Hora do desembarque

Até o fim da semana passada, membros do PSDB do Maranhão trabalharam com a possibilidade de evitar a volta do senador Roberto Rocha ao partido, já que o retorno dele acarretaria mudanças de postura da legenda em relação ao governo comunista de Flávio Dino (PCdoB).

Por meio de sua assessoria, Carlos Brandão dizia que ainda não havia se reunido com Tasso Jereissati, presidente nacional tucano. Neto Evangelista, que é do primeiro escalão do governo comunista, usava verbos na condicional para dizer que poderá deixar o PSDB. Deputados estaduais como Sérgio Frota e Marcos Caldas reclamavam de não terem sido ouvidos pela direção nacional.

O fato é que os tucanos de bico duro não quiseram saber de argumentos sobre crescimento do partido graças à aliança com o PCdoB. Filiaram Roberto Rocha ao PSDB e virão, em breve, ao Maranhão para ato simbólico de filiação, e também para dar ao senador o comando do partido no estado.

Na solenidade oficial de filiação ocorrida ontem, em Brasília, tanto Jereissati quanto Geraldo Alckmin, Marcone Pirilo e José Serra deixaram claro que Roberto Rocha é o nome do partido no Maranhão.

Agora resta a Brandão, Evangelista e a todos os demais tucanos apaixonados pelos comunistas esquecerem o “amor” iniciado em 2014 com Flávio Dino ou deixar os quadros do PSDB.

E se escolherem a saída ao desembarque do colo comunista, esses tucanos terão que trilhar um caminho que garanta a eles vitória em seus projetos políticos.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Neto Evangelista foi o seu próprio adversário na corrida por São Luís…

Depois de dividir chapa com Castelo em 2012, Neto traiu o ex-prefeito e vetou a sua candidatura ao Senado em 2014

Depois de dividir chapa com Castelo em 2012, Neto traiu o ex-prefeito e vetou a sua candidatura ao Senado em 2014

É bem verdade que ele ainda pode buscar espaços na composição de chapa com a deputada federal Eliziane Gama (PPS) mas, o secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Neto Evangelista (PSDB), perdeu para si mesmo a consolidação de um projeto eleitoral em São Luís.

Licenciado do mandato de deputado estadual para servir ao Governo Flávio Dino (PCdoB), Evangelista abriu mão de retornar ao Parlamento no início do ano, como fez Bira do Pindaré (PSB), para contrapor a gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) e então colocar-se como uma alternativa ao eleitorado ludovicense.

Neto Evangelista passou meses no mais absoluto isolamento político, e durante esse período, só assistiu o crescimento gradual de seus adversários, dentro e fora do PSDB.

Na sigla, por exemplo, era gigantesco o abismo que o separava do cacife político do deputado federal João Castelo, principal nome da legenda para a disputa. Até Pinto Itamaraty passou a ganhar espaços na legenda e ser cogitado a candidato a vice de Eliziane.

Neto Evangelista – que formou chapa em 2012 com João Castelo, mas que em 2014 traiu o ex-prefeito e ajudou o PSDB a vetar a candidatura dele ao Senado Federal -, somente “acordou” para a disputa eleitoral, há pouco mais de 40 dias. Começou a se colocar como pré-candidato a prefeito pelo PSDB, atacou o prefeito Edivaldo, mas já não contava com o apoio do seu próprio partido político.

Ontem o PSDB bateu o martelo. Apoiará Eliziane Gama e indicará o candidato a vice.

E Neto já recebeu o recado: terá de se conformar com a decisão e, se quiser, poderá colocar o seu nome à disposição para a disputa de espaços na chapa liderada pelo PPS. Nada além disso.

Essa é a derrota do tucano, para um adversário que ele mesmo criou…

Neto Evangelista caminha só…

neto-evagelistaO deputado estadual licenciado e secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Neto Evangelista (PSDB), caminha só rumo às eleições 2016 em São Luís.

Submetido aos “caprichos” do governador Flávio Dino (PCdoB), Evangelista se isolou das discussões pela sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) por quase dois anos.

