Pegadores: operador de esquema guardava cheques de empresa contratada de Coroatá

O operador de esquemas Mariano de Castro e Silva, preso pela Polícia Federal (PF) no bojo da Operação Pegadores, guardava num cofre de sua propriedade, 59 das 89 folhas de cheques encontradas pelos investigadores e apresentadas como prova à Justiça.

Os cheques foram encontrados em um dos endereços de Mariano, na cidade de Teresina, no Piauí. Ele atuava, ao lado de Rosângela Curado, numa organização criminosa na estrutura da Secretaria de Estado da Saúde (SES) responsável por desviar mais de R$ 18 milhões dos cofres públicos.

Mariano trabalhava como assessor da SES e antes de ser preso pela PF, exercia o cargo de diretor do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) da cidade de Coroatá.

Os cheques sob o poder de Mariano foram encontrados pela PF no dia 22 deste mês, quatro após a deflagração da Operação Pegadores. As 59 folhas de cheques eram da empresa Márcio V. P. Santos ME, no valor de R$ 20 mil, cada.

“Totalizando créditos de R$ 1.180.000,00, em parcelas mensais”, apontou a PF na representação encaminhada à Justiça Federal com o pedido de prisão preventiva em desfavor de Mariano.

Contrato – A empresa Márcio V. P. Santos – ME tem pelo menos um contrato com a Prefeitura de Coroatá, firmado em abril deste ano. Por ele, a empresa deve receber R$ R$ 1.804.526,52 milhão até o mês de abril de 2018, pela terceirização dos serviços de diagnóstico e cirurgias ortopédicas, com fornecimento de órteses e próteses.

Além da ligação entre a Márcio V. P. Santos – ME com o diretor do Samu, Mariano de Castro Silva, há outra, ainda mais forte: o proprietário da empresa, Márcio Vinícius Portugal Santos, é filho do atual secretário de Saúde de Coroatá, Vinicius Araújo.

Mariano, que guardava folhas de cheques da empresa, atuava como auxiliar direto de Vinícius Araújo, na Saúde de Coroatá.

Justiça – Preso no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, Mariano teve chegou a tentar um habeas corpus na Justiça Federal, mas teve pedido rejeitado pelo desembargador Ney Bello. A prisão temporária do investigado, já foi transformada em preventiva.

Na apelação encaminhada à Justiça, a defesa de Mariano adotou como estratégia, tentar a extensão do habeas corpus que havia sido dado a Péricles Silva Filho, outro investigado.

O desembargador, contudo, considerou que “nem de longe” a situação de Mariano se equipara a de Péricles.

Péricles atuava como diretor do ICN e utilizava o cargo para privilegiar uma ex-companheira com pagamento mensal sem a contraprestação do serviço, além de contratar funcionários e efetuar contratações e pagamentos, tudo naquele ano de em 2015.

Já Mariano, era o operador de esquema de desvio de recursos públicos e movimentava elevadas cifras.

Além de articular contratos, ele montava e executava contabilidade paralela e atestava notas fiscais. Também pesa contra ele, fraude em prestações de contas e ajustes dos valores efetivamente gastos com os contratos de gestão firmados junto ao Estado.

Informações de O Estado

Prefeito anuncia fechamento de UPA em Estreito por falta de ajuda do Governo

Documento assinado pelo prefeito anuncia desativação de UPA 24 horas

O prefeito de Estreito, Cícero Neco, Cicinho, encaminhou à Câmara de Vereadores da cidade um documento por meio do qual confirma que fechará a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) construída no município.

Inaugurada em maio deste ano, a unidade custa, segundo apurou O Estado, algo em torno de R$ 400 mil mensais para funcionar adequadamente.

No comunicado, o prefeito diz que nunca conseguiu apoio, nem do governo federal, tampouco do governo Flávio Dino (PCdoB), o que o impossibilitou de manter a UPA em funcionamento.

“Desde a data de sua inauguração, […] o município de Estreito vem arcando com todas as despesas para manter o seu funcionamento, apesar da busca, sem sucesso, de parcerias com o Governo Estadual e/ou Governo Federal”, diz o texto.

Cicinho reclama, ainda, “falta de decisão” para a habilitação da unidade “junto ao Governo Estadual”.

“Todos os procedimentos legais exigidos para habilitar nossa UPA junto ao Governo Estadual foram rigorosamente cumpridos em tempo hábil e, até a data de hoje por falta de decisão do órgão responsável, não obtivemos a devida homologação de funcionamento, fator preponderante ao recebimento de recursos que contribuem, parcialmente, com o total dispendido pelo Município”, destacou.

