Rubens Júnior critica STF após tribunal acatar ação contra o Governo do MA

O deputado federal Rubans Júnior (PCdoB), coordenador da bancada maranhense na Câmara Federal, optou por atacar a Corte do Supremo Tribunal Federal (STF), após o tribunal ter aceitado julgar uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) proposta pela Confederação Nacional dos Estabelecimento de Ensino (Confenen), contra a gestão do Procon, no Governo do Maranhão.

A Confenen denunciou aparelhamento no Procon, com pelo menos 347 servidores contratados pelo órgão sem a realização de concurso público. O Procon é gerenciado por Duarte Júnior, também do PCdoB.

“Ao questionar o número de contratados no Instituto de Proteção e Defesa do Consumidor no Maranhão (Procon/MA), aparentemente falta o que fazer no Supremo Tribunal Federal (STF)”, disse o parlamentar na Câmara Federal.

Além da ação no STF, e que deve resultar na exoneração dos 347 contratados do órgão sem realização de concurso público – como prevê a lei que criou o Procon -, o Governo do Maranhão também é alvo de uma ação popular que tramita na Justiça Estadual, ajuizada pelo advogado Thiago Brhanner Costa.

A ação pede que o Procon seja obrigado a realizar, em no máximo 60 dias, concurso público para o preenchimento de 347 vagas no órgão.

Por isso o incômodo de Rubens Júnior…

A prática é outra…

Em 2012, o governo maranhense decidiu patrocinar a escola de samba Beija-Flor, do Rio de Janeiro, para cantar São Luís na Marquês de Sapucaí, no ano em que a capital maranhense completava 400 anos. Na época, o então ex-deputado federal Flávio Dino (PCdoB) era uma das vozes com forte agressão ao projeto, mesmo com a justificativa de ser um investimento no quarto centenário da cidade.

O tempo passou, Flávio Dino virou governador e eis que surge a notícia de que o governo comunista vai pagar à Acadêmicos do Tatuapé, de São Paulo, para que o Maranhão seja homenageado com o enredo “Maranhão: os tambores vão ecoar na terra da encantaria”.
Mas qual seria a justificativa do governo comunista para o “investimento”?

Ao contrário de cinco anos atrás, não há nenhuma data prevista para 2018 que possa justificar o enredo maranhense. Mas há um detalhe que diferencia o projeto de 2012 com o de 2018: a Acadêmicos do Tatuapé tem como madrinha ninguém menos que a sambista e deputada estadual do PCdoB, Leci Brandão.

Leci, aliás, esteve no último réveillon de São Luís, uma das estrelas comunistas no Brasil, com cachê de R$ 65 mil pagos pelo governo amigo do PCdoB.

Tradução: o governador Flávio Dino pretende tirar dinheiro dos cofres públicos maranhenses para financiar uma escola de samba paulista que tem uma estrela do PCdoB como madrinha. É uma evidente troca de gentilezas entre camaradas. E mostra que, na prática, é outra a teoria de Flávio Dino.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Guerra aberta

Partiu da base governista a articulação para que o secretário de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, fosse convocado para audiência pública na Assembleia Legislativa. Tanto que o requerimento, de autoria do deputado Júnior Verde (PRB), foi aprovado por unanimidade em plenário. E só entrou na pauta por que o deputado Fábio Macedo (PDT) aproveitou-se da condição de presidente em exercício para por a proposição em pauta.

Por trás da questão envolvendo Adelmo – que já comprou briga com os próprios Macedo e Verde por espaços de votação no interior – está uma guerra fratricida entre deputados governistas e membros do governo Flávio Dino que pretendem disputar as eleições de 2018.

E eles são muitos: a começar pelo todo-poderoso secretário de Comunicação, Mário Jerry, passando pelo chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, são pelo menos 12 auxiliares-candidatos, em uma lista que tem nomes como Jeferson Portela e Duarte Júnior, queridinhos do PCdoB.

E para entrar na Assembleia, obviamente, esses pretensos deputados terão que ocupar a vaga de alguém que esteja na Casa. Como é pouco provável que eles consigam tirar as vagas consolidadas de oposicionistas, sobrará exatamente para os membros do governo na Assembleia.

E nesse jogo d gato e rato vale até jogar para a torcida, como o líder do governo, Rogério Cafeteira (PSB), que se faz de desentendido publicamente ao falar sobre o assunto, mas conspira nos bastidores contra os secretários-candidatos.

E a vida de Adelmo Soares não será fácil na sabatina da Assembleia. É bom lembrar que, com menos antipatia que ele na Casa, o secretário de Infraestrutura Clayton Noleto foi tão bombardeado que abriu mão da candidatura a deputado federal.

