Sindicato dos Policiais Civis faz novo protesto contra o Governo

O Sindicato dos Policiais Civis do Maranhão (Sinpol), voltou a fazer protesto contra o Governo do Estado.

A entidade que representa a  categoria utilizou outdoor para afirmar que está de luto por causa do número de policiais que morreram durante a atual gestão, sem alcançar a valorização prometida pelo chefe do Executivo.

“Polícia Civil de luto: mais de 40 policiais civis morreram neste Governo, sem alcançar a valorização prometida”.

O Sinpol também já classificou a atual gestão como o “pior Governo de Todos Nós”, um trocadilho e que faz alusão à campanha publicitária utilizada pelo Palácio dos Leões desde 2015.

Além de reajuste salarial, os policiais cobram melhores condições de trabalho, estrutura física das delegacias e reorganização da Polícia Civil.

Guardas municipais fazem protesto em Ribamar contra Luis Fernando

Guardas Municipais da cidade de São José de Ribamar realizaram esta semana um protesto pacífico cobrando do prefeito Luis Fernando Silva (PSDB) direitos trabalhistas adquiridos pela categoria e que foram retirados logo que o tucano assumiu a prefeitura, em janeiro.

Utilizando cartazes – com as frases: “Quero Minhas Horas Extras”; “Sr. Prefeito Luis Fernando. Exigimos Respeito e Direitos!”; “Quero Meu Décimo” -, os Guardas Municipais estiveram na sede da Secretaria Municipal de Planejamento e Administração, onde também cobraram explicações da secretária Joana Marques.

“O governo do prefeito Luis Fernando está exigindo tudo de nós, inclusive nos forçando a exercer a função de policial sem que haja treinamento. Nosso salário, hoje, é um dos piores do Brasil. Ganhamos migalhas e somos obrigados a trabalhar 24h por dia”, disse o GM Roberval.

“Caso essa situação não seja resolvida este mês, a categoria, acredito, irá entrar em greve”, completou.

Ao serem recebidos por representantes da Sempaf, ficou acertado que na segunda-feira a prefeitura apresentará à categoria um levantamento detalhado mostrando caso a caso.

Em menos de dois meses, esta é a segunda manifestação de servidores que o prefeito Luis Fernando se vê obrigado a enfrentar depois que o mesmo retirou benefícios diversos de praticamente todas as categorias.

Em fevereiro, funcionários concursados do setor da saúde realizaram uma manifestação em frente a Câmara Municipal de São José Ribamar, chegando a bloquear por determinado período a Avenida Gonçalves Dias, principal da sede da cidade.

Eles cobravam do prefeito tucano o retorno de conquistas histórias, como insalubridade, adicional de qualificação e auxílio alimentação – todas contidas no Plano de Cargos, Carreiras e Salários – que foram retiradas por Luis Fernando no início do ano.

O gestor chegou a ser reunir com a categoria e garantiu que iria rever caso a caso. Até o momento, a informação que se tem é de que os funcionários continuam na mesma situação.

Servidores do Judiciário vão parar

servidores 1O Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Maranhão (Sindjus) decidiu, em assembleia geral da categoria realizada ontem, por uma paralisação de advertência no dia 17 deste mês e greve, por tempo indeterminado, a partir do dia 29.

Tanto a paralisação de advertência, quanto a greve, dizem respeito a um índice de 6,3% de reajuste salarial exigido pelos servidores.

O comando do sindicato entende que não há mais o que negociar a respeito dos 21,7%, arrancados de seus salários após ação rescisória do Governo ter sido julgada procedente pelo Tribunal de Justiça (TJ), e que o próximo passo será tão somente recorrer da decisão.

Além de deliberar pela paralisação de advertência e greve, os servidores aprovaram uma moção de repúdio ao governador Flávio Dino (PCdoB) e decidiram rejeitar, nos 217 municípios do estado, todo e qualquer candidato a prefeito apoiado pelo comunista.

Uma movimentação nesse sentido já havia surgido de forma espontânea nas redes sociais, na semana passada, e agora foi confirmada em assembleia.

Centrais Sindicais ameaçam acampar em frente ao Palácio dos Leões

Decisão de servidores é um protesto contra Flávio Dino

Decisão de servidores é um protesto contra Flávio Dino

As Centrais Sindicais do Maranhão definiram na manhã de ontem, em reunião realizada na Assembleia Legislativa, que vão acampar em frente ao Palácio dos Leões na próxima semana, caso o governador Flávio Dino (PCdoB) não receba os trabalhadores para a negociação de uma pauta dos servidores públicos até quinta-feira.

Os sindicalistas tentam uma agenda com o governador desde o início do mês de fevereiro para tratar de questões de interesse de várias categorias do serviço público. Flávio Dino, no entanto, ainda não abriu espaço para os sindicalistas.

“O governador Flávio Dino durante a sua campanha pregava o diálogo e até mesmo depois de eleito, vem pregando o diálogo com as categorias. Então nós estamos surpresos com essa atitude do Agravo Regimental numa ação que já é ganha e é direito dos servidores”, disse o líder sindical Enoque Silva Fonseca, referindo-se ao recurso interposto no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão do ministro Celso de Mello, que determinou o arquivamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) nº 317, por meio do qual o Governo do Estado tenta anular as execuções judiciais considerando inconstitucional a lei 8.369, sancionada no governo José Reinaldo Tavares (PSB).

O presidente do SindJus, Anibal Lins, afirmou que diante da falta de diálogo do governador com o servidor público, não resta outra alternativa ás Centrais Sindicais e servidores públicos, o protesto contra o Executivo Estadual.

“Esperaremos até o dia 24 [terça-feira] de março , quando se completa um mês desde o protocolo do pedido de audiência feito pelas Centrais Sindicais. Se até então o governador Flávio Dino não receber as Centrais, então, a partir do dia 26 [quinta-feira] deste mês, ficaremos de vigília no Palácio dos Leões até sermos recebidos pelo chefe do Executivo Estadual”, disse.

População já se mobiliza contra o aumento da tarifa de ônibus

protesto-passagemLogo após ter sido anunciado o aumento da tarifa de ônibus em São Luís, foi iniciada mobilização nas redes sociais para a organização de um grande protesto na Ilha.

O protesto “Vem pra Rua” será realizado na próxima segunda-feira, logo após a efetivação do aumento da passagem, que ocorrerá no domingo.

Os manifestantes deverão se concentrar na Praça Deodoro, a partir das 16h30. Eles sairão em passeata pelas principais vias do Centro até chegarem ao Palácio La Ravardière, sede administrativa do Governo Municipal.

Moradores do Coroado protestam com faixa por causa de buraco em rua

Moradores da Rua do Arroz, no Coroado, protestam contra Edivaldo Júnior

Moradores da Rua do Arroz, no Coroado, protestam contra Edivaldo /Foto: Lailson Everton

Moradores da Rua do Arroz, no Coroado, encontraram uma maneira inusitada de protesto contra a administração municipal de São Luís por causa de um buraco que impede o tráfego de veículos na via.

Confeccionaram uma faixa com a seguinte frase: “Parabéns. Pelo primeiro ano de trabalho do prefeito Edivaldo Holanda Júnior e pelo aniversário de 4 meses do buraco na Rua do Arroz”.

O subtítulo da faixa ainda acrescenta: “Em toda São Luís, Ilha de buracos. (Patrimônio da Desumanidade)”.

Outro lado – Vale ressaltar, no entanto, que a Prefeitura de São Luís ampliou em 2014 as operações de pavimentação e recuperação de vias em vários bairros da capital. No domingo da semana passada, Edivaldo esteve no João Paulo, onde fiscalizou a primeira etapa do serviço. Ontem, a Prefeitura realizou a segunda etapa de obras naquele bairro. Na Rua General Arthur Carvalho, no Turu, obras de drenagem foram iniciadas também no fim de semana.

 

Greve de funcionários da Infraero atinge 63 aeroportos do país

Aeroporto internacional de São Luís também tem greve

Aeroporto de São Luís também tem greve

Funcionários da Infraero iniciaram hoje uma greve em 63 aeroportos do país, de acordo com o Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina), que representa a categoria.

De acordo com a Infraero, até as 8h30 a paralisação não causava atrasos fora do normal nos voos pelo país. O movimento também alcança o Aeroporto Internacional Marechal Hugo da Cunha Machado, de São Luís.

