Deputados comentam constrangimento provocado ao MP pelo Governo

oposiçãoGilberto Léda – Repercutiu negativamente na Assembleia Legislativa a decisão do governador Flávio Dino (PCdoB) de homologar o resultado do concurso para professor do Estado, mesmo depois da recomendação do Ministério Público para que as provas fossem reaplicadas (leia mais aqui).

Os deputados Edilázio Júnior (PV), Sousa Neto (Pros) e Andrea Murad (PMDB) comentaram o assunto.

“Ele como um ex-magistrado e que tem um irmão no Ministério Público Federal, deveria dar mais valor e respeitar o órgão que tem por dever a defesa da ordem jurídica e democrática do estado, uma vez que estamos tratando de milhares de pessoas que tiveram seus direitos prejudicados”, afirmou Edilázio.

Sousa Neto lembrou que, em seu recente discurso durante a reabertura dos trabalhos na Casa, Dino rendeu reverências ao MP. Mas, agora, segundo o parlamentar, atropela uma recomendação do órgão.

“Eu não poderia deixar de me manifestar a respeito do que o governador Flávio Dino pensa sobre o Ministério Público do Estado do Maranhão. Eu lembro que na mensagem governamental do dia 2 de fevereiro, o governador disse claramente: ‘Quero aqui cumprimentar a Excelentíssima Senhora Regina Lúcia de Almeida Rocha, digna chefe do Ministério Público de nosso estado, guardiã da democracia, da ordem constitucional e dos interesses coletivos difusos indisponíveis’. O governador diz que o Ministério Público é guardião da democracia e atropela a recomendação do MP pela anulação do concurso para professor do estado”, afirmou Sousa Neto.

Para Andrea Murad, “o governador Flávio Dino continua não respeitando ninguém”.

“Não tem como acreditar nesse governo, não tem como acreditar que o governador quer que as coisas sejam feitas de maneira corretas. É um governo além de corrupto e incompetente, é fraudulento”, disse.

Oposição inicia 2016 enfraquecida na Assembleia Legislativa

oposição 1

Adriano e Andrea não chegaram a consenso sobre liderança

Por mais que o PMDB tente passar a ideia de que não há crise entre os seus membros e os deputados do PV na Assembleia Legislativa, como destacou nota oficial ontem assinada por Roberto Costa (PMDB), a relação não ficou tão “saudável” assim.

O PV, dos deputados Adriano Sarney, Edilázio Júnior, Hemetério Weba e Rigo Teles, pode perder espaços na Mesa Diretora e nas comissões técnicas da Casa, o que provocou ainda mais insatisfação.

Depois da sessão solene de hoje, que marcará a reabertura dos trabalhos no Legislativo, o partido lançará uma nota sobre o tema.

A insatisfação se deu porque no fim do ano passado, deputados do PV, PMDB e do PTN [Sousa Neto, agora no PROS], assinaram um documento compactuando a formação de um novo bloco parlamentar. Adriano Sarney seria o líder do bloco. Max Barros (PMDB) foi o único a não ter assinado o documento.

Edilázio Júnior e Sousa Neto não compõem o mesmo bloco

Edilázio Júnior e Sousa Neto não compõem o mesmo bloco

Andrea Murad, contudo, defendeu a tese – já no início deste ano -, de que a liderança fosse escolhida por votação.  Começou aí o embaraço entre ela, Roberto Costa e o PV.

Ontem, de forma surpreendente, Andrea Murad e Roberto Costa oficializaram o bloco de oposição com a participação apenas do PMDB e PROS. O PV ficou de fora.

Andrea ficará na liderança. Roberto deve alcançar vaga na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e indicará outro membro para a Mesa.

A CCJ, neste caso, permanecerá com votos apenas governistas, uma vez que Costa é da base de Dino. Já Andrea, deve ser neutralizada por um bloco que nada terá de oposição.

Desconstruiu assim, a unidade que tanto era buscada na oposição, que já inicia 2016 enfraquecida no legislaivo.