Da coluna Estado Maior, e O Estado do Maranhão

Recorrente coincidência

O governador Flávio Dino (PCdoB) pode até atacar o jornal O Estado; pode processar profissionais de imprensa que toquem no assunto e até tentar denegrir quem o questione neste aspecto. Mas ele não tem como impedir que se questione as coincidências tão contundentes em relação a fatos relacionados ao aparelhamento do estado promovido no governo comunista.

Dino pode jogar a responsabilidade em terceiros, mas não negar a desconfiança em relação à demissão do ex-auxiliar Danilo dos Santos Silva, fato ocorrido apenas uma semana antes de o mesmo auxiliar ter sido preso por corrupção em uma operação da Polícia Federal.

O comunista pode se negar a dar explicações, mas não pode retrucar o inusitado de conseguir, de forma antecipada, uma certidão com detalhes de uma acusação que só se tornaria pública 26 dias após o documento ser emitido pela Câmara Federal.

Dino pode até ignorar os questionamentos, mas não explica como um servidor de seu governo – que, por coincidência era também vice-presidente de seu partido em Timon – tenha sido demitido da pasta apenas um dia antes de a Polícia Civil, comandada por um secretário do mesmo partido, prendê-lo no cumprimento de um Mandado Judicial.

O comunista Flávio Dino encarna a postura autoritária e dá de ombros para acusações que lhe são feitas, como se estivesse acima do bem e do mal. Mas não pode negar as recorrentes coincidências que marcam o seu governo.

E marcam em um aspecto nem um pouco nobre: a seara criminal. E isso ele não pode negar.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Vereadora do PCdoB de Caxias que usou carro do Governo é cassada

O juiz de Direito Paulo Afonso Gomes, da 4ª Zona Eleitoral de Caxias cassou o mandato da vereadora Aureamélia Brito Soares (PCdoB), por abuso de poder político e econômico nas eleições 2016.

Aureamélia havia sido flagrada durante a campanha eleitoral utilizando um veículo alugado pelo Governo do Estado, o que acabou sendo utilizado como prova para a sua cassação.

Com a saída da comunista quem assume mandato é o suplente Genival Moto Peças (PSB). A informação é do jornalista Gilberto Léda.

O carro utilizado pela vereadora é uma caminhonete Volkswagem Amarok, que está alugada para a Secretaria de Estado da Indústria e Comério (Seinc) desde o dia 20 de julho do ano passado. O contrato, segundo informação prestada à Justiça Eleitoral pelo próprio titular da pasta, Simplício Araújo (SDD), tem vigência de um ano e encerra-se apenas no dia 20 de julho deste ano.

Em sua defesa, a Aureamélia Soares – que é esposa do atual secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares – confirmou que usava o carro na campanha, mas garantiu que à época da eleição ele ainda não estava sendo utilizado pelo Executivo.

O argumento é quase o mesmo da Seinc. Em nota oficial, a secretaria informou que, apesar de o contrato ser do dia 20 de julho de 2016, o uso efetivo do veículo iniciou-se apenas no dia 10 de outubro do mesmo ano, após as eleições.

Para a Justiça, contudo, as justificativas não foram o suficiente…

As duas faces de Júlio Pinheiro no Sinproesemma

Incoerência à la PCdoB*

O vice-prefeito de São Luís, Júlio Pinheiro (PCdoB), é um exemplo acabado da incoerência dos comunistas do Maranhão.

Ainda presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma), ele tem controlado a entidade com mãos de ferro, tudo para garantir que não haja embaraços à proposta do governo Flávio Dino (PCdoB) de reajustar apenas a Gratificação de Atividade do Magistério (GAM) da maioria dos professores maranhenses – que pedem reajuste de vencimentos.

Mas não foi sempre assim.

Era fevereiro de 2014, a então governadora Roseana Sarney (PMDB) propôs reajuste salarial de 8,32% aos professores do Maranhão e tentou negociar um parcelamento dessa recomposição.

Júlio Pinheiro, já então presidente do Sinproesemma, reagiu:
– Não vamos aceitar qualquer forma de parcelamento do reajuste salarial da categoria. Queremos a recomposição salarial agora e retroativa a janeiro, como manda a nossa lei -disse naquela ocasião.

Já em fevereiro de 2017, exatamente três anos depois, o governador Flávio Dino propõe reajuste de 8% – mas apenas sobre a GAM para a maioria dos níveis da categoria -, também de forma parcelada e depois de não haver concedido o reajuste determinado pelo MEC em 2016.

Qual a reação de Pinheiro?
– Não devemos pensar apenas no ganho imediato, mas o que representa esse reajuste para a carreira, para o futuro de educador – declarou, recentemente.

