Guerra senatorial

Mais cedo ou mais tarde, o governador Flávio Dino (PCdoB) vai ter de se impor para resolver um problema sério na sua base de apoio, que pode lhe trazer problemas graves na formação de sua chapa. Seus pré-candidatos a senador estão em clima de guerra aberta pelas vagas.

E cada um com riscos claros para o próprio futuro político. Veja a situação de cada um:
Weverton Rocha (PDT): mais articulado entre os pré-candidatos dinistas, o deputado federal tenta mostrar força nacional com sua atuação como líder pedetista. E precisa viabilizar-se candidato porque sua vaga na Câmara é disputada intensamente por aliados.

Waldir Maranhão (PP): o deputado federal pepista tenta gerar fatos de todas as formas para se viabilizar com a cúpula do PT, que ele entende ser o caminho para convencer Dino. Nos últimos dias, foi visto acompanhando Lula no périplo do ex-presidente pelo Nordeste.

José Reinaldo Tavares (PSB): o ex-governador imaginava que seria simplesmente ungido por Flávio Dino, mas sente o desprezo do governador e de seus aliados mais próximos, como o secretário Márcio Jerry, que mostra clara rejeição ao seu nome.

Eliziane Gama (PPS): a deputada negou o apoio da Igreja Assembleia de Deus em uma jogada de risco, em que cedeu a vaga de candidata a deputada federal para outro membro da denominação religiosa. Agora, não pode mais recuar e espera o apoio de Dino.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Crise na disputa pelo Senado

Crise senatorial*

O deputado federal Waldir Maranhão (PP) é um dos mais polêmicos e controversos aliados do governador Flávio Dino (PCdoB). A partir dele já foram geradas crises em âmbito estadual e nacional, a pedido do governador comunista. Agora, Maranhão começa a cobrar a fatura, com a força de ninguém menos que o ex-presidente Lula (PT).

Maranhão tem avisado colegas de bancada, senadores, prefeitos e, principalmente, os adversários dentro do próprio grupo, que será um dos dois candidatos a senador na chapa de Flávio Dino. Esta indicação teria sido garantida pelo próprio Lula, que pediu pessoalmente por Waldir ao governador maranhense.

O problema é que Flávio Dino tem outros dois postulantes ao Senado em sua chapa, ambos com cacife eleitoral no estado.

O primeiro é o deputado federal Weverton Rocha (PDT). O outro é o ex-governador e também deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB). Com apoio de ninguém menos que o presidente da Famem, Cleomar Tema (PSB), e um grupo de prefeitos e deputados federais e estaduais, Tavares só espera a chancela pessoal de Flávio Dino para cair em campo.

Mas, pela ótica de Waldir Maranhão, é pouco provável que Dino declare apoio a Tavares. Por isso é que se desenha no horizonte uma crise de proporções senatoriais na seara do comunismo maranhense.

*Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Weverton Rocha confirma articulação por candidatura ao Senado

O deputado federal Weverton Rocha (PDT), um dos responsáveis pela reeleição do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), em São Luís, confirmou ontem em entrevista exclusiva a O Estado, que já trabalha com um grupo de prefeitos, deputados, ex-deputados e lideranças políticas, a sua candidatura ao Senado da República em 2018.

Ele afirma que o grupo tem defendido a sua candidatura. “Nós temos hoje um grupo de políticos, de lideranças da sociedade civil, que estão criando esse entendimento de que nós precisamos nos preparar para disputar uma vaga no Senado Federal. O nosso trabalho é se manter preparado e à disposição desse grupo”, disse.

No mês passado Weverton Rocha se reuniu com cerca de 20 lideranças políticas na cidade de Santa Inês. Em fevereiro ele se reunirá com outras lideranças no município de Codó. Trata-se do projeto de consolidação de seu nome para a disputa majoritária.

Em 2018 duas vagas ao Senado Federal serão abertas com o fim dos mandatos dos senadores João Alberto e Edison Lobão, ambos do PMDB.

 

Deputados se solidarizam a Weverton

raimundo-cutrimOs deputados estaduais Raimundo Cutrim (PCdoB) e Roberto Costa (PMDB) se solidarizaram hoje, na Assembleia Legislativa, ao deputado federal Weverton Rocha (PDT), hostilizado ontem num aeroporto após apresentar emenda que tipifica crime de responsabilidade cometido por juízes e procuradores.