Sousa Neto denuncia “sequestro” de tomógrafo em Santa Inês

tomógrafo 2O deputado estadual Sousa Neto (PTN) utilizou o seu perfil em rede social para denunciar a retirada do tomógrafo do Hospital Macrorregional de Santa Inês, que foi adquirido por meio do Programa Saúde é Vida, na gestão passada.

Ele lamentou a decisão do Governo do Estado, em defesa da população, assegurou que irá cobrar a reposição do aparelho.

tomógrafo 1“Nesse exato momento, o Governador Flavio Dino, por meio de sua equipe técnica da Secretaria de Saúde, mandou tirar o tomógrafo do Hospital Macrorregional de Santa Inês para levar para Caxias. Denunciei em abril que iria ser retirado antes da sua inauguração. E de nada adiantou. A perseguição do Governador comigo chegou ao limite. Santa Inês de nada vale para este Governador. E atinge pessoas inocentes e que precisam de uma saúde digna. O tomógrafo já está dentro de um container para ser levado pelo caminhão. Um absurdo. O Hospital Macro de Caxias não está preparado para funcionar. Está mais atrasado que o de Santa Inês. Com certeza deve querer entregar para o município, o que inclusive não é permitido”, postou em seu perfil.

O blog recebeu a informação de que, após pressão da população de profissionais do hospital, o Governo recuou e determinou a reinstalação do aparelho.

Aguarda agora a confirmação.

Crise no PTN: Sousa Neto anuncia desfiliação do partido

Sousa NetoO deputado estadual Sousa Neto anunciou hoje, por meio de nota, a sua desfiliação do PTN no Maranhão.

Sousa atuava até então como presidente estadual da sigla, mas acabou “lançado” a vice-presidente ontem, após uma articulação do deputado federal Aluizio Mendes (PSDC) junto à direção nacional da sigla.

O ex-secretário adjunto da Secretaria de Segurança Pública, Laércio Costa, foi quem assumiu o comando da legenda.

Para Sousa, “uma espécie de convite subliminar, rasteiro e covarde para a desfiliação do partido”.

Leia a íntegra da nota de Sousa Neto.

O deputado Sousa Neto, acerca de matéria jornalística que trata da mudança na direção do PTN do Maranhão, publicada na edição de 08.10.2015 no jornal “O Estado do Maranhão”, informa e esclarece o seguinte:

  1. Somente teve conhecimento de que houve mudança na direção do PTN do Maranhão na data de hoje, por meio da matéria jornalística acima mencionada;
  1. Dessa forma, não sabia que tinha sido destituído da presidência do PTN até ler a matéria jornalística, ou seja, não foi comunicado desse fato pela deputada Renata Abreu, presidente do PTN Nacional, e nem pelo novo presidente no Estado, o senhor Laércio Costa.
  1. Entende o deputado que este tipo de conduta é uma espécie de convite subliminar, rasteiro e covarde para desfiliação do partido absolutamente desnecessário, pois era suficiente dizer que o deputado Sousa Neto é indesejado no partido para que este, voluntariamente, atendesse o desejo do partido;
  1. Assim, o deputado recebe a informação como um ato manifesto de exclusão do partido e, por essa razão, comunica a todos os seus correligionários que já não se considera mais filiado ao PTN.

                Sousa Neto, deputado estadual

Secretário de Flávio Dino chama deputados de ‘patetas’

jerry_patetaGilberto Léda – O mau momento do governo Flávio Dino (PCdoB) – recente pesquisa mostra que a desaprovação da gestão comunista só cresce na capital, por exemplo (reveja) – tem levado ele próprio e alguns dos seus auxiliares a destemperos verbais que nem de longe combinam com os cargos que ocupam.

Na madrugada desta sexta-feira (18), logo após finalizar seu plantão diário à espera da edição online do jornal O Estado do Maranhão, o secretário de Estado de Assuntos Políticos e Federativos, Márcio Jerry (PCdoB), começou a insultar adversários políticos.

Dois dos alvos escolhidos foram os deputados estadual Sousa Neto (PTN) e Andrea Murad (PMDB).

