Compasso de espera

Três partidos com forte atuação política no Maranhão – PMDB, PSDB e PSB – estão em uma espécie de compasso de espera em relação ao andamento das questões políticas de Brasília. E qualquer que for o resultado da crise federal terá influência direta nas eleições maranhenses de 2018.

O PMDB é o partido do presidente Michel Temer, alvo de pressões por uma renúncia. Se o ato extremo ocorrer, obviamente que a legenda ganha nova configuração de cenário para a disputa no estado. Entraria o partido em uma disputa sem o fundamental apoio do governo central?

O PSDB, por sua vez, tem seu principal nome – senador Aécio Neves – envolvido diretamente nas denúncias de corrupção trazidas à tona pela delação dos executivos da JBS. E seu revés acaba por diminuir a importância eleitoral do seu partido. Aos tucanos resta esperar se um deles possa almejar o poder em uma eventual troca de comando em Brasília.

Das três principais legendas, o PSB foi a única que já tomou posição em relação ao governo Temer. O partido decidiu anunciar-se na oposição. E isso, claro, influencia diretamente no projeto do senador maranhense Roberto Rocha. O socialista tem cargos e acesso a verbas no governo Temer, que também podem cair em caso de queda do atual presidente. E sem espaços em Brasília, torna-se missão difícil competir no Maranhão em 2018.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

PMDB de Timon pede a cassação de Luciano Leitoa

Ludwing – Volta a esquentar o cenário político em Timon. O Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), através do presidente do Diretório de Timon, ex-deputado Sétimo Waquim (foto) e por intermédio dos advogados Eliomar Feitosa, Pedro Marinho e Amanda Waquim acionaram a Justiça na segunda-feira (23) com uma Representação por captação e gastos ilícitos para fins eleitorais contra o prefeito Luciano Leitoa e seu vice, o comunista João Rodolfo.

Segundo a Representação do PMDB, a prestação de contas do candidato eleito Luciano Leitoa e seu respectivo vice têm “diversas ilegalidades perpetradas que as tornam eivadas de vícios insanáveis, em desacordo com a Lei Geral das Eleições”.

Acrescenta ainda que “tais condutas aqui narradas caracterizam captação e uso ilícito de recursos, inviabilizando o escorreito exercício da fiscalização sobre as contas de campanha pela Justiça Eleitoral, revelando-se uma prática que deve ser extirpada, uma vez que é ordinariamente utilizada como artifício para obter vantagem econômica com nítido potencial de viciar a vontade popular”.

No item Receitas da Representação existe um fato que chama a atenção. No documento informa que as doações foram praticamente feitas todas em apenas quatro datas, sendo que dentro do período de greve dos bancos 58 pessoas conseguiram ter acesso a agência para fazer a doação em espécie. Além disso, existem quatro doações de beneficiários do Programa Bolsa Família; doadores sem CPF; doações de pessoas sem capacidade financeira; presença de cheque sem fundos; gastos eleitorais antes da abertura da conta de campanha; quase 1.000 omissões eleitorais, o que pode caracterizar caixa dois etc.

Diante dos fatos narrados nas receitas e despesas da prestação de conta do prefeito Luciano Leitoa e do seu vice, João Rodolfo os advogados do PMDB requereram a Justiça a condenação dos representados, por captação e utilização ilícita de recursos (artigo 30-A da Lei das Eleições), com a consequente cassação dos diplomas e demais efeitos legais.

Roseana reúne prefeitos eleitos pelo PMDB

roseana-e-prefeitos roseana-e-prefeitos-2A ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) coordenou na manhã de hoje, uma reunião com os prefeitos eleitos e reeleitos pelo PMDB no estado.

O encontro ocorreu na residência do secretário-geral do partido e atual presidente estadual em exercício, Remi Ribeiro.

No encontro, Roseana pediu seriedade dos gestores na condução da máquina pública e unidade na legenda.

A peemedebista não falou do seu futuro político…

Hildo Rocha apresenta projeto que reduz jornada de trabalho na Enfermagem

hildo-rochaProjeto de Lei N.º 6091/ 2016, apresentado pelo deputado Hildo Rocha (PMDB/MA), altera a Lei nº 7.498/1986, que regulamenta o exercício da enfermagem. “O nosso projeto diminui para 30 horas a carga horária semanal de serviços dos enfermeiros, técnicos, parteiras e auxiliares de enfermagem”, explicou.

O projeto de Hildo Rocha leva em consideração os seguintes fatores: 1) há muito tempo os profissionais de enfermagem reivindicam a redução da jornada para seis horas diárias e trinta semanais; 2) enfermeiros, técnicos, auxiliares e parteiras estão habitualmente submetidos ao stress em seu exercício profissional, auxiliando as pessoas em situações de sofrimento e dor; 3) o ambiente de trabalho é insalubre e os expõe a diferentes agentes químicos e biológicos, além do desgaste emocional; 4) um erro pode ser fatal; 5) os profissionais do setor são essenciais para o cuidado da saúde, ajudando na prevenção de doenças, no tratamento e na recuperação de pacientes.