A SES foi procurada para comentar a alegada “falta de decisão” para a habilitação da UPS de Estreito “junto ao Governo Estadual”, como informado pelo prefeito, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

Informações de O Estado

Leia também: Prefeito de São Pedro dos Crentes diz que SES mentiu para não repassar recursos para a Saúde

Após pressão de CRM, SES decide reintegrar médicos afastados

Abdon Murad é presidente do CRM

Gilberto Léda – O presidente do Conselho Regional de Medicina (CRM) do Maranhão, Abdon Murad, confirmou há pouco em contato telefônico com o Blog do Gilberto Léda que a Secretaria de Estado da Saúde (SES) decidiu voltar atrás da decisão de demitir os três médicos que haviam reclamado de atraso de salários.

Eles trabalham na UPA da Vila Luizão e dois decidiram dar entrevista à TV Mirante cobrando os atrasados. Logo depois da exibição da matéria, na quinta-feira (29), receberam uma ligação da direção da unidade anunciando que estavam desligados.

Na manhã de hoje (30), Abdon Murad conversou com o titular da SES, Carlo Lula, que jurou de pés juntos não ter partido dele ou do governador Flávio Dino (PCdoB) a ordem de demissão.

“Durante a conversa com o CRM, o secretário dr. Carlos Lula disse que não foi determinação dele, nem do governador, o afastamento dos colegas Igor Bonifácio, Eduardo Buna e Andrea Santos e sim da empresa que gere a UPA da Vila Luizão”, afirmou o presidente do Conselho, que disse ter recebido garantias da reintegração dos três.

“Por fim, o secretário de Saúde garantiu, e me autorizou a divulgar, que os colegas vão ser reintegrados ao quadro da UPA”, completou.

Desmentido

O curioso dessa história é que, assim que este blog divulgou o caso de perseguição aos profissionais, o próprio Carlos Lula disse que era mentira (veja abaixo), que não havia demissões – no que foi acompanhado por outros membros do governo.

Agora como explicar a reintegração de quem não foi demitido?

Carlos Lula rechaça entregar cargo no Governo

carlos-lulaO secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, negou hoje ao blog do jornalista Jorge Aragão [leia aqui], o boato de que ele estaria disposto a entregar o cargo de primeiro escalão do Governo do Estado.

A “notícia” havia sido dada por blogs que fazem a cobertura política da capital, nas últimas duas semanas.

A Jorge Aragão, Lula rechaçou a possibilidade.

“Continuo na Secretaria de Saúde até o governador Flávio Dino decidir efetuar alguma mudança. Nunca cogitei entregar o cargo, chance zero”, enfatizou.

Carlos Lula, portanto, segue como titular na pasta da Saúde.

Andrea quer informações sobre trabalho exercido por esposa de secretário na Saúde

andrea3Em requerimento apresentado à mesa diretora da Assembleia Legislativa, a deputada Andrea Murad (PMDB) pede explicações sobre o cargo e atividades exercidas pela advogada Symone Pacheco, esposa do titular da Secretaria de Estado de Saúde. O requerimento foi protocolado ontem.

“Servidores reclamam dos mandos e desmandos da Symone Pacheco na Secretaria de Saúde mas ninguém sabe qual o cargo que ela exerce, por onde ela recebe e por que ela manda tanto na Secretaria de Saúde, inclusive acompanhando o marido. Então, estou entrando com um requerimento junto à Mesa, porque quero informações sobre a função de Symone Pacheco na Secretaria de Saúde”, anunciou Andrea Murad.

A advogada esposa do secretário Marcos Pacheco também aparece em compromissos oficiais da pasta como a viagem à Santa Inês, dia 3 de outubro, no helicóptero do GTA junto com a equipe da SES, segundo a deputada.

“Já não bastava a incompetência do Governo no Sistema de Saúde, afundando a Secretaria de Saúde, o secretário Marcos Pacheco que não está sabendo para que rumo a Secretaria vai, resolveu colocar familiares para estar mandando no órgão. Inadmissível”, lamentou a deputada.

SES suspende consultas para cirurgias pediátricas, mas recua após presença de jornalistas em hospital

Cartaz anunciava suspensão de consultas / Biaman Prado, O stado

Cartaz anunciava suspensão de consultas / Biaman Prado, O Estado

Na manhã de ontem, um aviso afixado em vários pontos do Hospital Infantil Dr. Juvêncio Mattos, no Centro, informava a suspensão dos atendimentos referentes à marcação de consultas com cirurgião pediátrico a partir do dia 14 deste mês, por causa da grande lista de pacientes à espera de cirurgias. Essa informação deixou apreensivas muitas pessoas que estiveram no local em busca de auxílio.

No entanto, logo após O Estado chegar ao local, os funcionários receberam ordens para retirar o aviso e dizer que se tratava de um equívoco e que a situação havia sido resolvida.

O motivo inicial alegado pelo hospital para a suspensão das consultas era a longa fila de espera.

Para tentar solucionar esse inchaço, o hospital havia anunciado a suspensão dos  atendimentos em cirurgia pediátrica até que a situação fosse normalizada, mas acabou recuando da decisão.

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES), a suspensão do serviço ocorreu apenas na segunda­feira, dia 5, em decorrência de uma reunião com todos os médicos da unidade. A pauta foi o planejamento das ações que devem ser tomadas nos próximos dias, com o intuito de solucionar essa alta demanda por cirurgias.

Vale ressaltar que durante a gestão Roseana Sarney (PMDB), o Juvênio Matos, que foi modernizado e ganhou três novas salas de cirurgias, se manteve em funcionamento integral. E para resolver o problema da lista de espera, realizou inúmeros mutirões de cirurgias. O que mostra que a nova administração está perdida e não sabe o que fazer com o complexo sistema de saúde que recebeu em mãos.

De O Estado, com edição do blog

Inauguradas novas instalações da SES

SESO secretário de Estado de Saúde, Ricardo Murad, e o senador José Sarney inauguraram, na manhã de hoje as novas instalações da Secretaria de Estado de Saúde (SES). Eles percorreram os departamentos que foram reformados e visitaram a sala de videomonitoramento das unidades de saúde estaduais – onde foi realizada homenagem ao senador e uma vídeoconferência com os gestores dos hospitais estaduais de Alta Complexidade Carlos Macieira e Tarquínio Lopes Filho (Geral) e da UPA Araçagi.

Ricardo Murad lembrou que o Programa Saúde é Vida é uma realidade porque sempre contou com o apoio incondicional do senador José Sarney. “Ele acreditou no nosso projeto, buscou recursos e agora pode constatar que a saúde do Maranhão mudou para melhor. Nestes três anos colocamos em funcionamento 250 leitos de UTI e cerca de 15 mil profissionais estão trabalhando para que as unidades funcionem e ofereçam um serviço com padrão de excelência para todos os cidadãos”, ressaltou.

Na sala de videomonitoramento, Ricardo Murad mostrou a Sarney que todas as unidades da rede estadual de saúde estão interligadas por fibra ótica, possibilitando a agilização dos processos internos e a integração das equipes médicas, de forma a oferecer assistência de maior qualidade aos pacientes. “O Maranhão precisa e deve ter respeito e profunda gratidão por tudo o que fez, faz e ainda fará pelo avanço deste estado. Esta homenagem dos servidores da SES é sincera e de profundo agradecimento por ter possibilitado que os maranhenses pudessem também contar com unidades de saúde de qualidade”, enfatizou.

ses1O senador José Sarney parabenizou o trabalho feito pela governadora Roseana Sarney, pelo gestor Ricardo Murad e todos os funcionários da SES pelos serviços prestados aos maranhenses. “Estou satisfeito em ver esta transformação e que o atendimento de saúde com qualidade é uma realidade no Maranhão. Ver que os nossos hospitais sejam os melhores e mais estruturados da Região Nordeste e que a medicina de alta qualidade, que antes era ofertada apenas para as pessoas mais abastadas, agora é acessível para todos os maranhenses”, declarou.

Ele disse que o Maranhão tem hoje a mais avançada tecnologia do mundo a serviço da saúde pública. “O Maranhão é uma referência nacional em termos de saúde, com medicina de ponta, equipamentos modernos e profissionais competentes a serviço do povo maranhense. É um trabalho que elevou a saúde do Maranhão a um patamar alto e que deve ser sempre seguido”, completou José Sarney.

Qualidade – A central de monitoramento foi implantada para organizar o acesso dos pacientes aos serviços, agilizar processos, melhorar a qualidade do atendimento prestado e aperfeiçoar mecanismos de gestão da área de saúde.

“A montagem desta rede de fibra ótica vai garantir que estejamos sempre perto, mesmo estando longe. Fazendo com que os médicos possam conversar sobre os casos mais graves em vários hospitais, transmitir imagens de laudos de tomografias, ressonâncias e radiologia e discussão do caso, além da parte gerencial que está toda alocada neste prédio”, justificou Ricardo Murad.

Participaram da inauguração, o subsecretário da SES, José Márcio Leite; secretários adjuntos, a prefeita de Coroatá, Tereza Murad, os deputados Edilázio Júnior e Hélio Soares, além dos servidores da SES e das unidades estaduais de saúde.

O prédio sede da Secretaria de Estado da Saúde está sendo totalmente reestruturado, de forma a garantir aos servidores e à população um ambiente moderno de trabalho e de atendimento, com setores interligados, informatizados e interativos. Foram concluídos o subsolo e o primeiro andar do edifício. No térreo, que ainda está em obra, será instalada a Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Hospitalar), que está em implantação e fará a gestão de todas as unidades da rede estadual de saúde.

Cinturão – O projeto de interligação dos sites da SES, batizado de “Cinturão Digital”, tem como propósito agilizar o atendimento, reduzir o tempo de espera do paciente; propiciar informações para a tomada de decisões clínicas de forma mais rápida e de qualidade; aperfeiçoar atividades gerenciais, integrar e controlar estoques, prover informações e otimizar atividades assistenciais; contribuir para a estruturação e interligação dos serviços e atendimentos em todas as unidades de saúde instaladas em São Luís.

A nova infraestrutura de integração do “Cinturão Digital” moderniza e melhora a comunicação entre os sites da SES, ampliando a velocidade de informações atuais em mais de 1.000 vezes, ou seja, links antes fornecidos por operadoras de comunicação ou instalados via rádio, passam a operar de forma independente e de propriedade do Governo do Estado em uma velocidade de até 10Gb sem qualquer custo ao contribuinte. O monitoramento é integrado, em tempo real e, possibilita a imediata tomada de decisões clínicas, administrativas e estratégicas.

 Secom

Reforma do Carlos Macieira impressiona MP

Murad mostra ambiente já reformado do Hospital Carlos Macieira

Murad mostra a Marcos Marinho  ambiente já reformado do Hospital Carlos Macieira

O representante do Ministério da Saúde, Marcos Marinho, que veio a São Luís discutir o atendimento de pacientes maranhenses no Piauí, acompanhou o secretário de Estado da Saúde, Ricardo Murad, em uma visita às dependências do Hospital de Alta Complexidade Carlos Macieira. E declarou que, quando estiver em pleno funcionamento, a unidade estadual dará um grande salto de qualidade na assistência aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) no Maranhão.

“Vim a convite do secretário Ricardo Murad para visitar esta unidade que é fantástica, sem dúvida nenhuma. Quando este hospital estiver funcionando com toda a sua capacidade, vai desafogar muito o atendimento aos pacientes do SUS no Maranhão”, elogiou Marcos Marinho. Ele disse que relatará no Ministério a qualidade das instalações físicas, de equipamentos e de assistência que presenciou no Carlos Macieira.

O Hospital de Alta Complexidade Carlos Macieira passa por uma ampla reestruturação física e de equipamentos, sendo que já foram reinaugurados parte do térreo, o segundo, o terceiro, o quarto e o quinto andares, com 172 leitos de internação clínica, 33 de semi-intensiva e 39 de UTI. A obra deve estar totalmente concluída em maio deste ano.

Durante a visita, Marcos Marinho pôde conhecer de perto as novas instalações do Hospital Carlos Macieira que já estão em funcionamento e as áreas que estão em fase de conclusão e nas quais funcionarão setores como o centro cirúrgico, o centro de hemodiálise, a central de material esterilizado, laboratório e setor de imagem, entre outros.

Antes da visita, o secretário apresentou a Marcos Marinho dados sobre o Programa Saúde é Vida, que vem sendo implantado no Maranhão desde 2009 e está fortalecendo a rede de saúde pública no estado com a inauguração, reforma e ampliação de unidades hospitalares, aquisição de equipamentos e capacitação dos profissionais de saúde.  “Com o Saúde é Vida, estamos construindo verdadeiramente uma rede de saúde pública no estado com investimentos concretos”, disse Ricardo Murad.

