Wellington o Curso quer explicações do MP sobre concurso do Estado

Wellington levou para a tribuna fotos do barracão onde funciona escola

Wellington quer explicações do MP

O vice-presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Wellington do Curso (PPS), protocolou ofício no Ministério Público Estadual (MP), na tarde de ontem, solicitando informações quanto às medidas adotadas pela Promotoria de Educação a respeito das denúncias de possíveis irregularidades apontadas por candidatos no concurso público para professor da rede estadual de Educação, realizado pela Fundação Sousândrade.

Ao protocolar o ofício, o parlamentar ressaltou as inúmeras reclamações e denúncias recebidas de candidatos. Dentre elas, destacam-se os casos de questões plagiadas de outro concurso; casos de envelopes de provas abertos antes do início do certame, a exemplo do que aconteceu na Escola Pio XII. Há também, segundo o parlamentar, reclamações quanto à credibilidade do gabarito oficial das provas.

Ele lembrou que a Fundação Sousândrade divulgou um primeiro gabarito no dia 14 deste mês e em seguida, no dia 18, outro gabarito foi publicado.

“Desde o dia 20 de dezembro de 2015, inúmeros professores nos procuraram com reclamações referentes ao concurso para professor do Estado. As reclamações vão desde o plágio de mais de 10 questões no concurso, passando pelo absurdo que é a abertura de envelopes de provas antes de chegarem à sala da aplicação da avaliação em si, chegando à incerteza do que seria o gabarito oficial, já que dois gabaritos ‘oficiais’ foram publicados. Segundo os professores, nem todas as questões plagiadas foram anuladas. Além disso, fomos notificados de que em São Luís, por exemplo, o pacote de provas chegou aberto ao local em que seria aplicado, o que fez com que alguns candidatos da Escola Pio XII, no bairro Vila Palmeira, fossem até à delegacia registrar ocorrência. Como se tais fatos não fossem o suficiente, há ainda a incerteza que caracterizou o gabarito que seria oficial, já que, no dia 14 de janeiro, publicou-se determinado gabarito com uma lista de convocados à apresentação de títulos e já no dia 18 do mesmo mês, publicou-se um outro gabarito com uma outra lista, evidenciando a incerteza naquilo que deveria ser oficial”, relatou.

O deputado justificou, ainda, que protocolou o ofício com o objetivo de obter informações sobre as providências que foram tomadas pelo Ministério Público Estadual

Deputado reforça pedido de ampliação de vagas em concurso para professor do estado

O vice-presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, deputado Wellington do Curso (PPS), utilizou a tribuna ontem para solicitar, mais uma vez, a liberação de mais 1.501 vagas no concurso para professor do estado, bem como a especificação do número de vagas correspondentes às cidades das Unidades Regionais de Educação.

Ao se pronunciar, o parlamentar fez referência à Indicação N°1012/2015, que solicita a especificação do número de vagas correspondentes às cidades e, ainda, à Indicação 1041/2015, solicitando  a liberação de mais 1.501 vagas no concurso para professor, a fim de concretizar o que a Lei nº 10.255 de 11 de junho de 2015 dispõe quanto a criação de 3.001 vagas para o cargo.

Para o deputado, a educação deve ser prioridade no Estado e há a necessidade de se cumprir o que a Lei nº 10.255 impõe, sendo 3001 vagas para professores e não apenas 1500.

“Mais uma vez, trazemos a esta Casa uma solicitação não subjetiva, mas sim de toda a população e daqueles que sabem que a educação é o instrumento mais eficaz na transformação de sonhos. Aprovamos na Assembleia Legislativa o Projeto de Lei, de autoria do poder Executivo, que dispõe sobre a realização de concurso público para professor do estado. De acordo com a lei Nº 10.255 de 11 de junho de 2015, ficariam criadas 3.001 vagas para o cargo de professor. No entanto, com o recente edital divulgado pelo estado, nos deparamos com apenas 1.500 vagas e formação de Cadastro Reserva. Além de tal redução, o edital do concurso em questão não especifica sequer o número de vagas por cidade, impedindo assim que o candidato saiba onde futuramente trabalhará, restando sua colocação ao arbítrio da administração estadual. Por isso, voltamos a cobrar que o edital seja retificado e que o Governo aprecie a possibilidade de cumprir o que a Lei impõe”, enfatizou.

O Governo, até o momento, não respondeu às solicitações de Wellington.