“Aqui tem uma emenda do deputado Weverton Rocha, que é maranhense, vejo os próprios maranhenses criticando, e não vejo nada demais em dividir as responsabilidades, disse Cutrim.

“Quer dizer que bandido só tem no Executivo e no Legislativo? A outra classe, na divisão dos Poderes, é toda só de deuses?”, completou

roberto-costaRoberto Costa lamentou o fato de Weverton Rocha quase ter sido agredido por manifestante contrário à proposta.

“O projeto do deputado Weverton não foi aprovado apenas pelo voto dele, foi aprovado por grande maioria da Câmara Federal, quase 350 votos, se eu não me engano. Foi um sentimento da Câmara Federal, e que o Congresso, com certeza também dará este mesmo seguimento. E ninguém pode ser atacado por defender uma ideia, por defender um projeto”, finalizou.

“Não se perde o que não se tem”, diz Weverton Rocha sobre pasta do Governo

weverton rochaO deputado Weverton Rocha (PDT) rechaçou hoje ao blog, a tese de que o PDT perdeu espaços no Governo Flávio Dino (PCdoB), depois da queda de Áurea Prazeres da Secretaria de Estado da Educação. Prazeres, que havia sido indicada pelo partido em 2015, foi substituída por Felipe Camarão.

“Não se perde o que não se tem! Faz tempo que a Áurea não representava mais o partido”, disse, com exclusividade ao blog.

Apesar de no discurso, Weverton sustentar que a legenda nada perdeu com a queda de Áurea, houve sim baixa para o partido.

O PDT tinha como prerrogativa, após firmar acordo político com Flávio Dino ainda em 2014, de apontar eventuais substitutos para os membros de primeiro escalão que tivessem sido indicados pela legenda.

Ocorre que Dino trava uma disputa política com Weverton e o PDT em alguns dos principais municípios do estado. Na capital, o PDT praticamente “tomou” Edivaldo Holanda Júnior (PDT) de Dino. Em Imperatriz, Weverton apoia a candidatura de Rosângela Curado, enquanto Dino banca o deputado estadual Marco Aurélio (PCdoB). Em Paço do Lumiar, outra disputa entre o PCdoB e o PDT.

O PDT trabalha pela reeleição de Josemar Sobreiro, enquanto o PCdoB lançou a pré-candidatura de Domingos Dutra.

PDT vai perdendo espaços no Governo…

Weverton tem divergência com Flávio por disputa política em municípios

Weverton tem divergência com Flávio por disputa política em municípios

A mudança promovida por Flávio Dino (PCdoB) na Secretaria de Estado da Educação só fez deixar em maior evidência a crise entre o PDT e o Governo do Estado. O partido perdeu a pasta quatro dias depois de um pedetista, secretário municipal em Paço do Lumiar, ter apontado fracasso da agenda política de Dino no município.

Áurea Prazeres havia sido indicada pelo comando estadual do PDT em 2015, quando houve a formação do secretariado de Dino. A ex-secretária, contudo, entrou em divergências e rompeu com o deputado federal Weverton Rocha, presidente do PDT no Maranhão.

Ela passou a ser pressionada pelo comando da legenda e não conseguiu administrar a crise com o partido e a relação com o chefe do Executivo, e por isso pediu para deixar a Educação.

Como ela saiu do primeiro escalão do Governo, o PDT tinha como prerrogativa – levando-se em consideração um acordo político firmado entre Dino e a sigla entre outubro de 2014 e janeiro de 2015 -, indicar um novo nome para o lugar.

O comunista, contudo, trabalhou rápido e anunciou Felipe Camarão para o lugar da pedetista, não dando possibilidade ao partido de reocupar a pasta. A legenda perdeu espaços na administração comunista.

A crise já havia ampliado no fim de semana, quando o secretário de Agricultura de Paço do Lumiar, Rodrigo Costa (PDT), aliado do deputado federal Weverton Rocha (PDT), apontou fracasso da agenda política de Dino no município. Na ocasião, Dino lançou a pré-candidatura de Domingos Dutra (PCdoB) à Prefeitura de Paço.

A declaração do pedetista provocou forte repercussão na base governista, sobretudo entre o PCdoB e o PDT. Weverton trabalha pela reeleição de Josemar Sobreiro em Paço do Lumiar. Dino, contudo, já articula e fortalece a pré-candidatura de Dutra.