Redução progressiva
De acordo com a proposta, a redução poderá ser efetivada no prazo máximo de cinco anos ou em apenas 12 meses. “A redução poderá ser alcançada, progressivamente, por meio de acordo coletivo de trabalho, na proporção de, no mínimo, duas horas a cada ano. Assim, no prazo de cinco anos, chega-se a 30 horas. Mas a redução poderá ser alcançada em apenas um ano. Depende do acordo coletivo de trabalho”, explicou Hildo Rocha.

Flávio Dino cada vez mais próximo de Temer

flaviodinoO governador Flávio Dino (PCdoB), que tanto defendeu a presidente da República afastada Dilma Rousseff (PT), passou a se afastar da petista e aproximar-se do presidente Michel Temer (PMDB), a medida que o julgamento do processo de impeachment chega a parte final.

Além de tentar estreitar as relações com Temer, como mostrou a coluna Radar On Line, da Revista Veja [reveja aqui], o comunista agora quer uma “vaguinha” na comitiva que vai à China.

Foi o que mostrou o jornalista Gilberto Léda, no texto “Flávio Dino tenta vaguinha na comitiva de Temer à China” [leia a íntegra aqui].

Dino quer aproveitar a agenda para tratar com investidores da WTorre, a instalação de um empreendimento portuário em São Luís. Para isso, aposta na forte ligação dos empresários com o PMDB para alcançar êxito na agenda.

Resta saber se Temer vai ceder a “vaguinha” ao comunista…

A interminável crise no PMDB

Eliziane Gama esteve na noite de ontem no PMDB

Eliziane Gama esteve na noite de ontem no PMDB

Desde 2014, quando perdeu a eleição para o Governo do Estado, o PMDB tem tentado assumir a condição de protagonista para o pleito deste ano, sem muito sucesso.

Discutiu composição com pré-candidatos e chegou até a cogitar uma aliança com o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), o que foi descartado em seguida pela direção estadual da sigla.

Agora, “namora” a pré-candidata Eliziane Gama (PPS), o que provocou novo “racha” na legenda.

Isso porque o vereador Fábio Câmara, pré-candidato a prefeito pelo partido, reagiu de imediato e atacou a popular-socialista.

Antes de atender a um convite de Edison Lobão Filho para participar de uma reunião no PMDB (reveja), a deputada federal Eliziane Gama, pré-candidata do PPS à Prefeitura de São Luís, esteve na casa do senador.

Gama havia atendido a um convite do senador Lobão Filho para discutir a possiblidade de uma aliança política. Para Fábio, um oportunismo “rasteiro”.

O partido está dividido.

De um lado, a ex-governadora Roseana Sarney e o senador Lobão Filho, que defendem a composição do PMDB com outro canddato.

De outro, o vereador Fábio Câmara e o senador João Alberto, que defendem o projeto de candidatura própria.

A legenda realizará a sua convenção partidária na próxima semana. E até o momento não definiu que rumo seguir nas eleições 2016.

 

Fábio Câmara não terá muita escolha…

fabioO vereador Fábio Câmara, pré-candidato a prefeito de São Luís, está isolado no PMDB. O peemdebista sustenta a sua pré-candidatura sem o apoio das principais lideranças do partido, o que acaba inviabilizando o seu próprio projeto.

Com desempenho tímido em todas as pesquisas de intenções de votos, Câmara não tem conseguido apresentar competitividade para a disputa eleitoral.

Mas, há a possibilidade de composição, na condição de candidato a vice-prefeito, com os demais pré-candidatos. Roseana Sarney (PMDB), por exemplo, cogita a composição de Fábio com o deputado estadual Wellington do Curso (PP). Outros nomes defendem a composição com a deputada federal Eliziane Gama (PPS).

“Teimoso”, Fábio Câmara tem mostrado resistência às propostas.

Mas, no final das contas, não terá outra alternativa…

Fábio Câmara reage a Roberto Costa e reafirma candidatura no PMDB

fabioO vereador Fábio Câmara reagiu à entrevista concedida pelo deputado estadual Roberto Costa (PMDB) no último fim de semana, e reafirmou ontem sua pré-candidatura a prefeito de São Luís.

“Quero afirmar que sou pré-candidato a prefeito de São Luís e quem falar o contrário está mentindo.Minha pré-candidatura surgiu com total apoio da minha família, dos meus amigos e da população”, afirmou o vereador, nas redes sociais.

Câmara parte para a campanha com um diferencial que ele julga importante para ser apresentado ao eleitor de São Luís: o distanciamento em relação ao projeto de poder do governador Flávio Dino e do prefeito Edivaldo Júnior.

“Eu sou o único pré-candidato que nunca estive vinculado direta ou indiretamente ao grupo do prefeito Edivaldo de Holanda Júnior e do governador Flávio Dino. Faço, fiz e farei oposição à sua gestão desde sempre”, declarou.

Fábio ignora o prazo dado por Roberto Costa,de 10 de julho, e diz que o PMDB tem tempo até o último dia das convenções, que ocorrerá em 5 de agosto.

“O partido vai discutir o projeto para São Luís até o prazo limite. E é o diretório municipal, do qual sou presidente, quem decide isso, mais ninguém”, afirmou.