Palanque esvaziado

Não bastasse a confirmação da candidatura da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), que deu aos comunistas a indesejável certeza de que haverá segundo turno nas eleições de 2018, o governador Flávio Dino (PCdoB) amarga outro dissabor: a tendência é de que seu palanque esvazie à medida que forem sendo definidos os nomes do pleito presidencial.

Em 2014, como novidade da política, Flávio Dino navegou tranquilo por todas as candidaturas presidenciais – de Dilma Rousseff (PT) a Aécio Neves (PSDB), passando por Eduardo Campos (PSB) e até Marina Silva (Rede). A postura furta-cor foi possível, sobretudo, pelo leque de alianças que ele conseguiu no Maranhão, envolvendo direita e esquerda no mesmo balaio ideológico.

Para 2018, o comunista não terá a mesma facilidade. Já perdeu o PSDB, que terá palanque próprio no Maranhão, e tende a perder, também, o PSB, o PPS, e até o PTB e o DEM, que tendem a seguir a coligação com os tucanos em âmbito nacional.

Além disso, Dino terá de se virar para convencer os petistas a estar com ele, sobretudo após decisão do seu PCdoB de lançar a candidatura presidencial da ex-deputada federal Manuela D’Ávila.

O cenário eleitoral para o comunista que ora ocupa o Palácio dos Leões, é, portanto, muito mais obscuro do que aquele que ele planejou a partir de 2015, quando assumiu o governo,furtando sonhos de esperança e mudança nunca concretizados nestes três anos de mandato.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Flávio Dino contrariado com candidatura de Manuela D’ávila

O governador Flavio Dino assim como toda a cúpula do PCdoB no Maranhão, ficou contrariado com o lançamento da pré-candidatura da deputada estadual do Rio Grande do Sul, Manuela D’ávila, à Presidência da República.

A candidatura de D’ávila acaba enfraquecendo o projeto de manutenção do PT no palanque de Dino em 2018. Isso porque o PT terá candidato próprio [Lula é o principal nome], e o PCdoB, a quem Dino deve fidelidade partidária, também.

O tema foi abordado hoje pela Coluna Painel, da Folha de S. Paulo, abordou o tema.

“E eu? A decisão do PCdoB de lançar Manuela D’ávila (RS) candidata ao Planalto contrariou ala da sigla que contava com o ex-presidente Lula para fortalecer palanques no Nordeste. É o caso do governador Flávio Dino (MA)”, destacou a coluna.

A cúpula estadual do PCdoB já se mobiliza para uma reunião com a direção nacional do partido.

A tendência, contudo, é de que a candidatura de D’ávila seja mantida…

PT mais distante

Dilma Rousseff ao lado de Flávio Dino em São Luís / imagem Gilberto Léda

Pode parecer contraditório à primeira vista, mas o é fato que não foi bom para o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), o lançamento de Manuela D’Avila como pré-candidata à Presidência da República pelo PCdoB.

A oficialização do nome da comunista como nome do partido para a disputa majoritária nacional ocorreu ontem, por meio de nota oficial. Se em situação normal essa seria uma notícia alvissareira, para o comunista maranhense ela significa mais perdas que ganhos.

E a principal baixa, no caso do Maranhão, diz respeito ao afastamento praticamente que imediato do PT da base de apoio a Dino.

Explica-se: até agora, o governador tem sustentado o apoio do PT mais por conta dos gestos que ele próprio fez aos ex-presidentes petistas Lula e Dilma Rousseff do que pelos espaços dados ao partido no governo.

Ocorre que, agora, com uma candidatura a presidente do PCdoB, é óbvio que Flávio Dino deve fidelidade a sua sigla.

Assim, não terá como repetir em 2018 o comportamento de 2014, quando – sem ter qualquer atrelamento ao cenário nacional -, fingiu apoiar três candidatos a presidente, para escancarar sua verdadeira opção apenas no segundo turno.

No ano que vem, Dino será Manuela D’Avila desde criancinha.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Marcio Jerry não garante candidatura de Jefferson Portela a deputado federal

O Estado – O presidente estadual do PCdoB no Maranhão, secretário Márcio Jerry (Comunicação e Assuntos Políticos) não garante que o secretário de Estado da Segurança, Jefferson Portela, também do PCdoB, será candidato a deputado federal pelo partido.

O próprio titular da SSP já se declarou pré-candidato ao cargo em algumas ocasiões, mas nos bastidores comenta-se que o projeto dele não tem apoio de Jerry.

Em entrevista a O Estado na manhã de ontem, durante participação em solenidade de homenagem à Rádio Timbira, o dirigente partidário confirmou que Portela já demonstrou interesse em ser candidato e acrescentou que o secretário de segurança tem esse direito.

“O Jefferson é militante do PCdoB, no gozo de seus direitos, inclusive de ser candidato. Ele já apresentou isto ao partido e outras pessoas também já apresentaram, para estadual, para federal”, declarou.

