Escutec: Roseana aparece com vantagem de 7 pontos sobre Flávio Dino

O instituto Escutc divulgou somente hoje uma pesquisa de intenções de votos contratada pelo PMDB, que aponta vantagem da ex-governadora Roseana Sarney sobre o governador Flávio Dino (PCdoB).

O levantamento coloca Roseana Sarney com 32,9% das intenções de votos, contra 25,9% de Flávio Dino. São exatos sete pontos de vantagem.

Na terceira colocação aparece o deputado estadual Eduardo Braide (PMN), com 11,4% e logo em seguida o senador Roberto Rocha (PSB), com 6,6%. Maura Jorge é a última colocada, com 2,5% da preferência do eleitorado.

Ao todo, 12,6% dos entrevistados afirmaram não votar em nenhum dos candidatos listados e 8,1% não souberam ou não responderam.

A pesquisa Escutec ouviu 2034 eleitores em 80 municípios do Maranhão.

São Luís no foco

A recente informação de que pesquisas de intenção de votos não divulgadas apontavam para uma vantagem dos pré-candidatos Roseana Sarney (PMDB) e Eduardo Braide (PMN) sobre Flávio Dino (PMDB), em São Luís, levantaram, mais uma vez, a importância do principal colégio eleitoral nas eleições maranhenses.

A própria Roseana conviveu com o debate sobre São Luís ao longo dos seus quatro mandatos. A Ilha, sempre vista como rebelde, deu expressivas vitórias à peemedebista.
Vitórias maiúsculas.

Roseana elegeu-se no primeiro turno em 2010, com vitória ainda mais significativa por ter garantido à candidata do PMDB, também, 43% dos votos de São Luís, quase a metade do eleitorado da capital maranhense.

Roseana consolidou-se como liderança também na capital maranhense ao garantir quase a metade dos votos ludovicenses, mesmo tendo como concorrentes um candidato que já havia comandado a cidade por três mandatos – Jackson Lago (PDT) – e outro que havia disputado um segundo turno há apenas dois anos – Flávio Dino (PCdoB).

A presença de Braide nas cabeças do eleitorado ludovicense também não é surpresa, já que o deputado acaba de sair de uma surpreendente disputa pela Prefeitura, na qual saiu de 2% para um segundo turno em que só perdeu porque as máquinas do governo e da prefeitura operaram dia e noite contra sua candidatura.

Flávio Dino, portanto, mesmo no comando dessas máquinas, terá que se virar em 2018 para garantir percentual do eleitorado de São Luís que lhe garanta vitória. Porque os números mostram o contrário.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Recados dados…

A festa de apoio à pré-candidatura do ministro Sarney Filho ao Senado trouxe pelo menos dois recados diretos à classe política, em particular, e ao eleitor, de modo geral. O primeiro deles diz que Sarney Filho é mesmo o principal nome do grupo para as eleições senatoriais; talvez o mais consolidado entre os nomes já lançados.

O outro recado é da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB). Sua presença na festa em homenagem ao irmão mostra que ela não pretende mesmo – como alguns especulam – concorrer a cargos que possam mantê-la em Brasília na maior parte do tempo.

Descartado o Senado, restam as vagas de deputada estadual e a de candidata a governadora. E a recepção dada pelo próprio Sarney Filho e pela classe política presente – centenas de prefeitos, ex-prefeitos, vices-prefeitos, deputados federais e estaduais, vereadores e lideranças partidárias e comunitárias – mostra que, independentemente de sua vontade, o caminho para uma candidatura ao governo está pavimentado em seu grupo.

Roseana e Sarney Filho viveram momentos de entusiasmo na última sexta-feira, mostrando afinação política e, sobretudo, objetivos definidos, ainda que nada oficialmente.

E a presença dos dois nas disputas majoritárias aponta para uma campanha de intensa movimentação até a contagem dos votos. E ainda faltam 14 meses.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Momentos de cada um…

Faltando menos de 14 meses para o início das convenções que vão definir os candidatos a governador no Maranhão, os principais nomes já postos à disputa como potenciais postulantes ao comando do estado vivem momentos quase parecidos, ainda que com diferenças de procedimento entre eles. O momento de cada um:

Flávio Dino (PCdoB): o atual governador teve duas importantes ações que fortaleceram seu projeto na semana passada. O PSDB e o PT manifestaram claro interesse de estar em seu palanque, por mais estranho que isso possa parecer, já que as legendas são antagônicas.

Roseana Sarney (PMDB): em São Luís, há duas semanas, a ex-governadora mantém a rotina de conversar nos bastidores com lideranças políticas e partidárias. Ontem, estreou programa do PMDB na TV, em que mostra suas obras e serviços do tempo em que governou o estado.

Roberto Rocha (PSB): o senador recuou nos últimos dias, curiosamente no mesmo momento em que o seu principal antagonista na legenda, José Reinaldo Tavares, anunciou deixar o partido; único candidato assumido ao governo, Rocha entrou em compasso de espera.

Maura Jorge (PTN): ativa no interior do estado, a ex-deputada e ex-prefeita recebeu a garantia do comando do partido de que pode ser mesmo candidata; e está na propaganda partidária, como protagonista, ao lado do deputado federal Aluisio Mendes.

Há outros nomes se insinuando para a disputa, como o deputado estadual Eduardo Braide (PMN) e o prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo (PCdoB). Mas os quatro primeiros se movimentam com mais ênfase.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Sobre pesquisas

Há dois principais grupos cotados para a disputa eleitoral majoritária de 2018: o do atual governador Flávio Dino (PCdoB) e a da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB). E ambos estão, a estas alturas da pré-campanha, em pleno monitoramento dos cenários, com levantamentos e pesquisas qualitativas que medem todos os aspectos da disputa.

E a reação de cada um dos postulantes é sintomática da situação em relação à opinião do eleitor maranhense.

Roseana, por exemplo, retornou entusiasmada de Brasília, há duas semanas; e passou a se reunir com lideranças partidárias da capital e do interior. Nos últimos dias, conversou com deputados, prefeitos e dirigentes partidários.

Em contrapartida, sintomaticamente, Flávio Dino passou a construir uma agenda política de forte apelo eleitoral. Esteve na região do Munim , em conversa com vereadores, fez questão de participar da convenção que reconduziu o vice-governador Carlos Brandão à presidência do PSDB e já tem agenda marcada com vereadores de todos os município, no final de maio.

São movimentos ainda incipientes no jogo eleitoral do ano que vem. Mas são os únicos grupos com estrutura para monitorar os movimentos do eleitor, construindo as agendas de acordo com a revelação que os números trazem.

E cada qual analisa a seu modo o gesto do adversário, a partir do que tem em mãos.

11

Engajamento

São cada vez mais claros os sinais de engajamento político – com forte vinculação ao comunismo – do promotor de Justiça da Ordem Tributária, Paulo Roberto Barbosa Ramos. Desde o início de sua atuação no caso Sefaz, com fortes suspeitas de montagem na Secretaria de Transparência do governo Flávio Dino (PCdoB), Barbosa Ramos deu sinais de que empreenderia uma cruzada política contra a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

Em março, ele conseguiu, na Justiça de 1º Grau, uma decisão de bloqueio dos bens da ex-governadora, decisão desfeita pelo desembargador Froz Sobrinho. A violência com que Barbosa Ramos partiu para cima do desembargador revelou ainda mais indícios de seu vínculo com o governo comunista.

“Muito estranho que um desembargador nomeado com a anuência da ré durante um dos seus governos tenha tomado esse tipo de medida. Por que decidiu dessa maneira tão rápida? É de se desconfiar de qualquer amparo jurídico para essa decisão”, disse o promotor, em um blog alinhado ao Palácio dos Leões.

Ontem, porém, o promotor engajado ouviu o que não queria. Durante a sessão do Tribunal de Justiça, o presidente da Corte, desembargador Cleones Cunha, saiu em desagravo de Froz Sobrinho, atitude que contou com apoio da Associação dos Magistrados e dos desembargadores presentes ao Pleno.