Wellington solicita a liberação de mais vagas em concurso para professor

Wellington do Curso quer ampliação de vagas em concurso

Wellington do Curso quer ampliação de vagas em concurso

Em respeito à Lei 10.255, que prevê 3.001 vagas no concurso para professor do Estado, na manhã desta quinta-feira (12), o vice-presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, deputado Wellington do Curso (PPS), apresentou proposição solicitando a complementação do número de vagas no certame. A indicação encaminha expediente ao Governador do Estado, solicitando a liberação de mais 1.501 vagas no concurso para professor, a fim de concretizar o que a Lei nº 10.255 de 11 de junho de 2015 dispõe quanto a criação de 3.001 vagas para o cargo.

A proposição foi motivada pelo Edital nº 001 de 06/11/2015, que dispõe sobre a realização de Concurso destinado ao preenchimento de 1.500 vagas oferecidas e formação de Cadastro Reserva com 300 vagas, números esses divergentes do que a Lei Nº 10.255, de 11 de junho de 2015 preceituava, ao criar 3.001 vagas e não apenas 1.500.

“Aprovamos na Assembleia Legislativa o Projeto de Lei, de autoria do poder Executivo, que dispõe sobre a realização de concurso público para professor do estado. De acordo com a lei Nº 10.255 de 11 de junho de 2015, ficariam criadas 3.001 vagas para o cargo de professor. No entanto, com o recente edital divulgado pelo estado, nos deparamos com apenas 1.500 vagas e formação de Cadastro Reserva. Bem sabemos que a demanda por professores em nossa capital e nos municípios de nosso estado ainda é significante, o que enfatiza a necessidade de complementar o número de vagas”, afirmou.

Deputado quer que edital especifique locais de lotação para professor

Wellington do Curso quer mudança em edital

Wellington do Curso quer mudança em edital

O vice-presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, deputado Wellington do Curso (PPS), protocolou proposição na manhã de hoje (10), solicitando alteração no edital do concurso público N°001 de 06/11/2015, que dispõe sobre a realização de concurso destinado ao preenchimento de 1.500 vagas oferecidas e formação de Cadastro Reserva com 300 vagas para o cargo de professor do Quadro Permanente da Secretaria de Estado da Educação do Maranhão (SEDUC).

A proposição do deputado Wellington foi encaminhada ao Governo do Estado, solicitando que o edital possa especificar o número de vagas correspondentes às cidades das Unidades Regionais de Educação.

“O edital em questão não especifica o número de vagas por cidade, o que tem causado uma certa instabilidade entre os professores. No último concurso, em 2009, houve a ‘especificação’. No entanto, essa sensibilidade não se apresenta no concurso atual. Não se sabe para onde o candidato será nomeado, restando sua colocação ao arbítrio da administração estadual. Essa previsão editalícia poderá ocasionar séria injustiça, uma vez que os primeiros colocados poderão desistir da nomeação se forem encaminhados para regionais cuja distância impossibilite o convívio familiar e social.  O que se quer aqui é preservar a segurança jurídica aos aprovados e eliminar a instabilidade quanto ao futuro local de trabalho, tendo em vista que hoje é garantida a nomeação aos candidatos classificados dentro das vagas ofertadas. Somente com tal retificação estaremos zelando pela segurança jurídica, almejando à defesa incondicional da Educação e daquilo que é devido a todo professor: o respeito”, enfatizou o parlamentar.

3 mil vagas para professor do Estado podem ser criadas com urgência na AL

Vagas para concurso do Estado na área de Educação

Vagas para concurso do Estado na área de Educação

Deve ser votado em regime de urgência na Assembleia Legislativa, o Projeto de Lei encaminhado pela governadora Roseana Sarney (PMDB), que cria 3 mil vagas para professor do Estado e abre automaticamente a necessidade de realização de concurso público.

De acordo com o deputado estadual Roberto Costa (PMDB), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças, Fiscalização e Controle do Legislativo, o projeto pode ser apreciado em até uma semana na Casa.

“Já acordei com os colegas deputados que pedirei urgência na tramitação desse projeto por tratar-se de uma demanda importante do Governo do Estado e que tem impacto imediato na qualidade da educação no Maranhão”, ressaltou.

“Acredito que, aprovada a urgência, em uma semana teremos o projeto pronto para a apreciação pelos deputados em plenário”, opinou.

A oposição já reagiu ao projeto, com a alegação de que há uma tentativa de provocar gastos para a próxima gestão. Roseana Sarney, no entanto, já garantiu que deixará o Estado com mais de R$ 1 bilhão em caixa.

Quadro de vagas para concurso do Estado

Vagas para concurso do Estado na área de Educação

Vagas para concurso do Estado na área de Educação

O Projeto de Lei da governadora Roseana Sarney (PMDB) encaminhado para a Assembleia Legislativa e que autoriza a realização de concurso público para professores da rede estadual de ensino, vai promover a criação de 3 mil novas vagas.