Márcio Jerry pontuou, contudo, que, assim como os de outros filiados que postulam entrar na disputa em 2018, o nome de Jefferson Portela ainda será avaliado antes da definição das candidaturas do partido.

“Temos um candidato natural ao Governo do Estado, obviamente, que é o governador Flávio Dino e a gente vai, no momento próprio, decidir todas as candidaturas, porque decidiremos o projeto eleitoral do partido. E, aí, não decidiremos individualmente: A, B, C ou D. Definiremos um projeto eleitoral e todos os nomes que aspiram a uma candidatura serão igualmente avaliados para que o partido defina quais desses nomes irão concorrer às vagas de estadual e de federal”, destacou.

Rubens Júnior critica STF após tribunal acatar ação contra o Governo do MA

O deputado federal Rubans Júnior (PCdoB), coordenador da bancada maranhense na Câmara Federal, optou por atacar a Corte do Supremo Tribunal Federal (STF), após o tribunal ter aceitado julgar uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) proposta pela Confederação Nacional dos Estabelecimento de Ensino (Confenen), contra a gestão do Procon, no Governo do Maranhão.

A Confenen denunciou aparelhamento no Procon, com pelo menos 347 servidores contratados pelo órgão sem a realização de concurso público. O Procon é gerenciado por Duarte Júnior, também do PCdoB.

“Ao questionar o número de contratados no Instituto de Proteção e Defesa do Consumidor no Maranhão (Procon/MA), aparentemente falta o que fazer no Supremo Tribunal Federal (STF)”, disse o parlamentar na Câmara Federal.

Além da ação no STF, e que deve resultar na exoneração dos 347 contratados do órgão sem realização de concurso público – como prevê a lei que criou o Procon -, o Governo do Maranhão também é alvo de uma ação popular que tramita na Justiça Estadual, ajuizada pelo advogado Thiago Brhanner Costa.

A ação pede que o Procon seja obrigado a realizar, em no máximo 60 dias, concurso público para o preenchimento de 347 vagas no órgão.

Por isso o incômodo de Rubens Júnior…

A prática é outra…

Em 2012, o governo maranhense decidiu patrocinar a escola de samba Beija-Flor, do Rio de Janeiro, para cantar São Luís na Marquês de Sapucaí, no ano em que a capital maranhense completava 400 anos. Na época, o então ex-deputado federal Flávio Dino (PCdoB) era uma das vozes com forte agressão ao projeto, mesmo com a justificativa de ser um investimento no quarto centenário da cidade.

O tempo passou, Flávio Dino virou governador e eis que surge a notícia de que o governo comunista vai pagar à Acadêmicos do Tatuapé, de São Paulo, para que o Maranhão seja homenageado com o enredo “Maranhão: os tambores vão ecoar na terra da encantaria”.
Mas qual seria a justificativa do governo comunista para o “investimento”?

Ao contrário de cinco anos atrás, não há nenhuma data prevista para 2018 que possa justificar o enredo maranhense. Mas há um detalhe que diferencia o projeto de 2012 com o de 2018: a Acadêmicos do Tatuapé tem como madrinha ninguém menos que a sambista e deputada estadual do PCdoB, Leci Brandão.

Leci, aliás, esteve no último réveillon de São Luís, uma das estrelas comunistas no Brasil, com cachê de R$ 65 mil pagos pelo governo amigo do PCdoB.

Tradução: o governador Flávio Dino pretende tirar dinheiro dos cofres públicos maranhenses para financiar uma escola de samba paulista que tem uma estrela do PCdoB como madrinha. É uma evidente troca de gentilezas entre camaradas. E mostra que, na prática, é outra a teoria de Flávio Dino.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Guerra aberta

Partiu da base governista a articulação para que o secretário de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, fosse convocado para audiência pública na Assembleia Legislativa. Tanto que o requerimento, de autoria do deputado Júnior Verde (PRB), foi aprovado por unanimidade em plenário. E só entrou na pauta por que o deputado Fábio Macedo (PDT) aproveitou-se da condição de presidente em exercício para por a proposição em pauta.

Por trás da questão envolvendo Adelmo – que já comprou briga com os próprios Macedo e Verde por espaços de votação no interior – está uma guerra fratricida entre deputados governistas e membros do governo Flávio Dino que pretendem disputar as eleições de 2018.

E eles são muitos: a começar pelo todo-poderoso secretário de Comunicação, Mário Jerry, passando pelo chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, são pelo menos 12 auxiliares-candidatos, em uma lista que tem nomes como Jeferson Portela e Duarte Júnior, queridinhos do PCdoB.

E para entrar na Assembleia, obviamente, esses pretensos deputados terão que ocupar a vaga de alguém que esteja na Casa. Como é pouco provável que eles consigam tirar as vagas consolidadas de oposicionistas, sobrará exatamente para os membros do governo na Assembleia.

E nesse jogo d gato e rato vale até jogar para a torcida, como o líder do governo, Rogério Cafeteira (PSB), que se faz de desentendido publicamente ao falar sobre o assunto, mas conspira nos bastidores contra os secretários-candidatos.

