Wellington lamenta elevado índice de registro de trabalho escravo no MA

wellingtonNa manhã desta quinta-feira (28), o vice-presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e das Minorias da Assembleia Legislativa, deputado Wellington do Curso (PPS), utilizou as redes sociais para destacar o dia nacional de combate ao trabalho escravo e, na oportunidade, lamentou o fato de o Maranhão ser o 2º em resgate de trabalhadores em situação análoga à escravidão.

Para Wellington, é imprescindível que o Estado atue, a fim de erradicar o trabalho escravo, tendo em vista a violação de direitos e a lesão à dignidade do cidadão.

“Hoje é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, data que nos remete à necessidade de articular ações em defesa dos direitos humanos de cada trabalhador. Infelizmente, o nosso estado ainda tem o combate ao trabalho escravo como um grande desafio. Além de combater o trabalho escravo, precisamos dar a oportunidade ao cidadão para que ele não retorne às condições precárias, evitando assim a perpetuação do trabalho escravo. É necessária uma atuação conjunta, partindo da geração de emprego e renda, tendo, simultaneamente, o combate à condição análoga à de escravo. Por isso, continuaremos apresentando, na Assembleia Legislativa, propostas de geração de emprego e renda e, assim, cobraremos, mais ainda, o combate ao trabalho escravo, objetivando defender a dignidade humana de cada cidadão maranhense”, afirmou o parlamentar.

Ascom

GTA vai ajudar no resgate de vítimas das enchentes no Rio

Novo helicóptero será utilizado pela equipe do GTA

Por Ronaldo Rocha – publicada em               O Estado

A pedido do Ministério da Justiça (MJ), por meio da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), uma equipe de resgate especial do Grupamento Tático Aéreo (GTA) do Maranhão, composta por dois pilotos e nove policiais e bombeiros militares, seguiu, neste domingo (16), para auxiliar nas buscas e resgates de vítimas de deslizamentos no Rio de Janeiro. A determinação foi da governadora Roseana Sarney, que recebeu uma solicitação oficial da chefe da Senasp, Regina Miki. A equipe de resgate embarcou às 7h30, no hangar do GTA situado no Comando Geral da Polícia Militar, no Calhau.

De acordo com o secretário de Estado da Segurança Pública, Aluísio Mendes, a equipe utilizará o helicóptero adquirido pela corporação, um modelo EC-145, que dispõe de alta tecnologia. A máquina chegou ao Maranhão como resultado de um convênio assinado pelo Ministério da Justiça, por meio do Programa Nacional de Segurança com Cidadania (Pronasci), e o governo do Maranhão.

Segundo o secretário, o envio de uma equipe do GTA ao Rio de Janeiro mostra a qualidade e a valorização do policial maranhense. “Temos hoje uma das melhores equipes de resgate do país e somos o único estado a possuir uma aeronave com suporte para realizar operações de grande poder”, disse.

Aluísio Mendes falou que a utilização do helicóptero será essencial para as buscas de vítimas da tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro. “O super-helicóptero dispõe de uma estrutura superior à comum, tem capacidade para conduzir um número maior de militares e vítimas e pode ser utilizado à noite. Ou seja, a presença do GTA do Estado fará a diferença nas operações do Rio”, completou.

A equipe de resgate ficará na Região Serrana do Rio por tempo indeterminado. “Enquanto o Ministério da Justiça acreditar ser necessária a presença dos militares maranhenses, assim deve se proceder. A equipe é uma das mais bem preparadas do Brasil para este tipo de situação e pode contribuir bastante. Vale ressaltar que estaremos de prontidão, a disposição do Rio de Janeiro e de outros estados, para prestar este tipo de assistência”, finalizou.

Helicóptero

A aeronave, adquirida pelo governo do Maranhão por R$ 14,9 milhões, é certificada para voo por instrumentos monopilotados. Sua configuração tem especialidades para operações de combate e auxílio aeromédico. Possui gancho de carga, corta-cabos, filtro antiareia, farol de busca, portas laterais corrediças, porta traseira com possibilidade de entrada e saída de macas, macas dobráveis, parte fixa de guincho de resgate, dispositivo externo para rapel e fast roping, equipamentos de comunicação e rádio-navegação, piloto automático e sistema de GPS digital.

Tem amplo espaço interno e excelente visibilidade. Capacidade para dois pilotos e mais 10 passageiros. Seu peso de decolagem é de 3.585 kg; carga externa de 1.500 kg; velocidade de deslocamento de 246 km/h; alcance de 680 km; motores biturbina; comprimento com rotores girando de 13,03m; comprimento da fuselagem de 10,20m; altura de 3,45m e diâmetro do rotor principal de 11m.

Para operá-lo, quatro pilotos do Maranhão – um policial militar, um bombeiro militar e dois policiais civis – receberam treinamentos específicos na Alemanha, país onde a fábrica responsável pela construção do modelo fica situada.

Imagens dos mineiros resgatados no Chile

Após mais de 25 horas de trabalho, o Chile concluiu com sucesso o resgate de todos os 33 mineiros e seis socorristas que estavam confinados a uma profundidade de quase 700 metros. A operação de resgate, sem precedentes na história da mineração, foi concluída sem incidentes 70 dias após o acidente de 5 de agosto numa mina de cobre em Copiapó, no norte do país. Todos agora voltam para casa, juntam-se as suas famílias para admirar e curtir como jamais haviam feito, o sol, a água, o calor natural e o frio, as belezas da natureza, o ar puro, as pessoas, o conforto de casa, enfim, a vida.

Família de Darío Segóvia

 

Jeff Heart abraça irmã ao ser resgatado

Mario Sepúlveda

Luis Urzúa Iribarren

Raúl Bustos, 30º a ser resgatado

A fé dos mineiros resgatados no Chile

Mario Sepúlveda celebra a subida à mina. (Foto: Reuters)

Espaço Fé

O resgate dos mineiros no Chile parou o país, que desde o dia 5 de agosto vive um drama. Parentes dos ‘guerreiros’, amigos, colegas de profissão e curiosos, todos acompanham a ação tida pelos Estados Unidos como ‘notável’, que ainda acontece neste exato momento (veja aqui). Até o momento, nove pessoas foram resgatadas. Faltam 24 homens.

Foram 69 dias de agonia, doação, fé, motivação e companheirismo. Todas tinham função debaixo da terra. Uns providenciavam a limpeza constante do local onde eles dormiam. Outros se livravam dos dejetos, enquanto muitos retiravam os restos da escavação do túnel feito sobre os mineiros, com a ajuda de pás e carros de mão.

Existiram momentos de reflexão da Palavra de Deus, jogos de cartas, discussões sobre futebol, família, sexo, futuro, emprego, pedidos de desculpas, sonhos, oportunidades perdidas na vida,… tudo.

Florencio Ávalos, o primeiro mineiro resgatado, chega à superfície; no centro, seu filho, Byron, de 7 anos, chora. (Foto: AP)

Somente um milagre seria capaz de tirá-los dali. A previsão inicial era de que eles ficariam sob o solo até o Natal. Prognósticos de outros especialistas apontavam para um resgate possível somente após essa data. Daí, prevalecia a previsão de muitos, à respeito de dores, enfraquecimento físico, desnutrição, fome, desespero, brigas e depressão. Nada disso ocorreu, e se ocorreu, não comprometeu a sobrevivência desses verdadeiros heróis.

Contudo, fico muito feliz e satisfeito em saber que Deus estava no comando, no controle, cuidando intimamente daqueles homens. Ou seria possível eles sobreviverem sem a graça e a misericórdia do Pai?

Somente o agir de Deus permitiu que até este momento (8h:28) tudo tenha saído nos conformes. Apaixonadas, as famílias agora reencontram os seus entes e partem para o compartilhar desses 69 dias que provavelmente serão transformados em documentários, livros, artigos, filmes (e esperem, vencedor de bilheteria), além de discussões em escolas e faculdades de todo o mundo. Que fique a lição de esperança, de patriotismo e o mais importante, da fé exercida por esses verdadeiros desbravadores.

Em breve novas informações sobre o resgate dos mineiros.

Resgate de mineiros deve começar quarta-feira

O resgate dos 33 mineiros presos deve começar à zero hora local (mesmo horário de Brasília) da próxima quarta-feira (13), disse o ministro da Mineração, Laurence Golborne.

Segundo o ministro, já foram iniciados os testes das cápsulas que serão utilizadas para resgatar individualmente os mineiros.

A cápsula já desceu 610 metros, 12 antes de chegar ao local ao qual os mineiros têm acesso, e os resultados foram muito positivos, disse ele em entrevista na mina.

“A cápsula se comporta muito bem dentro do duto, se adapta ao movimento com o revestimento e sem ele. Não existe movimento de bamboleio dentro da cápsula. Não caiu nem pó dentro do duto”, disse.

O teste ocorreu na madrugada desta segunda, logo depois de terminado o revestimento metálico do túnel.

O teste foi realizado na madrugada desta segunda, depois que registrado um defeito no sistema de revestimento com tubos metálicos, o que obrigou a reduzir o número de metros revestidos dos 96 iniciais a 56 metros.

“Devido a esta situação (o defeito), decidiu-se realizar um teste o mais real possível com a cápsula Fênix um, chegando até os 610 metros de profundidade”, explicou ainda.

Os mineiros ficarão presos na cápsula por cintos de segurança. A cabine pode chegar à superfície em 12 minutos, mas o tempo estimado para cada resgate é de uma hora.

A cápsula tem luz no teto e quatro tanques de oxigênio estão disponíveis no chão. Durante a subida, os mineiros irão se comunicar com as equipes de resgate com microfones instalados no capacete. Eles também precisarão usar óculos escuros, porque estão há muito tempo sem ver a luz do dia.

O sobe-e-desce da cabine de resgate pode ser perigoso. Se as paredes do buraco não estiverem firmes, terra e pedras podem cair em cima de quem está sendo resgatado. Por isso foi decidido pelo revestimento do túnel na parte de cima, onde está mais instável.

“Vamos colocar um mineiro sozinho em uma cápsula estreita e fazê-lo subir num elevador como se fosse da base ao topo do Pão de Açúcar”, disse neste domingo (10) o ministro da Saúde do Chile, Jaime Mañalich.

Mañalich disse que as maiores dificuldades da retirada são a profundidade e a inclinação (de dez graus) que há na subida – que tampouco tem uma superfície lisa. Tudo a uma velocidade de 1m/s.

Os riscos são de embolia pulmonar, nausea e vômitos. No contato com a superfície, o problema é a claridade.