Pré-candidatos ainda sem definição de chapa para as eleições 2018

O Estado – Faltando pouco mais de quatro meses para as eleições deste ano, os principais pré-candidatos ao Governo do Maranhão ainda estão com as chapas majoritárias ainda indefinidas. O período para o registro se estenderá até dia 15 de agosto. Data limite para que os partidos definam as composições eleitoras deste ano.

Todos os pré-candidatos ao governo do Maranhão ainda não definiram suas posições nas chapas majoritárias. Faltando cerca de quatro meses para o pleito de outubro, os pré-candidatos Roseana Sarney (MDB), Flávio Dino (PCdoB), Ricardo Murad (PRP), Eduardo Braide (PMN), Roberto Rocha (PSDB) e Maura Jorge (PSL) ainda não definiram os nomes que comporão suas chapas majoritárias.

Roseana Sarney precisa confirmar somente o nome que será seu companheiro de chapa na vaga de vice-governador já que as conversas que estão sendo costuradas desde o ano passado apontam para as candidaturas de Sarney Filho (PV) e Edison Lobão (MDB) para o Senado. Para vice, o grupode Roseana aponta para o senador João Alberto de Sousa, mas definição ainda não foi anunciada.

Por enquanto, Roseana Sarney tem quatro partidos que apoiam sua candidatura. Além do MDB, há o PSD, PV, PSC e PMB. O PRTB recentementefoi posto como aliado do PSL da pré-candidata Maura Jorge.

Anúncio – A situação aparentemente confortável do grupo de Roseana Sarney não é a mesma do governador Flávio Dino, candidato à reeleição. O comunista já anunciou Weverton Rocha (PDT) como seu primeiro candidato ao Senado. Mas a outra vaga, Dino tem colocado como opção a ser debatida pelos partidos aliados o nome de Eliziane Gama (PPS).

Para a vaga de vice, Flávio Dino tem defendido nos atos políticos de pré-campanha – com direito a pedido expresso de votos – o nome do atual vice-governador Carlos Brandão (PRB), que por ter assumido o comando do estado após 7 de abril é visto como inelegível por especialistas em direito eleitoral.

Mas estas duas vagas ainda estão sendo debatidas pelo DEM e pelo PT, O primeiro, desde que anunciou apoio a Dino vem condicionando o apoio a vaga na chapa majoritária. O partido já recebeu espaços na gestão estadual, mas ainda discute a possibilidade de entrar na chapa majoritária.

Já o PT, divulgou na semana passada nota oficial com a assinatura de membros da direção nacional apontado que o partido até vai com Dino, mas somente se tiver espaço na chapa majoritária. Sendo assim, o PT poderia indicar ou o candidato a vice-governador ou a senador.

O segundo caso, o PT tem como pré-candidatos o ex-secretário de Esportes, preterido por Dino, Márcio Jardim, e também o ex-presidente da seccional maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil (OBA), Márcio Macieira.

Sem definições – Por enquanto, o PT – maioria subjugada por Dino – aguarda as reuniões oficiais da legenda para definição de rumos de 2018. Já Eduardo Braide ainda não tem qualquer definição mesmo sobre sua pré-candidatura. O deputado estadual, que já teve apoio oficial declarado pelo ex-governador Zé Reinaldo Tavares (PSDB), ainda não anunciou aliados ou companheiros de chapas se sua candidatura for confirmada durante o período de convenção partidária.

Roberto Rocha durante os encontros internos do PSDB anunciou Alexandre Almeida e José Reinaldo Tavares como pré-candidatos ao Senado. Nome de vice, não chegou a ser cogitado.

No caso da vaga a senador, nos bastidores, ainda é debatido se Almeida realmente sairá a senador. Sobre a vaga de candidato a vice, o PSDB ainda não se definiu.
Maura Jorge do PSL recebe apoio do PSDC e PRTB para 2018 Maura Jorge, após trocar o Podemos pelo PSL devido ao apoio do pré-candidato a Presidência da República, deputado Jair Bolsonaro, conseguiu dois apoios partidários neste último fim de semana.

Em encontro partidários, os presidente do PRTB (Márcio Coutinho) e do PSDC (Pastor Bel) confirmaram que caminharão ao lado de Maura Jorge nas eleições deste ano.