E a vida de Adelmo Soares não será fácil na sabatina da Assembleia. É bom lembrar que, com menos antipatia que ele na Casa, o secretário de Infraestrutura Clayton Noleto foi tão bombardeado que abriu mão da candidatura a deputado federal.

Da coluna Estado Maior, e O Estado do Maranhão

Recorrente coincidência

O governador Flávio Dino (PCdoB) pode até atacar o jornal O Estado; pode processar profissionais de imprensa que toquem no assunto e até tentar denegrir quem o questione neste aspecto. Mas ele não tem como impedir que se questione as coincidências tão contundentes em relação a fatos relacionados ao aparelhamento do estado promovido no governo comunista.

Dino pode jogar a responsabilidade em terceiros, mas não negar a desconfiança em relação à demissão do ex-auxiliar Danilo dos Santos Silva, fato ocorrido apenas uma semana antes de o mesmo auxiliar ter sido preso por corrupção em uma operação da Polícia Federal.

O comunista pode se negar a dar explicações, mas não pode retrucar o inusitado de conseguir, de forma antecipada, uma certidão com detalhes de uma acusação que só se tornaria pública 26 dias após o documento ser emitido pela Câmara Federal.

Dino pode até ignorar os questionamentos, mas não explica como um servidor de seu governo – que, por coincidência era também vice-presidente de seu partido em Timon – tenha sido demitido da pasta apenas um dia antes de a Polícia Civil, comandada por um secretário do mesmo partido, prendê-lo no cumprimento de um Mandado Judicial.

O comunista Flávio Dino encarna a postura autoritária e dá de ombros para acusações que lhe são feitas, como se estivesse acima do bem e do mal. Mas não pode negar as recorrentes coincidências que marcam o seu governo.

E marcam em um aspecto nem um pouco nobre: a seara criminal. E isso ele não pode negar.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Vereadora do PCdoB de Caxias que usou carro do Governo é cassada

O juiz de Direito Paulo Afonso Gomes, da 4ª Zona Eleitoral de Caxias cassou o mandato da vereadora Aureamélia Brito Soares (PCdoB), por abuso de poder político e econômico nas eleições 2016.

Aureamélia havia sido flagrada durante a campanha eleitoral utilizando um veículo alugado pelo Governo do Estado, o que acabou sendo utilizado como prova para a sua cassação.

Com a saída da comunista quem assume mandato é o suplente Genival Moto Peças (PSB). A informação é do jornalista Gilberto Léda.

O carro utilizado pela vereadora é uma caminhonete Volkswagem Amarok, que está alugada para a Secretaria de Estado da Indústria e Comério (Seinc) desde o dia 20 de julho do ano passado. O contrato, segundo informação prestada à Justiça Eleitoral pelo próprio titular da pasta, Simplício Araújo (SDD), tem vigência de um ano e encerra-se apenas no dia 20 de julho deste ano.

Em sua defesa, a Aureamélia Soares – que é esposa do atual secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares – confirmou que usava o carro na campanha, mas garantiu que à época da eleição ele ainda não estava sendo utilizado pelo Executivo.

O argumento é quase o mesmo da Seinc. Em nota oficial, a secretaria informou que, apesar de o contrato ser do dia 20 de julho de 2016, o uso efetivo do veículo iniciou-se apenas no dia 10 de outubro do mesmo ano, após as eleições.

Para a Justiça, contudo, as justificativas não foram o suficiente…

As duas faces de Júlio Pinheiro no Sinproesemma

Incoerência à la PCdoB*

O vice-prefeito de São Luís, Júlio Pinheiro (PCdoB), é um exemplo acabado da incoerência dos comunistas do Maranhão.

Ainda presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma), ele tem controlado a entidade com mãos de ferro, tudo para garantir que não haja embaraços à proposta do governo Flávio Dino (PCdoB) de reajustar apenas a Gratificação de Atividade do Magistério (GAM) da maioria dos professores maranhenses – que pedem reajuste de vencimentos.

Mas não foi sempre assim.

Era fevereiro de 2014, a então governadora Roseana Sarney (PMDB) propôs reajuste salarial de 8,32% aos professores do Maranhão e tentou negociar um parcelamento dessa recomposição.

Júlio Pinheiro, já então presidente do Sinproesemma, reagiu:
– Não vamos aceitar qualquer forma de parcelamento do reajuste salarial da categoria. Queremos a recomposição salarial agora e retroativa a janeiro, como manda a nossa lei -disse naquela ocasião.

Já em fevereiro de 2017, exatamente três anos depois, o governador Flávio Dino propõe reajuste de 8% – mas apenas sobre a GAM para a maioria dos níveis da categoria -, também de forma parcelada e depois de não haver concedido o reajuste determinado pelo MEC em 2016.

Qual a reação de Pinheiro?
– Não devemos pensar apenas no ganho imediato, mas o que representa esse reajuste para a carreira, para o futuro de educador – declarou, recentemente.

Júlio Pinheiro é filiado ao PCdoB. E isso explica muita coisa.

 

*Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão