Graves denúncias na sabatina de Clayton Noleto na Assembleia

A sabatina a que foi submetido o secretário de Estado da Infraestrutura (Sinfra), Clayton Noleto (PCdoB) ontem, na Assembleia Legislativa, foi marcada por graves denúncias levantadas por deputados estaduais e clima de tensão no Plenário.

A sessão especial, que durou 6 horas e 38 minutos, presidida pelo vice-presidente da Casa, deputado Othelino Neto (PCdoB), chegou a ser suspensa após deputados governistas, de oposição e o próprio secretário entrarem em bate-boca. Noleto se esquivou de alguns temas e entrou em contradição a respeito de obras realizadas pelo Mais Asfalto em São Luís e no interior do estado.

O deputado Edilázio Júnior (PV), autor do requerimento de convocação do secretário – que acabou, por formalidade da base governista -, transformado em convite, foi quem abriu a sequência de perguntas ao comunista, após exposição prévia de Noleto a respeito da estruturação da pasta.

O parlamentar fez grave denúncia, ao revelar que o chefe da assessoria jurídica da Sinfra – nomeado no cargo de assessor especial -, Eloy Weslem dos Santos Ribeiro, está com o seu registro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) cancelado desde 2014, mas assinou uma série de pareceres jurídicos da pasta, de obras de montante milionários, o que é vedado pela lei 8.906/94 [Estatuto da Advocacia].

“O artigo 4º da lei diz que são nulos os atos privativos de advogado praticados por pessoa não inscrita na OAB, sem prejuízo das sanções civis, penais e administrativas. O parágrafo único diz ainda o seguinte: são também nulos os atos praticados por advogado impedido – no âmbito do impedimento – suspenso, licenciado ou que passar a exercer atividade incompatível com a advocacia. Ou seja, todos esses pareceres assinados pelo Eloy Weslem podem ser tornados nulos. E todos aqueles que se sentiram prejudicados por qualquer ato da Sinfra, seja em licitação, ou não, podem ser questionados judicialmente”, disse.

Edilázio também apresentou uma denúncia por falsidade ideológica contra o chefe da assessoria jurídica da Sinfra, por ele ter tentado utilizar registro de OAB de outro profissional no Tocantins.

Esquivou – Noleto se esquivou das denúncias e afirmou apenas, que a nomeação de Eloy Weslem se deu por meio de portaria. Ele também explicou que vai apurar se há algum impedimento para que o chefe da assessoria jurídica da pasta assine parecer técnico/jurídico mesmo estando com o registro da OAB cancelado e pediu para que os parlamentares evitassem julgamento antecipado do caso.

Outra denúncia levantada por Edilázio diz respeito à construção de uma praça pública na área urbana da Lagoa da Jansen. O espaço de lazer foi edificado sem a realização de um processo de licitação.

Para realizar a obra, o Governo do Estado utilizou um contrato de manutenção e pequenos reparos da gestão passada. Esse tipo de contrato, contudo, não pode ser aplicado para construções.

Noleto tentou argumentar que a obra, na verdade, foi feita de reforma de uma praça já existente no local, onde acontecia o Arraial da Lagoa. Apesar disso, o próprio Governo do Estado se posiciona de forma contrária. Matéria publicada no portal de notícias oficiais do Executivo, em junho de 2016, informa que o local antes era um “terreno baldio” e que a obra foi de construção e não de reparo. O caso, segundo Edilázio, que pode resultar em ação de improbidade administrativa, será levado ao Ministério Público Estadual.

Saiba Mais

A bancada governista tentou, em alguns momentos da sessão especial, blindar o secretário de Estado da Infraestrutura, Clayton Noleto (PCdoB), de perguntas que diziam respeito a irregularidades na pasta. O líder do Governo na Casa, deputado Rogério Cafeteira (PSB), chegou a discutir com Alexandre Almeida (PSD) e tentar impedir a manifestação de oposicionistas. O argumento era de os questionamentos levantados deveriam, tão somente, se limitar ao Mais Asfalto, objeto do convite.

Reportagem de O Estado do Maranhão

Caso do VLT foi o mais abordado por candidatos durante a Sabatina O Estado

Sabatina O EstadoCarla Lima, de O Estado – Por cerca de duas semanas, o jornal O Estado promoveu entrevistas com todos os candidatos a prefeito de São Luís. Na Sabatina O Estado, durante nove dias, foram abordados pelos postulantes ao mandato de prefeito temas relacionados à Saúde, Educação, Esporte, Turismo, Cultura, Infraestrutura de Mobilidade Urbana. Nesse último tema, o principal assunto foi o destino do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

A Sabatina O Estado ouviu os candidatos Rose Sales (PMB), Edivaldo Holanda Júnior (PDT), Eliziane Gama (PPS), Zeluis Lago (PPL), Fábio Câmara (PMDB), Cláudia Durans (PSTU), Valdeny Barros (PSOL), Wellington (PP) e Eduardo Braide (PMN). Cada um teve uma hora para apresentar suas propostas e fazer as considerações ou críticas aos adversários.

E entre os temas mais abordado, a Mobilidade Urbana foi o mais presente nas entrevistas de todos os candidatos. E dentro desse tema, o assunto VLT foi o mais comentado pelos candidatos tanto para criticar a compra como para apresentar a proposta para o destino do veículo.

As propostas para destinar o VLT foram as mais diversas. Foram desde mante o projeto de ser uma alternativa de transporte para quem vem da áreas Itaqui-Bancaga até para servir de prisão ou de trem para passeio turístico na Avenida Litorânea.

“Um crime cometido contra nosso povo e que o gestor responsável deveria está preso e preso dentro do VLT”
Cláudia Durans

“Porque não utilizar o VLT, por exemplo, para o turismo, com uma rota que vai da Praça do Pescador, na Avenida Litorânea, até o final da via?”
Wellington

Além das propostas, teve ainda a explicação do prefeito Edivaldo Holanda Júnior sobre o destino do veículo. Segundo ele, há um projeto no Ministério das Cidades para que o VLT seja implantado na capital.

E como já custou aos cofres públicos cerca de R$ 7 milhões, o gestor garantiu que a saída da Prefeitura de São Luís foi buscar na Justiça a recuperação desse recurso gasto a maioria para guardar o trem comprado.

Entre os candidatos que não pouparam críticas a existência do VLT em São Luís estão Cláudia Durans e Eliziane Gama. A primeira criticou o ex-prefeito João Castelo (PSDB), que foi o gestor que decidiu comprar o VLT na época das eleições de 2012. Gama preferiu criticar seu adversário pela perda de prazos junto ao Governo Federal para implantar o meio de transporte quatro anos depois de comprado.

Cláudia Durans disse que o VLT deveria ser tornar uma prisão para o gestor que aplicou dinheiro público em uma ação considerada pela candidata do PSTU como eleitoreira.
“Um crime cometido contra nosso povo e que o gestor responsável deveria está preso e preso dentro do VLT”, afirmou Durans.

Eliziane Gama garantiu que há verba disponível para implantar o VLT e que buscará junto ao Governo Federal verba para colocar o VLT para funcionar. Segundo ela, esse dinheiro não é novidade. No Ministério das Cidades existia cerca de R$ 480 milhões implantar esse tipo de veículo de massa, mas a Prefeitura de São Luís perdeu os prazos para assinatura do convênio.

Transformar o VLT em trem para o turismo é mais uma proposta

welllington sabatinaA proposta mais inusitada e de pouco alcance social foi do candidato Wellington. Ele disse que irá utilizar o VLT como transporte para turista na Avenida Litorânea da Praça do Pescador até o Parquinho da Litorânea.

“Porque não utilizar o VLT, por exemplo, para o turismo, com uma rota que vai da Praça do Pescador, na Avenida Litorânea, até o final da via? É um projeto viável. Já foram gastos R$ 7,5 milhões na compra do veículo, e numa eventual administração do PP, nenhum investimento será desperdiçado”, disse o candidato.

Outros candidatos também apresentaram proposta para o VLT. Eduardo Braide, por exemplo, disse que apesar de não ter um projeto fechado para implantação do VLT devido ao seu programa de governo, discutirá a possibilidade de implantar o VLT sem que tenha que aumentar o custo desse projeto com o pagamento de indenizações de imóveis.

“Se em relação ao veículo de massa, o VLT for a melhor opção e nós vamos debater isso com a sociedade, vamos verificar a melhor forma de implantar o VLT sem pagar as indenizações dos imóveis que deixa esse tipo de projeto muito mais caro”, disse Braide.
Já Fábio Câmara preferiu não apresentar proposta para o VLT por “acreditar no que disse o prefeito” de que já há um processo de convênio com o Governo Federal para a implantação do VLT.

Wellington do Curso será sabatinado hoje por O Estado

sabatina 1O deputado estadual Wellington do Curso, candidato do PP a prefeito de São Luís, será sabatinado daqui a pouco por O Estado.

