Prefeitura elimina antigo retorno do Alpha, no São Cristóvão

A Prefeitura de São Luís intensificou as obras de alteração de tráfego na Avenida Guajajaras, no bairro São Cristóvão. O objetivo é eliminar o antigo ‘retorno do Alpha”, onde hoje está instalado uma unidade do Supermercado Mateus, para dar maior mobilidade ao trânsito na região.

No local operários trabalham na concretagem da área, preparando para o recebimento do asfalto.

“O trecho tem um grande congestionamento e estamos transformando em um cruzamento semafórico com pista de mão única, com quatro faixas de rolamento que darão acesso à Forquilha, Santos Dumont e São Cristóvão. Com essa modificação, vai melhorar bastante o fluxo de veículos e diminuir os congestionamentos, que nessa área eram bem problemáticos. O objetivo da alteração na geometria do trecho é justamente proporcionar mais fluidez ao trânsito”, explicou o secretário municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), Canindé Barros.

No trecho foi retirada a antiga rotatória para colocação do concreto. No lugar será aberta uma passagem que dará continuidade à Avenida Guajajaras, ficando a pista de dois sentidos, sem o retorno.

Com a obra, quem fazia retorno da Avenida Lourenço Vieira da Silva, passará direto, mantendo o fluxo constante e fará a volta na Avenida 2, sentido Avenida Santos Dumont. Será construído um retorno de quadra na Avenida 2, por trás do Banco do Brasil, que dará acesso a esta via.

Sinalização

Seguida da pavimentação asfáltica, haverá a instalação de sinalização horizontal com faixas de pedestres e rolamento; e construção das chamadas ‘ilhas’, que incluem rampas de acessibilidade e passarelas. A área nas proximidades do supermercado Mateus, parte da Avenida Lourenço Vieira da Silva, recebe serviços de limpeza e manutenção do sistema de drenagem.

 

Edilázio cobra investimento do Governo no município de Sambaíba

Deputado Edilázio Júnior

Deputado Edilázio Júnior

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) fez um apelo ao Governo do Estado, para que a Secretaria de Estado da Infraestrutura renove contrato firmado na gestão passada com empresa que presta serviço de travessia – sobre o Rio Balsas -, de pedestres e veículos pequenos e pesados por meio de uma balsa, no município de Sambaíba.

A balsa é utilizada para fazer a travessia, principalmente, de trabalhadores rurais e estudantes para a zona rural, que dispõe da terceira maior produção de soja do estado.

O Governo passado havia firmado contrato com a prestadora do serviço de embarcação por um total de R$ 25 mil mensais, o que garantia a gratuidade de pedestres e pilotos de motocicletas na travessia.

O contrato, contudo, acabou no mês de abril, e desde então o cidadão tem sido obrigado a pagar até R$ 26,00 – para quem tem motocicleta com o garupa -, para percorrer os trechos de ida e volta, diariamente. De acordo com Edilázio, os trabalhadores rurais, que antes tinham a gratuidade, agora precisam utilizar parte dos recursos da produção diária para pagar a travessia na balsa.

“No mês de março estive com o secretário Clayton Noleto para falar da necessidade de se renovar esse convênio. Naquela oportunidade o secretário afirmou ter conhecimento da situação e garantiu que o contrato seria renovado. Mas, como é peculiar do governo Flávio Dino não cumprir o que promete, nada foi feito até agora e a população entrou em desespero”, disse.

Ele afirmou que a produção de grãos do município só não foi por completo afetada, por conta de sua intervenção feita junto ao proprietário da balsa, empresário Pedro Iran. O empresário já havia assegurado que o serviço seria interrompido no dia 31 de outubro, após a Prefeitura ter conseguido disponibilizar uma balsa menor para a travessia das motocicletas. “Caso ele encerrasse as atividades, nenhum veículo pesado, como ônibus ou caminhão, teria como fazer a travessia. Eu fiz um apelo a ele, pedi para que não interrompesse a atividade e ele atendeu o nosso pedido. Mas deixou claro que aguarda com urgência por uma resposta do Governo do Estado. Caso contrário, vai retirar a sua balsa, uma vez que está operando no prejuízo”, explicou.

Edilázio revelou que o prefeito Dr. Santana tem arcado com dinheiro do próprio bolso, para evitar que crianças fiquem sem a travessia, e consequentemente faltem à escola. O ônibus escolar do município – que também era beneficiado com a gratuidade do serviço por meio do convênio do Governo -, precisa ser transportado pela balsa.

“Para que os senhores tenham ideia, o prefeito tem de dar o dinheiro em mãos para o motorista poder pagar pela travessia. É algo realmente muito difícil de se justificar. Tem de ser do bolso do prefeito, que graças a Deus é um prefeito muito bem avaliado e tem trabalhado bastante por aquele município”, disse e completou: “Então, faço um apelo ao secretário Clayton Noleto para que honre a palavra que ele deu e renove o contrato, que é necessário, até que se conclua a ponte que passará sobre o rio”, finalizou.