Ainda no início deste ano, o PRTB vinha dialogando com o PRP, de Ricardo Murad, para composição para as eleições de 2018. O PSDC estava em conversa constante com o MDB.

Depois de conversas nacionais e também no Maranhão, os partidos fecharam apoio a Maura Jorge, que já tinha apoio do Podemos, partido que tinha a ex-prefeita de Lago da Pedra nos quadros até a definição de Jair Bolsonaro pelo PSL.

Com o anúncio da união dos partidos, Maura Jorge passa a ter um nome para o Senado. O pastor Bel, que desconsiderou documento da Assembleia de Deus sobre o pleito de 2018, reafirmou sua candidatura ao Senado.

Já o PRTB ainda não anunciou um nome para compor a chapa de Maura Jorge neste pleito

Caravana desestabilizou

A passagem da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) por vários municípios do estado em seu primeiro ato oficial de pré-campanha, mexeu com os brios dos comunistas.

A empolgação da militância e o empenho com que alguns dos principais líderes oposicionistas se dispuseram a “mostrar a cara” para defender uma pré-candidatura contra a força do Palácio dos Leões desestabilizaram os governistas.

O resultado foi um festival de ataques sofridos por Roseana e pelos seus companheiros de jornada – notadamente os pré-candidatos ao Senado, Edison Lobão (MDB) e Sarney Filho (PV) – nos últimos dias.

Por meio das redes sociais, um exército de fakes e de servidores do governo passou o fim de semana tentando diminuir a importância das agendas e, pior, criando mentiras sobre os eventos. Até um falso banner anunciando a presença do presidente Michel Temer foi criado e espalhado na Internet. Coisa de criminosos.

E uma demonstração clara de que não se sustentam as pesquisas fabricadas nos porões do Palácio dos Leões – apontando larga vantagem do governador Flávio Dino (PCdoB).

Da coluna Estado Maior de O Estado Maior 

João Alberto abre mão de candidatura por unidade de grupo

O senador João Alberto (PMDB) sinalizou com um gesto que deve mudar os ânimos no grupo político a que pertence, para a disputa do Governo do Maranhão nas eleições 2018.

Candidato natural à reeleição, ele assegurou que está disposto a abrir mão de sua candidatura em prol da unidade do grupo.

Caso o ato se consolide, ele abriria espaço para que o PMDB apoie as candidaturas do ministro Sarney Filho, do PV, e de Edison Lobão (PMDB), que tentará alcançar a reeleição.

“Nós dissemos que Sarney Filho é um excelente candidato. Lobão pai já informou que disputará a reeleição e eu disse que espero a reforma eleitoral, mas que não sou um problema. O que nós queremos é eleger o próximo governador para tirar o Maranhão desse marasmo. Não crio embaraço”, disse.

Sarney Filho, que recebeu o apoio do PMDB à sua candidatura, estava presente no ato.

Presidente do TJ nega recurso que tentava bloqueio de bens de Roseana

O presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Cleones Cunha, rejeitou recurso da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) para bloqueio dos bens da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) no “Caso Sefaz”.

No mês de maio a Justiça já havia confirmado o desbloqueio dos bens da peemedebista. Foi justamente dessa decisão que a PGR recorreu, mas não obteve êxito.

“[…] o recurso não encontra amparo, pois não há como ser atendida a pretensão do recorrente sem que haja rediscussão de fatos e reexame de provas, incidindo, nesse particular, o óbice da Súmula 71 do STJ”, argumentou Cleones na decisão.

De acordo com o magistrado, o Ministério Público não conseguiu comprovar qualquer conexão entre a aquisição dos bens a serem bloqueados e a alegada “ação ilícita praticada”.

“Não se justifica a constrição, nos moldes indiscriminados requeridos e efetivados pelo Juízo de primeiro grau, se não demonstrado pelo Ministério Público um nexo fático mínimo entre o proveito da ação ilícita praticada e a aquisição dos bens, nos termos do que dispõe o art. 126 do CPP”.

O momento de cada um…

As semanas de crises políticas, tanto em Brasília quanto no Maranhão, arrefeceram os ânimos da pré-disputa eleitoral no estado, levando o governador Flávio Dino (PCdoB) e seus principais adversários a reduzir o ritmo de ações neste sentido.