Durante o período de 1 hora, sem intervalos, o pepista falará sobre as suas propostas para áreas como saúde, educação, meio ambiente, mobilidade urbana e assistência social.

A sabatina, que será conduzida pelos jornalistas Ronaldo Rocha [titular do blog], Gilberto Léda e Marco Aurélio D’Eça, será transmitida ao vivo, das 10h às 11h, pelo site o estadoma.com.

Internautas e eleitores poderão participar enviando perguntas por meio das redes sociais, utilizando a hashtag #SabatinaOEstado.

Wellington é o penúltimo candidato a participar da programação inédita de O Estado. Amanhã, Eduardo Braide (PMN) fecha a série histórica de sabatinas realizada pelo impresso.

A Sabatina O Estado é o primeiro contato do eleitor ludovicense com os candidatos a prefeitos, e garante a todos os concorrentes, tempo igualitário para a apresentação de suas propostas, independentemente da legenda ou da formação de bancada de suas respectivas siglas em Brasília.

Fábio Câmara será o entrevistado de hoje na Sabatina O Estado

fabioO vereador Fábio Câmara, candidato a prefeito de São Luís pelo PMDB, será o entrevistado de hoje na Sabatina O Estado, iniciada na segunda-feira, e que tem por objetivo ouvir todos os candidatos ao Executivo da capital.

Oposição ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), o peemedebista passou o período de pré-campanha inteiro reafirmando a sua candidatura. Isso porque ele não conta com o apoio das principais lideranças da sigla.

Durante os seus 3 anos e 8 meses de atuação no Legislativo Municipal [a atual legislatura se encerra em dezembro], Fábio Câmara fez inúmeras denúncias conta a gestão pedetista, principalmente em relação aos setores do transporte público e da saúde.

No setor de transporte, foi Fábio quem provocou o adiamento, em duas oportunidades, do início da licitação para o setor, após apresentar com dados indícios de vícios e direcionamento no processo.

A Sabatina O Estado será transmitida ao vivo pelo site oestadoma.com. Os internautas e eleitores poderão participar encaminhando perguntas por meio das redes sociais com a hashtag #SabatinaOEstado.

A entrevista começa às 10h e se estenderá até às 11h.sabatina 1

Zeluis Lago será entrevistado hoje na Sabatina O Estado

zeluis3O médico Zeluís Lago, candidato a prefeito pelo PPL, será ouvido hoje na Sabatina de O Estado do Maranhão.

Zeluís é o quarto entrevistado da série iniciada esta semana e que vai até o dia 18, com todos os postulantes a prefeito da capital.

Ex-candidato a governador pelo mesmo partido, o médico – que é irmão do ex-governador Jackson Lago (PDT) – pretende fazer campanha mesmo com as restrições ao PPL, em termos de propaganda e recursos do fundo partidário.

A entrevista de Zeluís Lago vai ao ar a partir das 10h da manhã, com transmissão ao vivo pelo site oestadoma.com

Marco D’Eça

Eliziane Gama é sabatinada por O Estado

Eliziane Gama foi sabatina por Gilberto Léda, Marco D'Eça e Ronaldo Rocha / Foto: Thamyres D'Eça

Eliziane Gama foi sabatina por Gilberto Léda, Marco D’Eça e Ronaldo Rocha / Foto: Thamyres D’Eça

O Estado – A Sabatina O Estado recebeu a candidata do PPS a Prefeitura de São Luís, Eliziane Gama. Ela foi entrevistada durante um horas pelos jornalistas da equipe de Política do jornal O Estado. Entre os temas abordados na sabatina com a candidata estão Infraestrutura, Educação e Mobilidade Urbana.

Sobre Infraestrutura, Gama disse que há intervenções importantes a serem feitas como o sistema de esgoto da capital. A candidata falou também sobre tecnologia e disse que é necessário que os serviços prestados pela Prefeitura da capital estejam interligados.

Na área de Mobilidade Urbana, Eliziane Gama falou sobre o projeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e também a licitação no sistema de transporte coletivo. De acordo com a candidata, a Prefeitura perdeu prazos para entregar estudos de viabilidade técnica e por isso deixou de receber verbas para que o VLT fosse realmente implantado na capital.

A pepessista falou que tem preocupação com a licitação em curso para o Transporte Público. Segundo ela, deverão ser homologados os contratos com empresas que já prestam serviços deficitários para a população.

