Mais de 4 mil crianças fora da sala de aula em São Luís, aponta sindicato

O Sindicato dos Profissionais do Ensino Público de São Luís (Sindeducação) realizou protesto hoje na capital para cobrar reajuste salarial e melhores condições de trabalho.

O protesto contou com professores de todos os polos de Educação de São Luís. Os docentes se concentraram na Praça Maria Aragão. Em seguida, saíram em passeata pela Avenida Beira-Mar.

O objetivo era chamar a atenção da sociedade para a o problema.

Durante o ato, a presidente do Sindeducação, Elisabeth Castelo Branco, revelou que por conta do elevado número de escolas com aulas paralisadas, por causa da precariedade dos prédios, pelo menos 4 mil estudantes do ensino básico estão sendo prejudicados, fora da sala de aula.

Ao todo, 13 escolas públicas estão paralisadas.

“A educação de São Luís pede socorro. Temos que reagir, professores, pais, alunos e sociedade em geral para enfrentarmos essa política de retirada dos direitos das nossas crianças e adolescentes, pois o lugar deles é na escola, em um ambiente digno e de qualidade”, disse Elisabeth, num material institucional publicado no site da entidade.

Saiba quais são as escolas com aulas paralisadas até o momento:

UEB Antônio Vieira
UI Arimatéia Cisne
UEB Professor Nascimento de Moraes
UEB Professor Mata Roma
UEB Alberico Silva – CIEP
Anexo II da UEB Profº Ronald Carvalho: Terceiro Milênio
UEB José Ribamar Bogéa – polo
UEB Thales Ribeiro Gonçalves
UEB Evandro Bessa (estiva)
Anexo da UEB Alberto Pinheiro: Nossa Senhora Aparecida
UEB Monsenhor Frederico Chaves (Infantil)
UEB Newton Neves
UEB Tancredo Neves

OUTRO LADO

Nota da Prefeitura de São Luís

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) informa que mantém o dialogo permanente com os professores da rede. Sobre as reivindicações, a Semed esclarece que as reformas nos prédios escolares estão sendo feitas de forma gradativa até atingir todas as unidades educacionais.

Em relação ao reajuste, a secretaria comunica que os professores municipais tem piso salarial acima do nacional, além de assegurar todos os direitos, tais como progressões, titulação, gratificações e aposentadorias.

A Semed reforça ainda que tem investido de forma constante na melhoria contínua do ensino, como formação dos professores, de modo a garantir o avanço integrado do ensino publico municipal.