O Governo Flávio Dino não concluiu às obras da ponte sobre o Rio Balsas, iniciadas na gestão passada, e que tem recursos assegurados pelo BNDES. Edilázio também cobrou a conclusão dos serviços.

Promessa, fracasso, intervenção e Justiça…

Terminal do São Cristóvão: caos

Terminal do São Cristóvão: caos

A inédita decisão judicial de intervir na Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), para que a licitação das linhas de ônibus, uma das promessas de campanha do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC), seja de fato cumprida, é mais uma demonstração do quanto fracassada é a mudança imposta em São Luís pelo grupo político liderado pelo governador eleito Flávio Dino (PCdoB).

Edivaldo foi eleito em 2012 com o discurso do “novo e da mudança”. Prometeu revolucionar a educação, mas não conseguiu evitar que a maior greve da história dos professores da rede municipal ocorresse. Nada, portanto, de revolução num setor que sofre graves problemas na capital.

Ele também prometeu construir o Hospital dr. Jakcson Lago, mas nunca conseguiu sequer confirmar o local da obra ou fazer a licitação dos serviços. O 24º Batalhão do Exército Brasileiro, chegou a propor uma parceria e cedeu parte do seu território, na Avenida dos Africanos, mas Edivaldo recuou para beneficiar financiadores de campanha, e simplesmente não avançou.

Edivaldo foi eleito para fazer mudança, mas não conseguiu

Edivaldo foi eleito para fazer mudança, mas não conseguiu

Edivaldo também prometeu agir forte na mobilidade urbana, e construir novas vias para acabar com os congestionamentos na capital. Não há, no entanto, um meio-fio sequer na cidade, construído por Edivaldo. Nem a terceira etapa da Via Expressa, que segundo a parceria institucional com o Governo do Estado ficaria sob a sua responsabilidade, foi licitada. A terceira etapa, para quem não sabe, sairia do Cohafuma até a Avenida Santos Dumont.

O prefeito da mudança também não instalou GPS nas paradas de ônibus, resistiu em licitar as linhas de ônibus [também para favorecer financiadores de campana], não implantou o Bilhete Único e apenas aumentou a tarifa de ônibus da capital.

O novo e a mudança, portanto, apenas mexeu no bolso do contribuinte. Além de aumentar o valor da passagem [sem apresentar qualquer investimento no setor], Edivaldo reajustou o IPTU e tirou de milhares de famílias a isenção do imposto.

A intervenção na SMTT é sem dúvida um alívio para a população, que tem a esperança de algo definitivamente melhore. Porque se depender do prefeito que aí está…

Promulgada lei que assegura transporte intermunicipal gratuito para idosos

robertoA Assembleia Legislativa do Maranhão promulgou, na manhã de hoje a Lei nº 9.948/2013, de iniciativa do deputado Roberto Costa (PMDB), que dispõe sobre a gratuidade do transporte coletivo intermunicipal, nos modais rodoviário e aquaviário, para todo cidadão maior de 60 anos de idade, com renda igual ou inferior a 2 salários mínimos.

 De acordo com Roberto Costa, uma das reclamações recorrentes no âmbito do transporte coletivo intermunicipal maranhense, diz respeito ao não cumprimento do direito do idoso à gratuidade no sistema.

 “A legislação maranhense vigente, baseada na Lei Estadual nº 4.929/89 e no Decreto nº 11.394/90, está defasada e não contempla todos os pontos do Estatuto do Idoso, principalmente no que diz respeito ao número de vagas destinadas à pessoa idosa e também quanto à idade que assegura o direito”, afirmou o parlamentar.

 Para o promotor Paulo Roberto Barbosa Ramos, da Promotoria de Justiça Especializada dos Direitos dos Cidadãos Portadores de Deficiência e Idosos de São Luís, a Lei acaba com um problema antigo por que passavam os idosos.

 “Nós tínhamos uma lei e um decreto que antes objetivavam somente disciplinar o transporte coletivo intermunicipal. Eles não estabeleciam limite de assento para os idosos. Isso gerava problemas para os empresários, que não podiam conceder passagens gratuitas ilimitadas, e para os idosos, que tinham sempre suas reivindicações negadas. Então, enviamos esta sugestão de Lei à Assembleia, e o Deputado Roberto Costa acatou nossa solicitação”, destacou o promotor.

 Direito – A lei assegura que no sistema de transporte coletivo intermunicipal deverá haver: a reserva de 02 vagas gratuitas por veículo para idosos com renda igual ou inferior a 2 salários mínimos; e, desconto de 50%, no mínimo, no valor das passagens, para os idosos que excederem as respectivas vagas gratuitas, com renda igual ou inferior a 2 salários mínimos.

 O beneficiário deverá solicitar um único “Bilhete de Viagem do Idoso” para a transportadora, devendo dirigir-se aos pontos de venda, com antecedência de, pelo menos, 24 horas em relação ao horário de partida do ponto inicial do serviço de transporte, podendo incluir, no referido bilhete, a viagem de retorno, respeitados os procedimentos da venda de bilhete de passagem.

Ascom