Anil e promove a integração física da maior área quilombola urbana da América Latina. A obra possui 3,8 quilômetros de extensão e duas pistas, divididas em duas faixas de rolamento, passeio de pedestres e ciclovia. A avenida tem aterro hidráulico, um elevado de 1.090 metros de extensão e cinco encaixes: um na Avenida dos Franceses, outro na Camboa, dois na Liberdade e um na Fé em Deus.

O novo corredor vai desafogar o trânsito das avenidas Luiz Rocha e Getúlio Vargas, criando uma alternativa de acesso à Beira Mar e a ponte Bandeira Tribuzzi. A avenida ainda vai melhorar a mobilidade em outra área da cidade, interligando bairros como Camboa e Alemanha.

Roseana autoriza hoje na Maioba a implantação do Corredor Urbano

Maquete eletrônica de Corredor Metropolitano de São Luís

Maquete eletrônica de Corredor Metropolitano de São Luís

A governadora Roseana Sarney (PMDB)e o secretário de estado da Infraestrutura e pré-candidato ao Governo, Luis Fernando Silva (PMDB), autorizam daqui a pouco, às 11h, no Beira-Rio – MA-204 (Estrada da Maioba) -, o início da obra de implantação do Corredor Metropolitano da Ilha de São Luís.

A obra, com extensão de 10,11 km, será realizada por meio do programa Viva Maranhão, com investimentos de R$ 110.981.364,92, e financiamento do BNDES.

A via contará com corredor exclusivo para ônibus, com 7,60 m de largura; duas faixas de rolamento para veículos em cada sentido com 3,15m cada; ciclovia em toda a extensão da Avenida com 2,40m de largura; cinco estações de passageiros; duas pontes e um elevado.

Com informações da Secom

Oposição na Prefeitura de São Luís: 30 anos sem nada

No comando de São Luís desde 1985, a oposição completa neste 2014 o trigésimo ano de controle da Prefeitura de São Luís. Em apenas três anos coincidiram os mandatos dos prefeitos com o de governadores aliados: no período José Reinaldo (PSB) e Jackson Lago (PDT) com o do prefeito Tadeu Palácio.

Todos os demais fizeram e fazem oposição ao Governo do Estado. Mas o resultado prático deste controle oposicionista é quase nulo em termos de obras estruturantes na capital maranhense. Nenhum dos oito prefeitos fez qualquer obra que pudesse ser considerada como importante para o desenvolvimento futuro da cidade.

As obras de mobilidade urbana, melhoramento de trânsito, abertura de avenidas, construção de hospitais e saneamento básico foram feitas pelos prefeitos anteriores a estes oposicionistas ou pelos governadores José Sarney, João Castelo, Epitácio Cafeteira, Edison Lobão, João Alberto e Roseana Sarney.

A exceção é feita a João Castelo (PSDB), que governou São Luís entre 2009 e 2012 e recuperou avenidas abandonadas e construiu novos trechos. Os demais prefeitos se preocuparam em aperfeiçoar apenas serviços básicos, deixando as grandes e importantes obras apenas para os governadores que eles próprios diziam combater.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Uma obra necessária

Placa que indica obra realizada às margens do Rio Anil

Placa que indica obra realizada às margens do Rio Anil

A Avenida Quarto Centenário, uma das obras que marcaram a comemoração dos 400 anos de São Luís, começa a ganhar os seus retoques finais. A governadora Roseana Sarney (PMDB) prevê sua inauguração para fevereiro ou, no máximo, março, quando a via será ligada à Avenida dos Franceses. Roseana tem destacado os benefícios que a intervenção trará para o tráfego e para a urbanização da margem esquerda do Rio Anil, antes tomada por centenas de palafitas.

A construção da Avenida Quarto Centenário faz parte de um projeto muito maior, custeado com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Ao todo, foram investidos R$ 364 milhões, sendo R$ 245 milhões do Governo Federal, com contrapartida de R$ 119 milhões do Governo do Estado. Além da via, está prevista a entrega de 2.720 apartamentos a palafitados – 520 dos quais já estão habitados -, o que representa um salto de qualidade para as famílias contempladas, que antes viviam em condições subumanas.

A obra desafogará o trânsito na Avenida Luiz Rocha, construída na década de 80, no trecho da antiga estrada de ferro, para interligar os bairros Camboa e Alemanha, passando pelo Monte Castelo. Mais do que uma nova opção de trajeto, a avenida proporcionará mais segurança a quem se locomove a pé, de carro, moto ou bicicleta por aquela área de São Luís, cujas vias há muito estão saturadas e mais passíveis a acidentes e congestionamentos. Dotada de duas faixas de rolamento, passeio para pedestres e ciclovia, a Avenida Quarto Centenário foi projetada de acordo com as mais rígidas normas de trafegabilidade.