O momento de cada um:

Flávio Dino (PCdoB): Às voltas com denúncias envolvendo sua gestão e pagando por erros crassos em sua propaganda midiática, o governador tem reduzido o debate público e aparecido cada vez menos nas redes sociais, onde é ativo. A ameaça de uma CPI para investigar o sistema de Saúde também incomoda o governo.

Roberto Rocha (PSB): O senador tem reduzido cada vez mais sua agenda de campanha, mantendo apenas a relação básica com prefeitos e deputados federais e estaduais. A nova postura tem um motivo: Rocha espera um posicionamento do governador Flávio Dino sobre a campanha, que pode, inclusive, reunir os dois no mesmo palanque. Mas ele nega publicamente.

Roseana Sarney (PMDB): a ex-governadora mantém a mesma postura. Trabalha normalmente entre os aliados partidários e políticos, mas não declara se entrará ou não na disputa. Sua última aparição pública se deu em maio, durante o lançamento da candidatura do irmão, ministro Sarney Filho (PV), ao Senado. Ali ficou-se sabendo que a ela só interessa a disputa ao governo. Ou nada.

Maura Jorge (Podemos): Dos quatro principais nomes já postos para a disputa, a ex-deputada Maura Jorge é a que mantém agenda mais intensa de pré-candidato. Ela viaja pelo menos uma vez por semana a uma das regiões do estado, onde se encontra com prefeitos, ex-prefeitos e lideranças. E tem se consolidado no eleitorado evangélico em todas as regiões.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Após encontro de Roseana com prefeitos, Flávio Dino “corre atrás” de eleitos

jerry-incomodado jerry-incomodado-2Foi tão somente a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) se reunir com prefeitos eleitos e reeleitos do PMDB [releia aqui], para a cúpula comunista “acusar o golpe”.

O secretário de Estado da Comunicação e Assuntos Políticos, Marcio Jerry, presidente estadual do PCdoB e homem de confiança do governador Flávio Dino (PCdoB), anunciou há pouco, em seu perfil em rede social, encontro de Dino com prefeitos eleitos.

A reunião, segundo Jerry, ocorrerá no dia 1º de dezembro, na capital. Antes disso, no dia 30 deste mês, haverá encontro de Flávio Dino com prefeitos eleitos das 30 cidades com menor IDH do estado.

A movimentação, às pressas, contudo, só deixou evidente o temor que Flávio Dino tem em ter de enfrentar Roseana numa eleição em 2018. E esse temor parece crescer a cada dia…

Edilázio: “Obras do estado foram todas deixadas por Roseana”

Deputado Edilázio Júnior

Deputado Edilázio Júnior

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) rebateu o primeiro vice-presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), que tentou diminuir as ações da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) na sessão de ontem, e elencou nominalmente as principais ações da administração Flávio Dino (PCdoB), todas deixadas pela gestão anterior. De acordo com o oposicionista, não fossem as obras e os convênios firmados por meio de recursos do BNDES deixados por Roseana, Dino não teria nenhuma ação efetiva e concreta para apresentar no seu primeiro ano de mandato.

Othelino foi quem primeiro utilizou a tribuna da Casa, no pequeno expediente, para tratar do anúncio de realização do concurso público para a Educação. Durante o seu discurso o comunista criticou a gestão passada.

O concurso, no entanto, já estava previsto no Orçamento do Estado para o exercício financeiro 2015 desde, o ano passado, quando a ex-governadora encaminhou para a Assembleia Legislativa, projeto de lei que criava 3 mil cargos para professor efetivo da rede estadual.

Edilázio repreendeu Othelino, criticou a postura do governador Flávio Dino e tratou da natureza das obras e ações do atual governo.

“Quando ele fala que teve de terminar o Hospital Macrorregional de Pinheiro, deve-se lembrar de que o hospital já estava praticamente pronto, com 98% das obras concluídas. Ele terminou apenas a cozinha do hospital. Quando fala do empréstimo do BNDES, que inclusive vossa excelência votou contra [Othelino Neto] na legislatura passada, precisa lembrar que é com esse dinheiro que ele estão sendo feitas as obras. Afinal, aponte uma obra apenas que não esteja sendo realizada com recursos do BNDES”, enfatizou.