A paralisação, segundo o sindicato, é para protestar contra a proposta de acordo coletivo que a Infraero fez para a categoria. Os grevistas pedem, entre outras coisas, aumento salarial de 16% e  ganho real nos benefícios como auxílio-creche, alimentação e combustível.

Em seu site oficial, a Infraero emitiu nota sobre a greve. Segue abaixo…

 

 

SOBRE O ANÚNCIO DE GREVE DOS AEROPORTUÁRIOS

30.07.13


Em relação ao indicativo de paralisação dos aeroportuários, prevista para o dia 31/7, a Infraero respeita a manifestação dos seus empregados e entidades trabalhistas.

Para manter os serviços essenciais e a operacionalidade dos aeroportos, a fim de que não haja impacto, a Infraero tem um plano de contingenciamento para ser aplicado em caso de necessidade. Esse plano inclui o remanejamento de empregados, tanto do quadro administrativo como do de escala, de forma a reforçar as equipes nos horários de maior movimento de passageiros e aeronaves, envolvendo ainda os demais agentes que atuam nos aeroportos.

      A empresa esclarece ainda que os salários dos empregados estão em dia e que ainda negocia com o sindicato para se chegar a um acordo coletivo que atenda aos interesses do corpo funcional e da Infraero. Dessa forma, não procede a informação de que há salários atrasados e redução de benefícios e qualquer afirmação nesse sentido tem o objetivo de confundir a sociedade.

Mas com qual legitimidade?

oposiçãoJorge Aragão – É impressionante como alguns políticos ainda não entenderam o recado que está vindo das ruas ou se já entenderam, são mais cínicos do que se possa imaginar.

Quatro deputados estaduais que integram a bancada de Oposição da Assembleia Legislativa tiveram a audácia de convocar a imprensa para uma coletiva e apresentar o “Propostas ao Povo Maranhense”, a ser entregue ao Governo do Estado, por conta das mobilizações populares que acontecem no país e no Maranhão.

Os deputados Bira do Pindaré (PT), Rubens Júnior (PCdoB), Othelino Neto (MD) e Eliziane Gama (PPS) resolveram apresentar propostas como resposta aos anseios dos manifestantes que tomam as ruas de São Luís e diversos municípios do interior do Estado.

Mas quem os legitimou para isso? Será que os nobres deputados não entenderam que o recado das ruas não é exclusivamente para um grupo político? Será que eles imaginam que a Oposição está inerte a essas manifestações? Não sei se é ingenuidade ou cara de pau, mas que os deputados na ânsia de tirar dividendos políticos fizeram um papel ridículo, isso ninguém tem dúvida.

Bem fez o experiente deputado Marcelo Tavares, que apesar de ser oposicionista e um dos mais críticos ao governo Roseana Sarney, preferiu não fazer papel de tolo.

São por atitudes demagogas como essa que o povo está nas ruas, pois não aceita mais ser massa de manobra, mas eles fingem não entender.

Vídeo! Marginais utilizam pedras e foguetes contra policiais na Av. dos Portugueses


Vídeo publicado no youtube mostra um grupo de vândalos atirando foguetes e pedras contra policiais militares que tentavam desobstruir na manhã de ontem os dois sentidos da Avenida dos Portugueses (BR-135), onde ficam pelo menos duas unidades de saúde – a UPA Itaqui-Bacanga e a Unidade Mista do Itaqui-Bacanga. Lá também funciona a sede Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Há também na rodovia a Universidade Federal do Maranhão (UFMA). A manifestação transcorria normalmente, até que os marginais começassem a atacar a polícia.

Enquanto policiais utilizavam bombas de efeito moral para dispersar a multidão e permitir a passagem de veículos, principalmente as ambulâncias do SAMU que estavam bloqueadas, alguns “manifestantes” contra-atacavam com rojões, foguetes, bombas e pedras.

No início da semana um policial teve o dedo decepado após ser atingido por um objeto naquela mesma área. Ao todo, 12 viaturas da polícia foram danificadas. Houve também registros de excessos da polícia contra manifestantes do #VEMPRARUASLZ em frente a Assembleia Legislativa na terça-feira. A deputada estadual Eliziane Gama (MD), que recebeu voz de prisão ao tentar socorrer uma jovem desmaiada, pediu apuração da conduta da PM na Corregedoria e no Ministério Público.

Neste momento, manifestantes bloqueam a BR-135. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) está no local para tentar desobstruir a rodovia.