“O Tribunal não pode entender que um membro do Ministério Público se posicione daquela forma, colocando a honra e a integridade moral na imprensa, sem apresentar provas. E quando houver qualquer suspeita, a denúncia deve ser feita formalmente e não irresponsavelmente, da forma como foi feito”, disse Cunha.

É bom lembrar que, dias antes de assumir a promotoria de onde emitiu as ações contra Roseana, Barbosa Ramos esteve no Palácio dos Leões, em agradecimento ao apoio de Flávio Dino a um projeto de uma irmã sua. Depois disso, os sinais de seu engajamento comunista parecem cada vez mais efusivos.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Perfil de Marcio Jerry na Secap o coloca como ex-membro do governo Roseana

O perfil técnico do secretário de Estado de Comunicação e Assuntos Políticos, Marcio Jerry (PCdoB), publicado na página oficial do Governo do Estado, na subseção da Secap, o coloca como ex-membro do governo Roseana Sarney (PCdoB).

Na página, como mostra a imagem, Jerry é apresentado como jornalista e ex-professor da Universidade Estadual do Maranhão (UFMA).

Também destaca atuação profissional do comunista como assessor de ONGs e entidades sindicais e ex-membro do primeiro escalão de gestões municipais em Imperatriz e em São Luís.

No último parágrafo, contudo, o equívoco, com a informação de que ele atuou como secretário de Estado em 2014, último ano da gestão Roseana Sarney.

“Sua função pública mais recente foi o comando da Secretaria de Estado de Articulação Política do Governo do Maranhão (2014) […]”, destaca o texto.

Expressão de desejo?

Ele já fez o mais difícil…

Imagem da campanha de 2014 no município Senador Alexandre Costa 

Marco D’Eça – O suplente de senador Lobão Filho (PMDB) teve uma das missões mais difíceis da história política do Maranhão nas eleições de 2014.

Em condições absolutamente adversas ele encarou uma disputa com o então favoritíssimo candidato a governador Flávio Dino (PCdoB).

À época, Edinho estava em pleno hospital, convalescendo de cirurgia;

À época, Edinho não tinha sequer jingle, material ou estrutura de campanha para se candidatar.

Sem falar que, à época, o peemedebista jamais tinha disputado uma eleição diretamente.

Mesmo assim, ele aceitou o desafio do seu grupo, que jazia em rumo e desestimulado, diante da força política demonstrada pelo adversário.

E foi nestas condições – repita-se: absolutamente adversas – que Edinho Lobão foi para a disputa.

Praticamente sem chances, ele conseguiu, mesmo assim, entusiasmar os que se aproximaram dele; e levou a campanha no peito e na raça até às vésperas da eleição.

Saiu do pleito com votação de quase 35% e mais de 1 milhão de votos.

Lobão Filho já fez o mais difícil, portanto.

Por tudo isso, diante da claudicância da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) e da falta de outras lideranças com peso político no seu grupo, há se perguntar:

Por que não, de novo, em 2018?!?

Roseana comemora evolução do IDH no Maranhão

roseana-sarneyA ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) comemorou os dados da nova atualização do Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil.

O levantamento mostra que o Maranhão subiu duas posições no Ranking do IDHM em 2014, último da gestão peemedebista.

De acordo com a ex-governadora, a elevação do índice no Maranhão foi possível em razão dos esforços em melhorar a qualidade de vida da população maranhense.

“Esses dados só reforçam o compromisso que tivemos ao logo do meu mandato para melhorar a vida das pessoas. Os avanços registrados no IDH são, na grande maioria das vezes, mais lentos do que os resultados que conseguimos levar de imediato em diversos setores, como é exemplo da saúde, onde, em curtíssimo prazo, o meu governo fez o maior programa de melhoria no atendimento já realizado em todo o Maranhão”, destacou.

Ela afirmou também os números representam um reflexo das ações que foram desenvolvidas pelo governo.

“Fico muito feliz por hoje ver, nesses novos números, que valeu a pena todo o esforço que fizemos. Construímos, geramos emprego e renda, atraímos dezenas de empresas e capacitamos cerca de 500 mil pessoas no programa Maranhão Profissional. É incontestável! Demos oportunidade de verdade, e é disso que o Maranhão precisa”, frisou.