Edilázio afirmou que se a ex-governadora não tivesse deixado o Estado com as contas equilibradas e dinheiro em caixa, Flávio Dino não teria uma obra sequer para apresentar à população. Ele enfatizou que todas as ações realizadas até então, são apenas uma continuidade dos projetos deixados pela peemedebista.

Flávio Dino é governador

Flávio Dino é governador

“Feche os olhos e imagine o hospital de Caxias; o hospital de Santa Inês; o hospital de Pinheiro; o programa Mais Asfalto. Imagine se não existisse o empréstimo do BNDE, o que é que o governo teria para falar e mostrar, deputado Othelino? Absolutamente nada. Justamente porque tudo aquilo que está fazendo, foi deixado ou viabilizado por sua antecessora”, afirmou.

Convênios – Edilázio também questionou o fato de Flávio Dino não ter pago a totalidade dos convênios aos prefeitos, uma vez que os recursos já estão assegurados desde 2014 em caixa.

“Fiquei muito feliz quando o deputado Othelino começou a sua fala, e disse que a obra não era da governadora, é obra do governo. Disse que o governo assume, e assume as responsabilidades deixadas, como os contratos. Faço então uma pergunta: Porque Flávio Dino não paga os convênios dos prefeitos? Flávio Dino foi pressionado lá na marcha e saiu como cara de… não preciso nem falar. Porque ele não paga?”, finalizou.

Grupo dinista em larga vantagem no Maranhão; oposição órfã

Flávio Dino se elegeu governador com o apoio de Zé Reinaldo

Flávio Dino se elegeu governador com o apoio de Zé Reinaldo

Deputados estaduais e federais e líderes partidários que pertencem ao grupo ainda hoje liderado pela governadora Roseana Sarney (PMDB), já se sentem órfãos de liderança no Maranhão.

Após a derrota eleitoral do senador Lobão Filho (PMDB) para o comunista Flávio Dino (PCdoB), um vazio político se estendeu ao grupo, que se continuar no mesmo ritmo, deixa de ter uma referência a partir de janeiro de 2015.

Isso porque a governadora Roseana Sarney já decidiu, não mais exercerá mandato. Ela assegura que ainda permanecerá na política, no entanto, sem candidatar-se mais. Lobão Filho, por sua vez, [que chegou onde chegou praticamente sozinho] rejeita o título de novo líder do grupo. Ele está focado no seu trabalho no Senado, e talvez com um pé atrás em relação à própria governadora, prefere não assumir a condição de novo líder do grupo e opositor a Flávio.

Eliziane saiu fortalecida das eleições 2014

Eliziane saiu fortalecida das eleições 2014

Até hoje, nenhum deputado estadual ou federal eleito, foi procurado por Roseana Sarney, ou por Lobão Filho. Não há diálogo, não há diretrizes, não há estratégia definida.

No atual cenário político, portanto, quem sai mais fortalecido é o comunista Flávio Dino e todo o seu grupo.

Sem um opositor pelo menos momentaneamente, Dino caminha para o início de um governo tranquilo. Se tiver competência, vai longe. Se não, ele mesmo cria as condições para que um nome de oposição [que até então não existe] ganhe força.

 Prefeitura – E não é somente para o Governo do Estado que há vantagem do grupo dinista. Despontam como virtuais candidatos para a Prefeitura de São Luís, em 2016, a deputada estadual Eliziane Gama (PPS), o deputado estadual Neto Evangelista (PSDB) – orientado pelo tucanato a não entrar na disputa -, e o próprio Edivaldo Holanda Júnior (PTC), que buscará a reeleição. Todos em vantagem, todos aliados de Flávio. Não há, no entanto, nomes do grupo adversário. O alerta está ligado…

Governo nomeia 1.800 policiais militares

Tropa da PM será reforçada em todo o estado do Maranhão com a nomeação dos novos policiais

Tropa da PM será reforçada em todo o estado do Maranhão com a nomeação dos novos policiais

A governadora Roseana Sarney homologou o resultado do concurso para a área da Segurança Pública e nomeou 1.800 policiais militares aprovados no certame, cujas etapas estão sendo realizadas desde 2012 pelo Governo do Estado. O ato, realizado nesta quarta-feira (26), no Palácio dos Leões, contou com presença do secretário de Estado de Segurança Pública, Aluísio Mendes, do Comandante da PMMA, Zanoni Porto, e de coronéis. Na ocasião, a governadora garantiu benefícios para a categoria.

