Roseana rechaça “clima ruim” com Lobão

A ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), rechaçou na tarde de ontem ao titular do blog, a informação publicada pelo colunista Murilo Ramos, da coluna Expresso – Revista Época -, sobre um suposto afastamento em relação ao senador Edison Lobão (PMDB).

Na nota, Murilo afirma que a relação de Roseana com Lobão estaria “péssima”. O colunista afirma que a peemedebista não estaria satisfeita com a candidatura de Lobão ao Senado.

“Não é verdade. A nossa relação nunca foi tão boa quanto agora. Não há clima ruim nenhum entre nós dois”, afirmou.

O factóide, plantado na coluna, por si só desmorona.

Murilo utilizou uma foto de Roseana Sarney nas dependências do Palácio dos Leões, da ocasião em que ela ainda era governadora, e na legenda descreveu que a peemedebista havia concedido entrevista coletiva “ontem”, ou seja, no domingo.

Ocorre que desde 2014, quando deixou o Governo, Roseana não está mais no Palácio dos Leões. Além disso, não dá qualquer entrevista coletiva há pelo menos 3 anos.

A informação do colunista, portanto, não procede…

Roseana em Brasília

Uma intensa especulação de bastidores ganhou corpo a partir da semana passada, dando conta de que a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) poderá assumir o Ministério das Cidades no governo Michel Temer (PMDB).

A “notícia”, surgida em Brasília e rapidamente espalhada pelo Maranhão, não foi confirmada por nenhum dos membros do grupo da ex-governadora, mas foi suficiente para embaralhar o debate sobre as eleições de 2018.

Desde então, são várias as especulações colaterais a respeito do tema, o que só evidenciou a importância da ex-governadora no cenário eleitoral.

Assumindo o ministério, Roseana estaria afirmando que não será candidata, dizem alguns. Mas ela pode, também, aproveitar o tempo na pasta para aumentar ainda mais o seu cacife eleitoral, pensam outros. E, assim, as mais diversas interpretações e contra interpretações surgiram no noticiário político desde a última quarta-feira, 2.

A história ganhou mais força por causa da vitória de Michel Temer na votação das denúncias apresentadas contra o presidente à Câmara Federal. Ao derrotar os interesses de quem o queria fora do posto, Temer mostrou que deve mesmo ficar até o fim do mandato, promovendo as reformas necessárias.

O fato é que os comunistas encastelados no Palácio dos Leões, apesar de desdenharem das pesquisas que apontam favoritismo de Roseana, reconhecem que o vínculo com o Governo Federal é um trunfo a mais da ex-governadora na disputa de 2018.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Justiça absolve Roseana no Caso Constran

O juiz Clésio Coelho Cunha absolveu a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) de denúncia formulada pelo promotor de Justiça Lindonjonson de Sousa, titular da 28ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, que dizia respeito ao caso Constran.

A peça acusava Roseana e uma ex-procuradora-geral de Justiça de terem sido beneficiadas de recebimento de propina do doleito Alberto Youssef.

Ao todo, eram 11 os denunciados pelo MP.

O magistrado, contudo, julgou inepta a denúncia em relação a Roseana e destacou que em nenhum momento o MP apontou fatos novos, nem condutas que indicassem lavagem de dinheiro ou corrupção passiva.

“Verifico que a peça acusatória de adição é inepta por ser genérica e não individualizar quais as condutas praticadas pelas denunciadas que se amoldariam aos tipos penais descritos no aditamento da denúncia. A narrativa é vazia. Indícios não são meras conjecturas. Há de se descrever minuciosamente as condutas criminosas apontadas pelo Ministério Público. No que concerne ao crime de lavagem de dinheiro, não se aponta qual teria sido o ato concreto apto a caracterizar tal crime. Não se demonstrou um ato sequer que pudesse ser atribuído às denunciados com o intuito deliberado de dissimular a origem de recursos”, destacou.

Segundo ele, Roseana não poderia ser condenada por praticar atos precedidos de pareceres da PGE e, ainda, homologados pela Justiça.

“O simples fato de à época ser Chefe do Poder Executivo Estadual, não a torna responsável universal por todos os atos praticados pela Administração Pública, mormente quando o ato é antecedido por pareceres da Procuradoria Geral de Justiça e homologado pelo próprio Poder Judiciário, através de acordo judicial”, completou.

