‘Que tal?’: renovação proposta por Pedro Fernandes é de pai para filho

Flávio Dino com Pedro Lucas e Pedro Fernandes

O deputado federal Pedro Fernandes (PTB) concedeu entrevista a O Imparcial, para defender a renovação na política.

Dono de 5 mandatos na Câmara Federal, e mais um de vereador, Pedro Fernandes criticou, veja só,  o fato de políticos já consolidados trabalharem por mais uma eleição, neste ano.

“Muita gente já deu o que tinha que dar. Eu vejo gente querendo ser candidato a senador com mais de 80 anos. Para que isso? Para se proteger, para ter foro privilegiado ou para querer trabalhar pelo Maranhão? Acho que está na hora do maranhense renovar”, disse.

“Não é renovar só pela idade, mas renovar as práticas políticas”, e completou.

Pedro Fernandes, que decidiu não disputar as eleições 2018 só não explicou, contudo, o motivo da desistência pelo pleito.

Ele é pai do vereador e presidente da MOB, Pedro Lucas Fernandes, também do PTB, pré-candidato a deputado federal.

Foi justamente o interesse na estrutura política, em prol do filho,  que motivou a sua aliança com o governador Flávio Dino (PCdoB).

Fernandes trabalha e quer garantir a eleição de Pedro Lucas.

A renovação proposta pelo deputado, portanto, é de pai para filho.

O resto é balela…

Por que a pressa Chico?

Chico Carvalho é relator da CPI do Bom Peixe

Chico Carvalho é relator da CPI do Bom Peixe

Circula nos bastidores da Câmara Municipal de São Luís, a informação de que o vereador Francisco Carvalho (PSL) tenta a todo custo, acelerar a elaboração do relatório conclusivo da CPI do Bom Peixe e assim finalizar os trabalhos da comissão.

O presidente do colegiado, Pedro Lucas Fernandes (PTB), no entanto, pensa diferente, e trabalha para colher mais provas e ouvir outras testemunhas, tanto que pediu a prorrogação de prazo de mais 60 dias para concluir as investigações na Casa.

O fato é que existem fortes denúncias contra os ex-secretários Júlio França e Eliana Bezerra. Mas há também algumas inconsistências no relatório da Controladoria Geral do Município, apontadas pelos investigados. E essas imprecisões já seriam destacadas no texto conclusivo da CPI pelo relator Carvalho, o que automaticamente favoreceria a defesa dos suspeitos de desviarem mais de R$ 1,7 milhão do Bom Peixe.

Também querem a conclusão imediata dos trabalhos os vereadores Edmilson Jansen (PTC), Estevão Aragão (PPS) e Rose Sales (PCdoB), todos aliados de Edivaldo Holanda Júnior (PTC).

Mas por que a pressa Chico?

A CPI do Bom Peixe agora que entrou em uma fase mais aguda das investigações. Agora que ouviu os primeiros personagens – sejam esses envolvidos ou não no esquema. A CPI ainda precisa ouvir, por exemplo, o depoimento do secretário Marcelo Coelho. Deve haver também, como sinalizou na semana passada Pedro Lucas Fernandes, uma acareação entre um funcionário da Semapa, o ex-secretário Júlio França e o proprietário da Pacific, que apresentaram versões diferentes para o mesmo tema – a exemplo da natureza e destino das notas fiscais.

Não há portanto, motivo algum para a conclusão dos trabalhos nesse momento. A não ser que a própria comissão entenda não haver subsídios o suficiente para apontar os responsáveis pelo desvio de recursos públicos. O que não é o caso.

Desde a sua instalação a CPI do Bom Peixe tem sido alvo de seguidas investidas de aliados do prefeito, que tentam impedir o seu avanço. Todas as tentativas, no entanto, foram frustradas. Talvez por pressão da mídia. Talvez por mérito e habilidade de Pedro Lucas. O momento, sugere novas batalhas. E novamente são batalhas pelo fim ou continuidade da comissão. Resta saber quem vencerá desta vez…