Agora, do alto de seu desespero – ao analisar o próprio isolamento político -, corre atrás de apoio para a disputa das eleições deste ano.

Apesar disso, não dispõe do apoio da cúpula do PSDB, que deve fechar aliança política com a deputada federal e pré-candidata a prefeita, Eliziane Gama (PPS).

Neto tenta articular-se nos bastidores, mas é quase nula a possibilidade de o próprio partido conceder legenda a ele.

Evangelista aparece com baixíssimo desempenho nas pesquisas de intenções de votos já registradas no TRE e publicadas até aqui. Ele tem ainda à sua frente, o ex-prefeito João Castelo, bem colocado nos levantamentos até aqui.

Isolado, Neto parece sem saída…

E Neto Evangelista, voltará ao cenário?

Evangelista e Castelo candidatos em 2012

Evangelista e Castelo candidatos em 2012

O deputado estadual licenciado, secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Neto Evangelista (PSDB), parece querer voltar, mesmo que ainda timidamente, ao cenário político da capital.

Ele participará na sexta-feira de um encontro da Juventude do PSDB, núcleo do partido que o deu fôlego nas campanhas eleitorais de 2012 – quando foi candidato a vice-prefeito de João Castelo (PSDB) e de 2014, quando se reelegeu deputado.

Afastado das discussões pela sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), Evangelista, que já teve o nome cogitado para a disputa das eleições, isolou-se das articulações políticas após ter se submetido à imposição de Flávio Dino (PCdoB), de que nenhum dos membros do primeiro escalão poderia disputar as eleições deste ano.

Neto se afundou num ostracismo e foi, naturalmente, deixando de ter seu nome lembrado para a corrida eleitoral. As duas últimas pesquisas de intenções de votos sequer citaram o outrora pré-candidato.

Se vai, a partir de sexta-feira, retornar às discussões políticas em torno das eleições 2016, ainda é uma incógnita.

Mas ele parece já incomodado com a neutralidade imposta por Dino no Governo.

Algo que ele não deveria ter aceitado em janeiro de 2015…

Neto Evangelista acusa Fábio Macedo de ter comprado votos na eleição

netoApós passar constrangimento em Lago da Pedra e silenciar diante do ato hostil de Flávio Dino (PCdoB) sobre a prefeita Maura Jorge, sua nora, o secretário de estado de Desenvolvimento Social, Neto Evangelista (PSDB) resolveu atacar o deputado Fábio Macedo (PDT). Macedo havia afirmado que Maura “se acha dona da cidade”.

Mesmo sem fazer uma crítica sequer á postura de Flávio Dino, que chegou a bater boca com a prefeita no palanque e a impediu de usar a palavra, Evangelista se mostrou ofendido com a declaração de Macedo.

“Poderia se preocupar com o próprio município do Lago da Pedra, onde obteve mais de 3 mil votos, mas não. Nem presente no evento estava, aliás não é presente em momento algum no município, algo até já esperado, típico do modus operandi de quem o apoiou lá, apenas venda de voto, com o compromisso somente nos 90 dias de campanha eleitoral”, disse.

Fábio Macedo, acusado por Evangelista de ter comprado votos na eleição de 2014, é também membro da base de Flávio Dino na Assembleia Legislativa.

Luis Fernando de fora…

Luis Fernando Silva foto: Edson Ruiz

Luis Fernando Silva / foto: Edson Ruiz

Na semana passada o ex-secretário-chefe da Casa Civil e ex-secretário de Estado da Infraestrutura do governo Roseana Sarney (PMDB), Luis Fernando Silva (PSDB), fechou acordo político com o DEM para a disputa da eleição em São José de Ribamar.

Não foi sequer ele, mas sim o DEM, quem anunciou que o novo tucano será candidato na cidade balneária, e não em São Luís. Até então, Luis Fernando apareceu em todas as pesquisas de intenções de votos como pré-candidato da capital. Mas não é.

No PSDB figuram como pré-candidatos a prefeito de São Luís no momento, apenas dois nomes: o deputado federal João Castelo e o secretário de Estado do Desenvolvimento Social Neto Evangelista.

O primeiro está melhor colocado nas pesquisas de intenções de votos. O segundo tem a preferência da cúpula estadual da sigla. Ambos investem na aproximação a Aécio Neves, mas parece ser Evangelista, quem também sai melhor posicionado neste aspecto.

 Luis Fernando, que alcançou o status de candidato a governador do Maranhão pelo maior grupo político do estado, está fora da disputa eleitoral de São Luís.

Talvez jamais alcance esse “status” novamente…

PSDB terá candidatura própria em São Luís, diz Brandão

Carlos Brandão assegura candidatura própria do PSDB

Carlos Brandão assegura candidatura própria do PSDB

O presidente estadual do PSDB no Maranhão, vice-governador Carlos Brandão, assegurou em material distribuído pela sua assessoria, que a legenda terá candidato a prefeito em São Luís no próximo pleito.

“PSDB do Maranhão terá candidato à Prefeitura de São Luís. Prova disso é a série de pleitos que têm surgido, dentro do próprio partido. Vários dos nossos membros já manifestaram a intenção de disputar a Prefeitura de São Luís”, enfatizou.

O presidente estadual do PSDB lembrou que desde a última disputa à Prefeitura, em 2012, tem defendido a candidatura própria pelo partido. O líder tucano ressalta, ainda, que esta é uma determinação da Executiva Nacional que deverá ser seguida.

 “Tenho dialogado com os pré-candidatos tucanos, considerando o grande potencial que todos possuem. No momento certo, anunciaremos qual será o nome do partido que disputará a Prefeitura de São Luís”, afirmou Brandão.

Dentre os potenciais candidatos a prefeito pelo PSDB, estão o ex-secretário de Estado da Infraestrutura do governo passado, Luis Fernando Silva; o deputado licenciado e secretário de Estado do Desenvolvimento Social, Neto Evangelista, e o deputado federal João Castelo.

Com informações de O Estado

Neto Evangelista vê desprestígio da bancada federal maranhense do PSDB

A crítica de Evangelista foi direcionada a João Castelo

A crítica de Evangelista foi direcionada a João Castelo

O secretário de Estado do Desenvolvimento Social Neto Evangelista (PSDB), classificou de “desprestígio” político o fato de nenhum membro do partido do Maranhão, ter sido elevado a representante do estado na executiva nacional da sigla.

“Desprestígio total da bancada federal maranhense. Quem sempre compõe a direção nacional do partido são os deputados federais, isso é histórico no PSDB”, disse.

Evangelista referiu-se, especificamente, ao ex-prefeito de São Luís João Castelo, único membro do partido pelo Maranhão, em Brasília.

A direção nacional da sigla é composta por 32 membros de todas as regiões do país. Do Nordeste, por exemplo, há representantes de estados como Bahia, Ceará, Pernambuco e Piauí. Nenhum, no entanto, do Maranhão.

A eleição da Executivo Nacional do PSDB ocorreu no último domingo. O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso ficou como o presidente de honra do partido.

O senador Aécio Neves foi mantido como o presidente da legenda. Como vice-presidentes senador Aloysio Nunes Ferreira (SP); senador Flexa Ribeiro (PA); senador Tasso Jereissati (CE); senador Bruno Araújo (PE); deputado federal Giuseppe Vecci (GO); deputada federal Mariana Carvalho (RO); Alberto Goldman, ex-vice-governador de São Paulo e Carlos Sampaio (SP), deputado federal. (R.R.)

Neto Evangelista e Zé Inácio trocam acusações

Evangelista classificou Refinaria de estelionato eleitoral

Evangelista classificou Refinaria de estelionato eleitoral

O Partido dos Trabalhadores (PT) e o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) iniciaram na última semana uma série de ataques e troca de acusações públicas no Maranhão, já de olho nas próximas eleições no estado.

O secretário de Estado de Desenvolvimento Social e deputado licenciado, Neto Evangelista (PSDB), fez duras críticas ao Governo Federal, ao referir-se ao projeto de implantação da Refinaria Premium I da Petrobras, em Bacabeira, de estelionato eleitoral.