Com informações de Gilberto Léda

Escutec: Roseana aparece com vantagem de 7 pontos sobre Flávio Dino

O instituto Escutc divulgou somente hoje uma pesquisa de intenções de votos contratada pelo PMDB, que aponta vantagem da ex-governadora Roseana Sarney sobre o governador Flávio Dino (PCdoB).

O levantamento coloca Roseana Sarney com 32,9% das intenções de votos, contra 25,9% de Flávio Dino. São exatos sete pontos de vantagem.

Na terceira colocação aparece o deputado estadual Eduardo Braide (PMN), com 11,4% e logo em seguida o senador Roberto Rocha (PSB), com 6,6%. Maura Jorge é a última colocada, com 2,5% da preferência do eleitorado.

Ao todo, 12,6% dos entrevistados afirmaram não votar em nenhum dos candidatos listados e 8,1% não souberam ou não responderam.

A pesquisa Escutec ouviu 2034 eleitores em 80 municípios do Maranhão.

São Luís no foco

A recente informação de que pesquisas de intenção de votos não divulgadas apontavam para uma vantagem dos pré-candidatos Roseana Sarney (PMDB) e Eduardo Braide (PMN) sobre Flávio Dino (PMDB), em São Luís, levantaram, mais uma vez, a importância do principal colégio eleitoral nas eleições maranhenses.

A própria Roseana conviveu com o debate sobre São Luís ao longo dos seus quatro mandatos. A Ilha, sempre vista como rebelde, deu expressivas vitórias à peemedebista.
Vitórias maiúsculas.

Roseana elegeu-se no primeiro turno em 2010, com vitória ainda mais significativa por ter garantido à candidata do PMDB, também, 43% dos votos de São Luís, quase a metade do eleitorado da capital maranhense.

Roseana consolidou-se como liderança também na capital maranhense ao garantir quase a metade dos votos ludovicenses, mesmo tendo como concorrentes um candidato que já havia comandado a cidade por três mandatos – Jackson Lago (PDT) – e outro que havia disputado um segundo turno há apenas dois anos – Flávio Dino (PCdoB).

A presença de Braide nas cabeças do eleitorado ludovicense também não é surpresa, já que o deputado acaba de sair de uma surpreendente disputa pela Prefeitura, na qual saiu de 2% para um segundo turno em que só perdeu porque as máquinas do governo e da prefeitura operaram dia e noite contra sua candidatura.

Flávio Dino, portanto, mesmo no comando dessas máquinas, terá que se virar em 2018 para garantir percentual do eleitorado de São Luís que lhe garanta vitória. Porque os números mostram o contrário.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Recados dados…

A festa de apoio à pré-candidatura do ministro Sarney Filho ao Senado trouxe pelo menos dois recados diretos à classe política, em particular, e ao eleitor, de modo geral. O primeiro deles diz que Sarney Filho é mesmo o principal nome do grupo para as eleições senatoriais; talvez o mais consolidado entre os nomes já lançados.

O outro recado é da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB). Sua presença na festa em homenagem ao irmão mostra que ela não pretende mesmo – como alguns especulam – concorrer a cargos que possam mantê-la em Brasília na maior parte do tempo.

Descartado o Senado, restam as vagas de deputada estadual e a de candidata a governadora. E a recepção dada pelo próprio Sarney Filho e pela classe política presente – centenas de prefeitos, ex-prefeitos, vices-prefeitos, deputados federais e estaduais, vereadores e lideranças partidárias e comunitárias – mostra que, independentemente de sua vontade, o caminho para uma candidatura ao governo está pavimentado em seu grupo.

Roseana e Sarney Filho viveram momentos de entusiasmo na última sexta-feira, mostrando afinação política e, sobretudo, objetivos definidos, ainda que nada oficialmente.

E a presença dos dois nas disputas majoritárias aponta para uma campanha de intensa movimentação até a contagem dos votos. E ainda faltam 14 meses.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Momentos de cada um…

Faltando menos de 14 meses para o início das convenções que vão definir os candidatos a governador no Maranhão, os principais nomes já postos à disputa como potenciais postulantes ao comando do estado vivem momentos quase parecidos, ainda que com diferenças de procedimento entre eles. O momento de cada um:

Flávio Dino (PCdoB): o atual governador teve duas importantes ações que fortaleceram seu projeto na semana passada. O PSDB e o PT manifestaram claro interesse de estar em seu palanque, por mais estranho que isso possa parecer, já que as legendas são antagônicas.