“Estou feliz em fazer a homologação deste concurso, pois teremos um grande reforço na área de segurança pública”, declarou a governadora Roseana, confirmando que a nomeação tem data retroativa a 18 de fevereiro deste ano.

Roseana Sarney esclareceu, ainda, que a homologação do concurso ocorreu agora porque o Governo do Estado aguardava o envio da lista final de aprovados pela Fundação Getúlio Vargas, coordenadora do certame. A relação traz o total de aprovados em todas as etapas, incluindo provas teóricas, práticas e curso de formação.

“Estamos investindo na base da polícia militar, para garantir uma segurança melhor para a população”, ressaltou a governadora. Participaram da reunião, o deputado estadual Roberto Costa; os secretários João Abreu (Casa Civil) e José Ribamar Vieira (Casa Militar); o subsecretário de Gestão e Previdência, Marcos Fernando Jacinto; e o comandante do Corpo de Bombeiros Militares, coronel Vanderley Pereira.

Segundo o secretário de Segurança Pública, Aluísio Mendes, a homologação e nomeação dos novos militares representa um grande reforço ao sistema de segurança em todo o estado. “Esse é o maior concurso já realizado no Maranhão na área de segurança pública. Não se faz segurança de boa qualidade sem o material humano”, ressaltou.

De acordo com o comandante da Polícia Militar, coronel Zanoni Porto, os investimentos realizados pelo Governo do Estado representam o reconhecimento ao trabalho da categoria. “Os novos militares vão reforçar nossas ações na capital e no interior. Os benefícios servem de estímulo para que a polícia possa continuar desenvolvendo um trabalho de qualidade na defesa da nossa sociedade”, revelou.

Segundo o coronel, os 1.800 militares já foram distribuídos em todas as unidades da Polícia Militar. Somente em São Luís, o reforço será de 730 novos policiais. Os demais seguem para as unidades do interior.

Benefícios

No ato, a governadora anunciou um pacote de benefícios para atender à categoria. Uma delas é a aprovação da lei segundo a qual o policial leva para a reserva a mesma remuneração da última patente, ainda que não fique por cinco anos em exercício no último posto.

Outro benefício é a antecipação, de 2015 para novembro de 2014, da tabela de subsídios, constante do Plano de Cargos e Carreiras. Além disso, há o reajuste, em percentuais diversos, de gratificações por exercício de função, cujos novos valores deverão ser pagos a partir de abril.

 As informações são da Secom

Luis Fernando incomoda

Luis Fernando é recebido por multidão em Lago da Pedra

Luis Fernando foi recebido por multidão em Lago da Pedra no fim de janeiro

Deve ganhar o mesmo destino de um pedido de impeachment protocolado mês passado contra a governadora Roseana Sarney (PMDB) uma representação que a oposição anunciou que protocolará contra o pré-candidato do PMDB ao Governo do Estado, Luis Fernando Silva, por suposto abuso de poder político e econômico.

A ação é encabeçada por deputados oposicionistas ligados ao comunista Flávio Dino, e mostra, mais do que alguma suposta irregularidade cometida pelo peemedebista, o incômodo dos adversários com o desempenho político-administrativo dele.

Na condição de secretário de Estado de Infraestrutura, Luis Fernando Silva tem percorrido o estado inteiro com um único objetivo: concluir até o fim do mês de março a missão dada pela governadora de iniciar as obras de pavimentação de estradas que garantirão que todas as 217 sedes municipais maranhenses sejam interligadas por rodovias asfaltadas. (Para quem não sabe, a interligação tornará o Maranhão o primeiro estado nordestino a conseguir a proeza).

Do trabalho, tem surgido o reconhecimento de prefeitos e importantes lideranças regionais, que não se têm furtado a declarar abertamente apoio à pré-candidatura do principal auxiliar da governadora Roseana. Que se mal estivesse – como fazem questão de alardear os comunistas – tanto incômodo não despertaria. A ciranda pré-eleitoral vai mostrar em breve a posição de cada um na corrida para o Governo do Estado.

Da coluna Estado Maior, de O Estado