O resultado da disputa, que também se estende a São Luís e Imperatriz, resultou no enfraquecimento do PDT no Governo.

Sete já são cogitados para a disputa do Senado em 2018

roseanasarneyO Estado – A dois anos das eleições para o Governo do Estado e para o Senado da República, sete nomes aparecem como prováveis candidatos ao pleito. Na relação, há adversários e aliados do governador Flávio Dino (PCdoB), alguns destes, inclusive, já falaram sobre o interesse em uma das duas vagas que serão abertas, com o fim dos mandatos dos senadores Edison Lobão (PMDB) e João Alberto (PMDB).

A ex-governadora Roseana Sarney (PMDB); o deputado federal Sarney Filho (PV); o também deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB); o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Humberto Coutinho (PDT), além do prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira (PSDB); Weverton Rocha (PDT) e Waldir Maranhão (PP), ambos deputados federais, são os possíveis candidatos.

Roseana, reconhecida tanto por aliados quanto por adversários como o principal nome para a disputa eleitoral por uma das vagas, jamais demonstrou publicamente o interesse pelo posto, mas aparece posicionada como pré-candidata natural pelo histórico e desempenho nos mandatos já exercidos na vida pública.

Sarney Filho também ainda não tratou do tema publicamente, mas já há quem se movimente por seu nome. No início deste mês, por exemplo, o prefeito de Aldeias Altas, Dr. Tinoco (PMDB) justificou a aliados, durante o aniversário da cidade, o fato de ele ter sido acompanhado nas solenidades pelo deputado federal Aluisio Mendes (PTN), e não por Sarney Filho, como de costume. Ele afirmou que a partir daquele momento Aluisio seria o seu representante na Câmara Federal e Sarney Filho o seu candidato a senador em 2018. Filho não comentou a declaração.

Mesmo grupo – Os demais nomes cogitados para o Senado em 2018 são todos alinhados ao projeto de poder do governador Flávio Dino (PCdoB), que na ocasião, disputará a reeleição para o cargo.

Destes, dois incomodam mais o comunista: Weverton Rocha e José Reinaldo Tavares. Rocha passou a ser o principal articulador da pré-candidatura do prefeito de São Luís Edivaldo Holanda Júnior, pelo PDT, e tem como pré-candidata em Imperatriz, Rosângela Curado (PDT), exonerada da pasta da Saúde do Governo do Estado em 2015.

O incômodo de Dino se justifica justamente pelo fato de Rocha poder contar com o apoio dos dois prefeitos – caso Edivaldo e Curado sejam eleitos este ano -, dos respectivos maiores colégios eleitorais do Maranhão, para a eleição de 2018. Para neutralizar Weverton, Dino tem fortalecido a pré-candidatura do deputado Marco Aurélio (PCdoB) em Imperatriz.

Já José Reinaldo Tavares, que também trabalha com a possiblidade de candidatar-se ao Senado em 2018, tem sido isolado no Governo por Flávio Dino. O socialista já demonstrou o seu descontentamento com as movimentações do Executivo publicamente, o que provocou mal-estar na base governista.

Humberto Coutinho, que preside a Assembleia Legislativa, já tratou do tema com deputados estaduais mais próximos ao seu gabinete. Para isso, ele trabalha em principais duas frentes. A primeira com investimentos do Executivo articulados por si para Caxias e região, e a segunda com maior proximidade ao governador. É Coutinho quem tem conseguido manter coesa e base governista no Legislativo.

Sebastião Madeira acredita que com o apoio dado ao pré-candidato a prefeito de Imperatriz indicado pelo Governo, poderá cobrar de Flávio Dino sustentação para a sua candidatura em 2018. E Waldir Maranhão, aposta na pré-candidatura de Eliziane Gama (PPS) este ano na capital, para a consolidação de base para a disputa do pleito.

Rodrigo Costa é o novo secretário de Agricultura de Paço do Lumiar

Rodrigo CostaO radialista Rodrigo Costa (PDT) é o novo secretário de Agricultura da Prefeitura de Paço do Lumiar. A posse do novo gestor contou com a presença do prefeito da cidade, Josemar Sobreiro (PSDB), e do deputado federal e presidente do PDT no Maranhão, Weverton Rocha.

Rodrigo Costa, que foi assessor parlamentar de Weverton Rocha na Câmara Federal, assegurou que está pronto para esse novo momento na sua vida pública.

“É um grande desafio dar continuidade a uma gestão tão produtiva, mas vamos arregaçar as mangas e concluir todos os projetos com as portas abertas à população”, anunciou o novo gestor.

A transição na pasta marca o apoio do PDT à gestão do prefeito Josemar, confirmada pelo deputado federal.

“A indicação do PDT ao cargo reforça o apoio e a confiança nos trabalhos realizados na Prefeitura de Paço do Lumiar. Acreditamos no crescimento da gestão e, sobretudo, no fortalecimento do partido com esta nova empreitada”, destacou Weverton.

Rodrigo Costa já teve o seu primeiro compromisso como gestor da nova pasta, pois se reuniu com o secretário de Agricultura do Governo do Maranhão, Márcio Honaiser (PDT).

“Estamos conhecendo esse novo desafio, mas já sabemos que poderemos contar com o apoio do Governo Flávio Dino através do Honaiser nessa nova empreitada”, finalizou Rodrigo Costa.

Com informações de Jorge Aragão

Rusgas na relação

A cada dia, parece mais difícil a relação entre o PDT e o PCdoB. Aliados de primeira hora do governador Flávio Dino, os trabalhistas estão enfrentando grandes embates no Maranhão para manter sua musculatura partidária.

Ainda na pré-campanha, o PDT aceitou o descumprimento do acordo pelo qual indicaria o vice na chapa de Flávio Dino em nome de uma composição necessária para consolidar o que passaram a chamar de “mudança”.

Agora, a tensão é por conta das pré-candidaturas no interior. Os casos mais evidentes são o de Imperatriz, com a possível candidatura de um comunista contra a da deputada Rosângela Curado, que se filiou ao PDT por sugestão do próprio Flávio, e de Pinheiro, onde o médico Leonardo Sá deixou o PDT para ingressar no PCdoB, sem nenhuma explicação aos antigos companheiros.

Em São Luís, muitos acreditam que não exigiram a filiação do prefeito Edivaldo Holanda Júnior no PCdoB por medo de uma derrota nas urnas.

Caso o atual prefeito se reeleja, os méritos serão do Palácio dos Leões, mas, se o barco naufragar, Holanda e o PDT podem ser abandonados à própria sorte.

Agora, a participação no Governo também vem sendo alvo de tensão. Já é dada como certa a substituição da atual secretaria de Educação, Áurea Prazeres, pelo atual secretário de Cultura, Felipe Camarão, tirando dos pedetistas um importante espaço em uma área prioritária na ideologia partidária.

Fora do Maranhão, o PCdoB também vem evidenciando seu instinto de escorpião. Em São Paulo, o cantor Netinho é alvo de processo pelos comunistas que querem tomar seu mandato de vereador na Justiça, justamente por ele ter trocado o PCdoB pelo PDT.
A relação entre os dois partidos já teve dias melhores.

A missão de Weverton por Edivaldo

Weverton com a articulação de Edivaldo em mãos

Weverton com a articulação de Edivaldo em mãos

O presidente estadual do PDT, deputado federal Weverton Rocha, oficializou ontem o seu pedido de licença não remunerada da Câmara Federal, para cuidar da articulação política do PDT para as eleições de 2016.

Em seu lugar assume a suplente de deputado, Rosângela Curado, que ficará por um período de 120 dias na Câmara.

Weverton conduziu 16 novos prefeitos ao PDT e afirma que a legenda terá candidatura própria em pelo menos 40 municípios do Maranhão.

Dentre esses municípios está São Luís, com a busca pela reeleição do prefeito Edivaldo Holanda Júnior e em Imperatriz, onde a própria Curado já chegou a ser cogitada como vice de Cleyton Noleto (PCdoB), mas pode comandar chapa própria. Isso porque Noleto, apesar de apoiado pelo Palácio dos Leões, tem apresentado baixíssimo desempenho junto ao eleitorado.

 Weverton, tem noção da dificuldade que Edivaldo sofrerá para alcançar a reeleição, por isso aproveitará o período de licença do legislativo para atuar mais próximo do prefeito. Está em suas mãos a consolidação de uma rede de alianças que garantam força política ao prefeito.

Também está em suas mãos a crise hoje existente entre o Executivo Municipal e o Legislativo. Weverton tentará reverter o afastamento da Câmara de Vereadores do prefeito.

Se vai conseguir, é outra história…