Acima, o detalhe de vagas destinadas no concurso por disciplina. O quadro foi divulgado em primeira-mão pelo jornalista Gilberto Léda.

Para a Língua Portuguesa, o Governo deve destinar novas 518 vagas; outras 257 vagas para professores de Língua Estrangeira – Inglês; outras 133 para Língua Estrangeira – Espanhol; 341 para profissionais habilitados em Matemática; 286 para Física; 302 para Química; 291 para Biologia; 131 para História; 236 para Geografia; 111 para Sociologia; 126 para Filosofia; 148 para Educação Física e 121 para Arte.

Roseana anuncia 3 mil vagas para professor em concurso público

Roseana Sarney quer fazer concurso público para professores da rede estadual

Roseana Sarney quer fazer concurso público para professores da rede estadual

A governadora Roseana Sarney (PMDB) anunciou ontem, durante evento que marcou a assinatura da ordem de serviço para a construção da sede própria da Universidade Virtual do Maranhão (Univima), que o Governo do Estado encaminhou à Assembleia Legislativa projeto de lei autorizando a criação de 3 mil novas vagas de professor da rede estadual de ensino.

As vagas devem ser preenchidas por concurso público, a ser realizado em 2015, e as despesas decorrentes da criação dos cargos já estão previstas na Lei Orçamentária Anual (LOA) a ser aprovada pelo Legislativo.

“Tenho a satisfação de anunciar que já mandei para a Assembleia [projeto que prevê] a abertura de 3 mil novas vagas para professores. Vamos ter concurso público ano que vem. Já está no orçamento [a previsão de despesas para] essas 3 mil novas vagas”, declarou a governadora.

Segundo o deputado estadual Roberto Costa (PMDB) o projeto deve chegar hoje à Casa. “Definiremos um relator e eu mesmo pedirei urgência para a aprovação dessa matéria”, afirmou.

Presidente da Comissão de Orçamento da Casa, o peemedebista confirmou que já havia sido incluída peça orçamentária de 2015 a previsão come essas despesas. “A LOA contempla o aumento das despesas com a incorporação desses servidores após concurso público”, completou.

Lobão Filho propõe valorização do profissional da educação

Lobão quer a valorização do profissional da educação

Lobão quer a valorização do profissional da educação

“No meu governo todos os profissionais da área educação terão a oportunidade de qualificação e ascensão profissional permanentes”. A garantia é do candidato a governador da coligação “Pra Frente, Maranhão”, senador Lobão Filho (PMDB). “Somente com capacitação permanente vamos elevar a qualidade de ensino e oportunizar aos nossos jovens reais perspectivas de uma vida melhor”, refletiu o candidato.

Lobão Filho defendeu ainda que é preciso manter a equipe motivada assegurando-lhes a oportunidade de crescer profissionalmente e, conseqüentemente, ser recompensado com melhorias salariais. “Vamos também criar uma sinergia para que tudo funcione apropriadamente. A escola tem que ser um local aprazível para todos: professor, aluno, diretores, enfim, todos os profissionais da área da educação”, assinalou o candidato peemedebista, ao destacar que essas são algumas das premissas básicas do programa “Melhor Educador”.

O “Melhor Educador” integra um conjunto de ações e medidas do Programa de Aceleração do Maranhão para a área da educação, o PAM/Educação. Constam ainda do PAM/Educação o programa “Escola Total”, para combater no ensino fundamental e médio, a evasão escolar, além de assegurar salas de aula adequadas, qualificação dos professores, merenda escolar, material didático, monitoramento do rendimento escolar e premiação por mérito.

Já o programa “Escola de Profissões”, é um sistema de educação técnica profissionalizante. Dentro desse programa vai ser desenvolvido o “Bolsa Profissional”, para alunos reconhecidamente carentes, que estão cursando o ensino médio e precisam do ensino profissionalizante para iniciar sua vida adulta. O programa “Maranhão. Net” vai desencadear ações de inclusão digital, nas escolas e municípios.

Há aproximadamente 100 dias, os professores da rede pública municipal de São Luís estão em greve e os alunos sem aula. Os profissionais estão acorrentados na Prefeitura e já adotaram a greve de fome para tentar sensibilizar o secretário de Educação do município, Geraldo Castro (PCdoB) que, por muitos anos foi professor, mas até agora o chefe da pasta não demonstrou qualquer intenção de diálogo com a categoria.

Lobão Filho declarou que as ações que norteiam o PAM/Educação têm em sua essência a valorização e o respeito dos profissionais da educação e que o diálogo será a base de sua gestão, não apenas na educação, mas em todos os setores da administração pública.

Ascom