 Secom

SES treina enfermeiros e coordenadores para o combate a dengue

Enfermeiros recebem treinamento pela SES

Enfermeiros recebem treinamento pela SES

Enfermeiros e coordenadores de epidemiologia dos municípios de São Luís, São José de Ribamar, Raposa, Paço do Lumiar e Alcântara participaram ontem, no Hotel Holiday Inn, em São Luís, de um treinamento promovido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) para as ações de vigilância epidemiológicas da dengue e assistência de enfermagem do paciente. O treinamento será realizado até sábado (27), para que possam ser qualificados os 494 técnicos dos 217 municípios maranhenses.

O treinamento tem a finalidade de discutir todo o processo de epidemiologia. Também são abordados os procedimentos laboratoriais do diagnóstico para dengue, a importância do Sistema Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL), organização dos serviços de atenção voltados para dengue e as diretrizes para o Plano de Contingência da Dengue.

Em 2012 o Estado notificou 6.785 casos de dengue e, em 2013 foram 4.505 – uma redução de 33,6%. A capital teve 1.269 notificações em 2012 e 1.106 em 2013, redução de 12,8%.

Governo cobra de Edivaldo Júnior soluções para o Socorrão

NOTA

Saúde é coisa séria. Através de denúncia na imprensa tomamos conhecimento da internação no Hospital Djalma Marques (Socorrão I) de uma menina de 13 anos de idade, oriunda do município de Rosário, que foi diagnosticada com meningite, doença grave e em alguns casos altamente contagiosa.

Somente após a denúncia na imprensa, a Prefeitura de São Luís, em nota, reconheceu a superlotação do Socorrão I como causa do péssimo atendimento dispensado à paciente. Para tentar se justificar sobre o caso, a Prefeitura alega que o atendimento de má qualidade é resultante do grande número de pacientes vindos do interior do estado. Esse argumento não se sustenta, já que a Prefeitura de São Luís pactuou com prefeitos do interior e com o Ministério da Saúde para ser referência em urgência e emergência. Se a própria Prefeitura se reconhece como tal, por que não se preparou para isso? Se recebe recursos para realizar esses atendimentos, por que não o faz de maneira satisfatória?

Como é de conhecimento público, o Governo do Maranhão vem fazendo a sua parte. Através do Programa Saúde é Vida, implantamos hospitais de alta complexidade e de urgência e emergência no interior do estado, reduzindo em mais de 50 % a vinda de pacientes do interior para a capital e, mesmo entre os que se deslocam para São Luís, mais de 70% procuram as unidades e serviços de saúde geridas pelo Estado.

A Prefeitura de São Luís também não esclareceu à população que, assim que diagnosticado um caso de Meningite ou outra doença infectocontagiosa, é obrigação de toda e qualquer prefeitura comunicar imediatamente o fato à Vigilância Epidemiológica, para que todos os procedimentos que evitem novas contaminações sejam realizados. É obrigação também da Prefeitura solicitar à Secretaria de Estado da Saúde a transferência do paciente para leito hospitalar com isolamento e tratamento adequado, no caso o Hospital Estadual Presidente Vargas, referência para doenças infectocontagiosas e parasitárias, que conta com UTI e equipe profissional com todas as condições de atendimento.

Mas nenhuma dessas providências foi tomada. Repetimos que o caso só chegou ao conhecimento da Secretaria de Estado da Saúde pela imprensa. Em vez de resolver esse grave problema de saúde pública, a Prefeitura de São Luís preferiu, através de sua Secretaria de Saúde, transformar um grave quadro clinico em uma questão política.

Hoje, o Governo do Maranhão está preparado para atender não somente este caso, mas todos os outros que necessitem de um atendimento especial e, novamente, se coloca à disposição para gerir a rede de alta e média complexidade da capital do Estado, que vem sendo precariamente mantida pela prefeitura. Tivemos essa experiência no último mês da gestão do ex-prefeito João Castelo e início da gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, período em que reequipamos as unidades, contratamos equipes médicas, realizamos limpeza e manutenção em todas as unidades de saúde municipais e mais ainda: acabamos com a terrível prática de jogar dezenas de pacientes nos corredores dos Socorrões.

É necessário que o Ministério da Saúde tome medidas enérgicas para por fim ao caos instalado na Rede Municipal de Saúde de São Luís. Para o Governo do Maranhão, saúde é coisa séria e está muito acima de questões políticas como prefere tratar o poder municipal.

 Ricardo Murad

Secretário de Estado da Saúde