No centro do Poder

É evidente o preconceito da mídia do Sul demonstrado com o deputado André Fufuca (PP), que assumiu ontem o exercício da presidência da Câmara Federal. O preconceito se dá, sobretudo, pelo sobrenome político do parlamentar, uma espécie de corruptela do nome Francisco, pai do deputado.

Mas mesmo diante do preconceito sulista, André Fufuca demonstrou altivez, coragem e segurança para conduzir os trabalhos na Câmara Federal neste momento de forte turbulência política. Estão na pauta de discussões assuntos como as reformas política, previdência, tributária, além de outras questões de forte repercussão.

Inteligente – apesar de muito jovem, com apenas 28 anos, completados domingo – Fufuquinha, como é mais conhecido no interior maranhense, cercou-se de líderes de peso na Câmara, como os governistas Beto Mansur (SP), Carlos Marum (RS) e Darcísio Perondi (RS), experientes raposas, que garantiram a ele a base parlamentar para conduzir os trabalhos. O deputado maranhense pode contar ainda com experientes colegas maranhenses, na Câmara e no Senado, capazes de lhe dar o cabedal político necessário.

Demonstrando humildade e capacidade de aprendizagem rápida, combinada à segurança que demonstra nestes momentos, André Fufuca vai deixando sua marca no parlamento brasileiro.

E só está no seu primeiro mandato.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão.

Waldir Maranhão está com os dias contados na presidência da Câmara

waldir e DinoO deputado federal Waldir Maranhão (PP) já tem data para deixar a presidência da Câmara Federal.

Ele seguirá no cargo somente até a próxima terça-feira, quando será realizada nova eleição para o comando da Mesa Diretora da Casa.

A data da eleição foi definida ontem pelos líderes do Parlamento, após o próprio Waldir ter optado pela eleição na quinta-feira.

O pleito ocorre em decorrência da renúncia do até então presidente afastado, deputado federal Eduardo Cunha (PMDB), que tentará eleger agora um aliado, e evitar a cassação de seu mandato.

Já Waldir Maranhão, que ganhou notoriedade após anular por algumas horas o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) depois de ter sido aconselhado pelo governador Flávio Dino (PCdoB), retornará ao vazio de seu conturbado mandato.

É provável que após deixar a presidência interina da Casa, Waldir Maranhão seja expulso do PP. Se isso acontecer, ele corre o risco de também perder o seu mandato no Legislativo.

Cinco disputam a presidência da Câmara

Pereirinha cumprirá acordo com Astro e não será mais candidato

Pereirinha cumprirá acordo com Astro e não será mais candidato

Cinco nomes são colocados como possíveis candidatos a presidente da Câmara na eleição antecipada: o vice-presidente, Astro de Ogum (PSL), o líder do governo, Honorato Fernandes (PT), o presidente da CCJ, Francisco Carvalho (PSL), e os novatos Ricardo Diniz (PRTB) e Pedro Lucas Fernandes (PTB).

Astro de Ogum se movimenta como candidato natural, aguardando o cumprimento de um acordo por meio do qual terá o apoio do atual presidente Isaías Pereirinha e de 19 vereadores que faziam parte do grupo que o reelegeu. Esse foi o acordo entre Ogum e Pereirinha para que o primeiro desistisse de entrar na disputa no início deste ano. Mesmo assim, Astro de Ogum costuma lembrar que sua candidatura ainda não está definida.

O vereador Francisco Carvalho, que já foi presidente da Casa, disse que não está buscando votos e nem tão pouco colocou seu nome como possível candidato. Segundo ele, o papel de conciliador faz com que seu nome seja colocado pelos colegas.

“Não estou buscando voto de ninguém. Mesmo assim, estou com o meu nome sendo colocado por vários colegas”, disse.

O petista Honorato Fernandes também entrou na disputa. Ele seria o nome do prefeito Edivaldo Júnior (PTC), que, desta vez, estaria organizando melhor o apoio a seu candidato, o que não ocorreu na eleição passada, quando o nome de Helena Duailibe (PMDB) foi colocado na última hora para concorrer contra Pereirinha.

As novidades são as candidaturas de Ricardo Diniz e Pedro Lucas Fernandes. O nome de Diniz foi colocado por ele mesmo durante reunião entre os vereadores. Essa informação não é confirmada pelo vereador, que alega não ter posto seu nome à disposição.

“Vejo que todos os 31 vereadores têm condições de disputar a presidência. Sei que nesse momento não estou nisso”, afirmou Ricardo Diniz.

Pedro Lucas Fernandes confirmou que seu nome foi colocado como uma possibilidade, mas negou que tenha lançado seu nome para entrar na disputa. Na verdade, o petebista é uma opção que vereadores de primeiro mandato estão tentando articular para ser o próximo presidente da Casa. “Existe, sim, uma conversa nesse sentido, mas não há nada definido”, disse Fernandes.

 De O Estado