“Os dois patetas da Assembleia se parecem com aqueles com aqueles bonecos de ventriloquia. No caso, do pai e sogro malfeitor. Coronelismo decrépito”, escreveu o comunista no Twitter.

Ele se referia a manifestações dos oposicionistas, ontem (17) na Assembleia, sugerindo ao governador que desistisse da ação que culminou com corte de 21,7% dos salários dos servidores do Judiciário de do TCE. O assunto foi tema de reportagem em O Estado.

Pelo visto, além de censurar os perfis que criticam o governador no Facebbok, os comunistas também não recebem muito bem, sequer, sugestões de quem não pensa como eles.

Que coisa!

Deputados pedem a Flávio Dino que desista da ação dos 21,7%

andrea3O Estado – Os deputados estaduais Sousa Neto (PTN) e Andrea Murad (PMDB) fizeram ontem um apelo ao governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), autorize a Procuradoria Geral do Estado (PGE) a ingressar com um pedido de desistência da ação judicial que resultou na retirada de 21,7% dos vencimentos dos servidores do Poder Judiciário do Maranhão.

Eles comentaram o impacto que a decisão – tomada há duas semanas, mas ainda não efetivada, por conta da necessidade de publicação do acórdão – terá sobre os orçamentos familiares dos servidores alcançados.

“Imagine aqueles que tiveram sonhos e hoje tiveram cortados dos seus benefícios em 21,7%. São sonhos destruídos, faculdades de filhos, despesas de casa. E faço apelo ao governo porque quem clama hoje aqui é o Sindjus, que representa a sociedade maranhense, representa o sentimento de um povo que foi enganado, um povo que não aguenta mais mentiras”, discursou Sousa Neto.

Sousa NetoO parlamentar acrescentou que concorda com uma nova proposta feita pelo Sindjus para resolver o problema: que o governador peça desistência da ação que corre na Justiça contra o reajuste dos servidores do Judiciário.

“O governador pode fazer isto. É isto que o Sindjus quer. É só pedir a desistência da ação, porque sabemos que o Sindjus vai ganhar essa, qualquer que seja a instância. Pode demorar, mas ganha. Mas o desgaste que eles estão tendo, familiar, moral, isso não tem preço. E outra sugestão, caso ele não queira a desistência, vamos fazer uma reforma, uma PEC, uma reforma na estrutura administrativa do Estado. A gente pode diminuir o número de Secretarias e cargos comissionados, são muitos. É isso: a única coisa que o Sindjus quer é ser atendido pelo governador para poder pedir a desistência da ação e estará resolvido o problema”, ressaltou Sousa Neto.

Andrea Murad lembrou que, em sua defesa, Dino e aliados sustentam que a ação contra o reajuste de 21,7% foi proposta ainda na administração passada. E sugeriu que, nesse caso, a gestão comunista poderia desistir do processo.

“Falam muito que a ação não começou com o governador Flávio Dino, então ele pode retirar a ação. E por que ele não retira? Então, nós pedimos: Márcio Jerry, que manda no governador, governador, acorde, converse com a categoria. O governo está em queda livre, está despencando, a popularidade do governador não existe mais e [ele] só fica tomando medidas impopulares”, completou.

servidores 1Sem diálogo – Os deputados criticaram, ainda, a falta de diálogo do governador com a categoria prejudicada pela decisão do Tribunal de Justiça. “O governador não os recebe para uma conversa, logo ele que se elegeu só falando em diálogos, que todos acreditaram em um governador que se elegeu com mais de um milhão de votos, mas na hora de se reunir para conversar sobre qualquer problema quem recebe é uma pessoa que nunca teve um voto, que hoje está governando o Estado do Maranhão, chamado Márcio Jerry, ou seja, o candidato a governador Flávio Dino vai em todos os sindicatos, o Sindjus, onde ele iniciou a sua carreira política e, depois de eleito, não os recebe”, comentou Sousa Neto.

