Valéria Macedo confirma agressão de Cabo Campos à esposa

A deputada estadual Valéria Macedo (PDT), procuradora da Mulher na Assembleia Legislativa do Maranhão, confirmou à imprensa a tramitação de uma ação no Tribunal de Justiça contra o colega parlamentar, deputado estadual Cabo Campos (DEM), por agressão à mulher. A vítima teria sido a sua esposa.

A confirmação da ação foi feita ao blog Atual7, editado por Yuri Almeida. O caso, contudo, segue em segredo de Justiça.

“Infelizmente os fatos divulgados pela mídia ocorreram contra uma mulher. A Procuradoria da Mulher na AL está acompanhando a questão de perto. Já há providências concretas. O caso já se encontra no TJMA inclusive com medidas protetivas concedidas contra o agressor deputado estadual Cabo Campos”, disse Valéria Macedo.

A pedetista revelou que não está descartada a possibilidade de abertura de processo no âmbito do Conselho de Ética da Casa.

“A questão da persecução criminal, portanto, está encaminhada junto a Procuradoria de Justiça e o TJMA porque o agressor tem foro por prerrogativa de função. Falta avaliar a questão de eventual processo disciplinar na Comissão de Ética na AL pela ação do agressor, que deixa a sociedade perplexa”, completou

Outro lado – Antes de a deputada Valéria Macedo confirmar a existência da ação, o deputado Cabo Campos chegou a negar a agressão, após publicação de reportagem no blog do Stênio Johny [veja aqui].

Campos classificou de caluniosa a notícia e fez referência ao ano eleitoral, para justificar a circulação da notícia.

“Agora é essa notícia caluniosa que realmente está doendo em meu coração. Estamos em ano eleitoral, eu já esperava alguns ataques, mas um ataque tão maldoso, e tão sem ética, eu não esperava”, disse Campos, pedindo orações a seus simpatizantes.

Abaixo, o posicionamento na íntegra, de Cabo Campos.

Em tempo: Cabo Campos é policial militar de carreira, e está licenciado da função para exercer mandato no Poder Legislativo.

PM agride repórter fotográfico de O Estado

O repórter fotográfico Paulo Soares, de O Estado, foi agredido na manhã de hoje por um policial militar, durante a cobertura de uma ação de desobstrução da Avenida São Marçal, no João Paulo.

Paulo Soares fazia a cobertura de um protesto de moradores da Rua da Vala. Os moradores haviam bloqueado a avenida para chamar a atenção do Poder Público para a falta de infraestrutura na região.

Ao iniciar o processo de desobstrução da via, a PM prendeu alguns manifestantes. Paulo Soares fazia o registro da ação, quando um policial agrediu de forma verbal o repórter fotográfico e derrubou o seu equipamento.

“Sai daqui, caralho”, disse o PM.

“Sou jornalista. Estou fazendo meu trabalho”, reagiu o o repórter.

“E aí?”, retrucou o policial, não identificado.

O Estado procurou a Polícia Militar para pedir esclarecimentos sobre a conduta dos policiais militares, mas, até o momento, não obteve resposta.