O posicionamento do tucano provocou reação imediata da ala petista. O deputado estadual Zé Inácio, atacou também de forma dura o projeto do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), apresentado pelo ex-prefeito João Castelo e defendido por Neto Evangelista nas eleições de 2012. Após isso, Evangelista voltou a posicionar-se contra o PT.

Inácio disse que quem cometeu estelionato foram Neto e João Castelo

Inácio disse que quem cometeu estelionato foram Neto e João Castelo em 2012

Tudo começou na última quinta-feira, quando Neto Evangelista publicou em seu perfil no Facebook, uma “reflexão” a respeito da suspensão das obras de instalação da refinaria em Bacabeira.

O tucano classificou o projeto de “profecia eleitoreira” e de “farsa”. Ele disse que os prejuízos ao Maranhão são inúmeros. “E não estou falando apenas de prejuízos financeiros. Falo de sonhos. Quantas pessoas viram nisso a oportunidade de aumentar seu negócio para atender mais gente no futuro? […] E o resultado de tudo isso? Depois de R$ 2,11 bilhões gastos, um verdadeiro estelionato eleitoral, tão somente”, disse.

Foi o bastante para provocar a revolta do petista Zé Inácio, que tem se destacado na Assembleia Legislativa na defesa das ações e programas do PT. Ele já fez pelo menos dois discursos para tentar isentar o partido da responsabilidade de suspensão das obras da Premium I.

“Não existe maior simbolismo de estelionato eleitoral no Maranhão do que o VLT de Castelo & Neto Evangelista [sic] de 2012. Sem projeto e sem planejamento. Só o vagão da alegria que custou milhões. O VLT funcionando, só se viu no programa eleitoral. Tucano quando abre o bico solta pena e vê estrelinhas. Principalmente aqui no Maranhão que tudo que fizeram, fazem ou pretendem fazer de importante em suas gestões dependem das políticas públicas e programas do governo do PT (Lula e Dilma)”, disse.

O tucano rebateu: “Quando entrei na campanha para vice-prefeito em 2012 o VLT já era um projeto analisado e desenvolvido para ser instalado efetivamente em São Luís. Após estuda-lo e conhecer mais tecnicamente o que estava planejado, verifiquei a viabilidade e a importância social daquela iniciativa. Por isso passei a defendê-la sim”, completou.

PSDB após a eleição

Convenção do PSDB em Imperatriz, sem a presença de Castelo, fracassou em junho

No mês de junho a convenção do partido fracassou na cidade de Imperatriz e reuniu poucos

Principal opositor do PT em âmbito nacional, o PSDB iniciou o ano em clima de despedaçamento no Maranhão.

A previsão era a de que reduziria a bancada federal e a estadual e chegasse ao fim do ano como uma legenda menor no cenário político.

Com a ajuda do desempenho presidencial do senador mineiro Aécio Neves, os tucanos maranhenses conseguiram respirar na campanha eleitoral: emplacaram o candidato a vice na chapa vencedora de Flávio Dino (PCdoB) e ainda o primeiro suplente do senador eleito Roberto Rocha (PSB).

Em que pese a vitória majoritária agregado aos comunistas e socialistas, o resultado das urnas foi o previsto para o partido: um deputado federal eleito, João Castelo, e a redução da bancada na Assembleia, com a eleição apenas de Neto Evangelista.

A eleição passou e o governador eleito Flávio Dino tratou de reposicionar sua relação política, se realinhando à base da presidente Dilma.

E ainda tirou o PSDB da Assembleia, levando Evangelista para a Secretaria de Desenvolvimento Social, única destinada ao PSDB até agora. E com a condição de afastar o tucano das eleições de 2016.

O saldo político-eleitoral do PSDB em 2014, portanto, adequa-se à previsão inicial: um partido menor, sem bancada estadual e com reduzidíssima bancada federal.

E o pior: sem nenhuma perspectiva para a sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC).

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Mranhão