Três morrem em confronto com a polícia na Vila Embratel

O clima é de tensão neste exato momento no Hospital Municipal Djalma Marques, o Socorrão I. Familiares de três bandidos de alta periculosidade, mortos há pouco pela Tropa de Choque da Polícia Militar, protestam contra a atuação da polícia.

A Tropa de Choque realizava uma operação na Vila Embratel, quando traficantes resolveram reagir e impedir o avanço dos policiais. Houve troca de tiros e Bananinha – acusado de assassinar Daniel Smith, Macaco – acostumado a roubar motoristas desavisados no Jaracati e Tio Ted, morreram. Outros bandidos, segundo a polícia, foram alvejados e estão internados no Socorrão I.

Um policial também foi baleado e encaminhado para a unidade. Não há informação sobre o estado de saúde do militar.

Daqui a pouco mais informações

Vila Embratel e os piores indicadores

Avenida Principal da Vila Embratel interditada no dia 10 de junho por falta d'água

Avenida Principal da Vila Embratel interditada no dia 10 de junho por falta d’água

A edição de hoje de O Estado revela um dado preocupante, mas que está longe de refletir a angústia e o sofrimento dos moradores da Vila Embratel e bairros vizinhos. O conjunto habitacional foi considerado o mais violento de São Luís, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública.

O levantamento revela que foi lá, na Vila Embratel, onde ocorreu o maior número de mortes violentas [homicídio doloso] em São Luís. Somente nos últimos três meses, 12 crimes deste tipo foram registrados na comunidade.

Mas não é somente a violência que marca o bairro. Infelizmente a Vila Embratel, um dos conjuntos mais populosos da área Itaqui-Bacanga, também sofre com a falta de infraestrutura, assistência médica, saneamento básico e abastecimento de água.

Como repórter da editoria de Cidades, nos últimos 5 anos, tive a oportunidade de verificar in loco a situação do bairro. E sempre foi nítida a falta de assistência do Poder Público Municipal e Estadual para aqueles que moram ali.

Ruas esburacadas e com esgotos estourados, coleta seletiva de resíduos sólidos ineficiente [por isso a grande quantidade de lixões em terrenos baldios], além da falta d’água e de uma unidade básica de saúde que funcione em sua plenitude, transformam o bairro em um dos locais mais desagradáveis de se morar.

Mas essa situação pode mudar. Basta que haja vontade política de ambos os governos. Caso contrário, Vila Embratel continuará com os piores indicadores em todo e qualquer levantamento que sirva para medir qualidade de vida, bem estar e dignidade humana.