Prefeitura elimina antigo retorno do Alpha, no São Cristóvão

A Prefeitura de São Luís intensificou as obras de alteração de tráfego na Avenida Guajajaras, no bairro São Cristóvão. O objetivo é eliminar o antigo ‘retorno do Alpha”, onde hoje está instalado uma unidade do Supermercado Mateus, para dar maior mobilidade ao trânsito na região.

No local operários trabalham na concretagem da área, preparando para o recebimento do asfalto.

“O trecho tem um grande congestionamento e estamos transformando em um cruzamento semafórico com pista de mão única, com quatro faixas de rolamento que darão acesso à Forquilha, Santos Dumont e São Cristóvão. Com essa modificação, vai melhorar bastante o fluxo de veículos e diminuir os congestionamentos, que nessa área eram bem problemáticos. O objetivo da alteração na geometria do trecho é justamente proporcionar mais fluidez ao trânsito”, explicou o secretário municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), Canindé Barros.

No trecho foi retirada a antiga rotatória para colocação do concreto. No lugar será aberta uma passagem que dará continuidade à Avenida Guajajaras, ficando a pista de dois sentidos, sem o retorno.

Com a obra, quem fazia retorno da Avenida Lourenço Vieira da Silva, passará direto, mantendo o fluxo constante e fará a volta na Avenida 2, sentido Avenida Santos Dumont. Será construído um retorno de quadra na Avenida 2, por trás do Banco do Brasil, que dará acesso a esta via.

Sinalização

Seguida da pavimentação asfáltica, haverá a instalação de sinalização horizontal com faixas de pedestres e rolamento; e construção das chamadas ‘ilhas’, que incluem rampas de acessibilidade e passarelas. A área nas proximidades do supermercado Mateus, parte da Avenida Lourenço Vieira da Silva, recebe serviços de limpeza e manutenção do sistema de drenagem.

 

Max Barros classifica de solução temporária o novo traçado da Forquilha

O deputado estadual Max Barros (PRP) avaliou como solução temporária, o novo traçado dado ao antigo retorno da Forquilha.

A Prefeitura de São Luís revitalizou o trânsito no local, e colocou um cruzamento com semáforos, ao invés de um elevado, como o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) havia prometido nas campanhas de 2012 e 2016 [ano de sua reeleição].

“Aqui foi falado e de fato foi uma solução interessante no retorno da Forquilha. Eu diria que não foi a melhor solução, já existia uma concepção de alguns anos e feito um projeto pelo ex-governador Jackson Lago que previa ali um viaduto que, em termos de engenharia, não há o que comparar um viaduto com uma solução semafórica, não pode se dizer que a solução semafórica é melhor do que um viaduto, porque é uma bobagem”, disse.

 

Max Barros também criticou o valor do projeto para instalação do viaduto, que tem sido explorado pela mídia do Palácio dos Leões, em comparação com o que foi gasto na Forquilha.

“E também os valores do viaduto colocado pelo governador Jackson Lago, 150 milhões, eu não sei o valor, mas isso é um absurdo. O viaduto que tem ali na Via Expressa junto com a Carlos Cunha custou cerca de R$ 5 ou R$ 6 milhões. Dizer que um viaduto é R$ 150 milhões de reais não é uma realidade e esse projeto é do doutor Jackson Lago”, completou.

Max elogiou a iniciativa do Governo do Estado, no que diz respeito à parceria com a Prefeitura de São Luís para a realização da obra e disse que o empreendimento já apresenta melhora no trânsito.

IV Centenário vai melhorar o trânsito da capital

Nova via foi inaugurada ontem pela governadora Roseana Sarney  e por Arnaldo Melo

Nova via foi inaugurada ontem pela governadora Roseana Sarney e por Arnaldo Melo

Já está à disposição da população de São Luís a Avenida IV Centenário, que liga o bairro da Alemanha à Beira-Mar. A governadora Roseana Sarney (PMDB) inaugurou a via ontem, ao lado do senador Lobão Filho (pmdb), do presidente da Assembleia Legislativa e futuro governador, deputado Arnaldo Melo (PMDB), do senador João Alberto (PMDB) e de dezenas de aliados, entre deputados estaduais, federais e vereadores.

A nova via provocará impactos imediatos no trânsito da capital, principalmente em horários de pico, e diminuirá os engarrafamentos na Avenida dos Franceses, no Monte Castelo, Liberdade e no Centro.

“Esta é uma importante e esperada obra e melhorará o fluxo de trânsito, contribuindo para reduzir os engarrafamentos. Além disso, integra um projeto ainda maior, que é o PAC Rio Anil, uma iniciativa mais ampla, que beneficia diversas famílias”, disse a governadora.

Executada pela Secretaria de Estados de Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), a IV Centenário interliga o bairro da Camboa à Avenida dos Franceses e preserva o Rio Anil, promovendo a integração física da maior área quilombola urbana da América Latina. Com 3,8 quilômetros de extensão, a avenida possui duas pistas, divididas em duas faixas de rolamento, áreas de passeio para pedestres e ciclovia.

A avenida tem aterro hidráulico, um elevado de 1.090 metros de extensão e cinco encaixes: um na Avenida dos Franceses, outro na Camboa, dois na Liberdade e um na Fé em Deus. O novo corredor urbano contribui para desafogar o trânsito das avenidas Luiz Rocha e Getúlio Vargas, criando uma alternativa de acesso à Beira Mar e também a ponte Bandeira Tribuzzi.

A via começou a ser construída no governo Jackson Lago, mas antes mesmo da cassação do pedetista, teve as obras paralisadas. Roseana assumiu o compromisso e concluiu o empreendimento.

Mais protestos na Ilha

População bloqueia dois sentidos da Avenida dos Portugueses / Foto: Renata Soares

População bloqueia dois sentidos da Avenida dos Portugueses / Foto: Renata Soares

Duas avenidas de grande fluxo de veículos foram bloqueadas pela população, que reivindicam mai segurança nos bairros. As venidas foram Jerônimo de Albuquerque e dos Portugueses (BR-135).

A Avenida dos Portugueses, principal via de acesso à área Itaqui-Bacanga, foi bloqueada nos dois sentidos, próximo a entrada do Anjo da Guarda. O protesto provocou enorme engarrafamento na rodovia.

Já na Jerônimo, o bloqueio da via foi promovido por estudantes da escola Almirante Tamandaré, que reclamam dos assaltos na Cohab. Eles querem viaturas na porta da escola nos horários de entrada e saída dos estudantes.

Na sexta-feira quem promoveu grande mobilização e transtornos à população foram rodoviários, que atuam no sistema de transporte da capital. Na ocasião, pelo menos 30 ônibus foram depredados, dentre estes, quatro incendiados.

Quarta-feira nova paralisação de motoristas, cobradores e fiscais de ônibus deverá ocorrer em São Luís. Outro caos…

Edivaldo admite que não cumprirá prazos da licitação no transporte público

edivaldoO Estado – O prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) admitiu esta semana, em entrevista a uma emissora de TV local, que não cumprirá com os prazos acordados com o Ministério Público, por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), para a realização da licitação das linhas de ônibus de São Luís.

A primeira cláusula do TAC estabelece que a Prefeitura cumpra até o dia 30 de novembro deste ano o processo de licitação do transporte coletivo da capital. Edivaldo, no entanto, sequer assegura prazo para o início do processo. Ele apenas garante que, após iniciada, a concorrência pública deverá ser concluída em 10 meses, ou seja, apenas em 2014.

O TAC entre a administração petecista e o Ministério Público foi assinado no mês de maio, tendo como representante do Município a Secretaria de Trânsito Transporte. O objetivo era estabelecer o marco regulatório do transporte de passageiros de São Luís. As negociações foram coordenadas pela promotora de Defesa do Consumir, Lítia Cavalcanti.

Na ocasião da assinatura do TAC, Edivaldo assegurou que cumpriria todos os prazos estabelecidos. “Vamos honrar com todos os compromissos de campanha, e com a licitação do transporte não será diferente”, disse.

Recuo – Na segunda-feira, no entanto, em entrevista a uma emissora de televisão, o petecista mudou o discurso, e sequer assegurou a data do início da concorrência pública. “Nós sabemos que herdamos um problema de vários anos, na verdade de décadas na área do transporte público. E tenho dito que só tem uma forma de resolver esse problema, é através da licitação, que ainda estamos preparando. Vamos assinar em breve um contrato com a Fundação Getúlio Vargas, que irá comandar todo o processo. Quando iniciar, haverá bastante divulgação, audiências públicas e vamos ter um prazo de mais ou menos 10 meses para ter o processo concluído”, afirmou.

Edivaldo também não garantiu de imediato a licitação para o sistema de bilhetagem eletrônica de São Luís, que, segundo o TAC, deveria ter começado no dia 30 de agosto. Ele também sugeriu que o programa Bilhete Único não deverá ser implantado em 2013.

“Para que o bilhete saia, é preciso que ocorra primeiro a licitação das linhas de ônibus. Logo após essa licitação é que teremos condições de implantar o bilhete único. Esse foi um compromisso de campanha e nós iremos honrar”, completou.

Na assinatura do TAC e do comprometimento de Edivaldo Júnior de realizar a licitação para as linhas de ônibus até o fim de novembro, também ficou acertado que o município repassaria, em caráter indenizatório para as empresas de ônibus, 6,6% do custo total do sistema. O valor ainda seria avaliado, naquela oportunidade, pela SMTT. O repasse teria como principal objetivo evitar o aumento das passagens de ônibus.

Todo dia a mesma coisa

 

Com carros estacionados próximo à parada, ônibus para no meio da pista, causando congestionamento e irritação

Com carros estacionados próximo à parada, ônibus para no meio da pista

Daniel Matos – O caos toma conta todos os dias do trecho da Rua Barão de Itapary, no Centro, nas proximidades do Hospital Universitário Presidente Dutra. Motoristas estacionam seus carros próximo a uma parada de ônibus, obrigando condutores de ônibus a parar no meio da pista para embarcar e desembarcar passageiros.

Na maioria dos casos, são os próprios flanelinhas que atuam na via quem orientam algumas pessoas a estacionar indevidamente. A má fé dos guardadores de carros causa congestionamentos na via e leva muitos motoristas a buzinar indignadamente, o que contraria a lei de trânsito, que prevê o menor nível de ruído possível nas imediações de hospitais e demais estabelecimentos de saúde.

Já passou da hora de a Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT) resolver o problema.

 

Clodomir reconhece falhas no trânsito e de São Luís

Reportagem publicada em O Estado

Ronaldo Rocha

Clodomir Paz fala sobre dificuldades e projetos na pasta / Foto: Biaman Prado

 O Secretário Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) de São Luís, Clodomir Paz, visitou ontem a redação de O Estado para falar de seus projetos à frente da pasta. Afirmou que haverá início ainda em sua gestão no processo de licitação das linhas de ônibus, e garantiu que se voltará aos problemas no trânsito de São Luís, tais como engarrafamentos, fluidez, sinalização e fiscalização. Mostrou entusiasmo ao falar dos projetos previstos e cautela ao citar questões polêmicas como o reajuste na tarifa de ônibus, insatisfação de agentes de trânsito com as condições de trabalho e a precariedade dos terminais de integração. Disse que está conhecendo de perto as deficiências estruturais no trânsito e no transporte público de competência da secretaria, para promover mudanças emergenciais e gradativas.

Transporte coletivo

 Clodomir reconheceu que ainda há precariedade em parte dos coletivos utilizados para prestarem serviços à população de São Luís, e prometeu melhorias. Para tanto, disse que já existe um programa de substituição de veículos com a vida útil já ultrapassada e que será dada continuidade a esse projeto. “De 1.100 veículos operantes, temos um contingente de mais de 30% que precisa ser substituído”, completou.

Licitação

Consciente de que as empresas que detém a concessão do serviço de transporte público em São Luís atuam há mais de 20 anos em caráter emergencial, algo que já foi inclusive apontado pelo Ministério Público por meio da Promotoria Especializada no Direito do Consumidor, como uma das questões que precisam ser resolvidas com urgência, Clodomir declarou ser favorável ao processo de concorrência pública e afirmou ser esta uma meta da pasta. Ele disse que a licitação das linhas será um passo importante para a municipalidade, bom para a população e bom para as empresas que vierem a operar na capital.

Reajuste de tarifa

Clodomir revelou já ter sido procurado por alguns representantes da sociedade civil organizada e pela própria imprensa, para posicionar-se a respeito do reajuste da tarifa de ônibus. O reajuste ocorreu no primeiro semestre de 2010, quando Ribamar de Oliveira era o então titular da SMTT. Afirmou, no entanto, que a questão ainda não foi objeto de discussão por causa do pouco tempo que está à frente da secretaria, contudo, observou que no momento certo, tratará sobre o caso. Tramita na Justiça do Estado, uma ação em que o Ministério Público pede o cancelamento do reajuste.

Terminais de Integração

Questionado sobre o que será feito para contornar a precariedade e a superlotação dos cinco terminais de integração da capital, Clodomir foi enfático ao afirmar que está pontuando os principais déficits no setor que em breve poderá divulgar um plano de ação específico para os terminais.

Semáforos e faixas de pedestres

Para resolver o problema de inúmeros semáforos danificados e fora de funcionamento e de sinalização deficiente na capital (faixas de pedestres e placas apagadas), o secretário afirmou que foi programada uma ação emergencial. A ação, segundo Clodomir, ganhará fôlego nos próximos 15 dias, mostrando a partir daí os primeiros resultados. Ele reconheceu a precariedade no setor. “Há um número muito alto de semáforos com algum tipo de defeito”.

Mudanças

No que diz respeito ao conjunto semafórico, especificamente, o secretário garantiu que todos os convencionais, mas de forma gradual, serão substituídos pelo equipamento que possui lâmpadas LED. Este tipo, segundo Paz, é mais eficiente e possui vida útil mais elevada.

Agentes de trânsito

Informado da insatisfação dos agentes de trânsito com as condições de trabalho apresentadas pela última gestão e com inúmeras reclamações em mãos no que diz respeito à falta de profissionais no ordenamento e fiscalização do trânsito, Clodomir disse que já sentou com os servidores públicos para conhecer quais seriam as principais dificuldades da categoria. Ele disse ser conhecedor dos problemas existentes na relação entre os agentes e a gestão da secretaria, mas garantiu que a situação será contornada. “Precisamos do agente permanentemente nas ruas”, enfatizou.

 Obras

Obras viárias como o prolongamento da Avenida Litorânea, construção de viadutos e acessos subterrâneos (túneis) na Forquilha e no retorno do Calhau, além da criação de novas vias que interligam diversos bairros na capital, foram expostas como prioridades também da pasta durante a gestão João Castelo. Paz afirma que uma cidade com a malha mais estruturada e sinalizada, dará maior fluidez ao trânsito, maior segurança ao pedestre, terá reduzido o número de acidentes e com menos congestionamentos. “Para algumas obras, já existem recursos destinados, como é o caso do prolongamento da Litorânea”, disse.

Taxistas e moto-taxitas piratas

Sobre a questão dos taxistas e moto-taxistas piratas na capital, o secretário foi conciso, afirmando que manterá todas as frentes de fiscalização para combater este tipo de ilegalidade.

Tarifa de táxis

No que diz respeito à exigência dos taxistas no reajuste da tarifa (bandeirada e corrida), ele ponderou, garantindo que até o momento não foi procurado pela categoria para discutir o assunto. “Quando procurado pela categoria, no momento oportuno, a questão será tratada de maneira natural”, garantiu.

Orçamento

Clodomir afirmou que ainda aguarda o quadro de orçamento 2011 para somente então divulgar, o quanto terá a disposição para investimento e quanto será destinado para cada ação.

Imprensa

 Questionado sobre como manterá a relação da pasta com a imprensa, e se haverá transparência nas divulgações, Paz garantiu que a troca de informações deverá ser a melhor possível. “A coisa pública é do público, da sociedade, e ao público é que temos a responsabilidade e o compromisso permanente de informar as nossas ações. A relação será a mais democrática e aberta possível”, finalizou.