Andrea Murad reforçou a falta de diálogo do comunista. “Os servidores estão há um ano e quatro meses recebendo dinheiro, e o governador simplesmente corta e quer que eles aceitem como se isso não fosse prejudicar a vida deles. E pior de tudo, ele não consegue ter a sensibilidade de conversar com a categoria”, criticou

Oposição prepara ações contra atos do Governo

oposição 1A bancada de oposição na Assembleia Legislativa deve iniciar esta semana uma nova ofensiva em relação às ações do Governo do Estado nos setores de Saúde e Segurança Pública. Os deputados Edilázio Júnior (PV ), Andrea Murad (PMDB), Adriano Sarney (PV) e Sousa Neto (PTN) preparam discursos e providenciam processos para cobrar respostas do governo.

Adriano Sarney, por exemplo, vai pedir explicações do governo para a compra, que ele suspeita superfaturada, de lotes e lotes do leite especial Neocate.

O produto já foi alvo de denúncias da deputada Andrea Murad, logo no início do governo Flávio Dino. Segundo Sarney, falta leite no mercado e quem necessita tem dificuldades de encontrar nos postos públicos.

Outra cobrança em relação ao governo se dará pelo uso, por Flávo Dino, do helicóptero da Secretaria de Segurança, em Coroatá, no mesmo dia em que bandidos explodiram mais um caixa eletrônico, no município de Buriticupu. Dino passou a manhã nas terras de um correligionário do PCdoB, com o helicóptero estacionado em um campo por toda a manhã.

“Este aparelho poderia estar sendo usado para ajudar na perseguição aos bandidos”, ponderou Andrea Murad.

GTA – A questão levantada pela deputada diz respeito não ao uso da aeronave, mas ao fato de que o governo anunciou, no mês passado, o aluguel de um aparelho específico para servir ao governador. O helicóptero da Secretaria de Segurança Serve ao Grupamento Tático Aéreo e tem papel fundamental na perseguição de bandidos em todo o Maranhão.

O governador também será alvo de críticas pela usurpação de obras do governo anterior. Ele tem feito a entrega de obras praticamente concluídas na gestão passada, sem fazer qualquer referência ao fato de que não foi dele o trabalho de construção, como ocorreu na MA-020, entregue sexta-feira.

“Ele não fez a obra, entrega e ainda critica o autor, o ex-secretário Luis Fernando Silva”, comentou o ex-secretário Ricardo Murad, em seu perfil no Facebook.

Sousa Neto denunciará Jefferson Portela à Procuradoria Geral de Justiça

Sousa Neto afirmou que secretário terá de dar explicações ao MP

Sousa Neto afirmou que secretário terá de dar explicações ao MP

O deputado estadual Sousa Neto (PTN) fará uma representação à Procuradoria Geral de Justiça do Estado do Maranhão contra o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, por comportamento e conduta incompatível com o cargo público que ocupa, principalmente pela postura que tem adotado ao se manifestar contra aqueles que não compartilham das convicções político-partidárias dele e do grupo político que atualmente governa o Maranhão. Excesso e abuso de poder e improbidade administrativa foram os supostos crimes apontados na representação.

Exemplo recente foi a manifestação de Jefferson Portela nas redes sociais a respeito do discurso de vários deputados sobre a segurança, ofendendo seus adversários. “Política partidária não se faz em secretaria de Estado. Já que esta Casa não tem o seu respeito, o secretário Jefferson Portela vai ter que se manifestar perante o Ministério Público”, analisou Sousa Neto.

Ausência – Em seu discurso na tribuna da Assembleia, nesta quinta-feira (18), Sousa Neto falou sobre a Audiência Pública realizada na tarde de quarta-feira (17) para debater a questão da saída temporária de presos, que não contou com a participação de um único representante da secretaria estadual de Segurança “Convidados, o Ministério Público, a sociedade civil e a imprensa se fizeram presentes. Mas num momento tão delicado, em que a gente discute a segurança pública, um tema tão importante, não veio ninguém do governo estadual. Isso só demonstra a real importância que eles têm dado a situação alarmante em que vivemos”, concluiu.