Roseana Sarney (PMDB): em São Luís, há duas semanas, a ex-governadora mantém a rotina de conversar nos bastidores com lideranças políticas e partidárias. Ontem, estreou programa do PMDB na TV, em que mostra suas obras e serviços do tempo em que governou o estado.

Roberto Rocha (PSB): o senador recuou nos últimos dias, curiosamente no mesmo momento em que o seu principal antagonista na legenda, José Reinaldo Tavares, anunciou deixar o partido; único candidato assumido ao governo, Rocha entrou em compasso de espera.

Maura Jorge (PTN): ativa no interior do estado, a ex-deputada e ex-prefeita recebeu a garantia do comando do partido de que pode ser mesmo candidata; e está na propaganda partidária, como protagonista, ao lado do deputado federal Aluisio Mendes.

Há outros nomes se insinuando para a disputa, como o deputado estadual Eduardo Braide (PMN) e o prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo (PCdoB). Mas os quatro primeiros se movimentam com mais ênfase.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Sobre pesquisas

Há dois principais grupos cotados para a disputa eleitoral majoritária de 2018: o do atual governador Flávio Dino (PCdoB) e a da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB). E ambos estão, a estas alturas da pré-campanha, em pleno monitoramento dos cenários, com levantamentos e pesquisas qualitativas que medem todos os aspectos da disputa.

E a reação de cada um dos postulantes é sintomática da situação em relação à opinião do eleitor maranhense.

Roseana, por exemplo, retornou entusiasmada de Brasília, há duas semanas; e passou a se reunir com lideranças partidárias da capital e do interior. Nos últimos dias, conversou com deputados, prefeitos e dirigentes partidários.

Em contrapartida, sintomaticamente, Flávio Dino passou a construir uma agenda política de forte apelo eleitoral. Esteve na região do Munim , em conversa com vereadores, fez questão de participar da convenção que reconduziu o vice-governador Carlos Brandão à presidência do PSDB e já tem agenda marcada com vereadores de todos os município, no final de maio.

São movimentos ainda incipientes no jogo eleitoral do ano que vem. Mas são os únicos grupos com estrutura para monitorar os movimentos do eleitor, construindo as agendas de acordo com a revelação que os números trazem.

E cada qual analisa a seu modo o gesto do adversário, a partir do que tem em mãos.

11

Engajamento

São cada vez mais claros os sinais de engajamento político – com forte vinculação ao comunismo – do promotor de Justiça da Ordem Tributária, Paulo Roberto Barbosa Ramos. Desde o início de sua atuação no caso Sefaz, com fortes suspeitas de montagem na Secretaria de Transparência do governo Flávio Dino (PCdoB), Barbosa Ramos deu sinais de que empreenderia uma cruzada política contra a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

Em março, ele conseguiu, na Justiça de 1º Grau, uma decisão de bloqueio dos bens da ex-governadora, decisão desfeita pelo desembargador Froz Sobrinho. A violência com que Barbosa Ramos partiu para cima do desembargador revelou ainda mais indícios de seu vínculo com o governo comunista.

“Muito estranho que um desembargador nomeado com a anuência da ré durante um dos seus governos tenha tomado esse tipo de medida. Por que decidiu dessa maneira tão rápida? É de se desconfiar de qualquer amparo jurídico para essa decisão”, disse o promotor, em um blog alinhado ao Palácio dos Leões.

Ontem, porém, o promotor engajado ouviu o que não queria. Durante a sessão do Tribunal de Justiça, o presidente da Corte, desembargador Cleones Cunha, saiu em desagravo de Froz Sobrinho, atitude que contou com apoio da Associação dos Magistrados e dos desembargadores presentes ao Pleno.

“O Tribunal não pode entender que um membro do Ministério Público se posicione daquela forma, colocando a honra e a integridade moral na imprensa, sem apresentar provas. E quando houver qualquer suspeita, a denúncia deve ser feita formalmente e não irresponsavelmente, da forma como foi feito”, disse Cunha.

É bom lembrar que, dias antes de assumir a promotoria de onde emitiu as ações contra Roseana, Barbosa Ramos esteve no Palácio dos Leões, em agradecimento ao apoio de Flávio Dino a um projeto de uma irmã sua. Depois disso, os sinais de seu engajamento comunista parecem cada vez mais efusivos.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão