Flávio Dino confirma Eliziane e Weverton na chapa para o Senado

O governador Flávio Dino (PCdoB) confirmou, no fim de semana, os deputados federais Eliziane Gama (PPS) e Weverton Rocha (PDT) na chapa majoritária para a disputa do Senado.

A confirmação ocorreu durante o evento de pré-campanha do comunista “Diálogos pelo Maranhão”, do qual participaram lideranças políticas e presidentes de partidos alinhados ao projeto do chefe do Executivo.

– Com este grupo não estou sozinho e tenho certeza que, com Eliziane, Weverton, Brandão, Márcio Jerry e tantos outros, conseguiremos vencer novamente esta luta – disse.

Carlos Brandão, vice-governador do Maranhão, também foi confirmado por Dino.

 

Waldir Maranhão, Eliziane Gama e Weverton Rocha: alguém vai dançar…

Ganhou forte repercussão o pedido de filiação do deputado federal Waldir Maranhão (Avante) aos quadros do PT.

Waldir é uma imposição da direção nacional da sigla para a disputa por uma das vagas ao Senado pela chapa do governador Flávio Dino (PCdoB).

O parlamentar é tratado como prioridade da legenda após ter atuado em defesa da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) na ocasião em que presidiu, de forma interina, a Câmara Federal.

Ele chegou a anular a sessão que declarou o impedimento da ex-presidente. Depois, ameaçado de ser expulso do PP e por consequência perder o mandato, teve de voltar atrás e dar prosseguimento ao processo de impeachment.

Ocorre que Waldir desembarca numa possível chapa do governador Flávio Dino já pré-estabelecida.

Dino tem como pré-candidatos ao Senado os deputados federais Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS).

O primeiro foi acolhido por Dino após o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, impor o seu nome em troca da manutenção do partido na base do Governo do Estado.

A segunda conseguiu aproximar o comunista – que disputará a reeleição -, da comunidade evangélica, sobretudo da Igreja Assembleia de Deus.

São três os nomes na mesa para a formação da chapa majoritária de Flávio Dino.

Apenas duas vagas, contudo, estarão em jogo.

Alguém vai dançar…

Governistas em disputa pelo Senado

A definição do governador Flávio Dino (PCdoB) pelo apoio ao deputado federal Weverton Rocha (PDT) como sua primeira opção de pré-candidato a senador nas eleições de 2018 – declaração oficial do comunista a favor do pedetista foi dada há dez dias, em evento do PDT -, acirrou a disputa entre outros aliados pela indicação ao segundo posto na chapa majoritária governista.

No ano que vem haverá eleição de dois senadores e, no Maranhão, após o apoio formal de Dino a Weverton, intensificaram as agendas políticas os deputados federais José Reinaldo Tavares (ainda no PSB) e Eliziane Gama (PPS), ambos também pretensos candidatos ao Senado.

No sábado, 9, Gama reuniu-se com jornalistas em São Luís e garantiu que sua pré-candidatura é “irreversível”. Ela garantiu que segue em conversas com o governador, mesmo após notícias dando conta de que ele teria definido Zé Reinaldo como seu segundo candidato.

“Aqueles que falam em distanciamento de Flávio Dino desconhecem minha aproximação política com o governador em diversos momentos. Ele continuará contando com meu apoio”, disse.

A parlamentar também mandou uma espécie de recado a Weverton Rocha, ao citar “grandes estruturas de campanha”. O pedetista é quem tem mobilizado maior militância, em eventos por todo o estado, para reforçar seu projeto.

“Estamos firmes nesta meta, principalmente por corresponder às expectativas. Não vou me acovardar diante das grandes estruturas de campanha que turvam as escolhas do eleitorado”, declarou Eliziane.

Suplência – Tratado como prioridade no DEM – partido para o qual deve migrar assim que oficializar sua saída do PSB -, Zé Reinaldo já trabalha na montagem da sua chapa própria.

Ontem ele esteve em Teresina, na residência do empresário Dedé Macedo (PDT). Na ocasião, fechou-se questão sobre dois pontos: o apoio da família do pedetista à pré-candidatura do parlamentar em troca de uma vaga de primeiro suplente.

O mais cotado para o posto é Hernando Macedo, ex-prefeito de Dom Pedro, mas não se descarta o nome do próprio empresário como companheiro de chapa.

Acompanharam o encontro o suplente de deputado estadual Rafael Leitoae o ex-deputado Chico Leitoa, ambos também do PDT.

Dedé Macedotem fortes ligações com o próprio governador Flávio Dino e ganhou notoriedade nas eleições de 2014, quando foi um dos principais financiadores da campanha.

De O Estado.

Senado: aumenta a pressão de aliados sobre Flávio Dino

*Flávio Dino encurralado

Aliados políticos do governador Flávio Dino (PCdoB) começam a pressioná-lo de várias formas – uns mais, outros menos – pela sua decisão em relação à chapa de senadores com a qual vai para a disputa de 2018. Os pré-candidatos -Weverton Rocha (PDT), Waldir Maranhão (sem partido), Eliziane Gama (PPS) e José Reinaldo Tavares (PSB) – querem uma definição de Dino para que possam botar o bloco na rua e buscar viabilização entre prefeitos, classe política e população.

E essa pressão de vários lados encurrala cada vez mais o governador. Dino tem suas preferências para o cargo, mas sabe que não poderá contar apenas com elas para fazer suas escolhas. Se pudesse, já teria dado uma das vagas para um amigo pessoal (nomes como Mário Macieira, Francisco Gonçalves e Bira do Pindaré seriam os favoritos) e a outra para Waldir Maranhão, honrando o compromisso assumido quando da votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

O governador não tem afeições porWeverton Rocha, parece não confiar em Eliziane Gama e guarda ressentimento de José Reinaldo Tavares. Mas sabe que não pode, simplesmente, abrir mão desses aliados antes das convenções de julho de 2018. E vai querer empurrar a decisão até lá.

E é exatamente porque sabem da estratégia do governador que os pré-candidatos a senador começam a fazer pressão cada vez mais forte por uma decisão imediata. Afinal, sabem que, chegando julho, não terão tempo hábil para tomar outro rumo se forem preteridos.

E ele só tem duas vagas.

*Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Guerra senatorial

Mais cedo ou mais tarde, o governador Flávio Dino (PCdoB) vai ter de se impor para resolver um problema sério na sua base de apoio, que pode lhe trazer problemas graves na formação de sua chapa. Seus pré-candidatos a senador estão em clima de guerra aberta pelas vagas.

E cada um com riscos claros para o próprio futuro político. Veja a situação de cada um:
Weverton Rocha (PDT): mais articulado entre os pré-candidatos dinistas, o deputado federal tenta mostrar força nacional com sua atuação como líder pedetista. E precisa viabilizar-se candidato porque sua vaga na Câmara é disputada intensamente por aliados.

Waldir Maranhão (PP): o deputado federal pepista tenta gerar fatos de todas as formas para se viabilizar com a cúpula do PT, que ele entende ser o caminho para convencer Dino. Nos últimos dias, foi visto acompanhando Lula no périplo do ex-presidente pelo Nordeste.

José Reinaldo Tavares (PSB): o ex-governador imaginava que seria simplesmente ungido por Flávio Dino, mas sente o desprezo do governador e de seus aliados mais próximos, como o secretário Márcio Jerry, que mostra clara rejeição ao seu nome.

Eliziane Gama (PPS): a deputada negou o apoio da Igreja Assembleia de Deus em uma jogada de risco, em que cedeu a vaga de candidata a deputada federal para outro membro da denominação religiosa. Agora, não pode mais recuar e espera o apoio de Dino.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Crise na disputa pelo Senado

Crise senatorial*

O deputado federal Waldir Maranhão (PP) é um dos mais polêmicos e controversos aliados do governador Flávio Dino (PCdoB). A partir dele já foram geradas crises em âmbito estadual e nacional, a pedido do governador comunista. Agora, Maranhão começa a cobrar a fatura, com a força de ninguém menos que o ex-presidente Lula (PT).

Maranhão tem avisado colegas de bancada, senadores, prefeitos e, principalmente, os adversários dentro do próprio grupo, que será um dos dois candidatos a senador na chapa de Flávio Dino. Esta indicação teria sido garantida pelo próprio Lula, que pediu pessoalmente por Waldir ao governador maranhense.

O problema é que Flávio Dino tem outros dois postulantes ao Senado em sua chapa, ambos com cacife eleitoral no estado.

O primeiro é o deputado federal Weverton Rocha (PDT). O outro é o ex-governador e também deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB). Com apoio de ninguém menos que o presidente da Famem, Cleomar Tema (PSB), e um grupo de prefeitos e deputados federais e estaduais, Tavares só espera a chancela pessoal de Flávio Dino para cair em campo.

Mas, pela ótica de Waldir Maranhão, é pouco provável que Dino declare apoio a Tavares. Por isso é que se desenha no horizonte uma crise de proporções senatoriais na seara do comunismo maranhense.

*Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Weverton Rocha confirma articulação por candidatura ao Senado

O deputado federal Weverton Rocha (PDT), um dos responsáveis pela reeleição do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), em São Luís, confirmou ontem em entrevista exclusiva a O Estado, que já trabalha com um grupo de prefeitos, deputados, ex-deputados e lideranças políticas, a sua candidatura ao Senado da República em 2018.

Ele afirma que o grupo tem defendido a sua candidatura. “Nós temos hoje um grupo de políticos, de lideranças da sociedade civil, que estão criando esse entendimento de que nós precisamos nos preparar para disputar uma vaga no Senado Federal. O nosso trabalho é se manter preparado e à disposição desse grupo”, disse.

No mês passado Weverton Rocha se reuniu com cerca de 20 lideranças políticas na cidade de Santa Inês. Em fevereiro ele se reunirá com outras lideranças no município de Codó. Trata-se do projeto de consolidação de seu nome para a disputa majoritária.

Em 2018 duas vagas ao Senado Federal serão abertas com o fim dos mandatos dos senadores João Alberto e Edison Lobão, ambos do PMDB.

 

Deputados se solidarizam a Weverton

raimundo-cutrimOs deputados estaduais Raimundo Cutrim (PCdoB) e Roberto Costa (PMDB) se solidarizaram hoje, na Assembleia Legislativa, ao deputado federal Weverton Rocha (PDT), hostilizado ontem num aeroporto após apresentar emenda que tipifica crime de responsabilidade cometido por juízes e procuradores.

“Aqui tem uma emenda do deputado Weverton Rocha, que é maranhense, vejo os próprios maranhenses criticando, e não vejo nada demais em dividir as responsabilidades, disse Cutrim.

“Quer dizer que bandido só tem no Executivo e no Legislativo? A outra classe, na divisão dos Poderes, é toda só de deuses?”, completou

roberto-costaRoberto Costa lamentou o fato de Weverton Rocha quase ter sido agredido por manifestante contrário à proposta.

“O projeto do deputado Weverton não foi aprovado apenas pelo voto dele, foi aprovado por grande maioria da Câmara Federal, quase 350 votos, se eu não me engano. Foi um sentimento da Câmara Federal, e que o Congresso, com certeza também dará este mesmo seguimento. E ninguém pode ser atacado por defender uma ideia, por defender um projeto”, finalizou.

“Não se perde o que não se tem”, diz Weverton Rocha sobre pasta do Governo

weverton rochaO deputado Weverton Rocha (PDT) rechaçou hoje ao blog, a tese de que o PDT perdeu espaços no Governo Flávio Dino (PCdoB), depois da queda de Áurea Prazeres da Secretaria de Estado da Educação. Prazeres, que havia sido indicada pelo partido em 2015, foi substituída por Felipe Camarão.

“Não se perde o que não se tem! Faz tempo que a Áurea não representava mais o partido”, disse, com exclusividade ao blog.

Apesar de no discurso, Weverton sustentar que a legenda nada perdeu com a queda de Áurea, houve sim baixa para o partido.

O PDT tinha como prerrogativa, após firmar acordo político com Flávio Dino ainda em 2014, de apontar eventuais substitutos para os membros de primeiro escalão que tivessem sido indicados pela legenda.

Ocorre que Dino trava uma disputa política com Weverton e o PDT em alguns dos principais municípios do estado. Na capital, o PDT praticamente “tomou” Edivaldo Holanda Júnior (PDT) de Dino. Em Imperatriz, Weverton apoia a candidatura de Rosângela Curado, enquanto Dino banca o deputado estadual Marco Aurélio (PCdoB). Em Paço do Lumiar, outra disputa entre o PCdoB e o PDT.

O PDT trabalha pela reeleição de Josemar Sobreiro, enquanto o PCdoB lançou a pré-candidatura de Domingos Dutra.

PDT vai perdendo espaços no Governo…

Weverton tem divergência com Flávio por disputa política em municípios

Weverton tem divergência com Flávio por disputa política em municípios

A mudança promovida por Flávio Dino (PCdoB) na Secretaria de Estado da Educação só fez deixar em maior evidência a crise entre o PDT e o Governo do Estado. O partido perdeu a pasta quatro dias depois de um pedetista, secretário municipal em Paço do Lumiar, ter apontado fracasso da agenda política de Dino no município.

Áurea Prazeres havia sido indicada pelo comando estadual do PDT em 2015, quando houve a formação do secretariado de Dino. A ex-secretária, contudo, entrou em divergências e rompeu com o deputado federal Weverton Rocha, presidente do PDT no Maranhão.

Ela passou a ser pressionada pelo comando da legenda e não conseguiu administrar a crise com o partido e a relação com o chefe do Executivo, e por isso pediu para deixar a Educação.

Como ela saiu do primeiro escalão do Governo, o PDT tinha como prerrogativa – levando-se em consideração um acordo político firmado entre Dino e a sigla entre outubro de 2014 e janeiro de 2015 -, indicar um novo nome para o lugar.

O comunista, contudo, trabalhou rápido e anunciou Felipe Camarão para o lugar da pedetista, não dando possibilidade ao partido de reocupar a pasta. A legenda perdeu espaços na administração comunista.

A crise já havia ampliado no fim de semana, quando o secretário de Agricultura de Paço do Lumiar, Rodrigo Costa (PDT), aliado do deputado federal Weverton Rocha (PDT), apontou fracasso da agenda política de Dino no município. Na ocasião, Dino lançou a pré-candidatura de Domingos Dutra (PCdoB) à Prefeitura de Paço.

A declaração do pedetista provocou forte repercussão na base governista, sobretudo entre o PCdoB e o PDT. Weverton trabalha pela reeleição de Josemar Sobreiro em Paço do Lumiar. Dino, contudo, já articula e fortalece a pré-candidatura de Dutra.

O resultado da disputa, que também se estende a São Luís e Imperatriz, resultou no enfraquecimento do PDT no Governo.