Júlio Pinheiro é filiado ao PCdoB. E isso explica muita coisa.

 

*Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Dono de prédio da Funac participou da propaganda do PCdoB em 2014

Coincidência. O engenheiro eletricista Jean Carlos Oliveira, filiado ao PCdoB do Maranhão e proprietário do imóvel alugado pelo Governo do Estado para abrigar anexo da Funac na Aurora, participou da propaganda eleitoral do partido nas eleições 2014.

Jean recebeu pelo imóvel alugado ao Governo, mais de R$ 170 mil desde 2015, embora o prédio tenha sido utilizado pelo Executivo somente no dia 3 deste mês.

Na propaganda produzida pelo PCdoB, Jean pede votos para o então candidato a deputado estadual, Júlio Guterres (PCdoB). “Eu voto em Júlio Guterres porque uma das grandes bandeiras, uma das grandes lutas dele é a educação. Eu tenho certeza que na Assembleia Legislativa ele vai continuar essa luta”, diz o comunista.

A residência de Jean, que agora abriga unidade da Funac, foi comitê eleitoral da campanha de Gueterres em 2014 e ponto de apoio de distribuição de material do PCdoB, do governador Flávio Dino.

Mas o contrato da Funac foi mera “coincidência”…

Privilégios? Governo aluga prédio de membro do PCdoB para instalar Funac

O governador Flávio Dino (PCdoB) alugou prédio no bairro Aurora para a instalação da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), com dispensa de licitação – diga-se de passagem -, que pertence a um membro do PCdoB: Trata-se de Jean Carlos Oliveira.

O valor mensal do aluguel para o comunista é de R$ 12 mil. A informação foi dada em primeira mão pelo jornalista Daniel Matos, chefe de reportagem de O Estado.

Jean Carlos, segundo a denúncia do blogueiro, recebe pela locação do prédio desde o mês de julho de 2016. Ele apresentou resenha de empenho e planilhas que comprovam as transações.

Desde o mês passado a vereadora Rose Sales (PMB) tem se manifestado nas redes sociais contra a instalação da unidade da Funac no bairro da Aurora.

Ela chegou a denunciar um episódio lamentável envolvendo o governador Flávio Dino, sobre o tema [reveja aqui].

Na manhã de hoje o jornalista Jorge Aragão [leia aqui] mostrou destempero de Marcio Jerry (PCdoB), secretário de Estado da Comunicação e Assuntos Políticos, contra a vereadora Rose Sales. Jerry chegou a afirmar que Sales estaria “comandando depredação de prédio para evitar adoção de medidas sócio-educativas”.

Agora, sabe-se o por que o destempero de Jerry.

Privilégios?

PCdoB inseguro em relação ao futuro político de Flávio Dino

flavio carrancudoA informação de que o governador Flávio Dino aparece como um dos nomes cotados pelo PCdoB para a disputa da Presidência da República em 2018 tem dividido o próprio partido.

Ontem, a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, colocou Dino como um dos quatro nomes da sigla sugeridos em plenária para a disputa eleitoral.

Na manhã de hoje, o diretório municipal do PCdoB em São Luís tratou de divulgar o teor de uma resolução política da legenda, que tem como prioridade, a reeleição de Dino no Governo do Maranhão.

Na resolução há destaque para o fato de Flávio ter se tornado o primeiro governador eleito pelo partido.

É a reação daqueles que temem, na verdade, o esvaziamento de Dino e o risco de um desempenho pífio em 2018.

Flávio Dino ficou com a imagem desgastada no cenário nacional ao atuar conjuntamente com o deputado federal Waldir Maranhão (PP) em defesa da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Ele também demonstrou falta de força e articulação política junto à bancada maranhense na Câmara Federal durante a votação de admissibilidade do processo de impeachment.

E para piorar, tem os três senadores da bancada maranhense no campo de oposição, apesar de ter sido eleito na mesma chapa de um destes em 2014.
Sem conseguir espaços no cenário político nacional, a eventual candidatura do comunista à Presidência em 2018 é vista com desconfiança pela sigla, que agora tenta abafar o tema.

Flávio Dino diz à imprensa nacional que elegeu 217 prefeitos no estado

flaviodino

Atualização às 15h50

O autor da entrevista, Renato Rovai, corrigiu o próprio texto.

Onde se lia “Somando PCdoB e aliados, são 217. Do PCdoB são 46”, agora se lê “Elegemos 153, somando PCdoB e aliados. São 217 ao todo. Do PCdoB são 46”.

Registro e correções feitos também pelo Blog do Ronaldo Rocha.

Leia também:

_______ Edilázio: “Flávio Dino deixou rastro de derrotas nas eleições 2016” 

_______ Flávio Dino acumula derrotas nas eleições 2016