Valéria Macedo vê gesto de delicadeza em visita de Roseana

“Importantes blogs do estado do Maranhão tem dado destaque a visita feita pela ex-governadora Roseana Sarney e o pelo senador Edison Lobão, ambos do MDB, aos meus pais Jano Pereira de Macedo e Maria de Jesus Santos Macedo, em nossa residência em Porto Franco.

A visita espontânea tem causado especulações as mais diversas pela imprensa, sobretudo pelas redes sociais. Para uns “a deputada estadual Valéria Macedo está insatisfeita com o governador Flávio Dino”, para outros, “a deputada estadual Valéria Macedo e o deputado federal Deoclides Macedo, ambos do PDT, mandara um recado para o governador Flávio Dino”, além de outras especulações políticas.

A visita feita pela a ex-governadora e pré-candidata Roseana Sarney e pelo senador Edison Lobão aos meus pais, no meu sentir, foi um gesto de delicadeza humana e uma expressiva forma de cativar, pois meu pai está convalescendo de problemas de saúde, de modo que não posso ter outra atitude senão agradecer a visita.

Meu pai, Jano Macedo já foi do MDB, é amigo do senador Lobão desde os “tempos das lamparinas”, já foi aliado da ex-governadora Roseana, de modo que para mim foi um gesto humano, espontâneo ou não, calculado ou não. O fato é que gesto foi significativo, tanto que a imprensa tem feito ampla cobertura.

Como todos sabem, eu sou deputada estadual pelo PDT, principal partido da base do governo Flávio Dino, de modo que tudo o mais é conjectura de cenários políticos e de conjunturas. Agora eu acredito que isso decorra do momento político em que vivemos, pela possibilidade que a lei faculta aos deputados estaduais e federais de mudar de partido pela via da janela eleitoral aberta, com preservação do mandato, momento de fazer seus cálculos e contas. Esse é o cardápio da eleição e como tudo na vida marcado pela transitoriedade, e com data certa para terminar: 07/04/2018.
Por fim, essa será a última eleição com coligações proporcionais, de modo que para mim é natural que a imprensa promova o debate, faça suas apostas e construa seus cenários. É isso!”.

São Luís, 19 de março de 2018.

Valéria Macedo, deputada estadual

Bloco PDT/PSDB atuará de forma independente na Assembleia Legislativa

Valéria Macedo fala em atuar com neutralidade

Valéria Macedo fala em atuar com neutralidade

O bloco PSDB/PDT atuará de forma independente na Assembleia Legislativa em 2014, marcado pela disputa político-eleitoral. A nova líder do bloco parlamentar, deputada Valéria Macedo (PDT), explicou que, apesar de seu partido pertencer à oposição, a tendência é de que haja um trabalho em harmonia com o PSDB, que por sua vez ainda não definiu qual rumo seguir na eleição. O objetivo, segundo Valéria, é se manter neutro.

“O PDT tem um posicionamento de oposição ao governo, todos sabem. O PSDB, por sua vez, ainda não tem definição entre governo ou oposição. Por isso o trabalho será de independência.

Líder do PSDB na Casa, o deputado Neto Evangelista também se manifestou a respeito do bloco. Ele afirmou que o colegiado manterá a mesma postura adotada em 2013, quando atuou de forma independente.

Evangelista também assegurou neutralidade. “Até o presidente Aécio Neves definir que rumo o partido seguirá, continuaremos independentes. Só vamos mudar a nossa postura quando o PSDB definir de fato as alianças”, disse

 

CPI da Mulher: luta de um gênero só

Deputadas participam de discussão na Câmara Municipal de Imperatriz

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga crimes contra a Mulher, tem sido esvaziada pelos membros do sexo masculino na Assembleia Legislativa. O motivo, ao que tudo indica, é o desinteresse. Desde a sua instalação, apenas as mulheres Francisca Primo (PT), que é a presidente do colegiado; Gardênia Castelo (PSDB); Eliziane Gama (MD) e Cleide Coutinho (PSB) têm atuado com assiduidade nos trabalhos.

São elas que recolhem as denúncias, organizam e cumprem a agenda, buscam respostas de órgãos públicos e inserem os dados coletados num esboço daquele que será o relatório conclusivo da CPI.

Há duas semanas, por exemplo, quando a CPI da Mulher definiu que iria se deslocar até a cidade de Imperatriz, cidade que segundo o próprio colegiado, é a mais violenta contra a mulher no Maranhão, apenas as deputadas Primo, Gardênia e Coutinho, participaram da reunião. Francisca Primo chegou a lamentar a ausência dos pares.

Na última quarta-feira, quando a equipe de fato se deslocou para a cidade da Região Tocantina [onde ficou até ontem], novamente apenas as mulheres participaram dos trabalhos. Além de Francisca Primo, Gardênia Castelo, Eliziane Gama e Cleide Coutinho, a deputada Valéria Macêdo (PDT), que não faz parte do colegiado, participou das atividades.

Os titulares do sexo masculino, por sua vez, Roberto Costa (PMDB), Alexandre Almeida (PSD), Magno Barcelar (PV) e Edson Araújo (PSL), permaneceram em São Luís. Assim como os suplentes, que poderiam pelo menos ter manifestado gesto de apoio: Rogério Cafeteira (PMN), Rigo Teles (PV), Raimundo Cutrim (PSD) e Hélio Soares (PP).

A luta em defesa da mulher, iniciada na Assembleia por Eliziane Gama – e que foi barrada para a presidência da CPI – se revela, a cada dia que passa, única e exclusiva das mulheres. Infelizmente é assim. É uma batalha de gênero, por gênero e pelo gênero. Enquanto isso, os homens [parlamentares] que poderiam contribuir nas investigações de crimes contra a mulher cometidos em sua totalidade por outros homens [os agressores], permanecem inertes, como se não tivessem interesse algum em relação aos trabalhos da comissão. Mas o que é mais grave, como se não tivessem interesse algum em relação à situação sofrível, humilhante e amarga da mulher vítima de violência no Maranhão.