Sobre política, Eliziane Gama respondeu a pergunta de leitores que falaram sobre o apoio que ela recebe o ex-prefeito João Castelo. Ela garantiu que sua base de apoio é composta de partidos e ideias e que todos que aderiram estão aderindo a um programa de governo construído ouvindo a sociedade.

Amanhã, será entrevistado na Sabatina O Estado o médico Zeluis Lago (PPL). A entrevista começará as 10h e será concluída as 11h.

Momento histórico

edivaldo júnior sabatinaA Sabatina com os candidatos a prefeito de São Luís, iniciada esta semana por O Estado, é o primeiro produto essencialmente multiplataforma utilizado em uma campanha eleitoral no Maranhão.

Pela primeira vez no estado, um veículo impresso utiliza equipamentos de TV, de última geração, para transmissão ao vivo, via internet, com ativa participação de internautas, pelas redes sociais, e com repercussão tanto na rádio quanto no próprio veículo impresso.

A Sabatina, que já é um marco na cobertura eleitoral maranhense, utiliza, de uma só vez, e ao mesmo tempo, todas as plataformas de comunicação disponíveis na atualidade, desde a geração HD de transmissão televisiva, passando pela tradição das emissoras de rádio e dos jornais impressos, e chegando às redes sociais como Instagram, Facebook, Twitter, Snapchat, WhatsApp, portais, blogs e e-mails, garantindo ao leitor do jornal e navegador de internet uma participação pari passu.

Rose Sales é sabatina pelos jornalistas Ronaldo Rocha, Marco D'Eça e Daniel Matos / foto: O Estado online

A série de entrevistas – que vai permitir a todos os candidatos a prefeito a oportunidade igualitária de falar ao eleitor – envolve dezenas de funcionários do Grupo Mirante, desde jornalistas de rádio, jornal, TV e Internet, passando por técnicos, produtores, publicitários, especialistas em marketing e diretores do grupo.

A disponibilização dos vídeos integrais na Internet, a cobertura das sabatinas na rádio e na TV, a análise das entrevistas no jornal e o passo a passo no site de O Estado dão ao eleitor todas as ferramentas possíveis para que ele esteja bem informado no momento em que a campanha começar de fato, na TV. E sobretudo na hora do voto. E é este o papel a que a Sabatina se propõe.

E O Estado executa com forte dose de orgulho.

Da coluna Estado Maior, de o Estado do Maranhão

Assista a íntegra da entrevista de Edivaldo Júnior a O Estado

O prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) foi o segundo entrevistado durante a Sabatina O Estado. A entrevista foi realizada na manhã de hoje nos estúdios da TV Mirante.

Amanhã, a entrevistada será a deputada federal Eliziane Gama, candidata a prefeita de São Luís pelo PPS.

Edivaldo quer que empresa pague R$ 7 milhões gastos com o VLT

edivaldo júnior sabatina

Edivaldo concede entrevista aos jornalistas Gilberto Léda, Marco D’Eça e Ronaldo Rocha

Marco D’Eça – O prefeito Edivaldo Júnior (PDT) explicou nesta terça-feira, 9, porque não deu continuidade à implantação do Veículo Leve Sobre Trilhos, adquirido pelo ex-prefeito João Castelo (PSDB), no sistema de transporte de São Luís.

– A gestão anterior gastou R$ 7 milhões no VLT, de forma eleitoreira, para enganar o eleitor. Não tinha sequer projeto de implantação. Quando assumimos, buscamos recursos para tentar implantá-lo, fizemos estudos técnicos, mas não havia recursos – explicou o prefeito, ao responder a uma pergunta sobre Mobilidade Urbana.

Edivaldo lembrou que a prefeitura entrou na Justiça para que a empresa construtora do VLT assumisse os custos de guarda e manutenção da unidade, que está guardada desde 013 em um galpão no Tirirical.

– A Procuradoria do Município também já acionou a Justiça para que a empresa devolva os R$ 7 milhões pagos pelo VLT – revelou o prefeito.

Edivaldo Júnior foi o segundo candidato a participar da Sabatina O EstadoMaranhão.

Ele falou ainda sobre Saúde, Mio Ambiente e das alianças políticas para disputar a reeleição.

A entrevistada desta quarta-feira, 10, será a deputada federal Eliziane Gama, candidata do PPS.

A sabatina é conduzida pelo jornalista Marco D’Eça, editor de Política e pelos jornalistas Ronaldo Rocha e Gilberto Léda, repórteres da editoria de Política de O Estado.