Quanto à função social da obra do PAC Rio Anil, os benefícios serão significativos. Além de passar a viver em moradias com abastecimento de água e fornecimento de energia elétrica regulares e saneamento básico, as famílias remanejadas passarão a viver em ambientes propícios ao desenvolvimento humano. A nova realidade é totalmente diferente da vida nas palafitas, onde crianças e adultos tinham perspectivas mínimas de melhoria e estavam subjugados pela violência e pelo acesso precário a vários direitos, como alimentação, educação e saúde.

Os que já foram contemplados com apartamentos passam por período de adaptação, em que algumas práticas negativas, como o tráfico de drogas, perduram. Mas é inegável que o novo espaço que habitam propicia o combate efetivo aos males que os afligem no dia a dia e limitam suas chances de progredir e construir uma vida digna.

A Avenida Quarto Centenário e as demais benfeitorias previstas no projeto darão novo aspecto à região da capital compreendida pela obra. Uma vez inaugurada, a via registrará impactos positivos, como o desenvolvimento do comércio e a atração de inúmeros serviços, em áreas como ensino, medicina e entretenimento. É uma condição extremamente favorável, consequência direta de um trabalho sério e comprometido com o bem estar social.

 Editorial de O Estado do Maranhão

Governo e Prefeitura buscam recursos do Governo Federal para a mobilidade urbana

Maquete eletrônica do viaduto da Forquilha

Maquete eletrônica do viaduto da Forquilha parceria Governo e Município

O Governo do Estado pleiteará hoje em Brasília, em reunião com a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, R$ 5 bilhões em investimentos, para serem aplicados em projetos de mobilidade urbana na Região Metropolitana de São Luís. A governadora Roseana Sarney (PMDB), que foi convidada pela ministra para o encontro, será representada pelos secretários de estado da Infraestrutura, Luis Fernando Silva; de Assuntos Políticos, Hildo Rocha e de Planejamento e Orçamento, João Bringel.

Os projetos que serão apresentados pela equipe e que têm como principal objetivo melhorar o transporte de massa de passageiros, a exemplo da criação de linhas do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) e da utilização de ônibus bi-articulados, abrangem todos os municípios da Ilha.

O prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) também terá agenda com a ministra. Ele participará do encontro ao lado do representante do município em Brasília, Marcio Jardim e leva projetos de instalação do VLT, criação de corredor urbano e alargamento de sete avenidas da capital.

 Projetos – Segundo Hildo Rocha, serão apresentadas hoje ao Ministério de Planejamento pelo secretário Luis Fernando, que coordena o programa de mobilidade, propostas de instalação e criação da linha do VLT Anjo da Guarda – Aterro do Bacanga – Cohatrac; utilização de BRT (Bus Rapid Transit) [ônibus bi-articulados]; conclusão do Anel Viário da Região Metropolitana de São Luís; construção de ponte sobre o Rio Anil [ligando a avenida Ferreira Gullar com o Anel Viário]; construção de ponte sobre o Rio Bacanga; reestruturação da Avenida dos Holandeses; reestruturação da avenida Ferreira Gullar; criação de um corredor de transporte coletivo com a MA 201 [inclui a duplicação de via]; criação de um outro corredor de transporte coletivo e ligação com a rodovia MA 204 com trecho de intercessão entre as MAs 201 e 202 e implantação de rodovia que fará a ligação direta entre os municípios de Raposa, Paço do Lumiar e São José de Ribamar. O projeto do VLT deve ser conduzido pela parceria institucional entre Governo e Município.

“Estamos pedindo R$ 5 bilhões para dar continuidade à política de concepção metropolitana da Ilha de São Luís, com obras que alcançam os quatro municípios. O Governo Federal disponibilizou R$ 50 bilhões para estados e municípios. Como o Maranhão tem 10% da população do país, acreditamos que podemos também trazer 10% do total do valor”, afirmou.

São investimentos importantes para a mobilidade urbana da Ilha de São Luís.

Com informações de O Estado

Rubens Júnior muda discurso e diz que oposição jamais foi contra empréstimo do Governo…

Rubens JúniorAinda sem saber de que forma agir diante da consolidação de parceria institucional entre o Governo do Estado e a Prefeitura de São Luís, a oposição agora muda de discurso em relação ao empréstimo contraído pelo governo Roseana Sarney (PMDB) junto ao BNDES.

Explica-se: com a parceria, Governo e Prefeitura colocarão em prática o projeto para a construção de pelo menos dois viadutos na capital. Um na Forquilha e outro no Calhau. E os empreendimentos serão construídos com recursos do BNDES.

O problema é que a oposição passou mais de seis meses reclamando aos quatro ventos do empréstimo. E todos os parlamentares de oposição, votaram contra os recursos na Assembleia Legislativa.

Agora, no entanto, com todo apoio da população e uma “ameaça virtual” ao pré-candidato Flávio Dino (PCdoB) com a aproximação de Edivaldo a Roseana, [pois é assim que a oposição enxerga a parceria], o líder da oposicionista no Legislativo, deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB) afirma nunca ter sido contra o empréstimo, mesmo votando pela não aprovação dos recursos.

Em seu perfil no twitter, o parlamentar disse: “Não éramos contra o empréstimo em si, mas contra a falta de objeto definido, de transparência e lisura no processo”.

Como assim deputado?

rubens dois

Oposição era contra empréstimo por causa de “endividamento”. Agora mudou

Desde o momento em que começou a pleitear os recursos, o Governo do Estado deixou claro qual seria a sua aplicação. A primeira parte, cerca de R$ 1 bilhão, seria destinada para ao Programa Viva Maranhão e serviria para a construção de estradas no interior do estado. A segunda teria como destino investimento em obras de mobilidade urbana na capital e também interior . Justamente o que vai acontecer agora, com a parceria institucional. Nada mudou de lá para cá.

Por tanto não era a falta de objeto definido ou ausência de transparência a base do questionamento dos parlamentares de oposição. O que na verdade a oposição sempre criticou e isso sim de forma responsável, dizia respeito ao suposto endividamento do estado com o empréstimo. Lembro inclusive das palavras do próprio Rubens Júnior e de Marcelo Tavares (PSB) na tribuna da Casa: “Roseana quer deixar a conta para o próximo governador pagar. O Estado do Maranhão vai quebrar”, alardeavam.

Mas agora eles já não entendem assim. Tanto que não questionam, em momento algum, quem vai pagar a conta. Não questionam de que forma o empréstimo será liquidado ou se o Maranhão ficará endividado nas próximas gestões. Na verdade eles já sabiam que não há risco de o estado quebrar. Reclamavam por não conseguirem enxergar, naquele momento, nenhum benefício à oposição com os recursos do BNDES. Mas agora, com a possibilidade de Edivaldo mostrar o primeiro serviço de impacto na cidade, a postura mudou.

Mas a mudança de discurso mostra mais uma vez qual é o verdadeiro papel da oposição na Assembleia. Felizmente a população está atenta a tudo isso…

 Desaviso: As obras dos dois viadutos serão realizadas e custeadas pelo Governo do Estado, com o dinheiro do BNDES. A participação da Prefeitura na parceria é tão somente em disponibilizar os projetos de mobilidade urbana. Esses mesmos projetos foram elaborados pela equipe do ex-prefeito João Castelo (PSDB) e estavam engavetados. A atual administração, na verdade, sairá ganhando e muito com as obras, pois nada fará além de apresentar ao Governo os projetos já confeccionados.

Maquete eletrônica do viaduto da Forquilha

Maquete eletrônica do viaduto da Forquilha que será construído em SL

Governo e Prefeitura avançam e viaduto será construído; comunistas se desesperam…

Maquete eletrônica do viaduto da Forquilha

Maquete eletrônica do viaduto da Forquilha: alvo da parceria 

O Governo do Estado e a Prefeitura de São Luís firmaram nova parceria. Desta vez para área de mobilidade urbana. Roseana e Edivaldo resolveram finalmente construir o Viaduto da Forquilha, um dos pontos que concentra congestionamentos em horários de pico na capital.

Mas, por incrível que pareça, a notícia não agradou a todos. A turma aliada ao presidente da Embratur, Flávio Dino (PCdoB), não gostou nada da parceria. Tanto que se apressaram nas redes sociais a questionar o pacto e a origem dos recursos. Pura bobagem de quem só pensa no próprio umbigo.

A população, que nada tem com isso, deve mesmo é comemorar a consolidação da parceria institucional entre Governo e Prefeitura, pois esta é que será beneficiada.

Além do Viaduto da Foquilha, outro será construído no retorno do Calhau, que também concentra grande fluxo de veículos durante o dia.

E por mais que existam os contrários, vamos torcer para que venham novos avanços para São Luís…